A formação do cânon bíblico: procedimentos para o Novo Testamento

Este artigo visa comple­mentar a pesquisa ante­rior em que foi abordado o Primeiro Testamento. Desde períodos pré-cristãos são ates­tados os usos do termo canōn como “lista” e “registro”, equi­valente a katālogos, para desig­nar tabelas matemáticas e cro­nológicas.

A palavra grega kanōn tem origem semita e significa “cana”, depois passou a significar o me­tro do carpinteiro e a régua do escrevente. O desenvolvimento do termo levou às significâncias posteriores, “metro”, “norma”, “regra” – aplicadas nos domí­nios da estética, linguística, fi­losofia e religião.

A Escritura dos/as primeiros/ as cristãos/ãs era a Bíblia he­braica em sua tradução grega, a Septuaginta, obra dos/as judeus/ as de Alexandria; eles/as consi­deravam até expressões apócri­fas como parte da Escritura (cf. 1Co 2.9; Lc 11.48; Jo 7.38; Tg 4.5; Jd 14-15). O primeiro registro literário temos em 2Coríntios 3.14, quando o apóstolo Paulo fala da “leitura da Antiga Alian­ça”. Nesse sentido, a Septuagin­ta é a referência quando os/as primeiros/as cristãos/ãs men­cionam a “Escritura” de modo geral ou quando empregam a fórmula “Está escrito”.

Segundo Philipp Vielhauer, um escrito cristão somente atin­giu a categoria de uma “escritu­ra sacra”, como canōn, quando obteve o mesmo tratamento do Primeiro Testamento, ou seja, quando é citado (graphē; cf. Gl 4.30; 1Co 1.31; Rm 1.17; Hb 3.7).

Desde o século II, emprega-se o termo canōn à confissão de fé cristã (regula fidei) e como es­sência das doutrinas de fé reco­nhecidas pela Igreja. No século IV, Eusébio aplicou o termo exclusivamente para os Evan­gelhos, e no Concílio de Niceia (ano 325) relacionou-se o termo ao registro oficial dos clérigos; ambos têm o sentido de “catálo­go”. Vielhauer lembra que mais tarde “canônico” passou a ser compreendido como “divino, sagrado, inerrante” quanto ao que diz respeito aos livros acei­tos e catalogados.

O período decisivo para a formação literária do Novo Tes­tamento foi, portanto, nos mea­dos do século II; ao final desse século os conteúdos encontra­vam-se fixados (quatro Evange­lhos, treze cartas de Paulo, Atos dos Apóstolos, 1João e 1Pedro). A aplicação do termo canōn à coleção de textos cristãos ocor­re pela primeira vez nos meados do século IV; em rela­ção a isso, o termo canōn não tem nada a ver com o surgi­mento da literatura neotestamentária.

É razoável dizer que a primeira ini­ciativa catalográ­fica foi realizada pelo teólogo radical Markīon; ele confere sentido literário ao termo euaggelion, tantas vezes mencionado por Paulo. Markīon é rejeitado como herético pela Igreja de Roma no ano 144; mo­tivos, em resumo: incompatibi­lizar Jesus de Nazaré e o Deus do Primeiro Testamento, fazer a distinção de Paulo como único apóstolo a compreender a nova aliança – daí a exclusividade de suas cartas – e do evangelho de Lucas como único evangelho. Em resumo, também, a contri­buição de Markīon consiste em acelerar o processo de um canōn escritural.

Coube a Orígenes, no Oriente, e a Irineu, no Ociden­te, influenciarem na aceitação dos quatro Evangelhos numa persuasão sobre a vontade de Deus em favor dos caracterís­ticos evangelhos para a Igreja. Perspectivamente, a aposição entre Antigo e Novo Testa­mento ocorre em enunciações de Tertuliano e Orígenes; ex­pressamente, ocorre no Con­cílio de Laodiceia (ano 363) e na 39ª Carta Festiva de Atanásio de Ale­xandria (ano 367), onde emerge uma lista de 27 livros como “Escritura” (autorizado no âm­bito religioso).

Por outro lado, o documento orien­tador para o estudo deste tema é o denominado Fragmento de Muratori, em alusão ao seu editor, Ludovicus Antonius Muratorium; um texto latino de 85 linhas dos séculos II-III, mas conservado num manus­crito do século VIII e publicado em 1740. Nesse fragmento são aceitos os quatro Evangelhos e as treze cartas de Paulo; estão em debate para aceitação no culto as cartas 2 e 3 João, Judas, Apocalipse de João, Apocalip­se de Pedro e a Sabedoria de Salomão; são rejeitadas a carta do Pastor de Hermas, as cartas de Paulo aos Laodicenses e aos Alexandrinos; no entanto, nada diz sobre 1 e 2 Pedro, Tiago, Hebreus e escritos considerados heréticos. Entre os séculos IV e V a Igreja latina chegou a con­siderar Hebreus carta paulina e canônica.

A tradição oral e os evange­lhos estão na origem do catá­logo “canônico”. Para Helmut Koester, a tradição oral era transmitida sob a autoridade do “Senhor”, composta de ditos de Jesus de Nazaré e histórias de milagres; dentre elas, es­tão “as parábolas inicialmente escritas em aramaico, depois traduzidas para o grego e in­troduzidas no capítulo 4 do Evangelho de Marcos”.1

Quanto à documentação es­crita, as cartas comprovada­mente legítimas de Paulo são as mais antigas, todas escritas na década de 50 do século I (as comunidades contribuem na composição do corpus literário paulino). As cartas serviam ao propósito de dar uma resposta a problemas urgentes. Poste­riormente, como produtos das primeiras comunidades cris­tãs, surgiram os Evangelhos, fortemente influenciados pelo gênero biográfico; assim, pre­servam para gerações futuras a memória de Jesus. De natureza contextual, o Novo Testamen­to é cosmopolita: contém tex­tos da Ásia Menor, do mundo egeu, do vale do Jordão, da Sí­ria, de Roma.

Em adição, “a questão da inspiração não influenciou a composição do cânon, porque a pretensão de possuir o Espí­rito Santo era tão comum que esse critério só teria causado confusão”.2 Com relação à apos­tolicidade, Irineu (c. ano 170) apenas exigia a evidência de que os textos tenham servido à ins­trução e organização da Igreja; mesmo os sobrescritos autorais são à guisa de reivindicação de fidelidade das memórias.

[Dialoguei com pelo menos seis eméritos pesquisadores, dos quais citei apenas dois no texto anterior (Expositor Cristão, n. 12/2016) e dois aqui; quem sabe, num futuro, poderei fazer-lhes justiça citando-os literalmente ao coligir os dois artigos].

* João Batista Ribeiro Santos Pastor na 3ª RE, biblista e historiador, docente de Antigo Testamento na FaTeo/Umesp. Publicado originalmente no jornal expositor cristão de janeiro 2017, clique aqui.

Relacionado

Church Leadership
El Rev. Santos trabajará colaborando en el desarrollo e implementación de un nuevo enfoque para los Ministerios Hispano-Latinos en el Pacífico-Noroeste. Foto cortesía Rev. Cruz Edwin Santos.

Nuevo Director de Ministerios Hispano-Latinos en Pacífico Noroeste

La Obispa Elaine J.W. Stanovsky ha nombrado al Rev. Cruz Edwin Santos como Coordinador de Ministerios Hispanos/Latinos para la Conferencia Anual del Pacífico-Noroeste a partir del 1 de julio de 2019
Conferencia Anual
El Rev. Hernández sirvió en la Iglesia Metodista de Cuba  durante 23 años como pastor y superintendente. Es pastor fundador de La Nueva Iglesia, en la ciudad de Miami y se desempeño como Superintendente del Distrito Suroeste de la Conferencia Anual de Florida. En la foto de archivo (2013) el Obispo Kenneth Carter (izquierda) y el Rev. David Dodge (derecha) imponen sus manos sobre Hernández al comisionarle como superintendente. Foto cortesía del Rev. Armando Rodríguez.

Conferencia de Florida comisiona nuevo director de ministerios latinos

El Rev. Rinaldo “Rini” Hernández, fue designado como nuevo Director de Desarrollo de Nuevas Iglesias y Ministerios Latinos de la Conferencia Anual de Florida.
Conferencia Anual
Para la Rvda. Fabiola Grandon-Mayer, este nombramiento es como un trabajo pastoral solo que va a ser desde otra perspectiva: “Mi oración es que el distrito entienda que esto es un trabajo que hacemos juntos/as, con los/as laicos/as y clérigos/as”, dijo la reverenda.  Foto cortesía de la Rvda. Fabiola Grandon-Mayer.

Primera pastora chilena superintendente en la IMU

La Conferencia Anual del Norte de Illinois de la Iglesia Metodista Unida (IMU) se une a la lista de las conferencias de los Estados Unidos, que han nombrado a una hispana-latina como superintendenta de distrito.