O racismo deve acabar, mas como chegar lá?

Other Manual Translations: English español

É hora - bem atrasada, na verdade - para a Igreja Metodista Unida fazer progressos nas questões raciais que ultrapassam os clichês do passado, disseram os líderes negros da denominação.

Questões difíceis e complicadas de justiça racial foram levantadas em 2020 pelos protestos Black Lives Matters (Vidas Negras Importam) e a insurreição de 6 de janeiro no prédio do Capitólio em Washington, bem como as mortes pela polícia de afro-americanos, incluindo George Floyd em Minneapolis, Breonna Taylor em Louisville, Kentucky, e Daniel Prude em Rochester, Nova York.

campanha “Dismantling Racism: Pressing on to Freedom” (Desmantelando o Racismo: Pressionando para a Liberdade) , anunciada em junho, é uma iniciativa de toda a igreja para desmantelar o racismo e trabalhar em prol da justiça racial. 

Os esforços incluíram um dia de oração e adoração, campanha publicitária nacional, eventos de adoração regionais e locais, reuniões em conselhos, podcasts, webcasts e um site onde os espectadores podem encontrar recursos para ajudá-los a aprender mais e agir.

Muito disso equivale a falar sobre o problema, mas os envolvidos esperam que seja um começo, não um fim em si mesmo.

“O esforço de desmantelamento do racismo da Igreja Metodista Unida é um esforço organizado esperado há muito tempo por parte da nossa denominação para enfrentar o racismo e o privilégio dos brancos”, disse o bispo aposentado Ernest Lyght, que liderou a Conferência da Virgínia Ocidental de 2004 a 2011.

“Temos que enfrentar o que existe entre as pessoas e Deus e entre os brancos e outros seres humanos, especialmente as pessoas de cor”, disse ele. “O racismo é uma questão de cabeça e de coração. A UMC tem que se concentrar em mudar os corações.”

United Methodist Bishop Ernest Lyght gives the sermon during morning worship at the 2008 United Methodist General Conference in Fort Worth, Texas. Lyght says the denomination’s Dismantling Racism campaign is long overdue. File photo by Mike DuBose, UM News.

O Bispo Metodista Unido Ernest Lyght faz o sermão durante o culto matinal na Conferência Geral Metodista Unida de 2008 em Fort Worth, Texas. Lyght diz que a campanha da denominação Desmantelando o Racismo está muito atrasada. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

 

A Revda. Josephine Whitely-Fields, uma anciã aposentada que pastoreava igrejas em três estados e serviu como diretora de missões e evangelismo na Associação Oeste da Pensilvânia, chamou o programa de “um passo na direção certa”.

“Eles estão se concentrando em trazer os negros para a mesa de discussão para determinar como vamos seguir em frente”, disse Whitely-Fields. No passado, os Metodistas Unidos Negros sentiam que os líderes da igreja estavam mais inclinados a “nos dizer o que eles vão fazer, em vez de ver o que desejamos e o que seria significativo para nós”, acrescentou ela.

As feridas são profundas, disse o Rev. Jerome King Del Pino, pastor aposentado que foi o principal executivo do Conselho Metodista Unido de Educação Superior e Ministério pela década que terminou em 2010.

Ele se lembra de uma das críticas que ainda o irritam.

Del Pino, cujo pai serviu na velha Jurisdição Central segregada racialmente, ajudou a arrecadar dinheiro que se pensava ser destinado a faculdades e universidades historicamente negras relacionadas com a denominação. Mas, embora as instituições brancas fossem financiadas de forma confiável, as HBCU's não eram, disse ele.

Novo recurso convida a ensaios sobre racismo

Notícias MU está convidando as pessoas a compartilharem suas próprias histórias pessoais sobre encontros com racismo, bem como esperanças e ideias para combatê-lo, em um novo fórum intitulado “Somos a Família de Deus: Encontros Pessoais com o Racismo”. O recurso é projetado para promover o diálogo e construir a compreensão de como o racismo afeta as pessoas em um nível pessoal.

Consulte Mais informação

Uma história como essa ilustra que o racismo na Igreja “não é uma questão que possa ser abordada de uma perspectiva fundamentalmente de bem-estar”, disse Del Pino.

“A verdadeira questão é: quem vai nos dar liderança no desmantelamento da supremacia branca?” ele disse. “Esse é o problema. O racismo é a evidência. É o subproduto da compreensão da realidade de um supremacista branco que afeta todos os aspectos de nossa existência neste país e especialmente a igreja.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A liderança local para a ação antirracismo parece estar surgindo.

A Conferência North Texas está na fase piloto de um programa denominado Congregational Journey Toward Racial Justice (Jornada Congregacional Rumo à Justiça Racial). Quatorze igrejas se inscreveram e sete já estão em funcionamento.

A ideia é fornecer um processo e um conjunto de recursos para ajudar a apoiar o trabalho de justiça racial de congregações predominantemente brancas. As estratégias incluem ter conversas vitais sobre racismo, fomentando a competência intercultural e promovendo a equidade institucional - em outras palavras, igualdade de condições - em sistemas e políticas de conferências.

“A Jornada Congregacional Rumo à Justiça Racial foi projetada para ajudar as igrejas locais a olharem mais de perto a si mesmas em relação aos seus vizinhos, próximos e distantes”, disse o Rev. Joshua Manning, pastor sênior da Igreja Metodista Unida em Dallas e membro da equipe de coordenação do esforço. 

Os líderes de denominação ofereceram outras sugestões específicas de maneiras de trabalhar para o progresso:

“Reafirme nosso batismo”, disse a Bispa da Conferência da Virgínia Ocidental, Sandra Steiner Ball, que é branca. “Não como uma ação ou rito religioso, mas como um lugar de lembrar quem somos e ouvir Deus chamar nossos nomes, chamar-nos novamente à responsabilidade para viver como um povo que renuncia ao mal, professa nossa fé e expressa nossa lealdade a Cristo em cada situação em que nos encontramos.”

 O Conselho dos Bispos deve desenvolver um documento de ensino sobre racismo, um equivalente ao seu pronunciamento “Em Defesa da Criação” sobre o cuidado com o meio ambiente, disse Lyght.

Deve haver “confissão contínua por parte da liderança da maioria branca da igreja de que seus antepassados criaram esse problema (da supremacia branca) e seus filhos, como beneficiários, o perpetraram”, disse Del Pino.

• A liderança da Igreja precisa “desenvolver relacionamentos, parcerias e amizades que possam superar o racismo”, disse Steiner Ball. “Cristo nos reúne todos em um só corpo e deixa claro que não há nenhuma parte menor ou desnecessária do corpo”, disse ela. “Seja curioso sobre outras culturas, outras formas de viver e de vida. … Acho que nosso diálogo nas conversas do Front Porch modela e orienta as etapas de como isso pode ser feito.”

The Rev. Stephen Handy (center) leads a prayer vigil at McKendree United Methodist Church in Nashville, Tenn., in June, 2020. The service was held to grieve and remember people lost to acts of racism. File photo by Mike DuBose, UM News.

O Rev. Stephen Handy (centro) lidera uma vigília de oração na Igreja Metodista Unida McKendree em Nashville, Tennessee, em junho de 2020. O culto foi realizado para lamentar e lembrar as pessoas perdidas por atos de racismo. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

 

As conversas do Front Porch consistem em três vídeos com discussões sobre raça. É projetado para aumentar a consciência individual e coletiva e desafiar os espectadores a continuar trabalhando neles e em suas comunidades para eliminar o racismo.

A reunião geral virtual dos Metodistas Negros pela Renovação da Igreja, de 19 a 20 de março, tem como tema “Racismo: A Agenda Inacabada. BMCR conclama nossa igreja a cumprir sua promessa de 1968”.

Saiba mais sobre as clérigas negras

“Pioneer Black Clergywomen: Stories of Black Clergywomen of the United Methodist Church 1974-2016,” written by Josephine Whitely-Fields, includes stories from Bishop Cynthia Moore-Koikoi, the Rev. Tara Sutton and more. Image courtesy of WestBow Press.
Imagem cortesia da WestBow Press.
O novo livro “Pioneer Black Clergywomen: Stories of Black Clergywomen of the United Methodist Church 1974-2016” (Clérigas Negras Pioneiras: Histórias de Clérigas Negras da Igreja Metodista Unida 1974-2016) descreve as frustrações, desafios e recompensas durante as carreiras de nove clérigas Metodistas Negras Unidas.

Consulte Mais informação

O Bispo Forrest Stith, o bispo residente na Igreja Metodista Unida Asbury em Washington e membro vitalício do BMRC, falará sobre o tema da conferência. Outros oradores, painelistas ou moderadores incluirão M. Garlinda Burton, presidente-executivo interino da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça; e o Rev. Rudy Rasmus, pastor sênior da Igreja St. John's Downtown em Houston e editor do livro “I’m Black. I’m Christian. I’m Methodist." (Eu sou negro. Eu sou cristão. Sou metodista).

O encontro será seguido por cinco webinars virtuais, um por mês de junho a outubro, sobre temas como saúde, crianças e “Para onde vamos a partir daqui?”

As contínuas lutas sobre a sexualidade humana obscureceram questões de racismo e sexismo no Metodismo Unido, disse Lyght.

“A disputa sobre a sexualidade humana suspendeu as preocupações raciais no sentido de que a disputa cria um desvio e um abrigo para as pessoas que não querem lidar com o racismo”, disse Lyght. “Na minha opinião, não seremos capazes de resolver as diferenças sobre a sexualidade humana até que superemos o racismo e eliminemos a supremacia branca.” 

Whitely-Fields, cujo novo livro “Pioneer Black Clergywomen: Stories of Black Clergywomen of the United Methodist Church 1974-2016” (Pioneiras Clérigas Negras: Histórias de Clérigas Negras da Igreja Metodista Unida 1974-2016) examina as carreiras do clero feminino negro na denominação, disse que ela trabalhou em igrejas dominadas por brancos que a aceitavam como uma líder negra da igreja.

"Esse é um pássaro raro, mas ocorre."

Mas é preciso fazer mais, disse ela.

“Tenho esperança de que os esforços em que estamos nos empenhando agora para enfrentar o racismo sejam de fato o passo em frente que nos leva além de onde estivemos por anos - mais complacentes, sem realmente avançar muito. Tenho esperança de que isso mude.”

 

*Patterson é repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Contate-o em 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Igreja Local
Os membros da equipa de adoração da Igreja Metodista Unida CityWell em Durham, NC, preparam-se para gravar um culto de adoração online em 2020. Um novo estudo das igrejas Metodistas Unidas descobriu que congregações com diversidade racial têm maior probabilidade de crescer com o tempo. Foto de arquivo cortesia da Igreja Metodista Unida CityWell.

Diversidade racial ligada ao crescimento da igreja

Um estudo de mais de 20.000 igrejas Metodistas Unidas nos Estados Unidos descobriu que as igrejas multirraciais sofreram com a frequência ao culto ao longo do tempo.
Teologia
Um grupo diverso de líderes metodistas teologicamente conservadores de todo o mundo que se reuniram em março de 2020 emitiu uma declaração em apoio à Graça de Separação e Protocolo de Reconciliação. Ilustração cedida pela Asociação Pacto Wesleyano, versão em português do Rev. Gustavo Vasquez.

Coalizão de líderes tradicionais pede decisão sobre o protocolo o mais cedo possível

A declaração reitera a intenção do grupo de formar um movimento Wesleyano global com uma base teológica conservadora que defende os valores tradicionais.
Área Geral da Igreja
Esta declaração emana do amor apaixonado e profundo que temos por nossa amada IMU e de nossa preocupação com os últimos eventos em nossa denominação, desde a luta contra a pandemia COVID-19. Ilustração cedida por Africa Voice of Unity, versão em português Rev. Gustavo Vasquez, Notícias MU

Declaração de Unidade da Igreja dos Metodistas Unidos na África

Esta declaração emana do amor apaixonado e profundo que temos por nossa amada IMU e de nossa preocupação com os últimos eventos em nossa denominação, desde a luta contra a pandemia COVID-19.