A igreja deve ouvir vozes hispânicas / latinas

Other Manual Translations: English español
The Rev. David Maldonado. Video image courtesy of IMU Latina (Iglesia Metodista Unida Latina) via YouTube by UM News.
O Rev. David Maldonado
Captura de vídeo via YouTube por Notícias MU.

Comentários

Notícias MU publica vários comentários sobre questões na denominação. Os artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as opiniões dos redatores, não da equipe da Notícias MU.

A Igreja Metodista Unida é composta por muitas vozes. Como o debate sobre o futuro da igreja demonstrou, nem todos os Metodistas Unidos falam com a mesma voz e perspectiva. Muitas vozes competem por atenção, influência e aceitação.

As vozes que dominam a discussão e as decisões da igreja representam vários valores, identidades e graus de poder / influência política. Suas visões para a igreja representam diversas perspectivas teológicas, status social e um senso de conexão com a tradição metodista. Com a globalização da igreja, a dinâmica internacional, os recursos financeiros relacionados e a força afetam o diálogo.

Além disso, o contexto político-social de várias conferências influencia as perspectivas e prioridades. Por exemplo, a Jurisdição Ocidental difere da Jurisdição Sudeste; as conferências africanas diferem do contexto americano. A comunidade LGBTQ tem sua própria perspectiva especial.

A igreja luta para manter seu senso de unidade e propósito.

Uma grande lacuna na conversa global da Igreja Metodista Unida é a falta de vozes da América Latina, as nações de origem dos imigrantes latino-americanos.

No início da década de 1960, as igrejas metodistas latino-americanas foram “encorajadas” e até pressionadas a se tornarem igrejas afiliadas autônomas. Como resultado, as ligações críticas com as igrejas metodistas latino-americanas e igrejas metodistas caribenhas foram diminuídas dentro da Igreja Metodista Unida e do Conselho Metodista Mundial. As conferências latino-americanas foram desligadas da Igreja Metodista Unida.

Na verdade, hoje a Igreja Metodista Unida não é uma igreja global e as vozes da igreja “global” não incluem as vozes da América Latina. 

À medida que os imigrantes metodistas vêm para a América, eles podem muito bem ter um sentimento de desconexão com a Igreja Metodista Unida. Os hispânicos / latinos podem ter uma forte identificação com os valores e posições da Igreja Metodista dos seus países de origem, mas não necessariamente com a Igreja Metodista Unida nos Estados Unidos, que pode não ter as mesmas questões sociais da sua igreja de origem. Compartilhar raízes teológicas wesleyanas não resulta em um senso automático de identidade e propriedade com a Igreja Metodista Unida.

Além disso, as questões sociais de raça e pobreza afetam a vida e o contexto de muitos imigrantes hispânicos / latinos. Enquanto muitos Metodistas Unidos nos Estados Unidos representam o status e os valores da classe média, os Metodistas Hispânicos / Latinos enfrentam diferentes realidades e perspectivas socioeconômicas.  

Muitos metodistas hispânicos são membros de projetos missionários marginalizados e pobres. Estes Metodistas Unidos tendem a ser marginalizados na liderança da conferência, órgãos de tomada de decisão e conversas.

Também há os metodistas hispânicos / latinos nascidos nos Estados Unidos que são metodistas há anos e até há gerações, mas também representam diferentes posições sociais e classes econômicas. A Conferência Rio Grande representou o ministério metodista histórico e forneceu voz e liderança nacional. Agora essa conferência não existe mais; sua voz e representação não estão mais garantidas. Ela se fundiu com a dominante Conferência Anglo Southwest Texas para formar a Conferência Rio Texas. Novamente, vozes hispânicas / latinas, liderança e representação em conversas regionais e nacionais não estão garantidas.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Como resultado, as vozes hispânicas / latinas são deixadas de fora ou são marginalizadas nas conversas e tomadas de decisão da Metodista Unida. Com exceção do atual presidente do Conselho de Bispos e um punhado de bispos ativos e aposentados, um número limitado de hispânicos / latinos serve em gabinetes, equipes de agências e juntas, e outros cargos na conferência anual e nos níveis da igreja em geral. Exceto pelo trabalho do Plano Nacional para o Ministério Hispânico / Latino, os hispânicos / latinos geralmente não estão visíveis nem à mesa. A sua única voz dentro da Igreja Metodista Unida é o caucus MARCHA. No entanto, não tem representação oficial nas conversas da igreja.

Como igreja e como pessoas de fé que buscam ser fiéis ao espírito libertador de Deus, somos chamados a “Falar por aqueles que não podem falar, pelos direitos de todos os destituídos. Fale, julgue com justiça, defenda os direitos dos pobres e necessitados” (Provérbios 31: 8-9). No entanto, isso não significa que os hispânicos / latinos sejam chamados a ficar calados e permitir que a população dominante fale por eles de acordo com o que eles acham que é melhor para eles. Nem significa que a igreja mais ampla fale automaticamente em nome de hispânicos / latinos. Os latinos devem ser mais do que beneficiários de bolsas de programas; eles precisam estar representados nos órgãos de tomada de decisão.

A igreja é chamada a incorporar e ouvir as vozes hispânicas e falar em seu apoio para que sejam ouvidas. Para fazer isso, a igreja precisa ouvir e escutar com atenção e empatia suas vozes ricas e diversificadas. A igreja deve se estruturar de tal forma que seja capaz de incluir hispânicos / latinos na mesa, dialogar com eles e incluí-los na corrente principal da vida da igreja. Os Metodistas Unidos também devem ser solidários com eles enquanto lutam para ter uma voz no fórum público.

As vozes dos hispânicos / latinos são vitais para as nossas comunidades e para toda a nação, bem como para a Igreja Metodista Unida. Deus fala conosco por meio deles. Devemos ouvir as vozes dos marginalizados e unir nossas vozes em um coro libertador para o ministério e a justiça social. 

 

*Maldonado é um ancião aposentado da antiga Conferência do Rio Grande e da Escola de Teologia Perkins. Ele e sua esposa, Charlotte, moram em Albuquerque, Novo México. Contato com a mídia: Tim Tanton ou Gustavo Vasquez em (615) 742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
A Bispa Metodista Unida LaTrelle Easterling (à direita) oferece uma oração durante uma vigília inter-religiosa perto da Casa Branca em 3 de junho. À esquerda está o prefeito de Washington Muriel Bowser. As conferências Metodistas Unidas estão a enfrentar o pecado do racismo através de orações, apelos por justiça e educação sobre a supremacia branca. Foto de arquivo: Melissa Lauber, Conferência de Baltimore-Washington.

Tomando medidas concretas para lutar contra o racismo

As conferências Metodistas Unidas estão a enfrentar o pecado do racismo através de orações, apelos por justiça e educação sobre a supremacia branca.
Área Geral da Igreja
Membros da IMU de Aloha na Conferência Oregon-Idaho coletaram kits de higiene e outros itens para Las Naciones IMU em Salem para distribuir aos trabalhadores migrantes deslocados de suas casas durante os incêndios florestais.

'Nossa comunidade latina hispânica está em modo de sobrevivência'

As famílias migrantes foram afetadas de forma desproporcional pelas disparidades econômicas criadas pelo COVID-19