Eleições dos EUA assistem mudança nos delegados do GC2020

Other Manual Translations: English 한국어 español

Meses depois de uma contundente Conferência Geral Metodista Unida em 2019, os eleitores da conferência anual dos EUA elegeram um grupo significativamente diferente de delegados para tomar grandes decisões em 2020.

Conclusão: mais delegados dos EUA agora se opõem publicamente ao Plano Tradicional, do que durante a reunião de fevereiro, quando o plano prevaleceu por uma votação de 438 a 384. No entanto, defensores de várias perspectivas concordam que é improvável que a mudança seja grande o suficiente para derrubar o plano que fortalece as proibições no Livro de Disciplina sobre casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos homossexuais praticantes autodeclarados.

Esta previsão pressupõe que delegações africanas, filipinas, do leste europeu e russas na assembleia legislativa multinacional do próximo ano, ofereçam o mesmo apoio esmagador ao plano que fizeram este ano. A maioria das conferências anuais da denominação - órgãos regionais da igreja - já elegeram seus delegados.

A Conferência Geral de 2020 em Minneapolis terá 862 delegados em geral , divididos igualmente entre clérigos e leigos. Esse total é de dois a menos do que o número eleito para 2019. Dos delegados de 2020, 55,9% serão dos EUA, 32% da África, 6% das Filipinas, 4,6% da Europa e o restante das igrejas concordatas que têm laços estreitos com a Igreja Metodista Unida. Em comparação com a sessão de 2019, os EUA terão menos delegados no geral, enquanto as delegações africanas ganham 18 e as Filipinas, dois. 

Ainda assim, os votos dos EUA indicam que o Plano Tradicional enfrenta uma forte resistência à aplicação da lei - inclusive em conferências onde as restrições relacionadas ao ministério LGBTQ já enfrentavam um pouco de resistência.

“O poder de governar vem do consentimento dos governados, e claramente não há consentimento para o Plano Tradicional passado pela Conferência Geral”, disse Lonnie Chafin, um delegado e tesoureiro da Conferência Geral reeleito para a Conferência do Norte de Illinois. Ele tem registrado o número de colegas delegados dos EUA que, como ele, se opõem ao Plano Tradicional.

O reverendo Thomas Lambrecht, um dos principais autores do Plano Tradicional, também tem mantido sua própria contagem de delegados dos EUA.

"Obviamente, haverá uma margem menor de votos para uma abordagem do Plano Tradicional ao conflito denominacional", disse Lambrecht, vice-presidente do grupo de defesa Good News. "Isso pode dificultar o fortalecimento das disposições de prestação de contas na Disciplina ou avançar com outras reformas que esperamos fazer".

Chafin e Lambrecht diferem em sua estimativa final de onde cada um dos 482 delegados americanos se encontram, mas concordam com a trajetória geral das eleições.

Mais sobre as conferências anuais

As conferências anuais acontecem uma vez ao ano, com encontros regionais em todo o mundo que combinam a adoração e as discussões da Metodista Unida. Elas celebram o licenciamento, comissionamento e ordenação de novos clérigos, e aposentadorias do clero. Elas também comemoram o clero e os cônjuges que faleceram no ano passado. A Notícias MU está publicando relatórios de conferências anuais à medida que os recebemos. 

Por conta de Chafin, 118 apoiam o Plano Tradicional; 10 têm uma postura desconhecida e 354 se opõem ao plano. Isso representa um ganho de 21 votos nos EUA pela oposição do plano e significa que cerca de 73% dos delegados americanos se opõem ao Plano Tradicional, disse ele.

Lambrecht conta com um número maior de apoiadores eleitos do Plano Tradicional dos EUA, com 130 definidos ou um número maior possivelmente. Ele estima uma queda de 19% entre os delegados tradicionalistas dos EUA, todos entre o lado do clero.

Chafin, no entanto, conta com menos delegados leigos tradicionalistas em direção ao GC2020. Por sua estimativa, há 38 delegações dos EUA em que pelo menos 80% dos leigos e membros do clero se opõem ao Plano Tradicional. Várias delegações também têm mais membros LGBTQ.

Nas conferências anuais, os clérigos elegem os delegados do clero e os eleitores leigos elegem os delegados leigos. Tanto Lambrecht quanto Chafin concordam que viram grandes mudanças em suas delegações durante as conferências, e que os leigos provavelmente seguiriam uma direção mais tradicionalista, enquanto o clero provavelmente iria contra o plano.

Mas, em última análise, os resultados dos votos dos dois homens - com base em declarações públicas dos delegados e, em muitos casos, endossos do grupo de defesa - são especulativos.

Até que votem, os delegados permanecem livres para mudar seus pontos de vista. E em qualquer caso, a Conferência Geral considerará muito mais políticas do que aquelas relativas ao status de indivíduos LGBTQ - incluindo o orçamento geral da igreja.

Mas a Conferência Geral não é o único lugar onde os delegados têm impacto. As conferências dos EUA também fizeram uma mudança nas delegações que elegerão pelo menos 12 novos bispos dos EUA durante as cinco conferências jurisdicionais do ano que vem.

Segundo a estimativa de Chafin, pelo menos 70% dos delegados em cada uma das cinco jurisdições se opõem ao Plano Tradicional. Normalmente, as jurisdições exigem cerca de 60% dos votos para eleger um bispo.

"Eu acho que significa que haverá jurisdições que elegerão apenas bispos que se recusarem a implementar o Plano Tradicional", disse Chafin.

Lambrecht concordou que “parece que a maioria das jurisdições terá a capacidade de eleger bispos que se opõem à definição tradicional de casamento e favorecem a ordenação de pessoas LGBT”.

“Dada essa realidade”, ele acrescentou, “pode significar que muitas conferências anuais não responsabilizarão o clero por obedecer a padrões denominacionais, e que pode ser irreal esperar que o Conselho de Bispos responsabilize seus membros pela Disciplina”.

Eleições de delegados não eram os únicos sinais de resistência ao Plano Tradicional. Pelo menos nove conferências dos EUA encomendaram ou ordenaram abertamente indivíduos LGBTQ, incluindo Baltimore-WashingtonMichiganNorth TexasNew YorkNorthern IllinoisOregon-IdahoDesert SouthwestMountain Sky e California-Nevada.

Segundo a contagem de Chafin, metade das conferências anuais deste ano também aprovaram resoluções que rejeitavam o Plano Tradicional, pediram desculpas à comunidade LGBTQ ou sugeriram uma abordagem alternativa. Em pelo menos cinco conferências, petições com a mesma redação não foram aprovadas ou a denúncia do Plano Tradicional foi alterada.

Randall Miller, delegado jurisdicional da Califórnia-Nevada que ajudou os cálculos de Chafin, disse que não esperava o clamor contra o Plano Tradicionalista.

“Depois da sessão convocada pela Associação Geral, houve muita agitação na igreja e muita raiva”, disse ele. “Mas depois de cada Conferência Geral, isso tende a diminuir. Isso só pareceu construir”.

Nas eleições dos EUA, ele disse, que vê "um novo vento de esperança".

A Rev. Forbes Matonga, delegada do Zimbábue Ocidental e líder do grupo de defesa Wesleyan Covenant Association, também vê motivos para celebrar. Dada a demografia da denominação, ele espera que o apoio ao Plano Tradicional só cresça no futuro.

"A África está crescendo em adesão, enquanto os EUA estão em declínio", disse ele. "Isso significa que a África determinará o futuro da UMC".

Ele observou que a maioria das conferências na África está retornando os mesmos delegados para 2020, que serviram em 2019. E enquanto ele ouviu falar de alguns nos Estados Unidos que ameaçam reter fundos para ministérios africanos, ele tem fé que Deus proverá. Ele é o pastor encarregado da Missão Nyadire.

Mas mesmo quando pessoas de diferentes partes do mundo celebram, é difícil dizer qual é a crescente divisão entre a maioria dos delegados americanos e aqueles em outras partes da igreja - especialmente a África - para o futuro da denominação.

Conversas a portas fechadas estão acontecendo entre os líderes em toda a denominação sobre o desenvolvimento de propostas da Conferência Geral para dividir a igreja ou reestruturá-la completamente em diferentes expressões teológicas.

O Rev. Sky McCracken, um delegado da Conferência de Memphis para a Conferência Geral de 2019 que optou por não concorrer novamente, adverte em um post no seu blog que a denominação não está nitidamente dividida em extremos teológicos e ideológicos.

O pastor titular da Primeira Igreja Metodista Unida em Jackson, Tennessee, disse à Notícias MU que a maioria das pessoas na sua congregação é de centro-esquerda ou de centro-direita.

"Eles estão especialmente calados, e quando se sentem oscilando, votam com os pés (tomam atitude)", disse ele.

 

*Hahn é repórter multimídia de Notícias MU. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos .

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Área Geral da Igreja
Kim Simpson, presidente da Comissão da Conferência Geral e Janice Griffith, Illinois Great Rivers, dão as mãos em oração durante o culto de abertura na Conferência Pré-Geral Metodista Unida de 2020, realizada em Nashville, Tennessee. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Antecipação do que está sobre a mesa no GC2020

As conferências de Serra Leoa, Michigan, em breve decidirão se deve colocar o plano de separação da Igreja Metodista Unida na agenda da Conferência Geral de 2020.
Área Geral da Igreja
Esta é a definição de suspensão, conforme indicado no dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Embora o "Protocolo de Reconciliação e Graça por Separação" seja uma proposta não aprovada, os negociadores estão pedindo uma pausa para o fechamento e as queixas da igreja. Gráfico do Rev. Gustavo Vasquez, Notícias MU.

Negociadores pedem pausa em julgamentos e fechamentos

Parte da nova proposta para a separação da denominação exige uma pausa no fechamento de igrejas e no processamento de reclamações relacionadas a restrições LGBTQ.
Área Geral da Igreja
Kenneth Feinberg (segurando o microfone), fala durante um painel de transmissão ao vivo em Tampa, na Flórida, com membros da equipe que desenvolveram uma nova proposta que manteria a Igreja Metodista Unida, mas permitiria que as congregações tradicionalistas se separassem em uma nova denominação. Feinberg moderou o trabalho da equipe que criou a proposta, chamada "Protocolo de reconciliação e graça através da separação". Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Painel oferece uma pequena olhada nos bastidores do plano de separação

Os participantes metodistas unidos falam sobre a criação de um protocolo de reconciliação e graça através da separação na transmissão ao vivo.