Comitê metodista de auxílio responde a emergência no Haiti

Haiti após a passagem do Furacão Matthew

(Comunicação UMC) – O Comitê Metodista Unido de Auxílio (UMCOR) está disponível para atuar rapidamente em resposta a destruição e mortes causada pelo furacão Matthew no Caribe, em particular no Haiti. A provisão de suprimentos de emergência, alimentos, kits de saúde e outro tipo de assistência regularmente fornecidos pela UMCOR nessas situações tem sido permanente no caso do Haiti desde o desastroso terremoto em janeiro de 2010. Mais de 800 mortes no Haiti foram atribuídas ao furacão Matthew, cujo impacto foi maior na região sudoeste.

Thomas Kemper, Diretor Executivo da Junta de Ministérios Globais (GBGM) da Igreja Metodista Unida (IMU), agência ligada ao UMCOR, assegurou ao Bispo Gasner Paul, líder da Igreja Metodista do Haiti, que as orações e a ajuda solidaria do povo metodista unido está presente para atender depois deste novo desastre.

O Bispo Paul e outros contatos no Haiti informaram no dia 7 de outubro que uma avaliação completa do danos causados pelo Matthew não era possível por causa das dificuldades com as comunicações e transportes. Por outro lado, o Reverendo Jack Amick, diretor de resposta a desastres da UMCOR, disse que a resposta começa com suprimentos de emergência, um programa de purificação de água realizado em parceria com a Global Medic e um programa adicional de distribuição de alimentos através da igreja haitiana.

O UMCOR tem colaborado muito com a Global Medic e a com a igreja. A doação inicial da UMCOR contribuirá inicialmente com um valor superior aos $ 150.000,00. “Somos afortunados por ter uma equipe no território do Haiti”, disse Amick.

Para fazer doações em resposta ao Furacão Matthew ao Fundo de Ajuda Internacional UMCOR e ao desastre nos Estados Unidos acesse aqui.

O UMCOR também ajudará a Bahamas Metodista Hábitat com uma coação em resposta aos danos do Matthew na região do Caribe. “Essas são as respostas iniciais. Vamos trabalhar com a Igreja Metodista no Haiti ao considerar programas de maior alcance”, disse Amick. O diretor ainda afirmou que uma das principais necessidades depois do furacão é de água potável, sobretudo para evitar um surto de cólera. UMCOR é uma organização que tem colaborado com a Global Medic pela purificação de água, em todo mundo. “Global Medic já está estabelecida no Haiti e oferece sistemas de filtração e ensina as comunidade como tornar a água potável por muitos meses”, explica Amick.

Na carta enviada ao Bispo Paul, Kemper sinalizou que a rede de voluntários em missão da Igreja Metodista Unida está em alerta para qualquer possível serviço que seja necessário, entretanto, a agência está aconselhando suas equipes de voluntário a não se apressarem, mas que esperem para que a Igreja no Haiti esteja preparada. Assim será possível oferecer ajuda de forma mais produtiva nas áreas afetadas.

“O Haiti tem um lugar especial nos corações do povo metodista unido. Temos trabalhado com a Igreja Metodista no Haiti durante muitos anos e constantemente desde o terremoto no início de 2010. Tenha a total certeza que nosso afeto e disposição de trabalhar em conjunto nesse momento de dor provocado pelos estragos da natureza”

Elliott Wright é consultor de informação colaborando para Junta Geral de Ministérios Globais

** Rev. Gustavo Vasquez é diretor de Comunicação Hispano/Latinas da Igreja Metodista Unida. Você pode entrar em contato pelo (615)742-5111 ou por gvasquez@umcom.org

Relacionado

Crecimiento de la Iglesia
Concierto durante el festican juvenil "Resurreccion" 2019, organizado por la Conferencia Anual de Holston de La Iglesia Metodista Unida. Foto cortesía de la Conferencia Anual de Holston.

La resurrección cobra vida este otoño en Costa Rica

Hay muchas canciones dedicadas a la resurrección, pero una en particular selló el fin de semana del 27 de enero que reúne a los jóvenes de la Conferencia Anual de Holston.
Temas Sociales
La Diácona metodista unida Cindy Johnson (derecha) camina para comprar medicamentos con Isabel, quien viajó con su hija desde Nicaragua hasta Matamoros, México, con la esperanza de solicitar asilo en los Estados Unidos. Kassandra, de 16 meses, sufría de fiebre y pérdida de peso mientras ella y su madre esperaban su turno para acercarse al puente que conduce a Brownsville, Tejas. Johnson, quien visita regularmente el campamento provisional, trajo a miembros del Grupo de Trabajo de Inmigración Metodista Unido para que conozcan de primera mano la situación de la inmigración. Foto por Mike DuBose, SMUN.

Metodistas unidos/as responden a migrantes en la frontera

"De todas las iglesias, ustedes (metodistas unidos/as) ganan el premio", dijo la hermana Zita Telkamp, ​​directora del “Centro de Ayuda Humanitaria”.
Temas Sociales
Ramiro Ramírez tocó la campana en la Iglesia Metodista Unida de Jackson Chapel en San Juan, Tejas. La familia de Ramírez donó el terreno para la iglesia, que se estableció en 1874. El muro fronterizo propuesto por el presidente Trump está programado para que atraviese la propiedad de la iglesia, incluido su cementerio histórico. Foto por Mike DuBose, SMUN.

El muro fronterizo podría destruir parte de iglesia metodista hispana de valor histórico

El muro fronterizo propuesto por el presidente Donald Trump podría destruir una parte de la historia metodista y perturbar los cementerios sagrados en esta pequeña zona rural, a solo una milla del Río Bravo.