Bispo pede fim de falsidades e giro para o futuro

Translate Page

Pontos chave:

  • O Presidente do Conselho dos Bispos, Thomas J. Bickerton, abriu a reunião dos bispos esta semana, abordando o que chamou de falsidades sobre a Igreja Metodista Unida.
  • Mesmo enquanto a denominação lida com o cisma, Bickerton exortou os colegas Metodistas Unidos a começarem a girar em direção ao que eles esperam que a Igreja Metodista Unida seja no futuro.
  • Parte desse futuro, os bispos deixaram claro, envolve enfrentar os pecados do racismo e do colonialismo.

Em meio a um verão de descontentamento denominacional, o Presidente do Conselho de Bispos, Thomas J. Bickerton, convocou seus colegas bispos e membros da igreja a começar a orientar a Igreja Metodista Unida em direção a um futuro cheio de esperança. 

Bickerton também denunciou o que chamou de “uma enxurrada constante de retórica negativa cheia de falsidade e imprecisões” vinda de apoiadores de uma denominação teologicamente conservadora que foi lançada em maio.

Ele contestou especificamente as alegações de que os líderes Metodistas Unidos estão abandonando os padrões doutrinários da denominação nos Artigos de Religião, que eles não abraçam a primazia da Bíblia e que não acreditam que Jesus Cristo é o filho de Deus. 

Embora a Igreja Metodista Unida mantenha os ensinamentos cristãos básicos e suas raízes históricas na teologia Wesleyana, Bickerton disse que espera que os Metodistas Unidos façam mudanças. Essas mudanças incluem recapturar o espírito de evangelismo, praticar a teologia da missão da igreja e enfrentar o pecado do racismo. 

"É hora, em nosso papel como líderes, de iniciar uma conversa sobre o que queremos e sonhamos como uma igreja avançando", disse Bickerton em 22 de agosto em seu primeiro discurso formal como presidente dos bispos. “O que vemos como a próxima expressão do Metodismo? Que tipo de igreja visualizamos na Igreja Metodista Unida em andamento?”

Bickerton também lidera a Conferência de Nova York. A fala está arquivada na página do Facebook do Conselho dos Bispos.

O Conselho dos Bispos está se reunindo esta semana para discutir vários desafios enfrentados pela denominação e começar a planejar seu futuro. A próxima sessão aberta será na página dos bispos no Facebook às 9h, horário do leste dos EUA, em 26 de agosto.  

Os bispos estão se reunindo em um momento em que várias congregações e líderes da igreja estão tentando discernir se desejam permanecer parte da Igreja Metodista Unida.

Após décadas de intensificação das divergências sobre o status das pessoas LGBTQ na igreja, a Conferência Geral – o principal órgão legislativo da denominação – foi definida para votar um plano de separação denominacional em maio de 2020. 

Mas depois que as complicações relacionadas ao COVID atrasaram a Conferência Geral pela terceira vez até 2024, os organizadores foram em frente e lançaram a Igreja Metodista Global teologicamente conservadora em 1º de maio.

Desde então, aqueles que trabalharam para formar a denominação têm tentado recrutar o maior número possível de Metodistas Unidos para o novo rebanho. Esses recrutamentos incluem a Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano), um grupo de advocacia não oficial que anunciou em maio que ficaria por perto para ajudar as congregações que desejam deixar a Igreja Metodista Unida.

As desfiliações da Igreja também têm aumentado, embora nem todas as igrejas que se desfiliam da Igreja Metodista Unida optem por se juntar à Igreja Metodista Global. 

Mas em meio ao recrutamento, alguns apoiadores da nova denominação acusaram os bispos Metodistas Unidos e outros líderes da igreja de não seguirem doutrinas cristãs centrais, como o nascimento virginal, a divindade de Jesus Cristo, a ressurreição de Jesus Cristo ou a salvação somente por meio de Cristo. 

Tais acusações levaram a repetidas perguntas ao Ask The UMC (Pergunte à UMC), um ministério das Comunicações Metodistas Unidas que responde a perguntas sobre os ensinamentos da igreja. O Pergunte à UMC respondeu que todas essas posições são a base dos padrões doutrinários da denominação e não estão prestes a mudar.

Ao mesmo tempo, alguns estão pedindo que a Igreja Metodista Unida tenha um acordo de cortesia com a nova denominação para facilitar as transições para a Igreja Metodista Global.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Bickerton reconheceu que a Igreja Metodista Unida e seus antecessores têm uma longa história de construção de relações ecumênicas com denominações cristãs que adotaram várias posições sobre a homossexualidade. No entanto, Bickerton disse que esses relacionamentos “são completamente dependentes de cada lado reconhecer o valor inerente e dado por Deus do outro”.

“Nós nunca teríamos entrado em um relacionamento com um grupo que queria nosso reconhecimento, mas só poderia nos criticar em troca”, acrescentou. “Não é assim que nós, como cristãos, fazemos nosso trabalho.”

Jay Therrell, presidente da Associação do Pacto Wesleyano, nas últimas duas semanas instou os constituintes do grupo a tomar medidas mais diretas contra a Igreja Metodista Unida.  

Ele incentivou os constituintes a depositar em caução ou reter  as parcelas – parcelas de doação desse ministério de apoio além da igreja local – das conferências anuais, que ele argumenta que tornam muito difícil para as igrejas se desfiliarem. 

Therrell também pediu aos eleitores  que apresentem queixas contra bispos e outros líderes da conferência que eles acreditam que não estão apoiando as proibições da denominação de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos gays “praticantes confessos”. Vários bispos concordaram em suspender as queixas relacionadas à homossexualidade enquanto a transição da denominação se agita. 

Em seu discurso presidencial, Bickerton expressou gratidão aos clérigos e leigos que continuam a dar as quotas. 

Ele também chamou explicitamente tanto a Igreja Metodista Global quanto a Associação do Pacto Wesleyano pelo nome.

“Peço aos membros do GMC e da WCA que parem com essa retórica negativa de acusações e declarações que simplesmente não são verdadeiras”, disse Bickerton. “Isso prejudica nosso testemunho público como cristãos e faz pouco para convidar as pessoas para a história cheia de esperança do amor de Deus.”

Após o discurso de Bickerton, Therrell compartilhou com a Notícias MU e outros que ele não conhece "ninguém em qualquer nível de liderança na Associação do Pacto Wesleyano ou na Igreja Metodista Global que tenha dito que os padrões doutrinários da Igreja Metodista Unida mudaram ou mudarão. "

Bickerton exortou os Metodistas Unidos a não devolverem um “olho por olho”, mas a espalharem a santidade bíblica por toda a terra e convidarem “um mundo quebrado para a possibilidade de fazer parte de uma história que mudará suas vidas”.

Parte da cura de um mundo quebrado, ele e outros bispos disseram, exige que a Igreja Metodista Unida trate dos pecados do racismo e do colonialismo.

Durante a reunião, os bispos votaram para tornar seu trabalho contra o racismo uma parte mais permanente de seu ministério, mudando sua Anti-Racism Task Force (Força-Tarefa Antirracismo) para a Anti-Racism Leadership Team (Equipe de Liderança Antirracismo).

Os bispos e outros observadores também ouviram uma visão geral de como o colonialismo moldou a história mundial e como a Igreja Metodista Unida se desenvolveu.

“Embora o colonialismo possa parecer uma coisa do passado”, disse a bispo LaTrelle Easterling, presidente da Equipe de Liderança Antirracismo, “ele está muito presente em todos os aspectos de nossa sociedade, e seus vestígios infectarão nosso futuro se formos não intencionais em compreendê-los e abordá-los”. 

Easterling lidera as conferências Baltimore-Washington e Peninsula-Delaware.

David W. Scott, diretor de teologia missionária dos Ministérios Globais Metodistas Unidos, disse que o colonialismo não apenas moldou o mundo secular, mas também a igreja cristã, incluindo a Igreja Metodista Unida. 

Ele disse que em nenhum lugar essa mentalidade colonial é mais evidente do que na governança da denominação, que “privilegia o que acontece nos Estados Unidos como a coisa mais importante acontecendo na Igreja Metodista Unida”.

Bickerton disse que o trabalho da Igreja em direção a um futuro mais justo e seus esforços atuais para responder a desastres como as enchentes de Kentucky e ajudar as pessoas forçadas a deixar suas casas na Ucrânia são apenas alguns exemplos de como a Igreja tenta viver o chamado de Cristo. 

“Igreja, há um caminho através da tempestade e um curso que pode ser seguido que nos levará ao outro lado”, disse Bickerton na conclusão de seu discurso. “Não será feito de forma isolada. Isso não pode ser feito confiando em nossas próprias ideias. Não deve ser feito sem o poder e a presença de Cristo em nosso meio”.

 

* Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

 

 

Área Geral da Igreja
Este gráfico, que foi criado para a Conferência Anual Mountain Sky, ilustra a intenção de colocar a missão e o ministério antes das conversas sobre desfiliação. A palavra "Belong" significa "Belong" em espanhol e é a mensagem deste processo de diálogo da conferência. Cortesia gráfica da Conferência Anual Mountain Sky.

Igrejas discernem se devem ficar ou partir

É um processo difícil para muitos decidir se devem ficar ou sair da Igreja Metodista Unida, e ainda mais difícil não ferir os outros ao fazê-lo. Pastores e líderes da igreja refletem sobre como estão tentando ser fiéis enquanto trabalham em uma decisão difícil.
Área Geral da Igreja
Greater Nhiwatiwa (de vestido roxo), esposa do bispo Eben K. Nhiwatiwa (à esquerda), explica a história e o significado da montanha de oração Chin'ando aos bispos que participam do retiro do Colégio dos Bispos da África, realizado de 5 a 8 de setembro na Universidade da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos divulgaram uma declaração no final do retiro pedindo unidade na Igreja Metodista Unida enquanto condenavam os grupos de defesa tradicionalistas que procuram separar a denominação. Foto por Eveline Chikwanah, Notícias MU.

Bispos africanos pedem unidade e condenam grupos de defesa

Os bispos emitiram uma declaração em 8 de setembro denunciando o grupo "Iniciativa África" e a "Associação Pasto Wesleyano" por estarem "influenciando erroneamente o povo de Deus em nossas áreas".
Conselho de Bispos
A bispa Sharma Lewis compartilha um momento com o bispo Lindsey Davis, seu ex-bispo na Conferência da Geórgia do Norte, durante a consagração de Lewis em 2016 na Lake Junaluska Conference and Retreat Center em Lake Junaluska, NC. O Conselho dos Bispos concluiu sua reunião de verão de 2022 preparando-se para o eleição de novos líderes episcopais este ano. Os novos bispos terão a tarefa de liderar a denominação em um momento de fragmentação invisível em suas vidas. Foto de Burt Williams, Conferência Oeste da Carolina do Norte.

Bispos planejam eleição de novos colegas

O Conselho de Bispos da Igreja Metodista Unida está se preparando para receber novos líderes episcopais que se juntarão às suas posições em meio a desafios nunca antes experimentados na denominação.