Pandemia ameaça ministério com migrantes

Other Manual Translations: English español

Cindy Johnson, uma diaconisa metodista unida que vive em Brownsville, Texas, tem um coração voltado para os milhares de migrantes que chegam a esta área do país em busca de vidas melhores e mais seguras. Até o COVID-19, ela visitava pessoalmente os migrantes quase todos os dias, no acampamento sob a ponte Matamoros - que liga os Estados Unidos e o México - onde ficavam enquanto aguardavam a chance de pedir asilo. O coronavírus não impediu as pessoas de procurar asilo, mas impediu Johnson e outros de fazer ministério presencial.

Como ajudar

Ore
Na página de Recursos para a Imigração de Mulheres Metodistas Unidas: “Ore por compaixão em nossos líderes eleitos. Ore por famílias que estão separadas, por aqueles que comparecem perante juízes para pedir asilo, por aqueles que estão em viagem, por advogados e voluntários que os apoiam. Ore para que possamos ter compaixão." 

Apoie
UMCOR
Fundo da migraçâo global
Justiça Para os Nossos Vizinhos

Leia as histórias 
Leia as histórias que a Notícias MU contou sobre o trabalho da igreja nos dois lados da fronteira com os EUA e o México. Encontre todas as histórias listadas abaixo. 
Veja todas as histórias da série Notícias MU, Ministério com Migrantes

Pequenos grupos de pessoas que antes acampavam sob a ponte, esperando sua vez de pedir asilo, foram levados para um acampamento à beira do rio. O número de pessoas aumentou para mais de 2.500 em uma cidade de tendas.

Johnson só pode ir à cidade das tendas às terças-feiras por duas horas e ela precisa ficar longe dos migrantes. Ela relata que uma equipe de médicos da Global Response Management (Gestão de Resposta Global) está prestando serviços de atenção primária em tempo integral e operando uma farmácia. Em seus dias no campo, ela recebe solicitações dos médicos e compra suprimentos necessários com doações enviadas ao distrito de El Valle, na Conferência do Rio Texas.

Ela comprou recentemente US $ 1.000 em spray para insetos para aqueles que moram nas tendas. "É o Texas, está ficando quente e há muitos mosquitos", disse ela em entrevista à Notícias MU.

Johnson disse que o campo tem lavatórios e isolou uma seção para pessoas que ficam doentes. Ela não é mais capaz de trazer comida, mas outros estão fazendo isso, disse ela.

Brownsville Herald informou recentemente sobre o acampamento.

Johnson disse que as condições são "horríveis", mas ela tem esperança. "Por favor, mantenha nossos irmãos e irmãs migrantes em suas orações".

Assista ao vídeo

Cindy Johnson discute as necessidades dos migrantes que vivem em um acampamento em Matamoros, México, durante a pandemia de coronavírus, incluindo máscaras, vitaminas para crianças e instalações médicas. Vídeo cortesia da página de Cindy Johnson no Facebook.

Las Cruces, Novo México

O Rev. George Miller, da Igreja Metodista Unida El Calvario, relata que o COVID-19 tornou difícil fazer ministério, mantendo as diretrizes de saúde.

Miller disse que a maioria dos solicitantes de asilo voltou ao México desde que o governo Trump fechou a fronteira.

Em novembro de 2019, a Força-Tarefa Metodista Unida em Imigração visitou a Igreja Metodista Unida El Calvario, bem como os campos de migrantes perto da Ponte Internacional Paso del Norte, que liga Juárez a El Paso. Os Metodistas Unidos se voluntariaram nesse campo.
 
“Com a pressa de estocar suprimentos, tanto no México como nos EUA, os abrigos foram um pouco esquecidos. A maioria das doações em espécie se esgotou, com itens de saúde e limpeza em falta, sem fraldas, produtos de higiene, etc. Portanto, temos que assumir os itens de 'emergência' da fronteira o máximo que pudermos”, disse Miller.

A El Calvario iniciou um "check challenge" incentivando as pessoas a reservarem parte ou a totalidade das COVID-19 stimulus checks (benefícios COVID-19) para ajudar outras pessoas.

Miller disse que os imigrantes não podem se favorecer de vários pacotes de benefícios do governo e são as primeiras pessoas a serem demitidas.

“Vou mencionar duas famílias, uma em que o pai foi demitido de um restaurante, e a outra de uma mãe que limpou casas e agora não é bem-vinda nas casas por causa do medo de vírus. Eles estão desesperados e não sabem onde recorrer”, disse ele.

A igreja ainda fornece alimentos e roupas suplementares e está tentando fornecer assistência financeira, disse Miller. “Estamos comprometidos em estar presentes no sul do Novo México para todos os imigrantes. Estamos contratando um diretor de programa para serviços de imigração”, disse Miller. 


 

A young boy arranges a tarp to protect his family's tent from rain at a makeshift encampment in Juárez, Mexico, for people waiting to make asylum claims in the U.S. in November 2019. File photo by Mike DuBose, UM News.

Um garoto arranja uma lona para proteger a barraca de sua família da chuva em um acampamento improvisado em Juárez, México, para pessoas que esperam fazer pedidos de asilo nos EUA em novembro de 2019. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Tijuana, México e San Diego

O Rev. Joel Hortiales, diretor dos Ministérios Hispânico / Latino e Preocupações com Fronteiras da Conferência California-Pacific, e o Bispo Felipe Ruiz Aguilar, da Igreja Metodista do México, Tijuana, estão trabalhando juntos para servir os migrantes tentando atravessar de Tijuana para San Diego.

Grandes ondas de pessoas não estão mais chegando, disse Hortiales. Um grande campo de migrantes administrado pela Guarda Nacional do México mantém os residentes em quarentena e não permite que voluntários da igreja os visitem dentro dele, acrescentou.

"Ainda não há casos de COVID-19 nos abrigos, mas a cidade de Tijuana na semana passada registrou 400 casos e a cidade de Mexicali teve 20", disse ele. Como na maioria dos EUA, os cidadãos são orientados a ficarem em casa até maio.

O programa de alimentação da Igreja Metodista do México, em Tijuana, fechou as portas em 3 de abril, disse ele.
 
“O bispo Ruiz disse que o governo está permitindo que o programa de alimentação prepare comida para dar nas ruas, fora das instalações, com máscaras e a distância apropriada. E os metodistas estão fazendo o possível para ajudar ”, disse Hortiales.

Como a maioria das igrejas nos EUA, El Faro: Igreja da Fronteira / La Iglesia Fronteriza está mantendo serviços online. Por muitos anos, a Igreja Metodista do México e a Igreja Metodista Unida nos EUA compartilham a comunhão todos os domingos através da fronteira, mas não podem fazer isso agora. Essa era a única conexão que muitas famílias tinham com seus entes queridos.

O Instituto Lydia Patterson, uma escola preparatória para a faculdade Metodista Unida em El Paso, Texas, transferiu as aulas para o ambiente on-line por causa do COVID-19. Setenta por cento dos estudantes que frequentam a escola são de Juárez, disse a presidente da escola, Socorro de Anda.

Volunteers from the Methodist Church of Mexico feed people outside a makeshift camp for migrants at the Benito Juarez sports complex in Tijuana, Mexico, in December 2018. The program was forced to close April 3 due to the coronavirus. File photo by Mike DuBose, UM News.

Voluntários da Igreja Metodista do México alimentam pessoas do lado de fora de um campo improvisado de migrantes no complexo esportivo Benito Juarez em Tijuana, México, em dezembro de 2018. O programa foi forçado a fechar em 3 de abril devido ao coronavírus. Foto de arquivo de Mike DuBose, Notícias MU.

Advogando nos EUA

Mais de 200 organizações religiosas, incluindo o Conselho Metodista Unificado de Igreja e Sociedade, enviaram uma carta ao governo Trump, ao Congresso e aos governadores pedindo que incluíssem requerentes de asilo em resposta de emergência ao COVID-19.
   
A carta seguia uma declaração anterior da Coalizão de Imigração Inter-religiosa, pedindo o fim do preconceito médico contra os imigrantes. 
 
“Imigrantes, refugiados e requerentes de asilo fazem parte de nossas comunidades. Eles atuam na linha de frente da pandemia, mantêm nossas cadeias de suprimentos funcionando e pagam impostos. Enfrentar o medo da deportação, separar-se de suas famílias ou não ter acesso aos cuidados de saúde enquanto o fazem não é apenas trágico, mas desnecessário”, disse o Rev. John L. McCullough, Metodista Unido, presidente e CEO da Church World Service (Serviço Mundial da Igreja), um grupo de defesa ecumênico.
 
“Muitos dos que estarão vulneráveis sem as proteções que pedimos são casados, pais ou filhos de cidadãos americanos. Essas são medidas concretas que nossos oficiais eleitos podem tomar para protegê-los, garantindo que o medo do COVID-19 não seja agravado pela crueldade.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Justiça para nossos vizinhos 

A  National Justice for Our Neighbors (Justiça Nacional para Nossos Vizinhos) é uma rede de advogados metodistas unidos que oferecem representação legal completa em 18 locais nos EUA. Rob Rutland-Brown, diretor da rede, disse que seu trabalho continua durante a pandemia.

Rutland-Brown emitiu uma chamada à ação para parar uma ordem executiva que entrou em vigor dia 23 de abril, e vai durar por 60 dias para suspender a imigração para os EUA.

A ordem afirma que protege a força de trabalho do país, mas Rutland-Brown disse que ficou claro para a JFON que o objetivo é coibir a imigração familiar. Ele disse que a ordem prejudicará cidadãos americanos e portadores de green card - imigrantes autorizados a viver e trabalhar nos EUA - buscando se reunir com suas famílias.

“Muitos deles (clientes) não têm acesso à comida, não conseguem trabalhar e ficam ansiosos em procurar atendimento médico, enquanto se preocupam com o status de imigração. Alguns clientes ainda estão sendo obrigados a comparecer a tribunais lotados, forçados a enfrentar o risco de contrair o coronavírus ou serem deportados”, afirmou ele.

Rutland-Brown disse que os advogados estão interagindo remotamente com os clientes, enquanto descobrem as melhores maneiras de cumprir a missão de Justiça para Nossos Vizinhos em "águas desconhecidas".

"Esta proclamação é antitética aos valores compartilhados de nossa nação, nossa fé e nossa Rede Justiça para Nossos Vizinhos", disse ele. “Congratulamo-nos com os imigrantes. Sabemos que eles fortalecem nossas comunidades e nossa economia. Acreditamos que todas as famílias pertencem uma à outra.”

*Gilbert é redator de notícias do Serviço Metodista Unida de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

Missão
James Hildreth, presidente e CEO da Faculdade de Medicina Meharry, fala durante a coletiva de imprensa no Titans mural no Korean Veterans Blvd., para atualizar o público sobre a resposta de Nashville à Covid-19 e a estratégia daqui para frente. Foto cedida por Alan Poizner para o The Tennessean.

O presidente da faculdade metodista pode estar na equipe de Biden

Hildreth ganhou fama enquanto conduzia pesquisas sobre HIV e AIDS que começaram na década de 1980.