Pastores com distintivo promovem reformas policiais

Other Manual Translations: English español

O Rev. Jeremy Wicks serviu como capelão da polícia, policial da reserva e organizador da Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Ele não vê contradição em nenhum desses papéis.

"No fundo, acredito sinceramente e minha experiência me diz que todos estão trabalhando em direção ao mesmo objetivo", disse o pastor de Michigan. “Queremos que as comunidades sejam seguras. Queremos que as pessoas floresçam.

Wicks está entre dezenas de clérigos metodistas unidos nos EUA que têm experiência em carregar um distintivo como capelães da polícia ou como os próprios oficiais. Muitos, como Wicks, são pastores locais licenciados.

Esses pastores prestam assistência pastoral às pessoas que enfrentam crimes e desastres e que frequentemente interagem com as pessoas nos seus piores dias. Eles oraram com a polícia em perigo e enterraram policiais mortos no cumprimento do dever.

No entanto, muitos capelães e policiais também dizem que as reformas devem ocorrer para a segurança dos policiais e das comunidades que eles servem. Esses clérigos querem ajudar a desmantelar o racismo e não veem conflito em declarar que tanto a "vida azul" (termo usado para se referir aos policiais) quanto a vida negra são importantes.

O Rev. Dawn Houser, capelão da polícia e pastor da Igreja Metodista Unida em Aitkin, Minnesota, coloca desta maneira: Black Lives Matter "não é como torta onde, se você conseguir um pouco, então eu ganho menos".

Esses pastores compartilharam seus conselhos em um momento em que o tumulto continua a abalar grande parte do país após a morte de George Floyd, Breonna Taylor e outros afro-americanos pelas mãos da polícia.

Os líderes metodistas unidos no Oregon condenaram a violência de alguns manifestantes e policiais em Portland, onde os conflitos aumentaram nas últimas semanas após a chegada de agentes federais. Os líderes, incluindo a bispa Elaine JW Stanovsky, pediram que os metodistas unidos não se distraíssem do trabalho antirracismo.

Pastores que trabalham em estreita colaboração com a polícia ecoam esse sentimento. Esses clérigos com um distintivo deploram o incêndio criminoso e a destruição de propriedades, mas também defendem o direito a protestos pacíficos e instam os líderes da cidade, do estado e nacionais a atenderem os pedidos de justiça.

O que precisa acontecer é "um bom problema", disse o Rev. Jack Steiner, invocando as palavras do manifestante dos direitos civis, o falecido deputado John Lewis. Steiner é um ex-policial e agora pastor de duas igrejas Metodistas Unidas na área de Louisville, Kentucky.

"Jesus - aquele a quem louvamos e amamos e queremos ver no final de nossas vidas - pede que sejamos um povo", disse Steiner. "Não há outra maneira de sermos."

Wicks agora lidera a Igreja Mosaic, uma nova congregação Metodista Unida que ele plantou em Traverse City, Michigan. Antes disso, ele foi capelão da polícia e oficial de reserva por anos em Williamston, uma cidade a cerca de três horas de carro ao sul.

"Todo mundo sabe que temos um racismo sistêmico que precisamos superar neste país, e a conversa foi longa demais", disse ele. "Portanto, temos que passar de banalidades para a ação".

A grande maioria da polícia entra na profissão com o objetivo de ajudar as pessoas. Mas em um país com um público fortemente armado, o policiamento nos EUA é mais mortal do que na maioria do mundo.

A polícia de todo o país atira e mata cerca de 1.000 pessoas a cada ano, de acordo com o The Washington Post, que mantém um banco de dados de assassinatos fatais por policiais de plantão. Um número desproporcional de mortos é afro-americano, hispânico ou nativo americano.

Não há dúvida de que a polícia rotineiramente se coloca em perigo. Houser, que cresceu em uma família de policiais, disse que o barulho do velcro quando alguém veste um uniforme ainda pode causar medo "porque você sabe que eles estão em perigo toda vez que saem".

O FBI informou que, no ano passado, 89 policiais norte-americanos perderam a vida no trabalho, por atos criminosos ou por acidentes como acidentes de carro. Isso é apenas parte da história.

Muito mais policiais nos EUA morrem de suicídio a cada ano do que no cumprimento do dever. A BLUE Help, uma organização sem fins lucrativos que rastreia essas mortes, relatou que pelo menos 228 policiais morreram por suicídio em 2019.

Um grande problema é que a polícia precisa fazer muito, disseram Houser e outros metodistas unidos que trabalham com a aplicação da lei.

“Espera-se que a polícia não apenas garanta que as pessoas cumpram as leis, mas que também seja conselheira; espera-se que eles sejam um mentor; espera-se que eles sejam um paramédico”, disse Houser. "Eles não são pagos para fazer isso e certamente não são treinados para isso."

Em seu condado rural no norte de Minnesota, ela disse que a polícia teve que responder a 24 tentativas de suicídio no ano passado. Não há profissionais de saúde mental disponíveis.

A polícia teme apelos à saúde mental. Frequentemente, não está claro qual ameaça uma pessoa representa para si ou para os outros - e é ainda menos claro como reduzir a situação.

A chamada para "Defund the Police" (Cortes de financiamento à polícia) é assustadora, disse Wicks, o organizador e ex-oficial da reserva em Michigan. Mas ele disse que os ativistas do Black Lives Matters que ele conhece não querem abolir a polícia, mas realocam recursos para áreas como saúde mental para aliviar os encargos policiais.

O Departamento de Polícia de Dallas iniciou uma reforma no ano passado que vários metodistas unidos esperam que ajude.

Sob um projeto piloto, o departamento agora despacha um policial, um paramédico e um assistente social em chamadas de saúde mental. Os assistentes sociais ajudam o departamento a triar chamadas e determinam se uma pessoa representa um perigo ou simplesmente precisa de ajuda básica.

A Revda. Doris Smith é uma detetive com 31 anos de experiência na força policial de Dallas e diz que o programa "Right Care" mostra promessa. O Dallas Observer relata que o programa já reduziu as visitas às enfermarias.

"Nosso treinamento se concentra em abordar indivíduos que enfrentam danos ou potencialmente causam danos a outras pessoas", disse Smith. "É nossa missão como oficiais treinados conversar com indivíduos e tentar encontrá-los onde eles estão. Essa é a nossa experiência. Quanto ao programa Right Care, só ouvi comentários positivos".  

Smith, que é a pastora recém-nomeada da Igreja Metodista Unida em Mt. Zion, em Paris, Texas, perdeu amigos na força policial quando quatro policiais de Dallas e um policial de trânsito foram mortos em uma emboscada de 2016.

Ela pede às pessoas que lembrem que a polícia também quer voltar para casa com segurança. Mas Smith, que é afro-americana, tem ouvido atentamente o que jovens manifestantes dizem sobre a desigualdade no policiamento.

"As pessoas não confiam na polícia", disse ela. "Para recuperar a confiança, precisamos estar dispostos a nos encontrar no meio."

Nem toda força policial tem financiamento para um projeto como esse em Dallas.

O reverendo Shawn R. Moore, ex-policial do Brooklyn Center, Minnesota, agora ensina policiais e acha que é necessário treinamento obrigatório em redução de escalada, competência cultural e antirracismo.

Ele sugere que os oficiais façam um estágio nos bairros que servem, para que possam conhecer os líderes comunitários, organizações sem fins lucrativos e outros grupos da área antes mesmo de sair para atender um chamado. 

Moore, que também é pastor associado da Igreja Metodista Unida Living Spirit, em Minneapolis, observa que a polícia precisa se reconciliar com suas comunidades. As primeiras operações policiais na América do Norte foram patrulhas de escravos e, mais tarde, policiais aplicaram brutalmente as leis de Jim Crow dos estados.

Superar esse passado, ele disse, requer reconciliação.

"Para que a verdadeira reconciliação ocorra em nossas comunidades, as autoridades precisam se desculpar por atos em sua história", disse Moore. "A comunidade precisa perdoar e depois perguntar o que eles podem fazer."

Todos os metodistas unidos que falaram com a Notícias MU concordam que a igreja tem um papel a desempenhar na reconciliação da polícia e da comunidade em geral.

O Rev. Ash Harmon é pastor e policial nos arredores de Dallas. Nos dois papéis, ele disse, ele pretende servir como pastor.

"Aprendi que a pessoa na parte de trás da viatura é filho ou filha de alguém e um dos filhos de Deus", disse ele. "Eu sempre prego que você nunca olhará nos olhos de alguém que Deus não ama."

*Hahn é um repórter multimídia da Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Sam Hodges, um repórter em Dallas, contribuiu para a história. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
Rev. David Maldonado. Imagem retirada da reportagem em vídeo "La Iglesia Etnica", publicada no canal IMULATINA no Youtube da Notícias MU.

Racismo e latinos: o muro da separação e do medo

O muro da fronteira entre os Estados Unidos e o México diz muito sobre as atitudes em relação aos latinos / as, e a igreja deve fazer mais para responder.
Racismo
Os palestrantes do dia 26 de agosto “Assembleia: Líderes emergentes discutem desmantelamento do racismo” são (a partir da esquerda) Ann Jacob, o reverendo Theon Johnson III, Andres De Arco e Katelin Hansen. O painel de líderes mais jovens compartilhou suas estratégias para desmantelar o racismo como parte da série da Câmara Municipal da Igreja sobre antirracismo. Fotos cortesia dos palestrantes.

A igreja tem as ferramentas para desmantelar o racismo hoje

Quatro jovens Metodistas Unidos discutem a história do racismo na igreja e as formas como a denominação pode "mover a agulha".

Escravidão e os fundadores do Metodismo

O fundador do Metodismo foi um abolicionista ferrenho e a igreja primitiva era anti-escravista, mas essa dedicação mais tarde desbotou.