A epifania: Magos e pastores cultuam a menino Jesus

Michelle Paixão – Igreja Metodista Vila Isabel, Rio de Jainero, Brasil.

(Mt 2.1-12 e Lc 3.23-38)

Dia da Epifania e Estação Litúrgica do Calendário Cristão

A palavra epifania é de origem grega e significa revelação, manifestação, uma teofania (uma aparição divina). Deus aparece e é visto pelo ser humano. Jesus se manifesta e é reconhecido como Deus pelo ser humano através dos magos do oriente e dos pastores do campo. Dá ênfase ao fato de Jesus ter se revelado ao mundo. Os cristãos acreditam que o menino Jesus Cristo não ficou isolado lá na manjedoura de Belém. Começando com sua manifestação aos magos, Jesus Cristo é apresentado a todos como Salvador.

Por isso na história de Jesus, é também uma estação litúrgica que acontece depois do Advento e Natal. A estação litúrgica da epifania tem início no dia 06 de janeiro (considerado pela tradição cristã como o dia em que os magos encontraram e adoraram o menino Jesus, em Belém e, portanto, o dia da Epifania), fala do ministério terrestre de Jesus e vai até a 3ª-feira que antecede a 4ª-feira de cinzas, seguida então do período da Quaresma (que nos faz recordar os momentos difíceis da perseguição, prisão e demais momentos que antecedem a Páscoa). Durante este período, a Igreja relembra vários fatos na vida de Jesus que o tornaram conhecido como o Salvador. Entre seus símbolos estão a estrela (que guia os magos) e a coroa (Jesus rei do Universo). A cor litúrgica é a  amarela, enfatizando a realeza de Cristo. O texto bíblico não diz quantos magos eram, mas a tradição cristã diz que foram três: Belchior, Gaspar e Baltazar. Eles representam os povos de todas as nações, raças e línguas, que se deixam guiar pela mensagem de Jesus.

A Epifania do Senhor

Tendo nascido Jesus em Belém da Judéia no tempo do rei Herodes, alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém. (...) O rei Herodes chamou, então, secretamente os magos e informou-se com eles cuidadosamente sobre o tempo exato em que a estrela tinha aparecido. Depois, mandou-os a Belém e disse: “Ide e investigai bem sobre o menino e, quando o tiverdes Tendo ouvido o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia à frente deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino. Quando viram a estrela, encheram-se de grande alegria. Ao entrar na casa, viram o menino com sua mãe; e, prostrando-se, o adoraram. Abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes, ouro, incenso e mirra. Depois, avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para sua terra por outro caminho.

Os magos reconhecem, pois, a nova maneira de exercer a realeza e o poder: com amor, compaixão, misericórdia, cuidado social e solidariedade. Aderem ao reinado de Deus, convertem e participam do plano de salvação das pessoas, a partir do “pequeno” Jesus de Nazaré; pobre, sem poder, sem  influência política. Não a partir dos poderosos e violentos como Herodes, apoiado pelos sacerdotes religiosos.

Neste momento, os magos representam os verdadeiros adoradores, aqueles que, descobrem que a salvação não pode vir pela falsa religião. Os magos adoradores de Jesus são os primeiros a intuir isso, e seu desejo é o de adorar esse “novo poder” que nasce do humilde para transformar o mundo. Eles são guiados por uma “estrela” (um sinal divino bem visível), que exprime as intuições mais puras e os anseios mais profundos da humanidade sedenta de paz, de justiça, de amor, de solidariedade e fraternidade.

Relacionado

Iglesia Local
Los/as delegados/as, la Revda. Jessica LaGrone y Oscar Garza discuten la legislación durante la Conferencia General 2019. Foto de Brant Mills, cortesía de la Conferencia Anual de Tejas.

Oscal L. Garza una lección de esperanza

Mientras se desempeñaba como delegado laico en la Conferencia General de 2012, Oscar L. Garza, de la Iglesia Metodista Unida Cypress Trails en Spring, estado de Tejas, recibió la noticia de que el cáncer de ovario de su esposa había regresado.
Temas Sociales
Ramiro Ramírez tocó la campana en la Iglesia Metodista Unida de Jackson Chapel en San Juan, Tejas. La familia de Ramírez donó el terreno para la iglesia, que se estableció en 1874. El muro fronterizo propuesto por el presidente Trump está programado para que atraviese la propiedad de la iglesia, incluido su cementerio histórico. Foto por Mike DuBose, SMUN.

El muro fronterizo podría destruir parte de iglesia metodista hispana de valor histórico

El muro fronterizo propuesto por el presidente Donald Trump podría destruir una parte de la historia metodista y perturbar los cementerios sagrados en esta pequeña zona rural, a solo una milla del Río Bravo.
Temas Sociales

Líder laica metodista hispana asesinada en masacre en Florida

La comunidad metodista unida en el centro de la Florida está de luto, por la absurda muerta de una de muy querida hermana de la Iglesia Metodista Unida (IMU) Nuevo Pacto, un banco local del condado de Highlands.