Comemorando o impacto de Asbury em 2 margens

Other Manual Translations: English Français 한국어 Español

Pontos chave:

• O 250º aniversário da travessia do Atlântico por Francis Asbury da Inglaterra para a América está sendo celebrado em conjunto pela Igreja Metodista da Grã-Bretanha e pela Igreja Metodista Unida.

• Eventos especiais foram realizados de 11 a 12 de setembro em Bristol, Inglaterra, e a celebração terminará de 30 a 31 de outubro na Filadélfia.

• Asbury, embora praticamente desconhecido na Inglaterra, continuou a construir o movimento Metodista na América e se tornou um dos primeiros dois bispos do que é hoje a Igreja Metodista Unida.


“Para onde estou indo? Para o Novo Mundo. O que fazer? Para ganhar honra? Não, se eu conheço meu próprio coração. Para ganhar dinheiro? Não: eu vou viver para Deus e trazer outros para fazerem isso.” - Francis Asbury, escrevendo em seu diário, 12 de setembro de 1771.

Em 4 de setembro de 1771, um jovem Francis Asbury embarcou em um navio para a América, com um chamado para salvar almas e ajudar a liderar o nascente movimento metodista nas colônias.

Em uma conferência algumas semanas antes, o pregador de 26 anos deu um passo à frente em resposta a um pedido de John Wesley, co-fundador do Metodismo, para que pregadores fossem para a América. Embora Asbury não fosse o primeiro pregador metodista no Novo Mundo, ele se tornaria o arquiteto da Igreja Metodista na América, criando uma organização que em grande parte continua na Igreja Metodista Unida hoje, e definindo um modelo para o crescimento do Metodismo em outros países também.

O povo chamado Metodista de ambos os lados do Atlântico comemorou o 250º aniversário da travessia do Atlântico de Asbury com um concerto on-line em 11 de setembro e culto de adoração em 12 setembro na John Wesley’s New Room em Bristol. A celebração de “The Asbury Crossing: Responding to Call” (A Travessia de Asbury: Respondendo ao Chamado) continuará com a distribuição de recursos para igrejas e indivíduos, e culminará com mais eventos especiais de 30 a 31 de outubro na Filadélfia. A Igreja Metodista na Grã-Bretanha e a Comissão Metodista Unida de Arquivos e História estão colaborando nas observâncias. 

“A jornada de Francis Asbury através do Atlântico incorpora a conexão do metodismo transatlântico”, disse Ashley Boggan Dreff, executiva de alto escalão da Comissão de Arquivos e História, por e-mail. “Asbury veio para as colônias após um chamado. Ele veio para sustentar e fazer crescer o movimento Metodista de Wesley, mas nem ele nem Wesley sabiam como o Metodismo floresceria e se desenvolveria, dados os desafios únicos da América Revolucionária. Este evento nos lembra de nossas raízes comuns e as viagens que exigiram nossa separação.”

Barbara Easton, vice-president of the Methodist Church in Britain, talks with Dan Krause, top staff executive of United Methodist Communications, following a Sept. 12 service celebrating the 250th anniversary of Francis Asbury’s crossing from England to America. During the service, held at John Wesley’s New Room in Bristol, England, Easton told listeners why she is “an Asbury fan.” Photo by Tim Tanton, UM News. 
Barbara Easton, vice-presidente da Igreja Metodista na Grã-Bretanha, fala com Dan Krause, alto escalão executivo da Comunicações Metodista Unida, após um culto de 12 de setembro que comemora o 250º aniversário da travessia de Francis Asbury da Inglaterra para a América. Durante o serviço, realizado na John Wesley's New Room em Bristol, Inglaterra, Easton disse aos ouvintes por que ela é "uma fã de Asbury". Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Durante o culto de 12 de setembro, Barbara Easton, vice-presidente da Igreja Metodista, disse que ela é "uma fã de Asbury".

“É irônico que Francis Asbury seja celebrizado entre os americanos a quem foi, mas ele mal é conhecido entre os metodistas britânicos, o povo de quem veio”, disse Easton.

Ela recontou o início humilde de Asbury na região industrial de West Midlands. Apresentado ao metodismo por sua mãe, Francis foi ridicularizado na escola “por suas sensibilidades religiosas”, disse Easton. Depois de deixar a escola, ele se tornou aprendiz de metalúrgico, mas “a religião tomou conta de sua vida”, disse ela.

“Quase todas as coisas na vida se amontoavam contra ele, um aprendiz de produtor de prego com pouca educação, mas que mesmo assim se entusiasmou com a fé que encontrou, e isso lhe deu uma energia que nada poderia deter”, disse ela. “Ele não aprendeu muito, mas estudou para ter a educação de que precisava. Numa época em que as pessoas não viajavam para muito longe, ele deu voltas e mais voltas nos extensos circuitos de pregação das cidades crescentes e desafiadoras, incentivando as pessoas a encontrar uma fé transformadora como a que ele havia encontrado.

“Dizia-se que ele era um pregador extraordinário”, disse ela. “Ele não tinha muita confiança e nem sempre tinha boa saúde, mas não deixou que isso o definisse ou definisse o que ele poderia fazer pela igreja. Ele ergueu a mão e disse: 'Aqui estou, envie-me.'”

Easton disse que não explorou muito sobre o que aconteceu com Asbury depois que ele deixou a Inglaterra, por estar mais interessada em como ele havia servido à igreja em sua região. “Mas eu sei que ele era um homem humilde que resistiu a ter seu retrato pintado porque não é sobre ele, é sobre Deus. 'O Senhor', disse ele, 'cobre minha fraqueza com seu poder.' E é por isso que Asbury me toca.”

Sarah Hollingdale, heritage officer for the Methodist Church in Britain, shares a reflection on Francis Asbury and his importance to Methodists in England as well as America. Hollingdale spoke Sept. 12 at a service commemorating Asbury’s crossing to America 250 years ago. The service was held at John Wesley’s New Room in Bristol, England, where Asbury responded to the call for volunteer preachers to travel to the New World. Photo by Tim Tanton, UM News. 
Sarah Hollingdale, oficial de herança da Igreja Metodista na Grã-Bretanha, compartilha uma reflexão sobre Francis Asbury e sua importância para os metodistas na Inglaterra, bem como na América. Hollingdale falou em 12 de setembro em uma cerimônia comemorativa da travessia de Asbury para a América há 250 anos. O serviço foi realizado na New Room de John Wesley em Bristol, Inglaterra, onde Asbury atendeu ao chamado de pregadores voluntários para viajarem ao Novo Mundo. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Marcar o 250º aniversário da travessia do Atlântico de Asbury é importante para metodistas britânicos, bem como americanos, disse Sarah Hollingdale, oficial de herança para a Igreja Metodista. Embora a maioria dos metodistas britânicos não tenha ideia de quem foi Asbury, sua experiência na Inglaterra o preparou para os desafios do Novo Mundo. “Seu tempo aqui na Inglaterra lançou as bases para seu tempo na América.”

Indicado para circuitos - grupos de igrejas - que outros pregadores não queriam, disse ela, Asbury sofreu ataques verbais e físicos e, quando foi para a América, estava acostumado a lidar com a hostilidade.

A história de Asbury é tão inspiradora hoje quanto era então, disse Hollingdale. Isso faz com que as pessoas hoje se concentrem no chamado: “O que é chamado e o que significa? Para que Deus está nos chamando hoje?”

Ela espera que Asbury inspire as pessoas a refletirem sobre o chamado em suas próprias vidas.

“Ele não teria se importado se eles lembrassem seu nome ou não, mas ele teria se importado se eles foram inspirados por sua história.”

O reverendo Novette Headley, curador da New Room e ministro superintendente do Circuito de Bristol e South Gloucestershire, disse que a travessia de Asbury foi "fundamental, realmente, para a Igreja Metodista".

Wesley disse que o mundo era sua paróquia, mas ele não poderia fazer todo o trabalho sozinho. “Mas, por meio de sua experiência e inspiração... ele... forneceu o caminho para Francis Asbury responder ao chamado de Deus para viajar e ir para a América.”

O Espírito Santo une as pessoas para fazer a obra de Deus, disse ela.

Saber mais

As informações e recursos sobre “The Asbury Crossing: Responding to Call” (A Travessia de Asbury: Respondendo ao Chamado) estão disponíveis na Comissão Metodista Unida de Arquivos e História e na Igreja Metodista da Grã-Bretanha. 

Comemorando a viagem de Asbury às Américas 250 anos atrás

Francis Asbury: Atendendo a Chamada

Vídeo: Ouça trechos dos diários de Asbury

Ouça o Podcast Metodista em Asbury

New Room foi um cenário natural para o serviço de aniversário. Construído em 1739, é o edifício metodista mais antigo do mundo. “A sensação de Wesley é quase palpável aqui”, disse Easton.

Foi neste espaço, com seus pisos de madeira e bancos austeros - e sob o mesmo relógio dado por Wesley para manter os pregadores no tempo com seus sermões - que Asbury deu um passo à frente para responder ao chamado de Wesley. Quase um mês depois, Asbury estava zarpando da vila portuária de Pill, sem nada para dormir, exceto dois cobertores para 53 noites, de acordo com o biógrafo LC Rudolph.

Ele manteve correspondência com seus pais ao longo dos anos, mas apesar dos apelos de sua mãe, ele nunca mais voltou para a Inglaterra, escrevendo em 1797 que deixar a América "partiria meu coração".

“Asbury tinha um foco tão singular” na missão e na difusão do Evangelho, disse Hollingdale. Os irmãos John e Charles Wesley tinham família e amigos, mas Asbury nunca fez uma pausa. “Asbury funcionava 24 horas por dia, 7 dias por semana, e você não recomendaria isso para os ministros hoje.”

Ele permaneceu constantemente em movimento, circulando por todo o país em expansão, pregando diariamente, dirigindo e encorajando seus pregadores e organizando a igreja. Acredita-se que ele tenha viajado mais de 300.000 milhas a cavalo, cruzando cadeias de montanhas difíceis e avançando por terrenos onde não existiam estradas.

Ele não tinha casa própria, mas ficava com famílias. Não obstante, o biógrafo Rudolph escreveu que Asbury se tornou tão conhecido que seu colega bispo, Thomas Coke, enviou uma carta ao “Rev. Bispo Asbury, América do Norte”, e ela foi entregue. Coke e Asbury foram os dois primeiros bispos da Igreja Metodista Episcopal, que surgiu logo após a Revolução Americana com o forte crescimento do Metodismo na América.

Asbury pregou o evangelho em todo o país, indo para o campo quando muitos pregadores preferiam ficar na cidade, interagindo com todas as pessoas, independentemente de sua origem, disse Hollingdale. Ele encorajou pregadores negros e os ordenou - “algo completamente desconhecido na época porque Asbury confiava que o chamado era ainda mais importante do que a convenção, que ele estava fazendo o que Deus queria que ele fizesse”.

Ele pregou quase até o dia em que morreu aos 70 anos, disse ela.

“Quando ele começou na América, havia apenas centenas de metodistas - aqueles que pediram ajuda - mas quando ele morreu, havia centenas de milhares de metodistas. Esse foi o impacto que ele causou lá”, disse Hollingdale.

The Rev. Novette Headley prays with celebrants at the Sept. 12 service celebrating “The Asbury Crossing: Responding to Call.” Headley is superintendent minister of the Bristol & South Gloucestershire Methodist Circuit and a trustee of John Wesley’s New Room in Bristol, England, where the event was held. Photo by Tim Tanton, UM News. 
O Rev. Novette Headley ora com os celebrantes no culto de 12 de setembro que celebra “The Asbury Crossing: Responding to Call” (A Travessia de Asbury: Respondendo ao Chamado). Headley é ministro superintendente do Circuito Metodista de Bristol & South Gloucestershire e curador da John Wesley’s New Room em Bristol, Inglaterra, onde o evento foi realizado. Foto de Tim Tanton, Notícias MU. 

A celebração da travessia de Asbury engloba muitos elementos diferentes.

Os recursos fornecidos incluem conteúdo sobre diário, uma prática que Asbury seguiu em todo o seu ministério. Hollingdale disse que a igreja queria que as pessoas tivessem algo para tirar da celebração que pudesse impactar suas vidas diárias, e dois missionários produziram um artigo e um vídeo sobre o diário. Asbury costumava fazer um diário para refletir sobre sua fé, e se os tempos eram bons ou ruins, ele podia olhar para trás e ver como Deus o ajudou, disse ela.

transmissão ao vivo do concerto de 11 de setembro foi organizada para refletir “o vínculo cultural que Asbury formou com a América”, disse Hollingdale.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Magpie22, uma banda americana com sede em Bristol, apresentou um show de uma hora que apresentava canções originais, bem como "Amazing Grace" (Graça Maravilhosa) e um cover apropriadamente escolhido de "A Horse With No Name" (Um cavalo sem nome).

Dawn Kelly, cantora e compositora do Magpie22, disse que nunca tinha ouvido falar de Asbury, mas começou a pesquisá-lo depois que a New Room a contatou sobre uma apresentação. “Fiquei realmente cativada pela ideia de que ele é um herói britânico desconhecido”, disse ela.

É hora de os britânicos entenderem Asbury e o que ele fez, “porque foi monumental”, disse ela durante o concerto.

O humilde Asbury teria aprovado a celebração?

“Acho que ele gostaria que nos concentrássemos não nele como pessoa, mas em sua fé e no Deus que o equipou para fazer as coisas que fez”, disse Hollingdale durante o culto.

Ela advertiu contra ver Asbury apenas como uma figura histórica.

“Francis Asbury, quer tenha vivido em 1771 ou 2021, teria vivido sua fé tão audaciosamente hoje quanto fez então”, disse ela. “E eu acho que onde quer que ele vivesse, ele gostaria de viver para Deus e tudo o que isso parecia, e acho que esse é o desafio que devemos tirar hoje.”

The band Magpie22 performs a livestream concert Sept. 11 in John Wesley’s New Room in Bristol, England. The concert was part of an ongoing celebration of the 250th anniversary of Francis Asbury’s crossing from England to America. Asbury, a Methodist preacher, went on to shape and lead the Methodist Church in America. Photo by Tim Tanton, UM News. 
A banda Magpie22 realiza um concerto ao vivo em 11 de setembro na John Wesley’s New Room  Bristol, Inglaterra. O show foi parte de uma celebração contínua do 250º aniversário da travessia de Francis Asbury da Inglaterra para a América. Asbury, um pregador metodista, passou a moldar e liderar a Igreja Metodista na América. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

*Tanton é diretor de notícias da Comunicações Metodista Unida e diretor da Notícias MU. Contato para notícias: Tim Tanton em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected].

Igreja Local
As novas recomendações de máscaras dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e o aumento da variante delta do coronavírus afetam as decisões das igrejas sobre o culto presencial e os protocolos de segurança. Imagem de Pews por Andrew Seaman, cortesia da Unsplash; imagem da máscara cortesia da Pixabay; gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Igrejas pedem uso de máscara e fecham portas devido aos picos de vírus

À medida que a variante delta mais contagiosa aumenta nos Estados Unidos, as igrejas Metodistas Unidas estão tomando precauções adicionais. As congregações também estão tomando medidas para alcançar aqueles que resistem à vacinação.
Worship
A Primeira Igreja Metodista Unida em Denton, Texas, junta-se à adoração em 6 de junho, a primeira vez que o santuário foi usado para esse propósito desde a pandemia de COVID-19, forçou o fechamento de edifícios em todos os EUA. Foto por Sam Hodges, Notícias MU.

Igrejas são incentivadas a se relançar, não apenas reabrir

O espírito de inovação em face da pandemia COVID-19 deve continuar e se aprofundar, dizem líderes religiosos experientes.
Igreja Local
Uma congregação de sete pessoas canta durante o culto na Igreja Metodista Unida Oakton fora de Clinton, Ky. A Pastora Laura Vincent toca piano atrás do altar. As pequenas igrejas rurais lutaram contra a pandemia do coronavírus, mas muitas delas agora estão aproveitando o retorno aos cultos pessoais e olhando para o futuro. Foto Mike Dubose, Notícias MU.

Igrejas rurais emergem do coronavírus

Igrejas pequenas e rurais lutaram contra a pandemia de COVID-19, mas muitas delas agora estão aproveitando o retorno aos cultos pessoais e olhando para o futuro.