Bispos pedem rejeição da 'idolatria de armas'

Translate Page

Pontos chave:

  • Os bispos metodistas unidos estão compartilhando uma carta com a igreja em geral que incentiva a oração, o estudo bíblico e o contato com autoridades eleitas para abordar a violência armada.
  • Os bispos também planejam enviar uma carta ao Congresso dos EUA e à Casa Branca para defender mais regulamentações sobre armas, incluindo uma proposta de proibição de “armas de assalto”.
  • O Conselho dos Bispos aprovou as ações em sua recente reunião depois que mais de uma dúzia de conferências anuais nos Estados Unidos tomaram posições públicas para abordar a violência armada.

Os Metodistas Unidos precisarão tanto orar quanto agir para acabar com o flagelo da violência armada, diz uma carta que o Conselho dos Bispos divulgou em 1º de setembro para a igreja em geral. 

“Como pessoas de oração, nós, seguidores de Jesus, somos chamados a ser 'fazedores de mudanças contraculturais'”,  diz a carta. “Para esse fim, devemos rejeitar a idolatria das armas e os apegos distorcidos ao nosso direito de possuir armas sem salvaguardas para as comunidades do mundo.”

Os bispos Metodistas Unidos adotaram por unanimidade a carta em 26 de agosto durante o último dia de sua reunião de verão online. Apenas os bispos ativos votam nas ações do Conselho dos Bispos. No entanto, todos os bispos Metodistas Unidos assinaram o documento. 

A declaração também será a base de uma carta que os bispos planejam enviar ao Congresso dos EUA e à Casa Branca. 

Em uma denominação com mais de 12 milhões de membros em quatro continentes, os bispos também enfatizam que a violência armada não é apenas um problema dos EUA. A declaração dos bispos cita a Anistia Internacional, que informa que cerca de 2.000 pessoas ficam feridas e 500 pessoas morrem por tiros todos os dias.

O que os Metodistas Unidos podem fazer?

O trabalho de apoio não se limita aos bispos. A Junta Metodista Unida da Igreja e Sociedade oferece os seguintes passos que os membros da igreja podem tomar para defender a segurança das armas. 

1. Entre em contato com seus líderes eleitos por meio dos alertas de ação da Igreja e Sociedade em nosso site, inscreva-se para receber os e-mails da agência e use os recursos do Kit de Ferramentas Criando Mudanças Juntos.

2. Entre em contato com o pessoal da Igreja e Sociedade e outros Metodistas Unidos que estão fazendo o trabalho.

3. Faça uma vigília de oração. O Kit de Ferramentas Criando Mudanças Juntos oferece recursos para isso.

4. Incentive o estudo bíblico congregacional. O Estudo Bíblico da Igreja Metodista Unida  Kingdom Dreams, Violent Realities (Sonhos do Reino, Realidades Violentas), fornece um estudo bíblico de prevenção da violência armada em três sessões. 

5. Construa coalizões com outras organizações em sua comunidade local interessadas nesta questão. A equipe organizadora da Igreja e da Sociedade pode ajudá-lo com algumas práticas recomendadas para o ativismo de base.

“A questão de como viver como cristão em um mundo violento não é específica do nosso tempo ou contexto, mas as armas de fogo tornam a violência mais mortal e mais frequente”, disse a Revda. Susan Henry-Crowe, a principal executiva da agência. 

“Encorajamos os Metodistas Unidos a atender ao chamado dos bispos, estudar as Escrituras em oração e ouvir as histórias dos sobreviventes e, em seguida, tomar ações concretas que ajudem a construir o reino de Deus na terra”.

Leia  a carta do Conselho dos Bispos.

Os Metodistas Unidos -  há muito comprometidos em transformar o mundo para ser mais como o exemplo de Cristo - têm um papel a desempenhar na abordagem da crise, disseram os bispos.

“Este é um chamado à oração, a partir deste mês de setembro, por todos os que seguem Jesus, o Príncipe da Paz”, disse o comunicado dos bispos. “Este é um apelo à ação para que todos chorem com aqueles que choram e exigem, insistem e pressionam por mudanças positivas de nossos funcionários eleitos.”

A declaração continua exortando as congregações a colaborar com parceiros ecumênicos e inter-religiosos em seu testemunho público. A declaração também encoraja o uso de recursos Metodistas Unidos para o estudo da Bíblia e apoio nos esforços para reduzir a violência armada.

O Bispo Julius C. Trimble, que lidera a Conferência de Indiana, propôs a carta em nome da Equipe de Liderança da Justice and Reconciliation (Justiça e Reconciliação) dos bispos. 

“É sempre o momento certo para fazer a coisa certa”, disse ele à Notícias MU após a reunião dos bispos. “Estamos em uma emergência quando se trata de violência armada nos Estados Unidos e em todo o mundo. Acredito que temos uma obrigação moral como bispos de oferecer mais do que 'pensamentos e orações'”.

Os bispos decidiram abordar a questão das armas de fogo após massacres mortais em uma mercearia em Buffalo, Nova York; uma igreja em Laguna Woods, Califórniauma escola primária em Uvalde, Texas; e  um desfile de 4 de julho em Highland Park, Illinois.

Além do horror dos tiroteios em massa, os EUA também experimentaram um aumento geral nas mortes por armas de fogo. Mais americanos morreram de ferimentos relacionados a armas em 2020 do que em qualquer outro ano registrado,  informaram os Centros de Controle de Doenças dos EUA. Ao todo, 45.222 pessoas nos EUA morreram naquele ano em homicídios ou suicídios envolvendo armas de fogo.

A violência armada também afetou pessoalmente os Metodistas Unidos. Os bispos passaram parte de sua reunião de agosto de luto pela morte da Revda. Autura Eason-Williams, uma superintendente distrital e ex-candidata episcopal morta a tiros em um aparente roubo de carro em Memphis, Tennessee. 

Imediatamente após a morte de 19 crianças e dois professores em Uvalde, o Presidente do Conselho dos Bispos, Thomas J. Bickerton, convocou os Metodistas Unidos a  “ir para o ataque”  para impedir os tiroteios em massa.

Essas palavras ecoaram por toda a temporada da conferência anual dos EUA nesta primavera e no verão. Mais de uma dúzia de órgãos regionais da denominação tomaram uma posição pública para abordar a violência armada quando se reuniram este ano.

Várias das resoluções da conferência e a carta dos bispos defendiam as mesmas medidas recomendadas em  “Nosso Chamado para Acabar com a Violência Armada”,  que a Conferência Geral da denominação adotou em 2016.

A resolução da Conferência Geral cita o sonho de Deus para a paz em Miquéias 4 que “eles transformarão suas espadas em arados, e suas lanças em foices….”

A resolução pede, entre outras medidas, “proibir carregadores de munição de grande capacidade e armas projetadas para disparar várias rodadas cada vez que o gatilho é acionado”.

A carta dos bispos também pede a proibição de “armas de assalto”. Os EUA proibiram anteriormente armas de assalto de 1994 a 2004,  e o número de tiroteios em massa caiu durante esse período. Desde que a proibição expirou, os EUA viram um aumento acentuado nas mortes a tiros em massa.

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou em julho um projeto de lei para restabelecer a proibição de armas de assalto. O projeto de lei está agora no Senado dos EUA, onde muitos observadores políticos de longa data esperam que a proposta não seja capaz de alcançar os 60 votos necessários para superar uma obstrução e seguir em frente. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Mas alguns não têm tanta certeza de que a conta está condenada. A pressão pública dos Metodistas Unidos e outros já levou a algumas reformas de armas. No final de junho, o Congresso dos EUA aprovou e o presidente Biden sancionou a Lei de Comunidades Mais Seguras Bipartidárias – a legislação federal de segurança de armas mais importante em décadas. 

A nova lei, um compromisso, inclui dinheiro para segurança escolar, saúde mental e incentivos para que os estados forneçam uma verificação de antecedentes mais abrangente de jovens de 18 a 21 anos que desejam comprar armas.

“Estamos vendo cada vez mais ativistas de base exigindo ação de seus líderes eleitos na prevenção da violência armada”, disse a Revda. Susan Henry-Crowe, a alta executiva da Junta Metodista Unida de Igreja e Sociedade - a agência que trabalha para promover os ensinamentos sociais Metodistas Unidos. Henry-Crowe trabalhou com os bispos no desenvolvimento de sua declaração.

“A mobilização de pessoas comuns em todo o país foi o fator decisivo para que a Lei das Comunidades Mais Seguras fosse promulgada no início deste verão”, disse ela à Notícias MU. “Nossos adolescentes e jovens são particularmente apaixonados por essa questão e estão exigindo que suas comunidades se unam em torno deles para se posicionar contra uma cultura de violência.”

Trimble disse que, ao tomar uma posição, os bispos estão sendo fiéis aos compromissos da Igreja Metodista Unida e obedientes aos seus próprios papéis proféticos e de ensino como líderes episcopais. Os bispos esperam que suas palavras influenciem pelo menos alguns senadores dos EUA, seis dos quais são Metodistas Unidos. 

Trimble colocou desta forma: “Se existem soluções baseadas em evidências que podem diminuir o número de mortes por armas de fogo, por que não as perseguiríamos?”

 

*Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou  [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Área Geral da Igreja
Greater Nhiwatiwa (de vestido roxo), esposa do bispo Eben K. Nhiwatiwa (à esquerda), explica a história e o significado da montanha de oração Chin'ando aos bispos que participam do retiro do Colégio dos Bispos da África, realizado de 5 a 8 de setembro na Universidade da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos divulgaram uma declaração no final do retiro pedindo unidade na Igreja Metodista Unida enquanto condenavam os grupos de defesa tradicionalistas que procuram separar a denominação. Foto por Eveline Chikwanah, Notícias MU.

Bispos africanos pedem unidade e condenam grupos de defesa

Os bispos emitiram uma declaração em 8 de setembro denunciando o grupo "Iniciativa África" e a "Associação Pasto Wesleyano" por estarem "influenciando erroneamente o povo de Deus em nossas áreas".
Conselho de Bispos
A bispa Sharma Lewis compartilha um momento com o bispo Lindsey Davis, seu ex-bispo na Conferência da Geórgia do Norte, durante a consagração de Lewis em 2016 na Lake Junaluska Conference and Retreat Center em Lake Junaluska, NC. O Conselho dos Bispos concluiu sua reunião de verão de 2022 preparando-se para o eleição de novos líderes episcopais este ano. Os novos bispos terão a tarefa de liderar a denominação em um momento de fragmentação invisível em suas vidas. Foto de Burt Williams, Conferência Oeste da Carolina do Norte.

Bispos planejam eleição de novos colegas

O Conselho de Bispos da Igreja Metodista Unida está se preparando para receber novos líderes episcopais que se juntarão às suas posições em meio a desafios nunca antes experimentados na denominação.
Área Geral da Igreja
Durante o seu primeiro discurso como presidente do Conselho dos Bispos, o Bispo Thomas J. Bickerton exortou os colegas Metodistas Unidos a começarem a girar em direção ao que esperam que a Igreja Metodista Unida seja no futuro. O discurso de Bickerton foi transmitido ao vivo no dia de abertura da reunião virtual do Conselho dos Bispos, que estará em sessão aberta novamente em 26 de agosto. Captura de tela cortesia do Conselho dos Bispos via Zoom por Notícias MU.

Bispo pede fim de falsidades e giro para o futuro

No seu primeiro discurso como presidente do Conselho dos Bispos, Thomas J. Bickerton apelou aos apoiantes de uma denominação separatista para que parem de descaracterizar a Igreja Metodista Unida.