Conferência e megaigreja chegam a acordo legal

Translate Page
A lawsuit and countersuit between the North Georgia Conference and Mt. Bethel United Methodist Church in Marietta, Ga., has concluded with the megachurch agreeing to pay about $13.1 million to leave the denomination with property. Image courtesy of Google Maps. 

Uma ação judicial e contra-processo entre a Conferência da Geórgia do Norte e a Igreja Metodista Unida Mt. Bethel em Marietta, Geórgia, foi concluída com a megaigreja concordando em pagar cerca de US$ 13,1 milhões para deixar a denominação com propriedades. Imagem cortesia do Google Maps.


Pontos chave:

  • A Igreja Mt. Bethel concordou em pagar US$ 13,1 milhões à Conferência da Geórgia do Norte para partir da Igreja Metodista Unida com propriedade.
  • O acordo legal resolve um processo e reconvenção de alto perfil que se seguiram depois que a igreja recusou a renomeação de seu pastor sênior para um cargo na conferência. 
  • Alguns na congregação estão desapontados porque a saída da igreja agora não será votada na congregação. 
  • Enquanto isso, a conferência no início deste mês ratificou a desfiliação de 70 congregações que usaram o processo de saída descrito na lei da igreja.  

A Conferência da Geórgia do Norte e sua igreja de maior número de membros chegaram a um acordo multimilionário para encerrar uma batalha legal de alto nível. 

Sob  o acordo mediado , a Igreja Mt. Bethel em Marietta, Geórgia, concordou em pagar 13,1 milhões de dólares aos curadores da conferência para partir da Igreja Metodista Unida com a propriedade e se tornar independente. Mt. Bethel deve pagar esse valor dentro de 120 dias e embarcou em uma campanha de arrecadação de fundos para fazê-lo. 

O acordo não apenas promete resolver litígios de meses, mas também inclui uma promessa de ambos os lados de cessar uma guerra de palavras que colocou a Mt. Bethel no centro de uma divisão denominacional cada vez maior. 

Tanto a conferência quanto a igreja, no preâmbulo de seu acordo, fizeram convênio de “honrar a missão e o ministério um do outro como cristãos”. As partes no caso também concordaram em abster-se de comentários que “poderiam razoavelmente afetar negativamente a reputação da outra”.

O juiz-chefe do Tribunal Superior do Condado de Cobb, Robert D. Leonard II, assinou o decreto de consentimento finalizando o acordo em 7 de junho. 

"A Conferência da Geórgia do Norte agradece ao Tribunal Superior do Condado de Cobb, que aprovou o acordo de liquidação mediada entre os curadores da Conferência da Geórgia do Norte e Mt. Bethel", disse a conferência em comunicado à Notícias MU.

“Conforme declarado no acordo, somos todos parte de uma igreja universal e esperamos avançar no serviço a Jesus Cristo”.

Assim que a igreja concluir o pagamento, os curadores da associação liberarão o título de propriedade. A Mt. Bethel, por sua vez, não poderá mais usar “Unidos” ou “Metodista Unida” em seu nome ou o logotipo da Cruz e Chama da denominação.

“Com efeito, a Igreja Mt. Bethel continuará operando – com todos os direitos e acesso a suas propriedades e bens, mas não estará mais associada à Igreja Metodista Unida”, disse a igreja em seu site ao explicar o acordo. A igreja não respondeu imediatamente a um pedido da Notícias MU para mais comentários.

No entanto, pelo menos alguns membros de Mt. Bethel expressaram desapontamento que, por causa do acordo, a saída da Igreja Metodista Unida não será votada pela congregação.

Outras partidas

A transição da Igreja Mt. Bethel não estava na agenda da sessão da Conferência Anual do Norte da Geórgia deste ano.

No entanto, os eleitores na conferência anual em junho ratificaram a desfiliação de 70 outras congregações. Todas essas igrejas usaram o processo de desfiliação no Livro de Disciplina da denominação.

Ao todo, as 70 igrejas representam 9 por cento das congregações da Conferência e 3 por cento dos membros, relatou Sybil Davidson da Conferência da Geórgia do Norte. A data de desfiliação é 30 de junho. 

Leia a história da Conferência do Norte da Geórgia.

A Conferência da Geórgia do Norte é o maior órgão regional desse tipo nos EUA em termos de membros - abrangendo mais de 700 igrejas e quase 340.000 Metodistas Unidos. 

A conferência é o lar de várias grandes congregações. Mt. Bethel - fundada há mais de 175 anos - é a maior da conferência com quase 10.270 membros desde o ano passado. A igreja opera dois campi e uma academia cristã do jardim de infância ao 12º ano.De acordo com os registros que a igreja apresentou à conferência, o valor de mercado dos terrenos, edifícios e equipamentos da igreja é de cerca de US$ 34,6 milhões.

A disputa entre a conferência e a congregação tornou-se pública no ano passado, quando os líderes de Mt. Bethel recusaram a renomeação de seu pastor sênior para um novo cargo na conferência.

A Igreja Metodista Unida opera em um sistema de itinerância – o que significa que o clero vai para onde seu bispo os nomear. A tradição remonta ao fundador do Metodismo, John Wesley.

Nos seus serviços de ordenação, os presbíteros Metodistas Unidos comprometem-se a “ir aonde quer que sejam enviados, a servir como forem chamados, a exercer o seu ministério dentro e em nome de toda a Igreja, a amar todos entre os quais são colocados e a amar a Deus acima de tudo." 

No entanto, Jody Ray – pastor sênior da igreja desde 2016 – acusou a bispa Sue Haupert-Johnson da conferência de movê-lo por causa de suas crenças conservadoras.

“Quero que você também se lembre deste dia”, disse ele à sua família durante um sermão de 18 de abril. “Seu pai não dobrou o joelho nem beijou o anel da teologia progressista.”

Em uma coletiva de imprensa subsequente, ele anunciou que, em vez de mudar de nomeação, estava entregando suas credenciais de clero. Os líderes leigos da Igreja disseram que Ray permaneceria como principal pregador e diretor executivo.

Na mesma conferência de imprensa, os líderes da igreja anunciaram que o conselho administrativo de 50 membros da congregação havia votado pela desfiliação da Igreja Metodista Unida.

No entanto, sair da denominação exige mais do que um voto de um conselho de liderança e um anúncio. A Igreja Metodista Unida e seus antecessores mantêm uma política desde 1797 de que todas as congregações mantêm propriedades “em custódia” para o benefício de toda a denominação.

Na prática, isso significa que as igrejas podem adquirir e vender propriedades, mas somente se estiverem de acordo com a missão da denominação e os procedimentos e salvaguardas Disciplinares. Muitas vezes, as conferências acabam como executoras da cláusula de confiança da denominação.

A Conferência Geral especial em 2019 adicionou um novo processo ao Livro de Disciplina, o livro de leis da igreja, para que as conferências liberem as igrejas da cláusula de confiança –  se essas congregações atenderem a certas condições e obrigações financeiras,  incluindo pelo menos dois terços da votação da congregação para desfiliação.

O processo de desfiliação da Disciplina não foi usado no caso de Mt. Bethel. Em vez disso, a disputa foi parar no tribunal civil. 

Após uma tentativa inicial fracassada de mediação, os curadores da Conferência do Norte da Geórgia processaram a Igreja Metodista Unida Mt. Bethel em setembro  – argumentando que a igreja estava violando o Livro de Disciplina e violando seus deveres fiduciários.  

Especificamente, o processo teve problemas com a recusa da liderança da igreja de espaço de escritório e um salário integral para o novo pastor, o Rev. Steve Usry, nomeado pelo bispo. A ação dos curadores da conferência também argumentou que a igreja não estava seguindo os procedimentos disciplinares em seu manuseio da propriedade para a Academia Cristã da Mt. Bethel.

Em outubro, Mt. Bethel  contra-atacou a conferência. A reconvenção da igreja dizia que a conferência estava bloqueando os esforços da igreja para se desfiliar usando os procedimentos da Disciplina e havia orquestrado o conflito pastoral.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Em meados de março, a juíza do Tribunal Superior do Condado de Cobb, Mary Staley Clark, marcou uma audiência para considerar as moções de duelo na ação judicial e na contestação. Em vez disso, as partes pediram à juiza que mediasse suas negociações de acordo.

O acordo é o resultado dessas discussões. 

A disputa tornou-se emblemática de uma esperada separação denominacional.   

A Mt. Bethel faz parte do grupo de defesa teologicamente conservador da Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano) e sediou sua reunião global em 2018. A Associação do Pacto Wesleyano supervisionou a formação da Igreja Metodista Global,  uma nova denominação separatista que foi lançada em 1º de maio e busca recrutar igrejas Metodistas Unidas.

Keith Boyette, advogado e presidente da WCA na época, assinou como um dos advogados de Mt. Bethel no caso judicial. Boyette, que desde então renunciou às suas credenciais de clero Metodista Unido, é agora o principal executivo da Igreja Metodista Global. 

Robert Ingram, outro advogado de Mt. Bethel, disse ao Atlanta Journal-Constitution que era muito cedo para dizer se a Mt. Bethel se juntaria à Igreja Metodista Global.

Os membros da Mt. Bethel não estão todos na mesma página. Desde que a disputa de nomeação com a conferência se tornou pública, um grupo de membros da Mt. Bethel que se autodenominam “Amigos da IMU Mt. Bethel” também se tornou público. Quase 650 membros da Mt. Bethel agora fazem parte do grupo, disse Donna LaChance, uma dos membros do grupo.

O grupo sentiu que a nomeação de Usry, um colega conservador teológico, era legal e deveria ter permissão para entrar em vigor. 

O grupo tem se reunido com Usry para eventos de adoração e comunhão. O Amigos da Mt. Bethel realizaram um culto especial de Páscoa este ano em uma igreja Metodista Unida próxima com Usry como pregador. 

LaChance disse que o grupo está “profundamente desapontado com o resultado, pois efetivamente separou nossa igreja da IMU sem nenhum voto de membro”. Ela também disse que o acordo é mais caro do que o necessário para estar sob os procedimentos de desfiliação da denominação. 

Por enquanto, ela disse que o grupo está se reunindo com Usry, a quem o bispo nomeou para o próximo ano para fornecer cuidados pastorais aos membros Metodistas Unidos da Mt. Bethel e ajudá-los a discernir o próximo passo fiel de Deus. 

“É possível que este trabalho leve ao desenvolvimento de uma nova igreja, mas parece mais provável que as pessoas se juntem a outras igrejas locais, algumas IMU e outras não”, disse LaChance. 

“Cada família tem que decidir por si mesma, e a maioria está avaliando ativamente outras opções da igreja ou alguma já está estabelecida”.

 

*Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

 

Área Geral da Igreja
A Conferência Anual da Flórida tem cerca de 574 igrejas e 300 novas comunidades e ministérios de fé. A partida das 106 igrejas deixaria algumas comunidades da Flórida sem a presença Metodista Unida. Ilustração Rev. Gustavo Vasquez, Noticias MU News.

106 igrejas da Flórida processam para sair da denominação

A Conferência da Flórida está enfrentando uma ação movida por mais de 100 igrejas que querem alienar a Igreja Metodista Unida de sua propriedade e transferi-la para uma denominação separatista teologicamente conservadora.
Conferência Anual
Cadeiras drapeadas simbolizam que os candidatos da Conferência da Flórida para membros provisórios - um passo importante para a ordenação como presbítero ou diácono - não foram aprovados pela sessão do clero da conferência. A decisão controversa, tomada durante a reunião da conferência em Lakeland, Flórida, ilustrou a divisão denominacional sobre a inclusão LGBTQ. A decisão também alterou o serviço de conclusão de 11 de junho, onde os 16 deveriam ser comissionados. Foto de Esther Rodriguez via Facebook.

Votação da sessão do clero destaca divisão LGBTQ

A controvérsia tomou conta da Conferência Anual da Flórida quando sua sessão do clero votou por pouco para não aprovar o avanço de 16 pessoas, algumas abertamente gays, em seu processo de ordenação clerical.
Church Leadership
Membros da Iniciativa África, bispos Metodistas Unidos e convidados posam para uma foto durante a Cúpula de Oração e Liderança do grupo de advocacia, que foi realizada de 13 a 18 de maio em Nairobi, Quênia. O tema do encontro foi “Visualizando o Próximo Metodismo na África”. Foto de E Julu Swen, Notícias MU

Iniciativa África pondera futuro do Metodismo

Os membros do grupo de advocacia da Iniciativa África reuniram-se para discutir o futuro da Igreja Metodista Unida e as implicações do recente lançamento de uma nova denominação metodista tradicionalista.