ʽServiço de Lamento' desafia igreja sobre racismo

Other Manual Translations: English español
Alabama-West Florida Conference Bishop David Graves (front) joins in The United Methodist Church’s June 24 “Service of Lament, Repentance, Communion and Commitment” while standing in front of the National Memorial for Peace and Justice in Montgomery, Ala. With him, from left, are: Celeste Eubanks and the Revs. Richard Williams and Ashley Davis of the Alabama-West Florida Conference. Screenshot of video by United Methodist Communications.

O Bispo da Conferência Alabama-West Florida, David Graves (frente) se une ao “Serviço de Lamento, Arrependimento, Comunhão e Compromisso” da Igreja Metodista Unida em 24 de junho, em frente ao Memorial Nacional da Paz e da Justiça em Montgomery, Alabama. da esquerda, são: Celeste Eubanks e os Revs. Richard Williams e Ashley Davis da Conferência Alabama-West Flórida. Captura de tela do vídeo da Comunicação Metodista Unida. 

Um inflexível "Serviço de Lamento, Arrependimento, Comunhão e Compromisso", de uma hora, entrou em operação no dia 24 de junho, colocando a Igreja Metodista Unida no registro como comprometida com um novo impulso contra o racismo.

"O Conselho dos Bispos e todas as agências da igreja em nossa denominação estão trabalhando juntos como nunca antes, porque esse apelo de Deus e clamor de nosso mundo conturbado são tão urgentes", diz a bispa da conferência de East Ohio, Tracy Malone, durante o serviço de vídeo. "Estamos agindo e nos movendo."

Reunidos em menos de duas semanas, apesar da pandemia do COVID-19 - com filmagens de 25 locais diferentes - o vídeo apresenta oração, Escritura e testemunho angustiado dos Metodistas Unidos de cor.

São tecidos em toda parte espirituais e hinos de protesto cantados com acompanhamento sobressalente ou inexistente, além de fotos de manifestações e vítimas de violência racial.

O serviço se concentra na comunhão, liderada por bispos em quatro locais, com a liturgia incorporando o apelo de "Não consigo respirar" de George Floyd, quando ele morria em um estrangulamento da polícia em Minneapolis, bem como as palavras "Vidas negras importam". 

No serviço, os bispos brancos falam claramente sobre privilégios brancos.

"Devemos orar para que Deus abra nossos olhos para o modo como nos beneficiamos diretamente do racismo e como podemos fazer parte do desmantelamento e cura que devem ser feitos", diz o bispo da conferência de Nova York, Thomas Bickerton.

Os líderes da Igreja usaram a Juneteenth - a celebração de 19 de junho do fim da escravidão nos EUA - para anunciar o lançamento de uma iniciativa chamada Desmantelamento do Racismo: Pressionando a Liberdade.

Estimulado pelo assassinato de Floyd e outras mortes de alto nível de afro-americanos nas mãos de policiais, o Conselho dos Bispos e os líderes das agências da igreja geral prometeram um novo compromisso denominacional à justiça racial.

O serviço de 24 de junho foi o primeiro grande encontro on-line da iniciativa.

Erin Hawkins, alta executiva da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, disse que ela e outras pessoas que planejam o serviço querem que seja uma luta desconfortavelmente sincera com o racismo, inclusive dentro da igreja.

"Todos os nossos corações precisam se partir um pouco, para que a paixão, o amor e a justiça contidos neles possam fluir", disse Hawkins por telefone.

A Revda. Cynthia Wilson, executiva de recursos de adoração do Ministério Metodista Unido do Discipulado, coordenou a equipe que projetou o serviço. Ela se juntou a Hawkins e outros líderes, acreditando que o esforço antirracismo tinha que ser fundamentado na adoração, com um apelo a Deus por perdão e ajuda. 

"Acho que esquecemos como clamar a Deus", disse Wilson. “É hora de nos lembrarmos. Como o texto de Eclesiastes nos lembra, há épocas para chorar e prantear de luto.”

O serviço começa com a gravação da lendária cantora Odetta de "Às vezes me sinto como uma criança sem mãe". Outros cantos espirituais são empregados, mas também imagens do Rev. R. DeAndre Johnson, da Igreja Metodista Unida de Cristo em Sugar Land, Texas, cantando um hino de protesto recente que ele escreveu que encontrou ampla audiência no YouTube.

O serviço apresenta testemunhos sobre o racismo de um grupo diversificado de testemunhas Metodistas Unidas, incluindo Valerie Boyer que, como jovem afro-americana, fala em amar a denominação, mas também experimentando suas falhas.  

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Eu preciso que minha igreja diga algo, começando pelo básico, como dizer o nome deles", diz ela, ou seja, as vítimas de violência racial.

Boyer também pede atenção aos 8 minutos e 46 segundos que Floyd estava em um estrangulamento letal. Mais tarde, no serviço, esse período de tempo é observado em silêncio, enquanto citações de líderes de direitos civis, humanos e outros, incluindo o fundador do metodismo John Wesley, aparecem na tela.

Para o segmento da comunhão, a bispa da Conferência de Baltimore-Washington, LaTrelle Easterling, está diante de uma faixa Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) da Igreja Episcopal de St. John, na Praça Lafayette, em Washington. O bispo da Conferência California-Pacific, Grant Hagiya, em Los Angeles, o bispo da área de Dakotas-Minnesota, Bruce Ough, em Minneapolis, e o bispo da conferência Alabama-Oeste, da Flórida, David Graves, no Memorial Nacional pela Paz e Justiça em Montgomery, Alabama, se juntam a ela em oficiar.

A realidade da pandemia é clara não apenas em seus locais remotos, mas Easterling incentiva os espectadores a decidirem por si próprios se desejam participar da comunhão on-line - uma fonte de controvérsia e instruções variadas dos bispos.

A Presidente do Conselho dos Bispos, Cynthia Harvey, está entre os que fazem orações no culto, e ela cita uma que foi dada pelo Bispo Woodie White na Conferência Geral de 1996. Começa assim:

“Que o Senhor continue a atormentá-lo. Que o Senhor mantenha diante de vocês os rostos dos famintos, dos solitários, dos rejeitados e dos desprezados. Que o Senhor o aflija com dor pelas mágoas, feridos, oprimidos, abusados, vítimas de violência.”

O serviço permanecerá acessível em vários sites denominacionais, dando às igrejas e outros grupos a chance de compartilhá-lo em toda a denominação e além.

O Rev. Theon Johnson III, pastor da Igreja Metodista Unida de Downs Memorial, em Oakland, Califórnia, está entre os que estão no serviço, tendo usado seu smartphone para gravar sua própria leitura das Escrituras.

Ele disse em uma entrevista por telefone que estava feliz em ajudar, mas estará procurando acompanhamento em grande escala.

"Neste momento, não podemos nos dar ao luxo de abordar a injustiça do racismo como uma ilha em si", disse ele. “Injustiça gera injustiça. A injustiça é uma grande família e o desmantelamento do racismo também exige que contemos com outros 'ismos' que oprimem os filhos de Deus.”

*Hodges é um escritor de Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos. 

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Preocupações Sociais
"Um grupo de painelistas discutiu a história do Metodismo em torno da questão da raça durante uma reunião aberta ao vivo, denominacional. A reunião foi moderada por Erin Hawkins (canto inferior direito) da Comissão Metodista Unida de Religião. e Race. Os palestrantes convidados incluíram: Alison Collis Greene, Reverendo Alfred T. Dia III, William Bobby McClain e Lisa Dellinger. A foto é uma captura de tela do MU News via YouTube.

Desembaraçando a história racial dos EUA e da igreja

Em uma reunião aberta pelo YouTube, os líderes metodistas unidos expuseram a atitude complicada, e às vezes não muito transparente, da igreja em relação à questão da raça, a fim de incentivar os metodistas unidos a corrigir os erros do passado.
Área Geral da Igreja
Os delegados dão as mãos e oram em 23 de fevereiro de 2019, no plenário de abertura da sessão extraordinária da Conferência Geral realizada em St. Louis. Foto de arquivo de Paul Jeffrey, Notícias MU.

Perguntas e Respostas: O que significa o atraso para a Conferência Geral

Os organizadores respondem a perguntas sobre o que o adiamento para 2021 significa para a assembléia legislativa da Igreja Metodista Unida.