A importância da adoração

Adorar é avivar a consciência pela santidade de Deus, alimentar a mente com a verdade de Deus, purgar a imaginação pela beleza de Deus, abrir o coração ao amor de Deus, consagrar a vontade ao propósito de Deus (Willian Temple)

Vemos no Antigo Testamento que Deus, desde o princípio, estabeleceu a adoração como uma forma de o povo viver. Vemos que adoração a Ele, o buscá-lo para suas guerras e batalhas, ouvir a sua voz através dos profetas sempre foi algo que caminhou junto com o povo de Israel.
Deus sempre buscou uma forma de que seus/as filhos/as se aproximassem dEle, tivessem contato com Ele. Em Gênesis 3.8, na “viração do dia”, quando Deus caminhava pelo jardim, ou “ouviam a voz do Senhor”, vemos que Adão estava acostumado a estar com Deus. Enoque, em Gênesis 5.22-24, andou com Deus, e vemos que Ele o tomou para si, pois em seus trezentos e sessenta e cinco anos de vida, ele andou com Deus. Será que Enoque conhecia o que era adorar a Deus?

Vemos tantas histórias, tantos momentos na Bíblia, nos quais Deus amou e continua amando o Seu povo. Me arrisco a dizer que é por causa desse amor que começa a adoração. Assim como sabemos que Ele era, é e há de vir a ser, assim é a adoração, que começa com Ele, passa por Ele e termina nEle. Ela começa nEle, pois sempre houve adoração desde antes, Salmos 93.2, “Desde a antiguidade, está firme o teu Trono, tu és desde a eternidade”. Ela passa por Ele, pois Ele é “… entronizado entre os louvores de Israel”, Sl 22.3, e termina nEle, assim como em Apocalipse 7.12, “Amém! O louvor, e a gloria, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder e a força sejam ao nosso Deus pelos séculos dos séculos. Amém!”

Costumo dizer que dentro de nós existe um “DNA” de adoração. Fomos criados/as com adoração dentro de nós; o que precisamos saber é para onde vamos direcionar esta adoração. Normalmente o que mais sai de nossos lábios é o que realmente adoramos. Se falamos muito de futebol, de trabalho, de filhos, de Deus, de carro… Onde está o nosso foco, aí estará a nossa adoração. Isso não quer dizer que não podemos obviamente falar de outras coisas, mas o que me impressiona é ver quantas pessoas dizem que estão com Deus e que buscam a sua face, mas não dedicam nenhum tempo sequer para estar com Ele e ouvir a Sua voz. Ouvir a voz de Deus não é simplesmente ir à Igreja todos os domingos ou às programações eclesiásticas. Para ouvir a voz de Deus, é preciso fé (crendo que Ele real­mente fala), tempo (onde percebemos que nunca “perdemos tempo” quando estamos com Ele, mas sim “gastamos tempo” com Ele) e “energia” (força, dedicação e desejo profundo).

Antes de Jesus ir ao Getsêmani, em Mateus 26.32, ele diz aos/às discípulos/as, “Mas, depois da minha ressurreição, irei adiante de vós para a Galileia”. Quando Ele ressuscitou, as mulheres foram ao sepulcro e o anjo disse: “Vão depressa e digam aos discípulos dele: Ele ressuscitou dentre os mortos e está indo adiante de vós para a Galileia; ali o vereis. É como vos digo!” (Mateus 28.7). Galileia é um lugar de muitas montanhas, e eles tiveram que subir para se encontrar com Jesus e, quando o viram, o adoraram… (Mateus 28.16).

Adoração não é música, mas sim um desejo profundo de estar com Ele, até porque quando realmente vemos o Senhor, não tem como não se prostrar e adorá-Lo. Esse desejo de estar com Ele, de ouvir Sua doce voz é gerado porque existe dentro de nós um amor que nos preenche por completo. A Bíblia nos diz em I Jo 4.19: “nós amamos porque Ele nos amou primeiro”. É este amor que nos une a Ele mesmo e nos leva a adorá-Lo com o melhor que temos e com tudo que somos.

Separe um tempo para estar com Ele, deseje profundamente estar com Ele e sua vida será infinitamente diferente. Lembre-se: adoração não é música, mas sim um estilo de vida!

* Nelson Junker, www.nelsonjunker.com.br

Temas Sociales
Madre migrantes en un campamento improvisado cerca del cruce fronterizo en Tijuana, reciben alimentos y otros suministros de ayuda de la Iglesia Metodista Nuevo Pacto y la Iglesia Evangélica San Pablo en Tijuana. Unos 1.500 inmigrantes se han establecido allí, muchos/as de ellos/as con la esperanza de presentar solicitudes de asilo ante las autoridades de inmigración de Estados Unidos. Foto de Mike DuBose, Noticias MU.

Las madres de la frontera cuentan sus historias

Las madres migrantes en la frontera mantienen su lucha por buscar un futuro más esperanzador para ellas y sus familias.
Iglesia Local
La Pastora Cassandra “Cassy” Nuñez nació en el norte de México y emigró con su familia a EE.UU. cuando tenía 9 años. Actualmente es beneficiaria de DACA, por lo que se denomina así misma como una “pastora DACAmentada". Foto cortesía de la Conferencia Anual Baltimore - Washington.

Una pastora hispana que sueña en voz alta

Núñez fue designada, como pastora local, a la IMU Hispana de Salem en julio pasado y ha venido trabajando en el desarrollo de relaciones frescas, genuinas y amistosas con su comunidad.
Entidades de la Iglesia
La Comisión General sobre Religión y Raza (GCORR por sus siglas en inglés) y la Comisión General de Estatus y Rol de Mujeres (GCSRW por sus siglas en inglés) de La Iglesia Metodista Unida (IMU) han recibido una solicitud del Caucus hispano-latino para observar el proceso que se le sigue a la Obispa Minerva Carcaño. Fotocomposicion cortesía de MARCHA.

MARCHA solicita a comisiones de raza y mujer supervisar proceso contra la Obispa Carcaño

Desde el anuncio de la suspensión de la Obispa Carcaño, MARCHA ha planteado cuestionamientos al proceso enviando dos cartas abiertas al Colegio de Obispos/as de la Jurisdicción Oeste y la Comisión Episcopal