Grupo aconselha onde acrescentar 5 novos bispos africanos

Other Manual Translations: English español

Um corpo de liderança Metodista Unida apoiou unanimemente um plano que modifica o mapa da igreja na África e adiciona cinco novos bispos à região de mais rápido crescimento da denominação.

O Comitê Permanente sobre Assuntos da Conferência Central, aprovou em 26 de março uma legislação que, a partir de 2021, adiciona uma nova conferência central ao continente e aumenta o número de bispos africanos de 13 para 18 .

A legislação agora segue para a Conferência Geral de 2020, a próxima reunião da principal assembleia legislativa da denominação.

Estabelecer uma nova conferência central requer uma votação de maioria de dois terços na Conferência Geral. Os delegados, por maioria simples, também determinam o número de bispos que a denominação financiará.

Conferências centrais são regiões religiosas da África, Europa e Filipinas. Eles abrangem grupos de conferências anuais e supervisionam as eleições dos bispos. Eles também têm autoridade para fazer “tais mudanças e adaptações” a partes do Livro de Disciplina, o documento que governa a denominação, como necessidades missionárias e diferentes contextos legais requerem.

O continente africano conta atualmente com três conferências centrais - África, Congo e África Ocidental. Cada um inclui vários países e idiomas.

A legislação do comitê permanente renomeia a Conferência Central do Congo como a Conferência Central da África Central e divide em duas a Conferência Central da África - assim chamada porque é a mais antiga do continente.

Sob a legislação, as quatro conferências centrais seriam as seguintes:

Conferência Central da África Central - formada pela África Central. República Democrática do Congo, República do Congo, Tanzânia e Zâmbia.

Conferência Central da África Oriental - composta por Burundi, Etiópia, Quênia, Ruanda, Sudão do Sul e Uganda.

Conferência Central da África Austral - constituída por Angola, Botswana, Malawi, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, África do Sul e Zimbabué.

Conferência Central da África Ocidental - Burkina Faso, Camarões, Costa do Marfim, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal e Serra Leoa.

A legislação também autorizaria:

A Conferência Central da África Central para eleger dois novos bispos, elevando seu total para seis.

A Conferência Central da África Oriental para eleger um novo bispo, elevando seu total para dois.

A Conferência Central da África Austral para eleger um novo bispo, elevando seu total para cinco.

A Conferência Central da África Ocidental para eleger um novo bispo, elevando seu total para cinco.

Em última análise, cabe à Conferência Geral fixar os limites das conferências centrais e o número de bispos que os servem.

Cabe às conferências centrais individuais determinar os limites das áreas episcopais e onde os bispos são designados.

Ainda assim, o comitê permanente recomendou onde as novas áreas episcopais deveriam estar.

Especificamente, o comitê recomenda duas novas áreas episcopais criadas a partir de partes das áreas do norte de Katanga e do Congo do Sul; e uma nova área episcopal em cada um dos países do Burundi, Zimbábue e Nigéria.

Sobre o comitê permanente

O Comitê Permanente de Assuntos da Conferência Central tem 43 membros. É a única organização em toda a denominação em que as pessoas que moram fora dos Estados Unidos são a maioria.

Sua lista inclui:

  • Cinco membros da ConferênciaCentral da África .
  • Quatro da Conferência Central do Congo.
  • Quatro da Conferência Central da África Ocidental.
  • Três membros de cada uma das quatro conferências centrais restantes (Alemanha, Europa Central e do Sul, Europa do Norte e Eurásia e Filipinas).
  • Três de cada uma das cinco jurisdições dos Estados Unidos.
  • Três da Junta Metodista Unida dos Ministérios Globais, a agência missionária da denominação.

    Para ler o comunicado de impresa .

A Conferência Geral de 2016 aprovou a legislação da comissão permanente para adicionar cinco bispos e estudar o número e os limites das conferências centrais no continente.

As recomendações surgem depois que a força-tarefa do Plano Abrangente de África de membros de comitês permanente,s fez uma revisão da geografia e uma análise profunda dos dados de membros e clero fornecidos pelo Conselho Geral de Finanças e Administração, a agência financeira da denominação.

De acordo com os dados mais recentes da agência, a África é o lar de mais de 5,4 milhões de membros da Igreja Metodista Unida.

O grupo de trabalho do comitê permanente também realizou consultas com líderes leigos e clérigos de cada área episcopal africana em Harare, Zimbábue e, em seguida, Freetown, Serra Leoa .

"Essas consultas significam tudo, ouvir as pessoas", disse o Bispo de Ohio West Gregory V. Palmer, o presidente da força-tarefa, ao Serviço Metodista Unido de Notícias. “Nós tivemos momentos em que todos estavam juntos e tivemos momentos em que bispos conversavam e delegados conversavam sem seus bispos”.

Através das consultas, ele e outros membros da força-tarefa aprenderam sobre condições no terreno que iam além dos números ou até das distâncias no mapa.

Depois que Palmer e outros membros da força-tarefa apresentaram suas recomendações, vários membros de comitês permanentes africanos se levantaram para elogiar o trabalho que a força-tarefa fez e, em alguns casos, fazer perguntas.

Tunda Prosper, da Área Episcopal do Leste do Congo , disse através de um intérprete que adicionar novos bispos ajudaria a construir a capacidade da igreja em um país que enfrenta múltiplos desafios. “A Igreja Metodista Unida no Congo tem muitos membros, mas continua a ser desenvolvida”, disse ele. 

Palmer reconheceu que permanece a questão de saber se a Conferência Geral concordará em financiar todos os cinco novos bispos de uma só vez ou acrescentar novos líderes episcopais ao longo de um período de anos.

Mesmo antes de a recém-concluída Conferência Geral especial ter destacado as divergências da igreja sobre a homossexualidade, o conselho do Conselho Geral de Finanças e Administração havia começado a fazer planos para reduzir o orçamento geral da igreja .

O objetivo do conselho é ajudar as igrejas locais dos EUA, que ainda fornecem a maior parte do financiamento para as operações gerais da igreja. No entanto, o conselho da agência financeira ainda planeja enviar um orçamento para a Conferência Geral que aumentará o Fundo Episcopal para acomodar os cinco novos bispos. As áreas episcopais africanas contribuem para o financiamento do bispo.

Palmer comparou o desafio enfrentado pelo comitê permanente com o de alguém com múltiplos candidatos qualificados e apenas com financiamento para uma posição.

"Eu gostaria que tivéssemos sete ou dez (áreas episcopais) para se espalhar", disse ele. "Mas nós temos apenas cinco".

A legislação da comissão permanente aumenta o número de conferências centrais Metodistas Unidas para oito.

Para acomodar a mudança, o comitê também está enviando petições separadas para a Conferência Geral que asseguraria que a nova conferência central tenha representação nos conselhos de agências da igreja e outros órgãos de denominação.

 

* Hahn é repórter multimídia do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Área Geral da Igreja
As pessoas que apresentaram resumos ao Conselho Judiciário Metodista Unido oram antes da audiência oral de maio de 2018 em Evanston, Illinois. A partir da  esquerda, estão o Rev. Keith Boyette, Stephanie Henry, o bispo Scott Jones, John Lomperis e Thomas E. Starnes. Boyette, Jones e Lomperis estavam entre os 28 metodistas unidos que assinaram uma declaração de uma reunião em Atlanta sobre a formação de uma nova denominação tradicionalista. Foto de arquivo de Kathleen Barry, Notícias MU.

8 bispos participam do planejamento de nova denominação

Uma reunião recente reuniu vários líderes tradicionalistas para prever o quão séria seria a separação da igreja e a organização de uma nova denominação.
Preocupações Sociais
O bispo John K. Yambasu preside uma sessão da conferência da Serra Leoa na cidade de Koidu, Serra Leoa. Os delegados endossaram um plano de separação amigável para a Igreja Metodista Unida e votaram em enviá-lo à Conferência Geral em maio. Foto de Kathy L. Gilbert, Notícias MU.

Conferência da Serra Leoa aprova protocolo

Na Conferência Anual da Serra Leoa, os membros votaram pela aprovação do Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação.
Área Geral da Igreja
O Rev. Jerry Kulah apresenta uma resolução pedindo mudanças no Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação durante a Conferência Anual da Libéria, em meados de fevereiro. A Africa Initiative (Iniciativa África), um grupo de defesa em que Kulah atua como coordenador geral, anunciou em 27 de fevereiro que está endossando a legislação do protocolo. Foto de arquivo de E Julu Swen, Notícias MU.

Grupo africano chave apoia Plano do Protocolo

A organização Metodista Unida "Africa Initiative" está solicitando algumas reformas no protocolo que são mais modestas do que as exigidas pela conferência na Libéria.