Votação da sessão do clero destaca divisão LGBTQ

Translate Page

A sessão do clero da Conferência da Flórida na semana passada decidiu contra a aprovação de uma lista inteira de 16 pessoas para avançar no caminho para se tornarem presbíteros ou diáconos ordenados. A decisão agitou a conferência, repercutiu em toda a Igreja Metodista Unida e destacou o conflito da denominação sobre a inclusão LGBTQ completa.

A aprovação da sessão do clero é necessária para aqueles que buscam a adesão provisória, um passo importante para a ordenação e a adesão plena à conferência.

Como algumas outras conferências anuais dos EUA, a sessão do clero da Conferência da Flórida tradicionalmente vota em todo um grupo de candidatos a membros provisórios.

Clérigos da Flórida com diferentes perspectivas sobre a inclusão LGBTQ concordaram que foi a presença de candidatos abertamente gays no grupo deste ano que fez com que a sessão ficasse aquém dos 75% de votos necessários para aprovação – algo que geralmente é rotineiro.

Muitos na Conferência da Flórida e além viram a votação como uma injustiça cruel, adiando o avanço para os candidatos que haviam colocado anos de preparação e foram recomendados pela junta do ministério ordenado da conferência, bem como por uma igreja local e uma junta distrital.

Bishop Kenneth Carter, episcopal leader of the Florida Conference, said he would have “gladly” commissioned and appointed 16 candidates who were not approved by the conference clergy session for provisional membership — an important step toward ordination as a United Methodist elder or deacon. Photo courtesy of the Florida Conference.  

O bispo Kenneth Carter, líder episcopal da Conferência da Flórida, disse que teria “de bom grado” comissionado e nomeado 16 candidatos que não foram aprovados pela sessão do clero da conferência para membros provisórios – um passo importante para a ordenação como presbítero ou diácono Metodista Unido. Foto cortesia da Conferência da Flórida.

Os tradicionalistas enfatizaram que o clero promete manter a política Metodista Unida, que, apesar de muitos esforços para mudá-la, diz que a prática da homossexualidade é incompatível com o ensino cristão e proíbe a ordenação de “homossexuais praticantes confessos”.

“O contexto histórico para a votação é o cenário maior de nossa denominação e suas divisões”, disse um triste Bispo da Conferência da Flórida, Kenneth Carter, durante um culto de 11 de junho que concluiu a reunião da conferência, realizada em Lakeland, Flórida.

Os 16 candidatos podem ser considerados novamente em uma futura sessão do clero. Mas dada a votação da semana passada, o serviço de conclusão, que foi faturado como um serviço de licenciamento, comissionamento e ordenação, apresentou apenas candidatos para ordenação e licenciamento.

Durante o culto, Carter liderou a multidão no que ele chamou de um momento de “santo silêncio” para os 16. Ele observou que, embora os bispos nomeiem o clero, eles não se juntam na verificação de candidatos ao clero.

“Quero dizer àqueles que teriam sido comissionados, cada um de vocês, que eu os teria nomeado e comissionado com prazer”, disse ele.

Mais cedo, em 11 de junho, a conferência aprovou por maioria esmagadora uma resolução pedindo desculpas pelos danos causados a esses candidatos, incluindo adiar suas carreiras e reverter o que deveria ser um dia de comemoração com familiares e amigos.

Kipp Nelson. Photo by Morgan Parker. 
Kipp Nelson. Foto cortesia de Morgan Parker.

Dois dos 16, Kipp Nelson e Erin Wagner, confirmaram para a Notícias UM que eles eram os candidatos abertamente gays no centro do debate, embora não nominalmente, durante a sessão do clero de 9 de junho.

“É de partir o coração ser uma das pessoas LGBTQ sem nome na sala que está sendo discutida. Esse é um lugar realmente desconfortável para se estar”, disse Nelson, já um pastor local licenciado servindo em St. John, na Igreja Metodista Unida Lake em Miami Beach.

Nelson, que começou sua jornada em direção à ordenação de presbíteros em 2015, acrescentou que estava “sentindo o peso” de todo o grupo sendo bloqueado pelo que descreveu como “ódio por nós LGBTQ”.

Wagner, assistente social e terapeuta ambulatorial que está no caminho dos diáconos e se formou na Escola de Teologia da Universidade de Boston, disse que estava "com o coração partido" por todos os candidatos bloqueados.

“Já estamos todos atendendo a conferência, igrejas locais, hospitais e organizações sem fins lucrativos, e essa decisão não confirma o trabalho que já estamos fazendo nem nos permite tomar as medidas necessárias para avançar em nossas ligações e carreiras”, disse Wagner. “As implicações são emocionais, financeiras e éticas.”

Embora o debate da sessão do clero se concentre em dois candidatos gays, uma terceira, Anna Swygert, disse à Notícias MU que ela tem sido aberta sobre sua orientação pelo mesmo sexo, embora não seja ativa nas mídias sociais sobre isso. Ela disse que queria ser agrupada com Wagner e Nelson.

“É particularmente importante, por haver tão pouca representação LGBTQ em espaços religiosos, ter exemplos de pessoas LGBTQ vivendo seu chamado”, disse Swygert, que está trabalhando para a ordenação como diaconisa. Atualmente, ela é diretora assistente de um programa de cuidados paliativos hospitalares para adolescentes, bem como diretora de envolvimento da comunidade na Gator Wesley Foundation, o ministério Metodista Unido da Universidade da Flórida.

Embora a maior parte da reunião da Conferência da Flórida tenha sido realizada no Florida Southern College, a sessão do clero ocorreu na Primeira Igreja Metodista Unida de Lakeland, à qual Swygert cresceu participando.

“Isso aconteceu no santuário da minha igreja natal… o lugar onde meus pais se casaram, fui batizada, fui confirmada, o funeral de meu pai foi realizado e seu local de cremação (restos mortais) está”, ela postou no Facebook. “Foi indescritivelmente doloroso esta batalha ser travada em minha casa.”

Erin Wagner. Photo courtesy of Erin Wagner. 

Erin Wagner. Foto cortesia de Erin Wagner.

A votação da sessão do clero da Conferência da Flórida foi muito discutida nas mídias sociais e foi protestada em algumas outras reuniões da conferência anual dos EUA no final da semana passada. O Coletivo de Jovens Clérigos da MU postou uma carta aberta criticando a votação.

“Estamos claramente muito longe de aprender o que significa incorporar a primeira Regra Geral de (o fundador do Metodismo, John) Wesley: 'Não faça mal'”, diz a carta.

O clero tradicionalista da Flórida juntou-se em expressões de infelicidade.

"O que aconteceu na manhã de quinta-feira (na sessão do clero) não foi uma 'vitória' para ninguém", disse o reverendo David deSilva, um ancião da Conferência da Flórida e professor de Novo Testamento e grego no Seminário Teológico Ashland, em um discurso amplamente compartilhado em postagem no Facebook. “Foi uma situação dolorosa e lamentável.”

Mas deSilva, em seu post, disse que a culpa pertence ao conselho do ministério ordenado da conferência por recomendar candidatos gays, apesar dos ensinamentos oficiais da Igreja sobre homossexualidade e restrições relacionadas à ordenação.

“O conselho estava fazendo isso conscientemente, colocando o clero da conferência anual em posição de agir em desafio ao pacto que nós, como clero, juramos defender, que inclui cumprir as decisões da Conferência Geral, conforme detalhado no Livro de Disciplina”, escreveu deSilva.

O reverendo Jack Jackson, outro ancião da Conferência da Flórida, tradicionalista e professor de seminário, disse que a conferência está claramente em um caminho progressista, mas que o conselho e os líderes da conferência agiram cedo demais ao apresentar candidatos gays.

“Claramente a liderança da conferência e o conselho do ministério ordenado superestimaram o apoio atual à ordenação de pessoas LGBTQIA”, disse ele por e-mail. “Eles agiram presunçosamente e, no processo, prejudicaram as pessoas para comissionamento, bem como todo o clero e a conferência como um todo.”  

Carter se recusou a responder às críticas. Mas outro dos 16 candidatos, Lucas Bonates, o fez.

“Eu não podia acreditar que algum clero afrontasse o Livro de Disciplina desrespeitando o trabalho das igrejas locais, do superintendente distrital, da comissão distrital do ministério e da junta do ministério ordenado que realmente conhece cada candidato, vê o fruto de seus ministérios e afirma seu chamado”, disse Bonates, natural do Brasil, que atua como pastor associado da Primeira Igreja Metodista Unida em Coral Gables, Flórida.

Bonates, que frequentou o Seminário Teológico de Asbury, se descreveu como teológicamente ortodoxo, mas disse que está “sendo transformado” pelo exemplo de colegas LGBTQ.

“Trabalho com um dos candidatos, Kipp Nelson, e seu testemunho, seu amor e serviço para com os outros me fizeram perceber que Deus tem um propósito para sua vida”, disse Bonates.

Anna Swygert. Photo courtesy of Anna Swygert. 
Anna Swygert. Foto cortesia de Anna Swygert.

O próprio Nelson recuou contra o argumento de que os membros da conferência do clero eram obrigados pelo Livro da Disciplina a votar contra a aprovação dele e dos outros.

“Esta é uma questão de justiça, e há inúmeros exemplos nas Escrituras em que as regras foram quebradas por causa da justiça, e Jesus modelou isso para nós melhor do que qualquer outro”, disse ele.

Carter relatou à conferência que a sessão do clero teve uma primeira votação de cerca de 70 por cento para aprovação. O clero concordou em fazer uma segunda votação, mas o resultado foi cerca de 72% a favor, um punhado de votos aquém da margem necessária.

Alguns clérigos disseram que houve um esforço malsucedido para votar em candidatos individuais.

A Igreja Metodista Unida enfrenta divisões sobre a inclusão LGBTQ há décadas, com crescente desafio nos EUA às restrições a casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenações.

A Conferência da Flórida reuniu-se à medida que o ritmo das igrejas locais que procuravam deixar a Igreja Metodista Unida acelerou, com alguns indo para uma nova denominação tradicionalista, a Igreja Metodista Global.

Na semana passada, a Conferência da Flórida aprovou 14 desfiliações de igrejas locais, e Carter disse que o clero que planeja sair foi proeminente no debate sobre candidatos gays para membros provisórios.

“A grande maioria das vozes que falaram na sessão do clero, seja contra sua candidatura ou contra os processos que levaram à sua candidatura, estavam entre aqueles que estão em processos formais de saída de nossa igreja”, disse Carter. “Digo isso não como uma depreciação, mas como um fato histórico. Um número menor dessas vozes partiu desde a sessão do clero no início desta semana”.

Os tradicionalistas disseram que a Conferência da Flórida e a denominação em geral devem facilitar o caminho da desfiliação para igrejas e clérigos que se opõem ao que os tradicionalistas veem como a adoção inevitável da inclusão LGBTQ completa pela Igreja Metodista Unida.

“A mensagem que gostaríamos de comunicar é que gostaríamos de ser dispensados de maneira justa e amigável, e realmente tudo isso (o conflito) poderia parar”, disse o reverendo Jeremy Rebman, presidente da tradicionalista Associação do Pacto Wesleyano na Flórida.

A Conferência da Flórida está apontando para uma conferência anual especial ainda este ano para considerar outros pedidos de desfiliação da igreja local. Também pode haver uma sessão do clero mais cedo do que o habitual, para que os candidatos a membros provisórios não precisem esperar até a reunião da Conferência da Flórida de 2023 para outra votação.

“Estamos refletindo sobre um processo que não causará mais danos e que realmente servirá aos candidatos, à conferência anual e, por extensão, à missão da igreja”, disse Carter à Notícias MU. “Vamos ouvir várias partes interessadas na exploração de uma sessão do clero no curto prazo.”

O bispo observou no culto de 11 de junho, que foi transmitido ao vivo, que a controvérsia atraiu atenção muito além da Flórida.

“Para aqueles fora da Flórida que podem estar adorando conosco hoje, que têm observado, orado e refletido, quero dizer simplesmente que esta é uma conferência cheia de pessoas incríveis”, disse ele.

Nelson, Wagner e Swygert enfatizaram que muitos os procuraram desde a sessão do clero.

“O nível de apoio que recebi, tanto nas consequências imediatas quanto no impacto contínuo, foi um verdadeiro presente”, disse Wagner. “É por causa desse amor que sou capaz de permanecer fiel ao meu chamado.”

 

*Hodges é um escritor baseado em Dallas para o United Methodist News. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

 

Conferência Anual
O Rev. Andrew C. Kjorlaug, um ancião da Conferência do Arkansas e capelão do Exército dos EUA, apresenta uma resolução na Conferência Anual do Arkansas que convida a delegação do Congresso do estado a agir sobre a “legislação responsável sobre armas de fogo”. Em um ano que viu vários tiroteios em massa, o Arkansas estava entre várias conferências Metodistas Unidas pedindo aos líderes eleitos que fizessem mais para regular as armas. Captura de tela cortesia da Conferência do Arkansas via YouTube pela Notícias MU.

Conferências agem a respeito da violência armada

Mesmo que as conferências anuais se encontrem no meio de discussões sobre desfiliações da igreja local e desacordos sobre a inclusão LGBTQ, elas estão pedindo ação e aprovando resoluções, além da retórica e dos chamados necessários à oração, sobre o grave problema da violência armada na sociedade americana.
Área Geral da Igreja
A Conferência Anual da Flórida tem cerca de 574 igrejas e 300 novas comunidades e ministérios de fé. A partida das 106 igrejas deixaria algumas comunidades da Flórida sem a presença Metodista Unida. Ilustração Rev. Gustavo Vasquez, Noticias MU News.

106 igrejas da Flórida processam para sair da denominação

A Conferência da Flórida está enfrentando uma ação movida por mais de 100 igrejas que querem alienar a Igreja Metodista Unida de sua propriedade e transferi-la para uma denominação separatista teologicamente conservadora.
Área Geral da Igreja
Uma ação judicial e contra-processo entre a Conferência da Geórgia do Norte e a Igreja Metodista Unida Mt. Bethel em Marietta, Geórgia, foi concluída com a megaigreja concordando em pagar cerca de US$ 13,1 milhões para deixar a denominação com propriedades. Imagem cortesia do Google Maps.

Conferência e megaigreja chegam a acordo legal

A Igreja Mount Bethel concordou em pagar US $ 13,1 milhões à Conferência Anual da Geórgia do Norte para deixar a Igreja Metodista Unida e manter a propriedade.