Igreja sai da denominação para a igualdade LGBTQ

Other Manual Translations: English 한국어 español
Asbury Memorial Church in Savannah, Ga., is leaving The United Methodist Church in support of LGBTQ inclusion. The church, with more than 300 members, is the first since 2016 to leave expressly in opposition to the denomination’s bans on same-sex weddings and “self-avowed practicing” gay clergy. Photo courtesy of Asbury Memorial Church.

A Igreja Memorial Asbury em Savannah, Geórgia, está deixando a Igreja Metodista Unida em apoio à inclusão LGBTQ. A igreja, com mais de 300 membros, é a primeira desde 2016 a sair expressamente em oposição às proibições da denominação de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e do clero gay “auto-declarado praticante”. Foto cortesia da Igreja Asbury Memorial."

Uma igreja em Savannah, Geórgia, é a primeira congregação nos últimos anos a deixar o rebanho Metodista Unido em apoio à inclusão LGBTQ.

Nos últimos quatro anos, várias congregações deixaram a Igreja Metodista Unida em resposta à intensificação do desacordo sobre como aceitar pessoas homossexuais. A maioria fez isso citando o cansaço com o debate ou a falta de aplicação das proibições da denominação sobre casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos homossexuais “auto-declarados praticantes” .

No entanto, a Igreja Asbury Memorial - uma congregação de mais de 300 membros no centro de Savannah - é a primeira desde pelo menos 2016 a sair expressamente em oposição a essas proibições. E é improvável que seja o último.

A Conferência Anual da Geórgia do Sul, em sua sessão virtual de 15 de agosto, aceitou a saída do Asbury Memorial e de seis outras congregações sob as novas normas de desfiliação aprovadas pela Conferência Geral de 2019, uma sessão especial da principal assembleia legislativa da denominação.

As políticas permitem que as congregações deixem a denominação com suas propriedades “por razões de consciência” relacionadas à homossexualidade, se cumprirem certos requisitos.

Entre esses requisitos está que pelo menos dois terços da congregação votem pela desfiliação e a maioria dos eleitores da conferência anual aprove. As conferências anuais são órgãos regionais da igreja.

As igrejas que partem também devem cumprir certas obrigações financeiras, incluindo o pagamento de uma parte das obrigações não financiadas de pensão do clero de sua associação - isto é, o que as conferências devem aos aposentados. 

O Rev. Billy Hester, ministro sênior do Asbury Memorial, reconheceu que sair tem um preço alto. Mas ele disse que a congregação não podia mais esperar para incluir seus membros LGBTQ totalmente na vida da igreja.

“Já vi muitas pessoas morrerem em minha congregação, especialmente LGBTQ, e há outras pessoas que estão ficando mais velhas, e eu queria que elas vissem este dia”, disse Hester.

“Outra razão é que realmente precisamos estar envolvidos no tratamento de outras questões, racismo sistêmico, aquecimento global e tantas outras questões. ... Isso vai nos libertar.”

A congregação agora será independente.

A painted door displayed at Asbury Memorial Church in Savannah, Ga., proclaims, “God’s doors are open to all.” Photo courtesy of Asbury Memorial Church.

Una puerta que se exhibe en la Iglesia Metodista Unida Memorial Asbury en Savannah, Georgia, proclama: "Las puertas de Dios están abiertas para todos/as". Foto cortesía de la IMU Memorial Asbury.

O Rev. David Thompson, superintendente do Distrito Costeiro na Conferência da Geórgia do Sul, trabalhou com a congregação do Asbury Memorial enquanto a igreja passava pelo processo de desfiliação.

“Estas foram conversas muito agradáveisentre nós, e a Igreja seguiu o processo que aprovamos como Conferência da Geórgia do Sul”, disse ele em um comunicado.

“Nunca ficamos felizes em ver as igrejas locais se afastarem de nossa comunhão, mas entendemos seu desejo de fazê-lo e oramos por seu futuro ministério.”

Thompson disse à Notícias MU que as igrejas partiram de todo o espectro teológico. A nova política de desfiliação não exige que as igrejas anunciem sua posição - apenas que sua saída está relacionada ao debate sobre homossexualidade.

Das sete igrejas que partem da Geórgia do Sul, Thompson descreveu seis como tradicionais - o que significa que apoiam as restrições relacionadas a LGBTQ.

Os bispos Metodistas Unidos convocaram a Conferência Geral especial em fevereiro de 2019 especificamente para abordar as divisões sobre o status das pessoas LGBTQ.

Por uma votação de 438 a 384 votos, delegados de todo o mundo aprovaram o Plano Tradicional que reforçou as proibições da denominação sobre o clero gay não celibatário e instituiu penalidades obrigatórias para o clero que oficiar em casamentos do mesmo sexo.

Na mesma reunião, a maioria dos delegados aprovou as novas políticas de desfiliação. Na época, alguns delegados esperavam que as igrejas amigas dos LGBTQ que discordavam do Plano Tradicional fossem as primeiras a se dirigir às saídas.

Inicialmente, não foi esse o caso. Em vez disso, muitas congregações que se opõem ao Plano Tradicional optaram por resistir publicamente e buscar reformas dentro da denominação.

Até agora, pelo menos 14 igrejas abandonaram as novas políticas de desfiliação - incluindo sete congregações tradicionais que partiram da Conferência do Mississippi no ano passado.

Ainda assim, outras congregações progressistas estão considerando partir.

A Conferência New England, quando se reunir on-line em 17 de outubro, tem a definição de tomar uma resolução de desfiliação da Igreja Metodista Unida Brackett Memorial em Peaks Island, Maine. A igreja, que tem cerca de 92 membros, já assinou um acordo de desfiliação com os curadores da associação.

“Não temos qualquer razão para acreditar que algo vai ser resolvido em breve na Igreja Metodista Unida”, disse o Rev. Will Green, o pastor da igreja e um presbítero provisório assumidamente gay. “Sentimos que tínhamos a oportunidade de ser proativos em relação ao nosso futuro”.

Oito outras igrejas da New England também estão avaliando a desfiliação, mas não planejam trazer resoluções para a conferência anual deste ano.

O gabinete da Conferência de New England disse em uma declaração conjunta que se preocupa com cada membro e comunidade religiosa, e que quando qualquer parte escolhe se separar, isso afeta o todo. 

“Embora nos dói ver qualquer igreja se desvincular de nossa conexão, confiamos que o processo de discernimento e a ação da conferência anual serão conduzidos pelo Espírito Santo”, disse o gabinete, “e é importante notar que nada é final até que a conferência anual aja sobre esta resolução em 17 de outubro de 2020.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Muitas igrejas progressistas, incluindo a Memorial Asbury, se identificam como reconciliadoras e trabalham com a Rede de Ministérios de Reconciliação, um grupo de defesa que há muito busca eliminar o que considera as políticas discriminatórias da igreja.

Jan Lawrence, diretor executivo da Rede de Ministérios de Reconciliação, disse que o grupo apoia a decisão da Asbury Memorial de partir por causa de seu ministério.

“Onde quer que exista uma comunidade de fé wesleyana, o movimento de Reconciliação está lá para apoiá-los em sua busca pela justiça e inclusão LGBTQ”, disse ela.

Wespath, a agência de pensão da denominação, trabalha com conferências para garantir que as obrigações de pensão sejam cumpridas e está ciente de um modesto aumento na desfiliação neste ano.

“No entanto, ainda é muito pequeno em comparação com o número total de congregações”, disse Tony Prestipino, diretor de relações com patrocinadores do plano de Wespath. Em 2018, a Igreja Metodista Unida tinha cerca de 31.000 congregações nos Estados Unidos.

Por agora, muitas congregações e conferências Metodistas Unidas estão à espera para ver o que a próxima Conferência Geral decide. Os Metodistas Unidos apresentaram várias propostas para resolver o debate de longa data da denominação sobre a homossexualidade, dividindo a denominação. Entre essas propostas está o Protocolo para Reconciliação e Graça através da Separação , um acordo mediado que, se aceito, permitiria a uma nova denominação tradicionalista romper com a Igreja Metodista Unida.

A pandemia COVID-19 adiou o que seria a Conferência Geral de 2020 até a data de 29 de agosto até 7 de setembro de 2021, em Minneapolis. Mesmo com o adiamento, a Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano) continuou a trabalhar na formação dessa nova denominação.

Por enquanto, o Asbury Memorial também está fazendo planos para novos ministérios, mesmo enquanto ainda cultua virtualmente por causa do coronavírus.

Cerca de quatro anos atrás, a congregação decidiu não hospedar nenhum casamento até que todos os casais da igreja pudessem se casar em seu santuário. A congregação planeja realizar um culto virtual no dia 27 de setembro para reconhecer todos os casais que não puderam se casar no santuário da igreja.

"É melhor você ter alguns lenços em mãos!" disse o boletim da igreja.

 

*Hahn é uma repórter de notícias multimídia do Notícias Metodista Unida. Contate-a pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Igreja Local
Membros da Conferência Anual de Kivu, reunidos em Goma, Congo, oram pelos 19 civis mortos em um massacre em Mamove. Entre os mortos estavam seis Metodistas Unidos que viajavam para uma reunião da igreja. Foto de Philippe Kituka Lolonga, Notícias MU.

Metodistas Unidos entre 19 mortos no massacre do Congo

Seis metodistas nidos estavam entre os 19 civis mortos em um massacre atribuído ao grupo rebelde das Forças Democráticas Aliadas.
Igreja Local
Linda Dobbyn, paroquiana da Primeira Igreja Metodista Unida de Vincennes, em Vincennes, Indiana, usa um novo serviço chamado Sermão por Telefone para ouvir um sermão do Rev. Matt Swisher intitulado “Liderando por Servir”. Foto de Richard Dobbyn.

Igrejas avaliam opções para alcançar idosos

Em algumas igrejas pequenas ou rurais, o correio tradicional e os telefones ainda desempenham um papel importante para manter o contato com os membros da congregação.
Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.