Origem e significado da estola

A Bíblia fala da estola sacerdotal no Antigo Testamento. As vestes do sumo sacerdote eram feitas de linho simples (1 Samuel 2:18; 2 Samuel 6:14), como o eram as vestes de todos os sacerdotes. A estola, porém, era feita de “ouro, estofo azul, púrpura, carmesim e linho fino retorcido” (Êxodo 28:6). Isto indica que ela era uma mistura de lã e linho, visto que o linho só podia ser tingido de azul. A “obra esmerada” significa algum tipo de bordado.

A estola dividia-se em duas partes. Uma parte cobria as costas e a outra o peito do usuário. A vestimenta era presa nos ombros por uma grande pedra de ônix. O cinto da estola era feito de estofo azul, púrpura e carmesim entretecido com fio de ouro (Êxodo 28:8).

A sua origem no cristianismo é imprecisa. No princípio a estola provavelmente era uma tira de tecido de linho ou lã destinada a resguardar o pescoço. No Oriente aparece como faixa no século IV; já como distintivo, no Ocidente no século VI.

Na Igreja Oriental chama-se EPITRACHILION. É vestida pela cabeça e, contornando o pescoço, estende-se pela parte da frente até embaixo. Para comodidade, as suas duas partes são costuradas ou unidas entre si com botões. A estola designa uma graça especial dupla, na comparação com o diácono, concedida ao sacerdote para ministrar os Sacramentos da Igreja. Sem a estola o sacerdote não pode realizar nenhuma celebração.

Na Igreja Latina é uma espécie de faixa que o sacerdote pendura no ombro sobre o peito em cima da alva (Túnica) e debaixo da casula (veste externa). A estola deve ser da mesma cor da casula; sua única decoração é uma cruz no meio (na altura do pescoço), que o ministro ordenado beija antes de colocá-la. Geralmente ela fica escondida. A disciplina da Igreja Latina prescreve seu uso na missa, nos sacramentos, sacramentais e sempre que haja um contato com a Eucaristia.

Tanto na Igreja Oriental quanto na Latina, ela deriva do manto de oração dos judeus, mais especificamente do “orarium”, nome com o qual a estola era conhecida na antiguidade.

A palavra “orarium” é um termo relacionado a “orare” (falar, pregar), o que torna este ornamento uma insígnia dos pregadores. A partir do século XII, não se usou mais o terno “orarium”, mas “estola”.

Este orarium pode ser interpretado como o Talit. O talit é um acessório religioso judaico em forma de um xale feito de seda, lã ou linho, tendo em suas extremidades as tsitsiot (franjas).

A Igreja Latina vê o seguinte simbolismo para a estola:

  1. É símbolo do poder e da autoridade sacerdotal, sinal por excelência da dignidade sacerdotal.
  2. Como a estola era uma vestimenta utilizada por pessoas de certa dignidade, simboliza a dignidade do primeiro homem, do homem antes do pecado original.
  3. Simboliza também a inocência necessária para o cumprimento do serviço sacerdotal e a veste de glória que o servo bom e fiel usará em recompensa pelos seus méritos. Evoca, portanto, o traje de festa que o Pai colocou no filho pródigo quando ele voltou à casa. Só Deus pode nos dar tal vestimenta e tornar-nos dignos de sentar à sua mesa, ao seu serviço.
  4. Como é usada sobre o pescoço, assemelha-se a um jugo, o suave jugo de nosso Senhor, ou seja, as obrigações do estado sacerdotal.
  5. A estola também simboliza as ovelhas que o Bom Pastor carrega sobre os ombros.
  6. Ela é sinal das sogas (cordas) com que nosso Senhor foi arrastado ao calvário.
  7. A estola do diácono é símbolo de sacrifício e generosidade ao serviço da comunidade cristã.

Vários ministros de igrejas protestantes usam a estola. É muito comum usar túnica com estola a mostra. Ou usar a estola sobre a Clergyman (Gola Clerical) ou o terno.

Para nós protestantes a estola está relacionada a toalha que Cristo usou na noite da Ceia quando lavou os pés dos discípulos: “Jesus…, levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido”. (João 13.3-5).

A estola é símbolo do serviço ministerial que o pastor exerce para a Igreja do Senhor. Ele tem a dignidade de ser servo de todos no serviço dos  sacramentos, da visitação, da unção com óleo, da Palavra de Deus e nas orações.

Estola para o pastor protestante significa serviço (a toalha) segundo o modelo e o discipulado do Senhor Jesus.

* Escrito por Rev. Edson Cortasio Sardinha, Igreja Metodista em Vila Isabel. Rio de Jainero.  Para lê o articulo original publicado no Expositor Cristão abra o seguinte enlace: https://goo.gl/C4wbSD

Temas Sociales
Madre migrantes en un campamento improvisado cerca del cruce fronterizo en Tijuana, reciben alimentos y otros suministros de ayuda de la Iglesia Metodista Nuevo Pacto y la Iglesia Evangélica San Pablo en Tijuana. Unos 1.500 inmigrantes se han establecido allí, muchos/as de ellos/as con la esperanza de presentar solicitudes de asilo ante las autoridades de inmigración de Estados Unidos. Foto de Mike DuBose, Noticias MU.

Las madres de la frontera cuentan sus historias

Las madres migrantes en la frontera mantienen su lucha por buscar un futuro más esperanzador para ellas y sus familias.
Iglesia Local
La Pastora Cassandra “Cassy” Nuñez nació en el norte de México y emigró con su familia a EE.UU. cuando tenía 9 años. Actualmente es beneficiaria de DACA, por lo que se denomina así misma como una “pastora DACAmentada". Foto cortesía de la Conferencia Anual Baltimore - Washington.

Una pastora hispana que sueña en voz alta

Núñez fue designada, como pastora local, a la IMU Hispana de Salem en julio pasado y ha venido trabajando en el desarrollo de relaciones frescas, genuinas y amistosas con su comunidad.
Entidades de la Iglesia
La Comisión General sobre Religión y Raza (GCORR por sus siglas en inglés) y la Comisión General de Estatus y Rol de Mujeres (GCSRW por sus siglas en inglés) de La Iglesia Metodista Unida (IMU) han recibido una solicitud del Caucus hispano-latino para observar el proceso que se le sigue a la Obispa Minerva Carcaño. Fotocomposicion cortesía de MARCHA.

MARCHA solicita a comisiones de raza y mujer supervisar proceso contra la Obispa Carcaño

Desde el anuncio de la suspensión de la Obispa Carcaño, MARCHA ha planteado cuestionamientos al proceso enviando dos cartas abiertas al Colegio de Obispos/as de la Jurisdicción Oeste y la Comisión Episcopal