Desembaraçando a história racial dos EUA e da igreja

Other Manual Translations: English 한국어 español

O fundador do Metodismo queria ministrar com os nativos americanos e abolir a escravidão.

Mas décadas após a morte de John Wesley, um bispo metodista era proprietário de escravos e um clérigo metodista foi responsável por um dos piores massacres de nativos americanos na história dos EUA.

Então, o que deu errado?

Historiadores Metodistas Unidos e outros líderes lideraram um conselho denominacional transmitido ao vivo em 1º de julho para explorar o histórico, complicado e às vezes suprimido registro de sua igreja sobre raça. 

Seu objetivo: ajudar os Metodistas Unidos a se afastarem das transgressões passadas e a se unirem ao renovado impulso da denominação contra o pecado do racismo.

"Uma perspectiva histórica nos dá um vislumbre de como a igreja escolheu responder em pontos críticos de inflexão em nossa história", disse Erin Hawkins, moderadora do conselho, à Notícias MU antes da reunião.

"Acho importante olhar para os momentos em que enfrentamos o desafio e quando ficamos muito aquém".

Hawkins é a principal executiva da Comissão Metodista Unida de Religião e Raça, que nessa época do COVID-19 ajudou a organizar o conselho virtual em cinco locais. Outros organizadores incluem o Conselho de Bispos, a Junta de Igreja e Sociedade, a Comissão de Arquivos e História, as Mulheres Metodistas Unidas e outras agências Metodistas Unidas.

O conselho virtual faz parte dos esforços anti-racistas da denominação, estimulados pelos assassinatos de George Floyd, Breonna Taylor e outros afro-americanos nas mãos dos policiais.

Os líderes da igreja deliberadamente agendaram o conselho pouco antes do dia 4 de julho - quando os americanos celebram o nascimento de seu país e as ousadas declarações de igualdade na Declaração de Independência.

"O que significa cantar sobre a 'terra dos livres' quando ainda ouvimos os ecos estridentes de George Floyd chamando por sua mãe?", disse o Rev. Gary Henderson, executivo da Comunicações Metodista Unida, na abertura do evento. "Como podemos celebrar 'a vida, a liberdade e a busca da felicidade', quando Breonna Taylor não vive mais?"

Todos os participantes do painel reconheceram que a Igreja Metodista Unida - como a nação onde foi estabelecida pela primeira vez - tem uma história emaranhada sobre raça.

"Enquanto os negros eram atraídos e orgulhosos pela postura metodista firmemente ousada contra a escravidão no início, eles tiveram muito cedo a experiência de sentir dor e de chorar por seu compromisso e cumplicidade", disse o reverendo William Bobby McClain, um dos participantes do painel.

Ele é Professor Emérito Mary Elizabeth, e de Pregação e Adoração no Seminário Teológico Metodista Unido Wesley, em Washington. Ele também é um dos fundadores dos metodistas negros para a renovação da igreja, que trabalhou pela igualdade negra.

McClain apontou que os afro-americanos são líderes em metodismo desde seus primeiros dias. Pregadores como "Black Harry" Hosier ajudaram a espalhar o movimento simples do evangelho da graça através dos jovens Estados Unidos.

Mas mesmo naqueles primeiros dias, a supremacia branca deixou sua mancha.

Hosier teve que dormir na carruagem ou no celeiro enquanto seus companheiros brancos podiam dormir em casa, disse o Rev. Alfred T. Day III, o principal executivo da Comissão de Arquivos e História da denominação.

No norte dos EUA, assim como no sul, observou Day, a suposição de branco era superior. Ele leu em um túmulo de 1780 de Attleboro, Massachusetts, que proclamava que um escravo falecido chamado César será "mudado de preto para branco" no céu.

Day listou outros exemplos de discriminação, incluindo a formação da Jurisdição Central, em 1939, que tornou a política oficial da segregação da igreja e permaneceu nos livros até 1968.

A replica of an 1780 grave marker in Attleboro, Mass., proclaims that a deceased slave named Caesar will be "changed from Black to White" in heaven. The Rev. Alfred T. Day III, top executive of the United Methodist Commission on Archives and History, said the gravestone reflected the white supremacist attitudes of the time. Photo courtesy of the Rev. Fred Day III.
LEGENDA: Uma réplica de um túmulo de 1780 em Attleboro, Massachusetts, proclama que um escravo falecido chamado César será "mudado de preto para branco" no céu. O Rev. Alfred T. Day III, alto executivo da Comissão Metodista Unida de Arquivos e História, disse que a lápide reflete as atitudes supremacistas brancas da época. Foto cortesia do Rev. Fred Day III.
Para ver a imagem ampliada, clique aqui . 

"Há orgulho e vergonha em nossa história", disse Day. “Os metodistas podem se orgulhar de que sua mensagem exclusivamente igualitária do amor de Deus seja vivenciada por todos, e esse 'amor divino, todos os amores sobressaem' deve ser imparcial.”

Mas, disse ele, a vergonha é que muitos brancos não cumpriram a teologia central que levou os afro-americanos e os nativos americanos ao metodismo.

A Revda. Lisa Dellinger, estudiosa e pastora da Conferência Missionária de Oklahoma, abordou especificamente como os cristãos usavam sua teologia para justificar o deslocamento e até o abate de povos indígenas.

Suscríbase a nuestro nuevo boletín electrónico en español y portugués UMCOMtigo

¿Le gusta lo que está leyendo y quiere ver más? Regístrese para recibir nuestro nuevo boletín electrónico UMCOMtigo, un resumen semanal en español y portugués, con noticias, recursos y eventos importantes en la vida de La Iglesia Metodista Unida. 

¡Manténgase informado/a!

Ela disse que a descrição comum das Américas como uma "Nova Jerusalém" levou muitos colonos a ver os povos indígenas como sujeitos à conquista, como os cananeus do Antigo Testamento.

Entre as décadas de 1860 e 1960, os missionários cristãos separaram sistematicamente até 100.000 crianças nativas americanas de suas famílias e as enviaram para longe de casa para internatos administrados pelo governo ou pela igreja. Nessas escolas - algumas das quais eram metodistas -, os jovens eram punidos por falar sua língua nativa, despojados de seus pertences e, em alguns casos, abusados.

"Os povos nativos são complexos", disse Dellinger, que é Chickasaw e mexicano-americano.

"Mas o que tem sido uma experiência unificadora para os nativos, e não necessariamente positiva, tem sido esse sentimento de deslocamento - o sentimento de ser um estranho em uma terra estranha, e essa terra é a sua casa."

Além de examinar os pecados passados, os participantes do painel responderam a perguntas dos espectadores sobre maneiras de traçar um futuro melhor.

Dellinger e McClain alertaram as igrejas predominantemente brancas sobre o fato de pensar que é trabalho das pessoas de cor desagregar as congregações.

"Minha maior preocupação quando falamos de integração é: quem está sendo solicitado a fazer o trabalho?", Dellinger disse. "Quem está sendo solicitado a mostrar em que lugar o foco principal é aliviar a culpa branca?"

Alison Collis Greene, professora de história religiosa americana na Escola de Teologia Candler da Emory University, descreveu como é uma igreja anti-racista.

"Se você está falando de uma igreja anti-racista predominantemente branca, essa igreja abre espaço real para vozes não-brancas", disse Greene.

Ela acrescentou que os frequentadores de igrejas brancas também precisam conversar com outros brancos sobre a eliminação do racismo - especialmente aqueles "que não querem falar sobre o passado porque não querem falar sobre as partes mais difíceis para eles".

O conselho é o passo mais recente na iniciativa da denominação, Desmantelamento do Racismo: Pressionando a Liberdade.

O Concílio de Bispos lançou a iniciativa em 11 de junho - a celebração de 19 de junho do fim da escravidão nos EUA. Menos de uma semana depois, os bispos e outros metodistas unidos seguiram com um inabalável "Serviço de Lamento, Arrependimento, Comunhão e Compromisso".

Enquanto o foco do conselho estava nas experiências americanas, disse Hawkins, a esperança é que as igrejas de toda a denominação multinacional se comprometam a combater o racismo e o preconceito em seu próprio contexto.

A Comissão de Religião e Raça espera em seguida ter um conselho sobre ativismo entre gerações. As agências, disse Hawkins, continuarão a fornecer recursos e organizar eventos gerais para ajudar as pessoas de toda a denominação a se envolverem na defesa da justiça.

“Eu realmente gostaria de ver esse esforço que foi ativado em nível geral para se aproximar do nível local”, disse ela à Notícias MU, “porque é aí que a mudança importante acontece.”

McClain disse que o racismo individual e sistêmico continua sendo um problema que as igrejas precisam enfrentar.

"Até desmontarmos e destruirmos os pilares que o sustentam", disse ele, "estaremos do lado da dor da história, e não do lado do orgulho".

 

*Hahn é um repórter multimídia da Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
O Rev. Jeremy Wicks (frente) participa de uma demonstração do Black Lives Matter no norte do Michigan. Wicks serviu como capelão da polícia, policial da reserva e organizador da Black Lives Matter. Foto cortesia do Rev. Jeremy Wicks.

Pastores com distintivo promovem reformas policiais

Os capelães e pastores metodistas unidos que atuam na polícia discutem mudanças que podem ajudar a polícia e as pessoas a quem servem.
Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Preocupações Sociais
A Bispo da Conferência de Baltimore-Washington, LaTrelle Easterling, ajuda a realizar um “Serviço de Lamento, Arrependimento, Comunhão e Compromisso” on-line, em 24 de junho, em frente à Igreja Episcopal de São João, em Washington. O serviço de vídeo de uma hora faz parte da nova iniciativa da denominação para combater o racismo. Captura de tela do vídeo da Comunicações Metodista Unida.

ʽServiço de Lamento' desafia igreja sobre racismo

Bispos metodistas unidos, as agências colaboram em vídeos inflexíveis como o último passo na iniciativa anti-racismo.