106 igrejas da Flórida processam para sair da denominação

Translate Page

Pontos-chave:

  • A Conferência da Flórida está enfrentando uma ação judicial movida por mais de 100 de suas igrejas.
  • Argumentando que os bispos não estão aplicando as doutrinas das denominações, as igrejas procuram deixar a Igreja Metodista Unida com propriedade e se transferir para uma denominação separatista.
  • No entanto, um especialista em direito patrimonial da igreja diz que o caso das igrejas pode enfrentar alguns obstáculos elevados nos tribunais da Flórida.

Mais de 100 igrejas entraram em processo conjuntamente contra a Conferência da Flórida, buscando deixar a Igreja Metodista Unida com propriedade sem enfrentar um pesado pagamento de saída.

Desde o século XVIII, a Igreja Metodista Unida e seus antecessores mantêm uma cláusula de confiança, que afirma que toda propriedade da igreja é mantida em confiança para toda a denominação. Conferências anuais, órgãos regionais contendo múltiplas congregações e outros ministérios, normalmente são os executoresda cláusula de confiança.

A ação - apresentada por 106 igrejas no Tribunal do Condado de Bradford, na Flórida — pede ao tribunal que decida a cláusula de confiança como "invalid on its face” (inválida nesse ponto) ou permita que as congregações revoguem a cláusula de confiança para que as igrejas possam se retirar com seus edifícios.

A disputa subjacente é sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação do clero LGBTQ.

A Igreja Metodista Unida em seu documento de governo, o Livro da Disciplina, há muito afirmou que a prática da homossexualidade é "incompatível com o ensino cristão". A Disciplina proíbe o clero de oficializar casamentos entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação de clérigos gays "auto-declarados praticantes".

No entanto, essas restrições têm enfrentado um desafio crescente entre os metodistas unidos nos últimos anos, à medida que o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado e as atitudes em relação às pessoas LGBTQ mudaram.

O processo alega que o Conselho Metodista Unido dos Bispos e o Bispo da Conferência da Flórida Kenneth H. Carter se recusam a " respeitar e fazer cumprir as posições doutrinárias do Livro de Disciplina, rejeitando explicitamente as posições doutrinárias que ele encoraja e permite".

Especificamente, o processo acusa Carter de não tomar medidas contra o primeiro bispo abertamente gay da denominação e contra um pastor em São Petersburgo que oficializou em um casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em uma carta à conferência, Carter ressaltou que os "padrões doutrinários da Igreja Metodista Unida não mudaram e não mudarão, mesmo que continuemos em uma jornada para ser uma igreja que serve a todas as pessoas".

A Conferência da Flórida tem atualmente cerca de 574 igrejas e 300 Expressões Novas, novas comunidades religiosas e ministérios que poderiam eventualmente crescer para ser novas igrejas.

A maioria das igrejas no processo são pequenas e rurais. Sua partida deixaria algumas comunidades da Flórida sem uma presença metodista unida.

Carter, que lidera as conferências da Flórida e da Carolina do Norte Ocidental, disse à Notícias MU que os líderes da conferência tentaram trabalhar com todas as igrejas envolvidas no processo, mas sem sucesso.

"Parte da minha dor é que eu adoro ver a Cruz e a Chama em todos os lugares, ver a Igreja Metodista Unida em todos os lugares que há pessoas reunidas", disse Carter.

Todas as igrejas da ação estão buscando se transferir para a Igreja Metodista Global, uma denominação teologicamente conservadora e separatista que lançou 1º de maio.

A Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano), um grupo de advocacia que serviu como a força organizadora por trás da Igreja Metodista Global, anunciou no início deste ano que 107 igrejas da Flórida planejavam se juntar à Igreja Metodista Global.

Jay Therrell, ex-membro do clero da Conferência da Flórida e agora da WCA, confirmou que as 106 igrejas eram as mesmas do anúncio anterior. No entanto, Therrell encaminhou perguntas ao National Center for Life and Liberty (Centro Nacional de Vida e Liberdade), o grupo metodista não-unido que está prestando assistência jurídica às igrejas.

O centro se descreve como um ministério legal que busca "defender os valores baseados na Bíblia".  David Gibbs III, presidente do centro, está servindo como advogado das igrejas da Flórida.

"Estamos confiantes de que um júri da Flórida removerá o domínio da conferência sobre as propriedades dessas igrejas, liberando-as dessa opressão", disse Gibbs em um comunicado.

No entanto, um advogado especializado em direito imobiliário da igreja, sugere que as igrejas da Flórida podem enfrentar alguns obstáculos elevados em seu caso.

Lloyd J. Lunceford, editor de "The Guide to Church Property Law" (O Guia para a Lei de Propriedade da Igreja) e presbiteriano, liderou um webinar com a Good News, um grupo de advocacia teologicamente conservador que, como a WCA, está buscando facilitar as transições da igreja para a Igreja Metodista Global. Lunceford também tem clientes metodistas unidos em cerca de uma dúzia de estados, mas não na Flórida.

Segundo ele, os Estados variam na forma como lidam com disputas de propriedade entre partes religiosas.

A maioria aplica princípios neutros, o que significa que eles buscam resolver disputas caso a caso usando as mesmas regras de propriedade que se aplicam no mundo secular.

A Flórida está entre as minorias dos Estados que usam o que é chamado de método de deferência, disse Lunceford.  O que isso significa é que os tribunais em "deferência" dos Estados adotarão a decisão tomada pelo mais alto órgão eclesiástico envolvido no assunto — neste caso, as decisões de propriedade tomadas pela conferência anual.

"Eles, na verdade, adiam para as autoridades eclesiásticas", disse Lunceford. "E assim um tribunal inferior na Flórida seria obrigado a adiar e decidir a favor do UMC."

Mas não importa se o tribunal se baseia em princípios neutros ou no método de deferência, Lunceford acrescentou que as igrejas não vão muito longe argumentando quem é mais fiel à doutrina da igreja.

"Não vou expressar uma opinião sobre se a Igreja Metodista Unida se desviou ou não de sua doutrina fundadora", disse o advogado. "Mas assumindo por causa da discussão que tem ... isso é uma base insuficiente para governar em favor de uma igreja local, como uma questão de direito constitucional básico."

No caso Watson versus Jones de 1871, a Suprema Corte dos EUA decidiu que resolveria disputas relativas à propriedade da igreja com base em outras condições além de um exame da doutrina da igreja - promovendo assim os objetivos da Primeira Emenda da Constituição.

Dentro da Igreja Metodista Unida, os debates em torno dos ensinamentos da igreja sobre homossexualidade se arrastam há décadas.

Apenas a Conferência Geral, a principal assembleia legislativa da denominação, pode mudar a Disciplina, e aqueles que buscam manter restrições em torno do casamento e da ordenação têm prevalecido repetidamente.

As tensões atingiram uma tumultuada Conferência Geral especial em 2019.  Por um voto relativamente estreito de 438 a 384, os delegados reforçaram as proibições da igreja, mas isso só acelerou a resistência. No final de 2019, um grupo de bispos, incluindo Carter, negociou com líderes de vários grupos de defesa da igreja de perspectivas teológicas variadas para desenvolver um plano proposto para a separação denominacional.

De acordo com a proposta, igrejas e conferências anuais inteiras que apoiam as proibições seriam capazes de sair com propriedade e US$ 25 milhões em fundos metodistas unidos para iniciar uma nova denominação tradicionalista. Os grupos de defesa esperavam que a Igreja Metodista Global fosse essa nova denominação.

Mas com a Conferência Geral agora adiada pela pandemia para 2024 e a Igreja Metodista Global já lançada, ainda não se sabe se a proposta de separação terá os votos para se tornar lei da igreja.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Enquanto isso, as conferências têm confiado em outra aprovação da Conferência Geral de 2019 — parágrafo 2553 — ao facilitador das desfiliações da igreja. A lei da igreja oferece às igrejas uma liberação limitada da cláusula de confiança da denominação, diante do cumprimento de certas obrigações processuais e financeiras. Entre essas obrigações está que as igrejas que partem pagam uma parte justa do passivo previdenciário de sua conferência.

A ação judicial das igrejas da Flórida argumenta que o parágrafo 2553, especialmente as obrigações de pensão, "estabelece requisitos onerosos e, em muitos casos, proibitivos para se desfiliar".

As igrejas estão buscando usar outra disposição disciplinar - parágrafo 2548.2 - para transferir para outra denominação. Os bispos pediram ao Conselho Judiciário da denominação - o Supremo Tribunal Federal - para obter clareza sobre como essa disposição deve ser aplicada.

Não mencionado na ação é que a Conferência Geral de 2019 também aprovou esmagadoramente outra medida — § 1504.23 — que exige que as igrejas que saem paguem uma parte justa do passivo previdenciário, independentemente do mecanismo que usam para sair da denominação.  Uma conferência anual determina qual é a parte de uma igreja local.

Mais de 400 igrejas usaram o parágrafo 2553 para se desfiliar da Igreja Metodista Unida, incluindo 17 congregações na Conferência da Flórida.

O parágrafo 2553 permite que as conferências anuais "desenvolvam termos padrão adicionais que não sejam inconsistentes com a forma padrão deste parágrafo".  Algumas conferências anuais adicionaram termos financeiros.

A Conferência da Flórida não adicionou termos financeiros. No entanto, o conselho curador exige que qualquer igreja desfiliante obtenha seguro de responsabilidade para proteger sua congregação, a Conferência da Flórida e outras igrejas de conferência contra alegações feitas após a desfiliação.

"Em tudo isso, nosso objetivo geral é passar por esse processo em um espírito onde possamos apoiar, abençoar e amar uns aos outros", disse Carter na carta de conferência. "Um princípio de nossa fé é que abraçamos uma Igreja construída em relacionamentos amorosos em vez de uniformidade no pensamento e na ação."

 

 

*Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias metodistas unidas, inscreva-se nos resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected].

Conferência Anual
O Rev. Andrew C. Kjorlaug, um ancião da Conferência do Arkansas e capelão do Exército dos EUA, apresenta uma resolução na Conferência Anual do Arkansas que convida a delegação do Congresso do estado a agir sobre a “legislação responsável sobre armas de fogo”. Em um ano que viu vários tiroteios em massa, o Arkansas estava entre várias conferências Metodistas Unidas pedindo aos líderes eleitos que fizessem mais para regular as armas. Captura de tela cortesia da Conferência do Arkansas via YouTube pela Notícias MU.

Conferências agem a respeito da violência armada

Mesmo que as conferências anuais se encontrem no meio de discussões sobre desfiliações da igreja local e desacordos sobre a inclusão LGBTQ, elas estão pedindo ação e aprovando resoluções, além da retórica e dos chamados necessários à oração, sobre o grave problema da violência armada na sociedade americana.
Área Geral da Igreja
Uma ação judicial e contra-processo entre a Conferência da Geórgia do Norte e a Igreja Metodista Unida Mt. Bethel em Marietta, Geórgia, foi concluída com a megaigreja concordando em pagar cerca de US$ 13,1 milhões para deixar a denominação com propriedades. Imagem cortesia do Google Maps.

Conferência e megaigreja chegam a acordo legal

A Igreja Mount Bethel concordou em pagar US $ 13,1 milhões à Conferência Anual da Geórgia do Norte para deixar a Igreja Metodista Unida e manter a propriedade.
Conferência Anual
Cadeiras drapeadas simbolizam que os candidatos da Conferência da Flórida para membros provisórios - um passo importante para a ordenação como presbítero ou diácono - não foram aprovados pela sessão do clero da conferência. A decisão controversa, tomada durante a reunião da conferência em Lakeland, Flórida, ilustrou a divisão denominacional sobre a inclusão LGBTQ. A decisão também alterou o serviço de conclusão de 11 de junho, onde os 16 deveriam ser comissionados. Foto de Esther Rodriguez via Facebook.

Votação da sessão do clero destaca divisão LGBTQ

A controvérsia tomou conta da Conferência Anual da Flórida quando sua sessão do clero votou por pouco para não aprovar o avanço de 16 pessoas, algumas abertamente gays, em seu processo de ordenação clerical.