O Rev. Gil Caldwell, pioneiro dos direitos civis, morre

Other Manual Translations: English español

O Rev. Gilbert H. Caldwell se autodenominou um “soldado raso” do movimento pelos direitos civis dos Estados Unidos. Mas muitos em sua amada Igreja Metodista Unida se lembram dele como um general para a justiça.

Ele morreu em 4 de setembro em New Brunswick, New Jersey, sob cuidados paliativos. Ele tinha 86 anos.

Caldwell, que trabalhava como Gil, lutou para acabar com a discriminação em um ministério que durou mais de 60 anos e igrejas em pelo menos cinco conferências.

Ele defendeu incansavelmente e sem violência a igualdade racial e LGBTQ - mesmo quando isso o colocava em desacordo com as leis vigentes do estado e da igreja. Como Caldwell viu, ele estava seguindo o chamado de Jesus para ser inclusivo.

“Ele era gentil, mas forte, sábio, mas humilde”, disse o bispo aposentado Woodie White, que considerava Caldwell um mentor, modelo e amigo. “Seu compromisso com a justiça racial e a inclusão era inflexível, seja na igreja ou na nação”.

Caldwell participou de muitos dos eventos marcantes do movimento pelos direitos civis - a Marcha em Washington em 1963, as campanhas eleitorais do Mississippi Freedom Summer em 1964, a Marcha de Selma a Montgomery, Alabama, em 1965 e a Campanha dos Pobres de 1968. 

Dentro de sua denominação, Caldwell - um co-fundador da Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja) - também assumiu um papel ativista. 

“A paixão de Gil pela igualdade, justiça e inclusão inspirou outros a abraçar seu sonho de comunidade amada”, disse o Rev. Don Messer, presidente emérito da Escola de Teologia Iliff em Denver e amigo de Caldwell há mais de 56 anos. 

“Where do we go from here … Chaos or Community?” appears on the sign held by the Rev. Gil Caldwell by the entrance to the 1968 Uniting Conference in Dallas. The gathering officially formed The United Methodist Church and ended the segregated Central Jurisdiction. Caldwell used the title of the Rev. Martin Luther King Jr.’s final book to remind delegates of the church's ongoing call to confront racism. Photo courtesy of Archives and History.

“Para onde vamos a partir daqui... Caos ou Comunidade?” aparece na placa segurada pelo Rev. Gil Caldwell na entrada da Conferência de União de 1968 em Dallas. A reunião formou oficialmente a Igreja Metodista Unida e pôs fim à segregada Jurisdição Central. Caldwell usou o título do livro final do Rev. Martin Luther King Jr. para lembrar os delegados da chamada contínua da Igreja para confrontar o racismo. Foto cortesia do Comissão Geral de Arquivos e História da IMU.

Em 1968, Caldwell estava entre os manifestantes silenciosos parados na entrada da Conferência Unitária que formou a Igreja Metodista Unida e encerrou oficialmente a Jurisdição Central que segregava os Metodistas Negros. Caldwell, um superintendente distrital recém-nomeado na época, segurava uma placa citando o título do último livro do Rev. Martin Luther King Jr.: "Para onde vamos daqui ... Caos ou comunidade?" poucas semanas depois do assassinato de King.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Na Conferência Geral de 2000, ele estava entre as mais de 180 pessoas presas por envolvimento em desobediência civil por protestar contra a posição da denominação contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o clero gay “praticante declarado”.

Caldwell permaneceu um ativista não violento apaixonado até o fim de sua vida. Com a ajuda de um andador, ele subiu ao pódio em um comício Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) em 7 de junho, no município de Willingboro em New Jersey.

O bispo John Schol, que lidera a Conferência da Grande Nova Jersey, apresentou Caldwell no comício. Os dois eram amigos desde que eram pastores na vizinha Associação Leste da Pensilvânia.

“Rev. Gil Caldwell trouxe o melhor da liderança profética e pastoral ao ministério”, disse Schol a Notícias Metodista Unida.

“Seu amor por Deus o motivou a se preocupar profundamente com todas as pessoas e ele foi um defensor dos direitos e da inclusão das pessoas de cor, a comunidade LGBTQ e as mulheres. Ele tinha o dom de amar, estimular e desafiar as pessoas a fazerem a coisa certa e justa.”

Caldwell nasceu em 1933 em Greensboro, Carolina do Norte, filho e neto de pastores metodistas itinerantes. Ele e seu pai foram nomeados em homenagem ao bispo metodista branco do século 19, Gilbert Haven, um famoso abolicionista e defensor do sufrágio feminino.  

The Rev. Gil Caldwell (right) stands with the Revs. Martin Luther King Jr. (left) and Virgil Wood on the roof of a Boston public school in 1965. Photo courtesy of the Rev. Gilbert H. Caldwell.

O Rev. Gil Caldwell (à direita) está com os Revs. Martin Luther King Jr. (à esquerda) e Virgil Wood no telhado de uma escola pública de Boston em 1965. Foto cortesia do Rev. Gilbert H. Caldwell.

Caldwell cresceu em bairros segregados, escolas segregadas e uma igreja segregada. Logo no início, Caldwell se comprometeu a mudar isso.

Depois de obter um diploma de graduação na North Carolina A&T State University, uma instituição historicamente negra, ele tentou quebrar o ciclo de desigualdade inscrevendo-se em 1955 na Duke Divinity School em Durham, Carolina do Norte. 

No entanto, a escola metodista - que não admitia alunos negros até sete anos depois - rejeitou sua inscrição por causa de sua raça. Em 2017, Duke convidou Caldwell para falar em sua capela para ajudar a reconhecer seu passado. 

Caldwell acabou indo para a Escola de Teologia da Universidade de Boston, onde conheceu muitos outros clérigos que ajudaram a moldar seu ministério - incluindo o Rev. Martin Luther King Jr.

Caldwell conheceu King em 1958, quando o gigante dos direitos civis voltou à sua alma mater para fazer um discurso. King já era nacionalmente famoso por sua liderança em Montgomery, Alabama, boicote aos ônibus, e Caldwell era vice-presidente da associação de estudantes da escola de teologia. 

Os dois mais tarde marchariam juntos em 1965 para protestar contra a segregação escolar em Boston. 

Caldwell também estava entre o clero e os leigos que responderam ao chamado de King para vir a Selma, Alabama, depois que a polícia e outros atacaram mais de 600 manifestantes pacíficos no que ficou conhecido como “Domingo Sangrento”. Caldwell juntou-se à marcha subsequente para Montgomery que ajudou a levar ao Ato de Direitos de Voto de 1965.

Na Escola de Teologia da Universidade de Boston, Caldwell também encontrou clérigos que se juntaram a ele na luta pela integração da Igreja Metodista, incluindo o futuro Bispo White.

Os dois se conheceram quando White era um estudante do primeiro ano e Caldwell tinha acabado de se formar. Eles trabalhariam juntos para dissolver a Jurisdição Central e defender a igualdade como membros da equipe da então nova Comissão de Religião e Raça da Igreja Metodista Unida.

Caldwell mais tarde tornou-se membro do conselho do PFLAG, um grupo secular de direitos civis cujo nome inicialmente significava Pais e Amigos de Lésbicas e Gays.

  The Rev. Gil Caldwell answers questions during an April 27, 2008, panel discussion hosted by Soulforce, a national interfaith gay rights network. The event was held across the street from the Fort Worth (Texas) Convention Center, site of the 2008 United Methodist General Conference. File photo by Maile Bradfield, UM News.

O Rev. Gil Caldwell responde a perguntas durante um painel de discussão em 27 de abril de 2008, organizado pela Soulforce, uma rede nacional inter-religiosa de direitos gays. O evento foi realizado em frente ao Centro de Convenções de Fort Worth (Texas), local da Conferência Geral Metodista Unida de 2008. Foto de arquivo por Maile Bradfield, Notícias MU."

“Eu considerei o Rev. Caldwell um verdadeiro modelo de como fazer o trabalho nas comunidades religiosas e nas comunidades de cor”, disse Jean Hodges, ex-presidente do conselho nacional do grupo, em um comunicado. “Como metodista - e mãe de um homem gay - fiquei comovida e inspirada por tudo o que ele fez para trazer mais aliados e engajamento dentro da UMC.”

Arranjos memoriais

The Rev. Gil Caldwell stands outside of Bryantville United Methodist Church in Pembroke, Mass., with his wife, Grace Caldwell, and two sons in this undated photo. Caldwell served as senior pastor of five predominantly African American churches and four mostly white churches over six decades. Photo courtesy of UMC.org.

O Rev. Gil Caldwell está fora da Igreja Metodista Unida de Bryantville em Pembroke, Massachusetts, com sua esposa, Grace Caldwell, e dois filhos nesta foto sem data. Caldwell serviu como pastor sênior de cinco igrejas predominantemente afro-americanas e quatro igrejas principalmente brancas ao longo de seis décadas. Foto cortesia de UMC.org. 

 Assista a entrevista em vídeo.

O culto virtual para o Rev. Gilbert H. Caldwell está agendado para 1pm, horário do Leste (ET), sábado, 12 de setembro. O culto começará com um prelúdio de 30 minutos de vídeos e música. Os palestrantes incluirão sua família, o bispo Woodie White e os Revs. William “Bobby” McClain, Traci West e Don Messer. Muitos outros participarão do serviço de várias maneiras. Messer disse que um link será divulgado quando estiver disponível.

A morte de Caldwell segue-se à passagem neste ano de gigantes da era dos direitos civis - o Rev. Joseph Lowery, um pastor Metodista Unido; bem como o Rev. CT Vivian e o Rev. John Lewis, ambos batistas ordenados.

Caldwell lembrou-se do legado desses líderes em seu último e-mail para Notícias MU em 18 de julho. Ele também expressou sua esperança imorredoura de que os EUA estivessem se tornando uma “democracia multirracial”.

“Como costumávamos cantar no Movimento (dos Direitos Civis), 'Não vamos deixar ninguém nos mude”, concluiu. “Cante e viva, não importa o que aconteça. Comemore seu progresso e não seja preso por suas falhas.”

Assista ao vídeo de Caldwell sobre como responder à chamada do Rev. Martin Luther King.

Leia seu comentário sobre o filme “Selma”.

A bispa Karen Oliveto disse em um e-mail para a Conferência Mountain Sky que Caldwell “entendeu a interseccionalidade das opressões muito antes de outros falarem sobre isso, sempre estando com os marginalizados para estender o amor e a justiça de Deus ao mundo”.

Oliveto, o primeiro bispo abertamente gay da denominação, lidera a conferência onde Caldwell serviu antes de se aposentar do ministério pastoral em 2001. 

Em 2014, na véspera do aniversário do Rev. Martin Luther King Jr., Caldwell celebrou um casamento entre pessoas do mesmo sexo, mesmo que isso violasse a lei da igreja e pudesse colocar em risco suas credenciais de clero.

Nos últimos anos, ele ansiosamente assumiu a tarefa de contar às gerações mais jovens sobre o movimento pelos direitos civis e ajudar as pessoas a compreenderem o progresso ainda necessário. Ele foi um escritor prolífico - autor de quatro livros e artigos publicados em vários meios de comunicação, incluindo o Boston Globe e Notícias MU.

“Rev. Caldwell muitas vezes se descreveu como um jornalista de coração. Ele valorizou o poder do jornalismo para aumentar a compreensão, falar a verdade e trazer cura”, disse Tim Tanton, que dirige o Notícias MU. “ No último comentário que escreveu para nós, ele expressou preocupação com os ataques ao jornalismo hoje e disse que aqueles que amam a Bíblia deveriam fazer mais para defender a verdade jornalística. Notícias MU perdeu um amigo, e nossos corações estão com a família Caldwell.”

Caldwell colaborou com Marilyn Bennett, uma lésbica branca e também ativista, no documentário de 2016 “From Selma to Stonewall: Are We There Yet?” (De Selma a Stonewall: Já Chegamos lá?).

“Quem quer que entrasse em contato com ele poderia tirar algo”, disse Bennett. “Ele deu esperança a muitas pessoas.”

Ele também trabalhou para passar a tocha da defesa da justiça social aos novos líderes Metodistas Unidos. Um deles é o Rev. Nathan Adams, pastor principal da Igreja Metodista Unida de Park Hill em Denver, onde Caldwell serviu antes de sua aposentadoria. 

“Ele deixou sua marca para sempre na Igreja Metodista Unida Park Hill enquanto defendia e liderava nossa congregação para ser a igreja inclusiva, com foco na comunidade e com a mentalidade de justiça social que é hoje”, disse Adams. 

Caldwell havia trabalhado muito para mudar a igreja por dentro e ficou muito triste com a perspectiva de que o debate da denominação sobre a inclusão LGBTQ levaria a uma divisão da igreja. 

“Ele experimentou pessoalmente o ódio ao racismo, mas nunca deixou de expressar amor”, disse seu amigo Messer. “Sua grande decepção foi que a Igreja Metodista Unida falhou em liderar o mundo no desmantelamento do racismo e na superação da homofobia.”

No entanto, Caldwell também nunca perdeu a fé de que a igreja poderia manifestar o amor de Deus e encontrou esperança no movimento renovado deste ano em direção à justiça racial. 

Caldwell disse à Noticias MU em junho que, embora, como King, ele não chegasse à Terra Prometida com sua família Negra e aliados, ele acreditava que se as pessoas “mantivessem esses momentos vivos, uma aparência da 'Comunidade Amada' de MLK seria visível”.

Ele deixa sua esposa há mais de 60 anos, Grace; filhos Dale e Paul; e a neta Ashley. 

The Rev. Gil Caldwell stands up for Black Lives Matter at a peaceful rally, just months before he died. To Caldwell’s right is his wife of more than 60 years, Grace Caldwell. To Caldwell’s left is the Rev. Vanessa Wilson, chairperson of the Greater New Jersey Commission on Race and Religion and pastor of Good Shepherd United Methodist Church in Willingboro, N.J. File photo by Aaron Wilson Watson.

O Rev. Gil Caldwell defende Black Lives Matter em uma manifestação pacífica, poucos meses antes de morrer. À direita de Caldwell está sua esposa há mais de 60 anos, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Rev. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Grande New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro, NJ Foto de arquivo de Aaron Wilson Watson.

*Hahn é uma repórter de notícias multimídia de Notícias Metodista Unida. Jim Patterson, também repórter da Notícias MU, contribuiu para esta história. Contate-os em (615) 742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Racismo
Os palestrantes do dia 26 de agosto “Assembleia: Líderes emergentes discutem desmantelamento do racismo” são (a partir da esquerda) Ann Jacob, o reverendo Theon Johnson III, Andres De Arco e Katelin Hansen. O painel de líderes mais jovens compartilhou suas estratégias para desmantelar o racismo como parte da série da Câmara Municipal da Igreja sobre antirracismo. Fotos cortesia dos palestrantes.

A igreja tem as ferramentas para desmantelar o racismo hoje

Quatro jovens Metodistas Unidos discutem a história do racismo na igreja e as formas como a denominação pode "mover a agulha".

Escravidão e os fundadores do Metodismo

O fundador do Metodismo foi um abolicionista ferrenho e a igreja primitiva era anti-escravista, mas essa dedicação mais tarde desbotou.
Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.