Comunidades menores são afetadas por protestos

Other Manual Translations: English Español

O veterano do movimento pelos direitos civis, o Rev. Gilbert Caldwell, subiu ao pódio com a ajuda de um andador em um comício do Black Lives Matter no município de Willingboro, Nova Jersey.

Mais de mil pessoas marcharam pelas ruas da cidade, cerca de 30 mil, para protestar contra a morte violenta de George Floyd sob custódia policial. O protesto em Willingboro foi um dos muitos nos EUA ocorrendo longe das grandes cidades e envolvendo Metodistas Unidos.

Caldwell, 86 anos, pastor metodista aposentado e veterano do movimento pelos direitos civis, sobreviveu a duas operações devido a um tumor no cérebro e tem paralisia na perna e no pé direito. Ele veio mesmo assim e foi apresentado pelo bispo da Conferência Greater New Jersey, John Schol.

Caldwell ficou emocionado que a multidão neste protesto nos subúrbios incluísse todas as raças.

"As pessoas brancas (participando da manifestação) entre os negros me sugeriram que este é um ponto de virada", disse Caldwell. A "resposta multirracial" foi "muito, muito encorajadora para mim".

O reverendo Lan Wilson, diretor de culto da Conferência Greater New Jersey, disse que o protesto de Willingboro foi pacífico.

"Foi muito espiritual", acrescentou.

Floyd morreu em Minneapolis em 25 de maio, depois que um policial branco pressionou o joelho no seu pescoço por mais de oito minutos. Durante a provação, Floyd implorou por sua vida, dizendo que estava tendo dificuldade para respirar. Sua morte provocou protestos nos EUA e através do continentes.

Os protestos em muitas cidades diferentes em vários dias e semanas são um novo desenvolvimento, disse Jeremy Pressman, professor associado de ciência política da Universidade de Connecticut, que estuda protestos.

"Estes são amplos, sustentados, protestos locais, muitas vezes organizados e liderados por jovens."

Pressman disse que suspeita que uma mudança de gerações esteja acontecendo.

"Uma pesquisa recente do New York Times-Siena College mostrou que 67% das crianças de 18 a 29 anos tinham uma visão 'muito favorável' do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam)", disse Pressman. "Essa geração pode ser mais favorável tanto à igualdade quanto à diversidade."

Protestos massivos levaram a mudanças políticas significativas no passado, disse Pressman.

"Agora estamos vendo alguma mudança de política", disse ele. “Uma questão remanescente é a profundidade dessas mudanças. Evidências anteriores sugerem protestos massivos que levam a mudanças significativas nas políticas e nas urnas."

Sioux Falls, Dakota do Sul, com uma população de cerca de 184.000 habitantes, foi palco de um protesto da Black Lives Matter em meados de junho. Outros o seguiram.

"Serei sincero ao dizer que esse foi um tópico em que me senti à margem no passado", disse o reverendo Adam Weber, pastor e fundador da Igreja Embrace, em Sioux Falls, que tem milhares de membros que se reúnem em quatro campi. A maioria de seus congregantes é branca.

"Não quero mais ficar à margem", disse ele.

Weber, branco, tem um filho afro-americano de 12 anos, Wilson.

"Ele queria passar pelo segundo comício apenas para vê-lo", disse Weber. "Então nós passamos várias vezes e eu o vi processar seus sentimentos."

O comício de 31 de junho em Sioux Falls foi o maior encontro que ele viu lá, disse Weber. O inspirou a repensar sua abordagem ao racismo.

"A política se divide e, muitas vezes, é uma questão política", disse Weber. “Mas não é realmente uma questão política. É uma questão de humanidade. Tem sido uma mudança que está ocorrendo em minha própria alma.”

Weber procurou oradores negros para sua igreja, e até agora Carlos Whittaker e o Rev. Derwin Gray já o visitaram. Ele transmitiu bate-papos no Instagram e planeja conversas no Facebook Live sobre raça.

"O que precisa mudar em mim?" Disse Weber. “É sobre isso que tenho orado em minha alma. O que precisa mudar na igreja que pastoreio? O que precisa mudar no quarteirão em que vivo? O racismo que existe ao meu redor? É isso que quero que Deus destaque em minha própria alma.”

A Revda. Felicia Hopkins, superintendente do Distrito de Amarillo na Conferência Noroeste do Texas, participou de um comício da Black Lives Matter naquela cidade. Ela disse que a morte de Floyd pode ter motivado uma nova geração de ativistas.

"Eu tenho apenas idade suficiente para dizer que eu tinha 8 anos quando Martin Luther King morreu", disse ela. "O que você está vendo é um movimento de pessoas que investem nisso de um ponto de vista diferente".

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Ela disse que a composição racial da multidão de protesto em Amarillo era cerca de 60% negra e outras minorias e 40% branca.

"Em comunidades menores ... acho que você está vendo mais diversidade em alguns dos protestos, o que é realmente o que tem que acontecer."

A igreja deve responder a questões humanitárias, disse Hopkins.

"Oh, meu Deus, que colheita madura é essa para nós, permanecermos e mostrarmos amor ao próximo, e tratarmos o próximo como a nós mesmos e realmente falarmos a verdade ao poder", disse ela.

Uma cidade de cerca de 10.000 habitantes viu protestos depois que o prefeito postou no Twitter e no Facebook sobre Floyd: "Se você pode dizer que não pode respirar, está respirando".

Um protesto de 29 de maio foi realizado em Petal, Mississippi, com o objetivo de pedir a renúncia do prefeito Hal Marx. Não teve sucesso.

"Inicialmente, tratava-se de pedir que o prefeito se demitisse", disse o Rev. Jonathan Crabtree, pastor da Igreja Metodista Unida de Asbury, em Petal. “Então se fundiu em um comício Black Lives Matter. Depois daquele fim de semana, os cidadãos da cidade começaram a organizar caminhadas de unidade. Eu acho que eles tiveram duas até agora."

Crabtree, que participou do comício de 29 de maio, disse que sua igreja seria parte da solução. Os jovens de Asbury forjaram relacionamentos em partes oprimidas de Petal, Oak Grove e Hattiesburg por mais de uma década por meio de um programa chamado Base Camp. Também há planos para treinar os membros da igreja sobre como ter as conversas cruciais necessárias para a reconciliação racial.

"Acho que Petal abrirá o caminho para a verdadeira união", disse ele. “E acho que vamos modelar isso para o resto do país e o resto do nosso estado. Como somos uma comunidade unida e tão pequena que, se algo machuca alguém, todo mundo sabe disso, faremos o possível para aliviar essa dor e ajudar a curar.”

Caldwell, que marchou com o Rev. Martin Luther King Jr. e participou de muitas das principais reuniões de direitos civis na década de 1960, está cautelosamente otimista.

"Não chegarei à terra prometida com minha família negra e com aqueles que são nossos aliados", disse ele. "Mas eles, se mantiverem esses momentos vivos, poderão encontrar uma aparência da amada comunidade da MLK."

Patterson é um repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Racismo
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Nascido em Porto Rico, o Rev. Giovanni Arroyo sabe em primeira mão o que é ser uma minoria nos EUA, e essa experiência interfere na maneira como ele persegue sua missão como a principal responsável pela inclusão da Igreja Metodista Unida.
Missão
O Bispo Mande Muyombo fala durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Muyombo foi o orador principal da reunião de 28 de abril a 1º de maio dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja), que foi realizada online. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Os oradores da 55ª Assembleia Geral de Metodistas Negros para a Renovação da Igreja estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, se baseando parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
Racismo
Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa. Foto por Jackie Jackson, Conferência Anual da Carolina do Sul.

Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.