Há 52 anos, o protestante Martin Luther King Jr. recebia o nobel da paz

Há 52 anos, o protestante Martin Luther King Jr. ganhava o Prêmio Nobel da Paz por sua luta no combate ao racismo. O pastor também é lembrado pelo seu discurso realizado em agosto de 1963, que traz diversas vezes a frase “Eu tenho um sonho”, ao defender uma nação onde todos seriam considerados como iguais independente da raça.

O ativista conduziu a campanha que incentivava negros/as a rejeitarem a imposição de transportes segregados, o que fez com que os EUA derrubasse a legislação após as manifestações. O pastor Batista foi assassinado em 1968 por continuar defendendo a causa e deixou um legado histórico, especialmente para cristãos.

A Igreja Metodista no Brasil tem se engajado na luta contra o racismo, principalmente após seu penúltimo Concílio Geral, que aconteceu em 2011 na cidade de Brasília. Na ocasião,  foi aprovado o Programa Nacional Antirracismo, que orienta as Igrejas Locais a identificarem e trabalharem na conscientização do problema.Clique aqui e faça download agora para aplicar o programa na sua Igreja Local. A organização vem se posicionando contra a discriminação racial no país, por meio da Pastoral de Combate ao Racismo.

“Aprendemos a voar como os pássaros e a nadar como os peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos”, defendia Martin Luther King ao combater a desigualdade racial. No último Concílio Geral da Igreja Metodista, que aconteceu em julho desse ano em Teresópolis (RJ), o assunto também esteve presente entre as propostas. Ainda buscando agir em favor de uma comunidade onde todos/as convivem como irmãos/ãs, representantes do Concílio Geral da Igreja Metodista aprovaram para o Plano Nacional Missionário que será aplicado nos próximo cinco anos, a proposta que defende a abertura de processo disciplinar, punição e reeducação teológica para casos de racismo constatados na igreja. “A proposta contempla a instalação imediata de pastorais de combate ao racismo em todas as Regiões Eclesiásticas e Missionárias para formação de multiplicadores/as, além de inserir nos programas de orientação vocacional o tema do combate ao racismo e nas provas de Ordem Presbiteral como conteúdo obrigatório”, explica o texto publicado no Expositor Cristão de outubro. Acesse aqui.

No dia 20 de novembro se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra. Para data, a próxima edição do Jornal Expositor Cristão trará uma reflexão especial escrita pelo Pastor José do Carmo da Silva, da Igreja Metodista de Marcos Roberto, em Campo Grande. Não perca!

Você acompanha essa e outras notícias sobre as atividades da Pastoral do Combate ao Racismo da Igreja Metodista no site nacional da organização. Acesse www.metodista.org.br.


Leia abaixo o trecho do discurso abaixo ou faça o download em PDF clicando aqui.

“Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença ­ nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais.  Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos desdentes dos donos de escravos poderão se sentar  junto à mesa da fraternidade.  Eu tenho um sonho que um dia, até mesmo no estado de Mississippi, um estado que transpira com o calor da injustiça, que transpira com o calor de opressão, será transformado  em um oásis de liberdade e justiça.

Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação  onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho  um sonho hoje!  Eu tenho um sonho que um dia, no Alabama, com seus racistas malignos, com seu  governador que tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse justo dia no Alabama meninos negros e meninas negras poderão unir as mãos com meninos brancos e meninas brancas como irmãs e irmãos.

Eu tenho um sonho hoje!  Eu tenho um sonho que um dia todo vale será exaltado, e todas as colinas e montanhas virão abaixo, os lugares ásperos serão aplainados e os lugares tortuosos serão endireitados e a glória do Senhor será revelada e toda a carne estará junta.  Esta é nossa esperança. Esta é a fé com que regressarei para o Sul. Com esta fé nós poderemos cortar da montanha do desespero uma pedra de esperança. Com esta fé nós poderemos transformar as discórdias estridentes de nossa nação em uma bela sinfonia de fraternidade.

Com esta fé nós poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, para ir  encarcerar juntos, defender liberdade juntos, e quem sabe nós seremos um dia livre. Este será o dia, este será o dia quando todas as crianças de Deus poderão cantar com um novo  significado.”

* Sara de Paula sara é jornalistra do Expositor Cristão. Para ver a publicação original do Expositor Cristão, abra aqui

Temas Sociales
Mujeres migrantes de Honduras estudian detenidamente un mapa de México mientras planifican sus viajes al norte, hacia la frontera con los Estados Unidos. Ellas se refugian temporalmente, junto a sus familias, en el albergue diocesano de Belén en Tapachula, después de haber cruzado a México desde Guatemala. Foto de Mike DuBose, Noticias MU.

Metodistas por la ruta de los/as migrantes (2)

En una visita realizada en abril de este año a varios albergues e instituciones que prestan apoyo a las familias migrantes en el sur y el centro de México, un grupo de líderes pastorales y episcopales sostuvieron reuniones y entrevistas con representantes de varias instituciones, líderes de iglesias y familias inmigrantes.
Temas Sociales
Un niño usa una balsa hecha con carcasas de llantas amarradas a tablones de madera para transportar mercancías a través del río Suchiate desde Ciudad Hidalgo en México hasta las cercanías de Ciudad Tecún Umán en Guatemala. Foto de Mike DuBose, Noticias MU.

Metodistas por la ruta de los/as migrantes (1)

En una visita realizada en abril de este año a varios albergues e instituciones que prestan apoyo a las familias migrantes en el sur y el centro de México, un grupo de líderes pastorales y episcopales sostuvieron reuniones y entrevistas con representantes de varias instituciones, líderes de iglesias y familias inmigrantes.
Temas Sociales
Madre migrantes en un campamento improvisado cerca del cruce fronterizo en Tijuana, reciben alimentos y otros suministros de ayuda de la Iglesia Metodista Nuevo Pacto y la Iglesia Evangélica San Pablo en Tijuana. Unos 1.500 inmigrantes se han establecido allí, muchos/as de ellos/as con la esperanza de presentar solicitudes de asilo ante las autoridades de inmigración de Estados Unidos. Foto de Mike DuBose, Noticias MU.

Las madres de la frontera cuentan sus historias

Las madres migrantes en la frontera mantienen su lucha por buscar un futuro más esperanzador para ellas y sus familias.