Bispo Luiz Vergílio: Igreja não pode desperdiçar a oferta destas novas gerações

Em um momento significativo para Jesus e Seu ministério, a presença de um adolescente foi protagonista na história da salvação e na constituição de valores fundamentais para a comunidade de fé. O evangelista João registra no capítulo 6.1-14, a narrativa da multiplicação de pães e peixes, realizada por Cristo para alimentar a multidão. 

Bispo Luiz Vergílio Batista da Rosa líder da Segunda Região Eclesiástica-RS. 

Era necessário, antes, encontrar disposição, recursos e disponibilidade. Nas traduções mais conhecidas do texto, dizem que estava ali um “rapaz” (v.9). Na verdade, a expressão “rapaz”, considerando que não havia limites bem definidos entre infância, adolescência e juventude à época de Jesus, pode ser entendido mais adequadamente como um menino; adolescente; até porque essa faixa etária justifica o grau de autonomia do personagem expresso no texto. 

Os discípulos são desafiados por Jesus: comprar pão para alimentar as pessoas. Assim, responder à preocupação do Mestre para com a multidão, avaliar as condições que tinham disponíveis para cumpri-la e apresentar uma solução era o desafio. O dilema era: como alimentar uma multidão dispondo de cinco pães de cevada e dois peixinhos?

Podemos inferir que os discípulos, como protótipo da Igreja, colocam diante de Jesus tudo quanto conseguiram: um adolescente e tudo o que ele tinha para oferecer. Nas notas da Bíblia de Estudos, John Wesley, ao analisar essa passagem, ele entende que o ato da multiplicação, precedido por ações de graças, é também ato precedente da Santa Ceia do Senhor. Lembramos que o texto refere um período próximo à Páscoa, quando Jesus irá instituir a Santa Comunhão. Jesus toma a oferta do juvenil e realiza um ato de ação de graça, repartindo o pão e o peixe com toda a comunidade reunida.

Desafios

Os/as juvenis são e estão presentes na vida da Igreja com toda a abundância de seus sentimentos, movimentos, sons, ritmos, expectativas, desejo de pertencimento coletivo e sonhos de transformação da realidade. O que eles e elas trazem é suficiente, é necessário para ações pedagógicas que fortalecem o sentido de comunhão. 

Ato eucarístico que nutre e alimenta a comunidade de fé, de vida, de energia das novidades do Reino. São protagonistas da ação multiplicadora do Reino de Deus. Assim como no relato bíblico, a Igreja não pode desperdiçar a oferta destas novas gerações de adolescentes à vida da Igreja. Essas vidas necessitam ser acolhidas e reconhecidas como um sinal da ação multiplicadora do Espírito Santo, cujo fruto se manifesta, incontestavelmente, pelo amor e as ações decorrentes deste.

Oportunidades

Logo, a tarefa educativa da Igreja, voltada à adolescência, deve ser expressa em ações pedagógicas que proporcionem habilidades para a vida comunitária, para o pensamento crítico, para o trabalho em equipe e relacionamentos interpessoais, em respeito ao meio ambiente, em conexão com o mundo e no aproveitamento do potencial de cada um/a.

Neste sentido, a Igreja deve ser acolhedora das demandas das necessidades humanas, sobre as quais Jesus deseja realizar uma ação transformadora. Portanto, a Escola Dominical, os grupos de discipulado, os grupos societários e ministérios afins, são este espaço de acolhimento daquilo que cada juvenil é e tem para oferecer como ações de graça nas mãos de Cristo para o fortalecimento da comunhão e a multiplicação dos meios de graça.

 

Bibliografia:

ARIÉS, Philippe, História social da Criança e da Família, 2ª ed. 1981, LTC Editora, Rio de Janeiro, RJ.

STAIBACK, Susan & William, Inclusão – um guia para educadores, 1999, ARTMED Editora, Porto Alegre, RS.

The Wesley Study Bible, 2009, Abingdon Press, Nashville, USA.

Novo Testamento Interlinear Grego-Português, 2004, SBB. 

 

* Publicado por Marcelo Ramiro em Expositor Cristão: http://www.metodista.org.br/palavra-episcopal-leia-a-mensagem-do-bispo-luiz-vergilio-sobre-adolescentes-na-igreja

Entidades de la Iglesia
Las personas que presentaron informes al Concilio Judicial Metodista Unido y oraron antes de una audiencia oral en mayo de 2018 en Evanston, Illinois. De izquierda a derecha están el Rev. Keith Boyette, Stephanie Henry, el Obispo Scott Jones, John Lomperis y Thomas E. Starnes. Boyette, Jones y Lomperis estuvieron entre los/as 28 metodistas unidos/as que firmaron una declaración durante una reunión de sectores tradicionalista de la denominacion, llevada a cabo en la ciudad de Atlanta, con el objeto de discutir sobre la formación de una nueva denominación tradicionalista. Foto de archivo de Kathleen Barry, Noticias MU.

8 obispos/as se unen para organizar una nueva denominación

Una reciente reunión, congregó a una serie de líderes tradicionalistas para visionar como seria la separación de la iglesia y la organización de una nueva denominación.
Temas Sociales
UMCOR ha venido apoyando ministerios que atienden a refugiados/as venezolanos/as en Colombia, Brasil y Perú, tres de los países donde que albergan la mayor cantidad de migrantes de ese país. Ilustración por Rev. Gustavo Vasquez, Noticias MU.

UMCOR apoya iglesias latinoamericanas para atender migrantes venezolanos

UMCOR ha venido estableciendo alianzas estratégicas con iglesias metodistas autónomas de America latina, para apoyarles en los ministerios que atienden a la población refugiadas de Venezuela.
Teología
El uso de la ceniza es un elemento bíblico que tiene una larga historia en la adoración judía y cristiana. Teológicamente, las cenizas han significado purificación y dolor por los pecados. Foto Kathleen Barry, Noticias MU.

¿Por qué las cenizas?

Recibir la ceniza es una manera de confrontar nuestra humanidad y mortalidad. Nos recuerda que no somos Dios, pero una buena creación de Dios. Con ello reconocemos que nuestros cuerpos no van a durar para siempre y que eventualmente nos encontraremos cara a cara con la realidad de nuestra propia muerte.