Grupo busca a graça dos bispos nas saídas da igreja

Other Manual Translations: English 한국어 Español
Dados os atrasos que a pandemia trouxe e na realização da Conferência Geral, mais de 250 Metodistas Unidos assinaram uma carta, para solicitar ao Conselho de Bispos para permitir a partida das igrejas que assim o decidirem, preservadas Suas propriedades. Foto cortesia da Conferência Anual de Nova Jersey. 
Dados os atrasos que a pandemia trouxe e na realização da Conferência Geral, mais de 250 Metodistas Unidos assinaram uma carta, para solicitar ao Conselho de Bispos para permitir a partida das igrejas que assim o decidirem, preservadas Suas propriedades. Foto cortesia da Conferência Anual de Nova Jersey.

Pontos chave:

  • No primeiro dia da reunião de outono do Conselho dos Bispos, um grupo de Metodistas Unidos exorta os líderes a permitirem que as igrejas que assim desejem partam agora com propriedades.
  • A carta do grupo chega em meio à incerteza sobre se a Conferência Geral, duas vezes atrasada pela pandemia, será capaz de se reunir no próximo ano e assumir uma proposta de separação denominacional.
  • O grupo também pede a suspensão das queixas relacionadas ao ministério com indivíduos LGBTQ.

Um grupo de Metodistas Unidos está exortando os bispos a permitir que as congregações que desejam fazê-lo saiam com propriedades agora - em vez de esperar pela Conferência Geral.

“Como o escritor de Eclesiastes observa, 'Para tudo há um tempo', e o tempo para esperar pelas soluções legislativas da Conferência Geral como o único caminho a seguir já passou”, diz a carta aberta do grupo, intitulada “A Call To Grace” (Um Chamado à Graça).

O grupo ad hoc divulgou sua carta em 2 de novembro - quando o Conselho dos Bispos iniciou sua reunião online de outono que vai até 5 de novembro.

“Convocamos os bispos e as conferências anuais para usar a autoridade disciplinar existente para encontrar maneiras cheias de graça para que esses líderes e igrejas sigam seu chamado agora, permitindo-lhes levar a propriedade da igreja com eles quando apropriado”, disse a carta.

Desde o seu lançamento no início de 2 de novembro, mais de 250 Metodistas Unidos assinaram a carta. O documento começou a circular no final de 29 de outubro.

Os signatários iniciais incluem delegados da Conferência Geral, líderes leigos, pastores, superintendentes distritais, professores de seminário e outros membros da igreja. Os signatários vêm de todos os Estados Unidos, bem como das conferências centrais da denominação - regiões da igreja na África, Europa e Filipinas. O grupo agora convida outros Metodistas Unidos a assinar.

“Esperamos que os bispos recebam isso no espírito a que se destina”, disse George Howard, um dos assinantes iniciais da carta e delegado da Conferência Geral de West Ohio.

“Acreditamos que todos na UMC desejam prosseguir missão e ministério. Encorajamos os bispos a considerarem todas as opções disponíveis para as pessoas que procuram um caminho para além da IMU. Da mesma forma, encorajamos todos os que procuram um caminho diferente, para se envolverem com seu bispo e a conferência anual.”

A Presidente do Conselho de Bispos, Cynthia Fierro Harvey, disse ao Notícias Metodista Unida que a carta serve como um lembrete de um dos valores fundamentais que os Metodistas Unidos defendem - a graça.

“A carta nos convida a respirar, acalmar nossas mentes e espírito e responder com graça de maneiras que irão fazer avançar o reino de Deus”, disse Harvey, que também lidera a Conferência de Louisiana.

“O Conselho dos Bispos se reunirá esta semana para continuar explorando a melhor forma de honrar seu compromisso de caminhar lado a lado neste tempo intermediário e usar sua agência para liderar nossas conferências e igrejas para honrar e respeitar uns aos outros, servir uns aos outros, e deixe o amor ser nossa testemunha.”

A carta pede que “bispos e conferências anuais desenvolvam recursos para ajudar as igrejas locais a discernir seu futuro, incluindo recursos sobre como ter conversas difíceis de forma a reduzir os danos”.

Ele também pede suspensão no julgamento de queixas sob a lei da igreja relacionadas ao ministério com indivíduos LGBTQ.

A carta chega porque muitos Metodistas Unidos estão cansados de esperar pela Conferência Geral para agir sobre uma separação denominacional proposta.

A pandemia de COVID-19 agora já atrasou duas vezes a principal assembleia legislativa da denominação internacional, originalmente marcada para maio de 2020. Com os desafios da disponibilidade de vacinas e vistos em todo o mundo, não é certo se a Conferência Geral pode prosseguir conforme agendado para acontecer de 29 de agosto até 6 de setembro de 2022, em Minneapolis. 

Ainda assim, a esperança é que uma separação denominacional resolva décadas de intensificação do debate Metodista Unido sobre a situação das pessoas LGBTQ.

O plano mais endossado submetido à próxima Conferência Geral é o Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação. Se adotado, o protocolo permitiria que as igrejas e conferências tradicionalistas (aquelas que apoiam as restrições ao casamento gay e à ordenação) saíssem com propriedade da igreja e US $ 25 milhões para estabelecer uma nova denominação. O protocolo proposto também reserva $ 2 milhões para outros grupos de igrejas que possam sair.

O grupo teologicamente conservador de defesa da Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano) está trabalhando nessa nova denominação tradicionalista, a Igreja Metodista Global. Entretanto, um grupo de Metodistas Unidos progressistas está a desenvolver a nova denominação Liberation Methodist Connexion (Conexão Metodista de Libertação).

O reverendo David Meredith, membro da equipe de mediação que desenvolveu o protocolo, é um dos signatários da carta Um Chamado à Graça.

“Os dois princípios fundamentais do Protocolo são chamados de: 1) uma saída graciosa para congregações e pastores que buscam deixar a UMC; e 2) uma suspensão que põe fim ao dano dirigido ao clero e congregações visadas pelas proibições anti-gay da Disciplina”, Disse ele em um comunicado à imprensa sobre a carta.

Os bispos planejam passar esta semana em discussões sobre a Igreja Metodista Unida que continuará após qualquer separação.

“Devemos começar a formar uma narrativa para a continuidade da Igreja Metodista Unida que sirva como um grande testemunho de amor enraizado nas Escrituras, centrado em Cristo e unido no essencial”, disse Harvey.

A Igreja Metodista Unida e os seus predecessores têm mantido uma política desde 1797 que todas as congregações detêm propriedades “sob custódia” para o benefício de toda a denominação.

No entanto, como observa a carta aberta, o Livro da Disciplina - o livro de políticas da denominação - já oferece procedimentos para as igrejas se desfiliarem com propriedades sob condições limitadas.

A mais recente delas está no Parágrafo 2553, que permite a desfiliação até 31 de dezembro de 2023, “por razões de consciência” relacionadas à homossexualidade. Esse procedimento tem um preço alto, com as igrejas responsáveis pelo pagamento de certas obrigações, incluindo uma parte das obrigações de pensão de sua Conferência - isto é, o que as associações devem aos aposentados.

Até agora, dezenas de igrejas Metodistas Unidas usaram o Parágrafo 2553 para partir. A maioria se identifica como tradicionalista, mas algumas congregações progressistas também usaram o procedimento para se separar. A Igreja Metodista Unida Mt. Bethel em Marietta, Geórgia, invocou o parágrafo em seu processo contra a Conferência do Norte da Geórgia.

No entanto, a Disciplina tem outra opção: O parágrafo 2548.2 permite que os administradores da igreja local - com a aprovação da Conferência - se juntem a “outra denominação evangélica”. Em 2019, uma grande igreja na Conferência do Texas votou para se juntar à denominação da Igreja Metodista Livre, usando esta disposição.

Esse parágrafo pode funcionar para as congregações se juntarem à Igreja Metodista Global, ainda em progresso, mas a nova denominação não foi lançada oficialmente.

A carta aberta não cita nenhum parágrafo específico da Disciplina.

Muitos dos assinantes da carta são Metodistas Unidos que expressaram o desejo de permanecer na denominação. Muitos também vêm do lado progressista e moderado do espectro teológico da denominação, mas esperam atrair mais tradicionalistas para a causa.

“Apesar de todas as nossas divergências, estou confiante de que cada um de nós adoraria ser capaz de dar menos atenção à política da igreja e mais à nossa missão e ministério”, disse a Revda. Rebekah Miles, uma das primeiras signatárias e delegada reserva da Conferência de Arkansas, por e-mail.

“Este apelo à graça oferece um caminho através do nosso caos atual. … Principalmente, estou sinceramente esperando e orando para que juntos encontremos uma maneira de superar a triste confusão em que nos encontramos agora como igreja, pelo amor de Cristo e do mundo que servimos”.

*Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Contate-a em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected].

Conselho Judicial
Os bispos metodistas unidos processam o culto de abertura da Conferência Geral especial de 2019 em St. Louis. O Conselho Judicial, o principal tribunal da Igreja Metodista Unida, divulgou um memorando que esclarece uma decisão anterior sobre as eleições de bispos. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Tribunal da Igreja modifica decisão sobre eleições de bispos

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida estabeleceu o dia 1º de janeiro de 2023 como a data em que os bispos dos EUA que enfrentam a aposentadoria compulsória devem deixar o cargo, e seus sucessores recém-eleitos tomarem posse.
Conselho Judicial
A Decisão 1444 do Conselho Judicial divulgou em 10 de maio regras sobre a conferência anual dos EUA não poder se separar da Igreja Metodista Unida sob a lei atual da igreja. A decisão e outras decisões recentes do tribunal superior da Igreja Metodista Unida estão afetando a atual temporada da conferência anual. Gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Decisões recentes moldam a temporada da conferência anual

À medida que a temporada da conferência anual dos EUA começa, os órgãos regionais da igreja lidam com decisões do principal tribunal da Igreja Metodista Unida sobre desfiliações.
Conselho Judicial
A Bispa Mary Virginia Taylor da Conferência de Holston abraça o Rev. David Graves após sua eleição como bispo Metodista Unido na Conferência Jurisdicional do Sudeste de 2016. Taylor está entre os 11 bispos norte-americanos que se aposentaram no ano passado, e Graves está entre os bispos que agora assumem trabalho extra por causa das aposentadorias. O Conselho Judicial emitiu uma decisão em 20 de maio, abordando a questão de saber se a conferência jurisdicional pode se reunir para eleger novos bispos. Foto de arquivo de Annette Spence, Conferência de Holston.

Decisão abre portas para eleições de bispos em 2022

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida decidiu que o Conselho dos Bispos tem autoridade para convocar conferências jurisdicionais para eleger e designar novos líderes episcopais nos EUA, mas não tem autoridade para alterar a data em que esses novos bispos assumem o cargo.