Tiroteio na Geórgia convoca a pôr um fim no racismo

Other Manual Translations: English español
Ahmaud Arbery, a 25-year-old man from Brunswick, Ga., was shot and killed Feb. 23, but it was only after the May 5 release of a video of the incident that Gregory McMichael and his son Travis McMichael were charged in the killing. Family photo courtesy of Twitter.

Ahmaud Arbery, um homem de 25 anos de Brunswick, Geórgia, foi baleado e morto em 23 de fevereiro, mas foi somente após o lançamento de um vídeo do incidente em 5 de maio, que Gregory McMichael e seu filho, Travis McMichael, foram acusados do assassinato. Foto de família, cortesia do Twitter.

As palavras "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam) estão em uma bandeira do lado de fora da Igreja Metodista Unida de Park Hill, em Denver, Colorado, e os líderes Metodistas Unidos estão pedindo um esforço renovado para acabar com o racismo depois que um negro desarmado foi baleado e morto enquanto corria perto de sua casa em Brunswick, Geórgia.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Ahmaud Arbery, 25, foi baleado em 23 de fevereiro. Em 7 de maio, o Georgia Bureau of Investigation (Escritório deInvestigação da Geórgia) anunciou que havia acusado dois homens brancos, Gregory McMichael, 64, e seu filho, Travis McMichael, 34, por assassinato e agressão agravada no caso. A prisão ocorreu após a divulgação pública de um vídeo de celular do tiroteio.

Duas agências Metodistas Unidas convocaram uma declaração conjunta para a erradicação do racismo. O bispo da Conferência da Geórgia do Sul, em declaração assinada por outro clero, enfatizou que os Metodistas Unidos valorizam a santidade da vida humana. O reverendo Nathan Adams, pastor negro da Igreja Metodista Unida de Park Hill, em Denver, disse que a bandeira Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) voa para Ahmaud Arbery. 

The Rev. Nathan Adams, lead pastor of Park Hill United Methodist Church in Denver, Colorado. Photo courtesy of the Rev. Adams.
O Rev. Nathan Adams é pastor principal da Igreja Metodista Unida de Park Hill, em Denver, Colorado. Foto cortesia do Rev. Adams. 

"Ahmaud não foi e ainda não está sendo tratado como se sua vida importasse", disse Adams. 

Em um boletim para sua congregação, Adams escreveu: “Muitos de vocês sabem que eu corro cerca de cinco a sete dias por semana. Eu corro por toda a cidade. Eu amo o jeito que meu corpo se sente quando corro. Eu amo como isso pode limpar minha mente e acalmar meu espírito. Adoro explorar novos lugares a pé. Adoro o tempo de ficar sozinho."

"O que eu não amo é que quase sempre estou ciente e questionando como os outros podem estar me vendo enquanto eu passo correndo por eles."

Adams disse que recebeu muitas mensagens de membros de sua congregação em apoio a ele e em preocupação por sua segurança.

Adams disse que um membro anglo da igreja disse que não tinha noção dos perigos que Adams e outros negros enfrentam ao fazer algo tão simples quanto correr.

Em uma declaração conjunta, a Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça e o Conselho da Igreja e Sociedade, ambos alojados no Edifício Metodista Unido em Washington, pediram que todos os Metodistas Unidos trabalhassem pela erradicação completa do racismo.

“Precisamos de clérigos e leigos informados, equipados e comprometidos para brilhar sem desculpas à luz da verdade em seus lares, locais de trabalho, igrejas e comunidades, declarando o racismo como pecado e buscando ativamente o desejo de Deus de que todos vivam em segurança e liberdade”, disse Erin Hawkins, alto executivo da Comissão de Religião e Raça. A Revda. Susan Henry-Crowe, principal executiva do Conselho de Igreja e Sociedade, disse que Os Princípios Sociais Metodistas Unidos chamam o racismo de pecado. 

Desmantelar o racismo 

Os recursos e discussões sobre o problema do racismo disponíveis nas agências da igreja e na Conferência da Geórgia do Sul incluem:

• Guia de recursos da Força-Tarefa Multicultural da Conferência da Geórgia do Sul
• Recursos da nossa equipe de advocacia da conferência
Outros recursos denominacionais incluem:
• Pare de criminalizar as comunidades de cor no Estados Unidos, 2016 Book of Resolutions (Livro de Resoluções), nº 3379
• Oposição ao perfil racial nos EUA, 2016 Book of Resolutions (Livro de Resoluções), nº 3377
• Estudo da Bíblia: sonhos do reino, realidades violentas
• GCORR: Guia de conversa sobre justiça racial

A Comissão de Religião e Raça agendou uma Live de discussão no Facebook às 16h (ET), em 12 de maio, para discutir ações específicas a serem tomadas para desmantelar sistemas e expressões de racismo. 

A Revda. Angela Brown, ministra do envolvimento da comunidade, advocacia e justiça da Conferência Califórnia-Nevada e ex-promotora distrital, e o Rev. Andy Oliver, pastor da Igreja Metodista Unida Allendale em São Petersburgo, Flórida, eram líderes da conversação. 

“Meus irmãos e irmãs brancos precisam reconhecer nossa cumplicidade na cultura do racismo sistêmico e condenar a supremacia branca como pecado. As igrejas devem continuar a abordar o racismo dentro de suas próprias comunidades. As palavras 'venha o teu reino, seja feita a tua vontade' só serão realizadas quando abordarmos as causas do racismo que permeiam todos os aspectos da nossa sociedade ”, disse ela.

Segundo as notícias, McMichael disse anteriormente à polícia que ele e seu filho perseguiram Arbery porque suspeitavam que ele era um ladrão. A mãe de Arbery, Wanda Cooper Jones, disse que acha que seu filho, um ex-jogador de futebol, estava apenas correndo no bairro Satilla Shores antes de ser morto em uma tarde de domingo.

O Bispo Lawson Bryan, líder episcopal da Conferência da Geórgia do Sul, disse em comunicado assinado por mais de uma dúzia de clérigos: “Como Metodistas Unidos, valorizamos a santidade da vida humana e deploramos a violência em nossas comunidades e atos de racismo, ódio e sistemas que perpetuam essas e outras injustiças.”

“Embora não saibamos tudo sobre esse tiroteio e esperemos informações, não devemos hesitar em avançar em direção a todos os envolvidos com o amor curador de Jesus Cristo.”

“É importante sabermos que, em um evento como este, não somos nós contra eles, estamos todos juntos nisso. Já temos enormes recursos disponíveis. A Igreja Metodista Unida está pronta para responder”, disse Bryan à Notícias Metodista Unida, enfatizando que a igreja tem muitos recursos disponíveis para responder e combater tais incidentes.

O Conselho Nacional de Igrejas falou contra o tiroteio de Arbery, bem como o de outro homem negro, Dreasjon (Sean) Reed, 21, em 8 de maio, pela polícia de Indianápolis.

De acordo com Jim Winkler, um Metodista Unido que atua como presidente e alto executivo do conselho, “nossa história é marcada por 400 anos de escravidão, racismo e linchamentos que incluem muitos incidentes como esse. Agora, temos esses assassinatos não provocados e grotescos em plena luz do dia. Exigimos justiça.”

"Se você não é afro-americano, quero que saiba que muitos de nós, afro-americanos, estamos sofrendo agora", disse Adams. “Estamos exaustos. Estamos furiosos. Nós estamos com medo. Precisamos que você saiba disso e precisamos da sua ajuda. Precisamos que você escute nossas histórias e acredite nelas."

 

*Gilbert é redatora de notícias do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

 

Preocupações Sociais
Foto cortesía de la Conferencia Anual de Minnesota.

Declaração do Bispo sobre a morte de George Floyd

O bispo Bruce R. Ough emitiu a seguinte declaração após a morte de George Floyd. Floyd, um homem negro, morreu em 25 de maio sob a custódia da polícia de Minneapolis, depois que um policial foi flagrado prendendo-o enquanto ele lutava para respirar.
Ajuda humanitária
Primeira Igreja Metodista Unida de Oklahoma City, afetada pela explosão de 1995, devido à sua proximidade com o Edifício Federal Alfred P. Murrah. Foto cedida por The City Sentinel.

Oklahomans relembra o bombardeio da OKC 25 anos depois

Em todo o estado e em todo o país, as pessoas se lembram do 25º aniversário do atentado ao prédio federal Murrah.
Histórias de Fé
Anne Marshall, cujo marido, Raymond Johnson, estava entre as 168 pessoas que morreram no bombardeio do edifício federal Alfred P. Murrah, em 1995, em Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Missionária Indígena de Oklahoma.

Redefinindo a vida 25 anos após o atentado a bomba de Oklahoma City

Este é o primeiro ano em que famílias de vítimas e sobreviventes não se reunirão no local do memorial.