Precisa-se de líderes como se fossem formigas

As igrejas precisam de líderes e membros como se fossem “formigas”! “Estou muito cansado/a!” Essa é uma das frases mais ouvidas em nosso tempo. As pessoas andam esgotadas tanto fisicamente como emocionalmente. Quando chegam à igreja após uma semana intensa de trabalho e muitos desafios, o que muitos esperam é participar de um momento de louvor abençoado e ouvir uma palavra inspiradora e poderosa! 

O mercado de trabalho e as inúmeras atividades têm “sugado” grande parte do vigor de nosso povo! Os sábados tornaramse para muitos um dia para "colocar a casa em ordem" e o domingo para descanso e costumeiramente ir ao culto! Precisamos olhar para as formigas e refletir sobre seus caminhos! As famílias precisam de pais e filhos/as como "formigas". Quando todos se reúnem há pouco esforço em conjunto! Cada um corre para seu espaço isolado ou desfruta dos seus smartphones. Há raros momentos em que as famílias fazem algo juntas! Os que moram longe podem estar mais próximos do que aqueles que vivem na mesma casa.

A tecnologia mal utilizada pode espalhar esse "formigueiro" criado por Deus. O propósito fundamental foi de que a família fosse uma só carne, mas cada "formiga" parece lutar pelo seu próprio inverno, individualmente. 

As empresas precisam de profissionais como “formigas”. Há profissionais que precisam de chefes para produzir. Se não forem cobrados não cumprem suas responsabilidades com excelência. Fazem o mínimo necessário e não surpreendem seus superiores. Formigas não olham para os lados com a intenção de comparar a sua carga com as demais! Precisa-se de formigas! Formigas que trabalhem em equipe independentemente do seu cargo ou do que receberão no futuro. 

Precisa-se de formigas com a capacidade de se reorganizar mesmo quando tentam separálas. Precisa-se de formigas que respeitam a hierarquia e não almejam nada além de servir e com um objetivo único. Por onde passam deixam um rastro de trabalho reconhecido por todos. 

Precisamos nos despertar de um sono que invadiu muitas igrejas, famílias e também as empresas! Podemos ter líderes e liderados que acordam cedo e se deitam tarde e mesmo assim serem preguiçosos?! Sim! A preguiça pode estar presente em qualquer área de nossas vidas, pois ela precisa ser entendida como desânimo. Quem pode dizer: "Estou 100% animado em todas as áreas da minha vida”? 

Se essa é uma verdade, é hora de olhar para as formigas e aprender com elas lições como Foco, Unidade, Equipe e jamais desistir até que o trabalho seja realizado! 

* Presítero Washington Zucoloto, Igreja Metodista em Jardim Bonfiglioli, São Paulo, Brasil. Este artigo foi publicado originalmente pelo Expositor Cristão: http://www.metodista.org.br/content/interfaces/cms/userfiles/files/expositor-cristao/expositor-cristao-2015-06.pdf

Teología
El Curso de Estudio a distancia, reúne participantes de diferentes zonas del país y fortalece la conexionalidad de los ministerios hispano-latinos de a denominación. Foto Dr Phil Wingeier Rayo.

Formación teológica de lideres metodista hispanos/as no se detiene por pandemia

El Curso de Estudio en el area de Historia Metodista Unida se dicta en español a través de la red, para estudiantes en cualquier parte del país.
Entidades de la Iglesia
Roland Fernandes sucederá en el cargo a Thomas Kemper, quien ha servido durante una década y decidió no ir a la reelección. Foto cortesía de GBGM.

Roland Fernandes nuevo líder de Ministerios Globales

Fernandes ha estado con GBGM desde 1995, desempeñando funciones claves que incluyen el liderazgo de UMCOR.
Teología
El uso de la ceniza es un elemento bíblico que tiene una larga historia en la adoración judía y cristiana. Teológicamente, las cenizas han significado purificación y dolor por los pecados. Foto Kathleen Barry, Noticias MU.

¿Por qué las cenizas?

Recibir la ceniza es una manera de confrontar nuestra humanidad y mortalidad. Nos recuerda que no somos Dios, pero una buena creación de Dios. Con ello reconocemos que nuestros cuerpos no van a durar para siempre y que eventualmente nos encontraremos cara a cara con la realidad de nuestra propia muerte.