Queixa contra consagração de bispo gay

Translate Page

Pontos chave:

  • Os bispos metodistas unidos na jurisdição ocidental estão enfrentando uma queixa acusando-os de violar a lei da igreja com a consagração do segundo bispo abertamente gay e casado da denominação. 
  • Em um movimento altamente incomum, a reclamação contra os bispos da Jurisdição Ocidental está online e reunindo assinaturas de todo o mundo. 
  • A reclamação vem depois que cada uma das cinco jurisdições dos EUA aprovou uma resolução instando a Igreja Metodista Unida a afirmar as pessoas LGBTQ.

Um pastor metodista unido na Carolina do Sul apresentou uma queixa contra todos os bispos da Jurisdição Western, acusando-os de violar a lei da igreja com a consagração do segundo bispo abertamente gay e casado da denominação.

O Rev. W. Timothy McClendon, pastor sênior da Igreja Metodista Unida St. John's em Aiken, Carolina do Sul e ex-candidato episcopal, também deu o passo altamente incomum de postar a reclamação online e convidar outros Metodistas Unidos a assinar.

O processo de reclamação na Metodista Unida geralmente ocorre em estrita confidencialidade, especialmente quando não há nenhuma alegação criminal envolvida. No momento em que isso foi escrito, mais de 550 Metodistas Unidos de todo o mundo acrescentaram seus nomes à reclamação.

“Afirmo que a ação e/ou inação do Colégio de Bispos da Jurisdição Western causou danos significativos”, disse a queixa de McClendon antes de listar as maneiras pelas quais ele vê a consagração minando seu ministério e o de outros Metodistas Unidos. 

A reclamação vem depois que reuniões regionais simultâneas das cinco jurisdições dos EUA no início deste mês sinalizaram uma mudança, pelo menos entre os metodistas unidos americanos, em direção a uma denominação mais acolhedora LGBTQ. Também ocorre quando a Igreja Metodista Unida -  como outras denominações protestantes antes dela  - está vendo crescentes desfiliações da igreja após décadas de intenso debate sobre o status das pessoas LGBTQ na vida da igreja.

The Rev. W. Timothy McClendon of South Carolina leads delegates in prayer before a vote to strengthen church bans related to homosexuality on the last day of the 2019 special General Conference in St. Louis. McClendon has a filed a complaint and invited others to sign on following the consecration of the denomination’s second openly gay and married bishop. File photo by Paul Jeffrey, UM News.

O Rev. W. Timothy McClendon, da Carolina do Sul, lidera os delegados em oração antes de uma votação para fortalecer as proibições da igreja relacionadas à homossexualidade no último dia da Conferência Geral especial de 2019 em St. Louis. McClendon apresentou uma queixa e convidou outros a assinar após a consagração do segundo bispo abertamente gay e casado da denominação. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

 

Todas as cinco jurisdições dos EUA – reunidas separadamente em todo o país – aprovaram resoluções com palavras semelhantes que aspiram a uma futura Igreja Metodista Unida onde as pessoas LGBTQ “serão protegidas, afirmadas e capacitadas”, inclusive como leigos, clérigos ordenados, no episcopado e em juntas denominacionais. 

Cada jurisdição também aprovou resoluções não vinculativas solicitando que as pessoas que planejam deixar a Igreja Metodista Unida, por uma questão de integridade, se abstenham de servir em cargos de liderança na denominação. 

A Igreja Metodista Unida ainda proíbe a celebração de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação de clérigos gays “autodeclarados praticantes”. Somente a Conferência Geral, a assembleia legislativa internacional da denominação agora agendada para a primavera de 2024, pode alterar essas proibições.

No entanto, as jurisdições também elegeram 13 novos bispos – nenhum dos quais se identifica com a ala tradicionalista da Igreja Metodista Unida que tem procurado manter e fazer cumprir essas proibições. Vários tradicionalistas esperam que as eleições e as resoluções acelerem o movimento dos conservadores teológicos para as saídas. 

Mas a reclamação de McClendon é um lembrete de que os tradicionalistas que apoiam a posição atual da denominação sobre a homossexualidade continuam fazendo parte da denominação. 

McClendon e 22 co-signatários iniciais apresentaram a reclamação ao Conselho de Bispos da denominação em 8 de novembro - apenas alguns dias depois que os delegados da Jurisdição Western elegeram e celebraram a consagração de três novos líderes episcopais, incluindo o Bispo Cedrick Bridgeforth . 

Bridgeforth, um afro-americano, é o primeiro homem abertamente gay a ser eleito bispo da Igreja Metodista Unida. Ele é casado com Christopher Hucks-Ortiz. A Jurisdição Ocidental, que há muito se opõe a proibições denominacionais relacionadas a indivíduos LGBTQ, elegeu anteriormente a bispa Karen Oliveto - a primeira bispa abertamente gay e casada da denominação. 

“Estamos preocupados com aqueles que levaram essa reclamação a público e estão reunindo assinaturas”, disse Oliveto em um comunicado à Notícias MU em nome dos bispos da Jurisdição Western. Ela lidera a Conferência Mountain Sky e atualmente atua como presidente dos bispos da jurisdição.

“Como todos sabemos, isso compromete seriamente a confidencialidade do processo de queixa da igreja. Continuamos a nos apegar a uma visão que foi afirmada por todas as conferências jurisdicionais, de que 'as pessoas LGBTQIA+ serão protegidas, afirmadas e capacitadas na vida e no ministério da igreja'. Que sejamos uma igreja onde o amor vive.”

Os bispos presidem, mas não têm voto nas conferências jurisdicionais ou na Conferência Geral. Mas eles participam dos serviços de consagração. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Após a eleição e consagração de Oliveto em 2016, o Conselho Judicial - o tribunal superior da denominação - decidiu que a consagração de um bispo gay viola a lei da igreja. O tribunal da igreja também disse que o bispo “permanece em boas condições” até que qualquer processo administrativo ou judicial seja concluído. 

A Conferência Geral especial em 2019  também aprovou uma legislação que proíbe os bispos “de consagrar bispos que são homossexuais praticantes assumidos, mesmo que tenham sido devidamente eleitos”.

McClendon, um delegado na Conferência Geral de 2019, fez a moção para a votação que finalmente aprovou o Plano Tradicional, que incluía essa e outras legislações afirmando as proibições atuais da igreja relacionadas a clérigos gays não celibatários e casamentos entre pessoas do mesmo sexo. 

A queixa de McClendon acusa todos os bispos vivos na Jurisdição Western - tanto aposentados quanto ativos - de violar a lei da igreja, incluindo bispos que não compareceram à conferência ou participaram do serviço.  

McClendon escreveu que a consagração prejudica seu ministério pessoal “ao criar confusão sobre a Igreja Metodista Unida e suas leis legisladas sobre os mais altos ideais da vida cristã, e aumentar a ansiedade, turbulência e uma potencial falta de responsabilidade para com o ensino aceito pela MU em cada sujeito."

Ele se recusou a responder a quaisquer perguntas da Notícias MU sobre a queixa neste momento. Os líderes do Conselho dos Bispos também não responderam a uma consulta da Notícias MU.

O Livro de Disciplina, o livro de políticas da denominação, oferece um mecanismo para todo o Conselho dos Bispos como um órgão para interceder em reclamações contra colegas episcopais. Mas o Concílio dos Bispos consistentemente evitou fazê-lo.

O Rev. Jeremy Smith, um delegado da Conferência Jurisdicional Western e blogueiro frequente sobre assuntos da igreja, espera que a prática não mude agora.

Depois que o Plano Tradicional foi aprovado em 2019, os Metodistas Unidos nos EUA elegeram uma lista significativamente diferente de delegados - a maioria dos quais se opôs à legislação e queria trabalhar para mudá-la. Foi essa classe de delegados que votou em novos bispos e nas resoluções de afirmação LGBTQ nas conferências jurisdicionais deste mês.

“Minha esperança é que os metodistas unidos conservadores se lembrem de que cada parte de nossa política e estrutura atende a eles”, disse Smith, pastor da Primeira Igreja Metodista Unida em Seattle, à Notícias MU. “Nenhum poder ou posição é negado a eles. Eles podem até continuar a registrar reclamações como essa. Mas eles não podem mais abusar do episcopado contra a inclusão LGBTQ+, e estou esperançoso pelo retorno a uma estrutura de responsabilidade mais wesleyana”.

 

* Hahn é editor assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias Metodistas Unidas, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Conselho de Bispos
Os recém-eleitos bispos metodistas unidos David Wilson (terceiro da esquerda, vestindo jaqueta azul), Laura Merrill (vestindo jaqueta verde) e Delores “Dee” Williamston (segunda da direita) são acompanhados por outros bispos e líderes da igreja enquanto oram após serem eleitos durante a Conferência Jurisdicional South Central em Houston. Em 3 de novembro, a jurisdição anunciou suas designações episcopais, a partir de 1º de janeiro. Foto cedida pela Conferência das Great Plains.

Bispos dos EUA recebem designações

Depois de eleger bispos para preencher as vagas existentes, a denominação dos EUA anunciou novas nomeações episcopais a partir de 1º de janeiro de 2023 nas Conferências Jurisdicionais.
Área Geral da Igreja
O Rev. Stan Copeland fala em 3 de novembro na Conferência Jurisdicional South Central em Houston. Copeland criticou em um discurso três bispos Metodistas Unidos por serem pró-Igreja Metodista Global.

Três bispos acusados de contribuir para desfiliação

Um delegado da Conferência Jurisdicional Centro-Sul pediu ao colégio de bispos da jurisdição que abordasse a conduta e o status de três líderes episcopais que, segundo ele, forneceram "promoção e apoio" à nova denominação separatista Igreja Metodista Global.
Conselho de Bispos
A Revda. Sharon Austin, candidata a bispa da Conferência da Flórida, é apoiada por outra delegada durante a reunião da Conferência Jurisdicional do Sudeste em Lake Junaluska, NC. Austin retirou sua candidatura em 3 de novembro e descreveu o processo como “humilhante”. Duas jurisdições Metodistas Unidas em lados opostos dos EUA lutaram com o problema do racismo em seu meio. Foto de Ben Smith, Jurisdição Sudeste.

2 jurisdições combatem o racismo nas eleições para bispos

Tanto a Jurisdição Ocidental quanto a Jurisdição Sudeste abordaram a questão de como a intolerância prejudicou o processo eleitoral episcopal, para o qual a Jurisdição Ocidental realizou uma rara sessão a portas fechadas.