Plantação de Igrejas: um desafio de Deus

Plantar novas igrejas que sejam relevantes para a nossa sociedade é um grande desafio, pois as constantes transformações do século 21 exigem cada vez mais uma proposta de igreja que seja capaz de responder aos anseios sociais, sem desprezar a essência do evangelho.

Sobre isso, Ronaldo Lidório afirma: “Tenho argumentado que o plantio de igrejas é peça fundamental na Missio Dei. Sem o plantio de novas igrejas o propósito de Deus não é realizado na terra. A transformação da sociedade na direção de Deus ocorre através da sua agência, a Igreja, e assim comunidades locais de convertidos são a maior expressão de sua presença e seu desejo transformador.”(1)

Nessa perspectiva, percebemos que o discipulado e a plantação de Igrejas devem caminhar juntos, resultando num processo muito mais eficaz na multiplicação de novas igrejas. O primeiro desafio é, portanto, estabelecer uma rede de relacionamentos na cidade. Posto que os relacionamentos, bem como o discipulado, apresentam-se no processo de plantação de Igrejas como um aspecto-chave, que vai desde o primeiro contato evangelístico, passando pela formação de uma primeira célula – grupo base – e caminha até a formação de uma Igreja local autônoma. Portanto, nunca podemos desprezar os relacionamentos “fora-Igreja”. Pois essas pessoas facilitarão o processo de plantação da nova igreja, tornando-se discípulas testemunhadoras das boas-novas do Evangelho.

Existem várias formas de se iniciar uma nova igreja: através de metodistas que já estejam morando em uma localidade, como num bairro ou cidade onde ainda não exista a igreja. Pode ocorrer também por meio da mudança de um/a obreiro/a para um novo local, sem que exista um grupo prévio de metodistas etc. Mas independentemente de qual seja o caso, o importante é não perder de vista que a plantação de igrejas é a mais eficaz “metodologia evangelística debaixo do céu.”(2)

E devido a isso, ela deve estar no horizonte constante de todas as igrejas, pois cada nova igreja plantada tem grande potencial evangelístico por poder se adaptar rapidamente à cultura e ao contexto em que está sendo plantada, tornando-se assim parceira da igreja mãe e participando da “ação de Deus no seu propósito de salvar o mundo.”(3)

É sobre esses desafios da plantação, que fomos instigados/ as e inspirados/as por Deus a começarmos o blog plantandoigrejas.com, que visa dialogar e auxiliar nesse processo que nós mesmos/as temos vivenciado, nesta tarefa que Deus tem colocado à sua igreja.

Plantar igrejas é um desafio possível e que nos proporciona experiências que levaremos para sempre em nosso ministério pastoral; é entender que podemos fazer parte daquilo que o Senhor deseja realizar no mundo, é um desafio que tem se apresentado nas cidades de Pouso Alegre/MG e Aracruz/ ES, onde estamos nomeados e trabalhando na plantação, e em muitas outras onde cremos que o Senhor levantou, levanta e continuará levantando obreiros/as para cumprir sua missão: “indo façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.” (Mateus 28.19)

 

(1) LIDORIO, Ronaldo. Plantando Igrejas: Teologia Bíblica, Princípios e Estratégias de Plantio de Igrejas. São Paulo/SP: Casa Editora Presbiteriana, 2007. p. 43-44.

(2) WAGNER, C. Peter. Church Planting for a Greater Harvest. Ventura/CA: Regal Books, 1990. p. 11.

(3) IGREJA METODISTA. Cânones da Igreja Metodista. Piracicaba/SP: Equilíbrio Editora, 2012. p. 30.

 

* Douglas Franco Bortone e Pr. Lucas Andrade Ribeiro. Este artigo foi publicado pelo Expositor Cristão. Para ver a publicação original abrir este link: http://www.metodista.org.br/content/interfaces/cms/userfiles/files/expositor-cristao/expositor-cristao2014/Expositor%20Cristao%20Outubro%202015.pdf

Relacionado

Inmigración
"El obispo Felipe Ruiz Aguilar de la Iglesia Metodista de México (frente) y Roberto Casares de la Iglesia Metodista El Divino Redentor ayudan a servir la cena a los/as migrantes y otras personas que viven en la calle en Mariachi Plaza en Mexicali, México, en agosto de 2018. Ruiz estaba entre los seis obispos de la Iglesia Metodista de México, que firmaron una declaración para pedir un mejor trato a los/as refugiados/as. Foto de archivo por Mike DuBose, SMUN".

Obispos metodistas de México exhortan a brindar trato digno a inmigrantes

Los/as obispos/as José Antonio Garza Castro, Felipe Ruiz Aguilar, Raquel Balbuena Osorio, Rodolfo Rivera de la Rosa, Rogelio Hernández Gutiérrez y Moisés Morales Granados, firmaron la declaración, dirigida a la Iglesia Metodista de México, a las iglesias hermanas y "a todas las personas de buena voluntad".
Misión
De izquierda a derecha: Obispa Peggy Johnson, Hermana Norma Pimentel, Obispa Sally Dyck y Obispa Hope Morgan Ward. Foto cortesía de Tricia Bruckbauer.

El Cuerpo de Cristo en la frontera sur

La Conferencia Anual de Río Texas y el Obispo Robert Schnase encabezaron una delegación de la Junta general de Iglesia y Sociedad (GBCS) de La Iglesia Metodista Unida (IMU) en un viaje a la frontera sur de los Estados Unidos.
Temas Sociales
Al rededor de esta pintura mural que muestra la imagen de Jesús y diferentes episodios de las escrituras, se dieron cita líderes clérigos/as y laicos/as en Ciudad España, para coordinar acciones en favor de la población migrante hondureña.

Metodismo unido en Honduras busca acompañar a quien emigra, a quien se queda y a quien regresa

En convenio con el Plan Nacional de Ministerio Hispano-Latino (PNMHL), la Misión Metodista Unida de Honduras (MMUH) participó en un taller llamado “Migración.