Manifesto dos professores em defesa das instituições democráticas

Os professores abaixo assinados, integrantes do Corpo Docente da Universidade Metodista de São Paulo, apresentam à comunidade acadêmica da instituição e à sociedade brasileira o seguinte.

Acompanhando com atenção o cenário político atual, parece-nos evidente, a esta altura da crise política que o Brasil vive, a aglutinação de forças interessadas em desestabilizar ainda mais o país, reeditando fundamentalismos partidários. Alguns grandes veículos de comunicação insuflam esse clima de antagonismo, inclusive nas redes sociais, ao sabor daqueles que fazem a oposição irresponsável. Neste momento torna-se, portanto, urgente que, acima de quaisquer alinhamentos ideológicos e de afetos ou desafetos por lideranças políticas, reivindiquemos que as instituições cumpram seu papel na garantia dos direitos civis constitucionais.

O lema “combate à corrupção”, que representa uma demanda legítima da sociedade brasileira, tem sido explorado à exaustão por grupos interessados em minar deliberadamente a confiança no país. Há também os oportunistas, aqueles que se pretendem “salvadores da pátria”, que emergem com seus discursos e práticas reacionárias, ultraconservadoras e obscurantistas, baseados no jogo político-partidário sob o manto da legalidade.

Nessa saraivada de acusações diárias, empresas de comunicação buscam proteger interesses particulares e impor sua ideologia conservadora, sensacionalizando cada capítulo do noticiário, com versões parciais e tendenciosas dos fatos, comportamento semelhante ao que ocorreu durante o golpe civil-militar em 1964, que teve forte apoio da imprensa hegemônica.

É urgente estarmos atentos à gravidade dos acontecimentos, com lucidez para entender o que está em jogo no futuro do país. A sociedade civil e suas lideranças, os jovens e suas famílias, trabalhadores e estudantes, os movimentos sociais e populares, e a mídia responsável, devem ficar atentos aos falsos discursos que reverberam na esfera pública e negam, de forma reacionária, as conquistas sociais alcançadas depois do fim do regime militar.

Por isso, nós, professores da Umesp não nos calamos. Até porque o ambiente acadêmico da Universidade Metodista de São Paulo, coerente com a sua tradição de solidariedade e de respeito construídos ao longo de sua história, nos inspira este manifesto.

Unimo-nos a todos os colegas comprometidos com o Estado democrático e com o exercício isento e imparcial do Direito e da Justiça, em cobrar da mídia seu compromisso com a verdade dos fatos: a divergência é salutar à democracia; o linchamento moral e político, não.

São Bernardo do Campo, 17 de março de 2016

Professores

Aguinaldo Mulha

Alacir Villa Valle Crucez

Alexandra Gonsalez Sarasa Martin

Antonio Carlos Soares dos Santos

Bruno Tonhetti Galasse

Cicília Maria Krohling Peruzzo

Claudete Pagotto

Claudio de Oliveira Ribeiro

Cleber Araújo Souto Baleeiro

Cristiane Gandolfi

Daniel Galindo

Daniela Silvestre Alves

Douglas Murilo Siqueira

Edi Luiza Bacco

Edson Cinaqui Filho

Eduardo Grossi

Eduardo Okuhara Arruda

Elizabeth Moraes Gonçalves

Eloiza de Oliveira Frederico

Fernando Almeida

Guilherme Flynn Paciornik

Hegli Kovacic

Helmut Renders

João Batista Ribeiro dos Santos

José Ademar Kaefer

José Carlos de Souza

José Braz Goulart

José Salvador Faro

Júlio Veríssimo

Lauri Emilio Wirth

Liliana Rubia de A. Medeiros

Luci Praun

Luiz Roberto Alves

Luiz Silvério Silva

Márcia Velasques Barbosa

Márcio Guerreiro

Magali do Nascimento Cunha

Margarete Vieira

Marli dos Santos

Marília Martins Vizzotto

Marta Contardo Jaramillo

Nicanor Lopes

Nilson Tadashi Oda

Oswaldo de Oliveira Santos Júnior

Ozeis Rocha Júnior

Paulo Ayres Mattos

Paulo Bessa da Silva

Paulo Roberto Garcia

Paulo Roberto Salles Garcia

Roberto Joquim de Oliveira

Rodolfo Carlos Bonventi

Rodolfo Martino

Rogerio Toto

Rubens Lopes Júnior

Rui de Souza Josgrilberg

Sandra Duarte de Souza

Sebastião Carlos Squirra

Silvia Perrone de Lima Freitas

Silvio Pereira da Silva

Sonia Maria Ribeiro Jaconi

Valdir Aparecido Boffetti

Vanessa Martins

Veronica Cortes

Wesley Fajardo Pereira

Wilson da Costa Bueno

http://alc-noticias.net/bp/2016/03/23/manifesto-dos-professores-em-defesa-das-instituicoes-democraticas/

Relacionado

Temas Sociales
Ramiro Ramírez tocó la campana en la Iglesia Metodista Unida de Jackson Chapel en San Juan, Tejas. La familia de Ramírez donó el terreno para la iglesia, que se estableció en 1874. El muro fronterizo propuesto por el presidente Trump está programado para que atraviese la propiedad de la iglesia, incluido su cementerio histórico. Foto por Mike DuBose, SMUN.

El muro fronterizo podría destruir parte de iglesia metodista hispana de valor histórico

El muro fronterizo propuesto por el presidente Donald Trump podría destruir una parte de la historia metodista y perturbar los cementerios sagrados en esta pequeña zona rural, a solo una milla del Río Bravo.
Temas Sociales

Líder laica metodista hispana asesinada en masacre en Florida

La comunidad metodista unida en el centro de la Florida está de luto, por la absurda muerta de una de muy querida hermana de la Iglesia Metodista Unida (IMU) Nuevo Pacto, un banco local del condado de Highlands.
Inmigración
"El obispo Felipe Ruiz Aguilar de la Iglesia Metodista de México (frente) y Roberto Casares de la Iglesia Metodista El Divino Redentor ayudan a servir la cena a los/as migrantes y otras personas que viven en la calle en Mariachi Plaza en Mexicali, México, en agosto de 2018. Ruiz estaba entre los seis obispos de la Iglesia Metodista de México, que firmaron una declaración para pedir un mejor trato a los/as refugiados/as. Foto de archivo por Mike DuBose, SMUN".

Obispos metodistas de México exhortan a brindar trato digno a inmigrantes

Los/as obispos/as José Antonio Garza Castro, Felipe Ruiz Aguilar, Raquel Balbuena Osorio, Rodolfo Rivera de la Rosa, Rogelio Hernández Gutiérrez y Moisés Morales Granados, firmaron la declaración, dirigida a la Iglesia Metodista de México, a las iglesias hermanas y "a todas las personas de buena voluntad".