O longo caminho para adicionar 5 novos bispos

Other Manual Translations: English

Muitos metodistas unidos esperam ter mais cinco bispos na África a partir de 2021, e os membros da igreja estão conversando sobre quais países eles poderiam servir.

"Tendo em mente a enorme extensão geográfica do continente e os perigos da comunicação e das viagens, há uma necessidade muito forte de mais áreas episcopais em todo o vasto continente", disse o Bispo de Serra Leoa, John K. Yambasu, presidente do Colégio dos Bispos.

Mas determinar onde melhor adicionar os novos bispos continua sendo um trabalho em progresso. Os líderes da igreja não tomaram decisões nem deram recomendações formais.

Um passo importante acontecerá de 30 de agosto a 1º de setembro em Freetown, Serra Leoa, com a segunda de duas consultas sobre onde colocar os novos bispos.

Bishop John Yambasu gives the sermon during morning worship at the 2016 United Methodist General Conference in Portland, Ore. File photo by Mike DuBose, UMNS. 

O Bispo John Yambasu faz o sermão durante o culto matinal na Conferência Geral Metodista Unida de 2016, em Portland, Oregon - Foto por Paul Jeffrey, SMUN.

A reunião incluirá um delegado de cada conferência africana anual e provisória, todos os bispos africanos ativos e parte do Comitê Permanente sobre Assuntos da Conferência Central. Os mesmos líderes realizaram uma consulta semelhante no ano passado em Harare, Zimbábue.

O bispo Gregory V. Palmer, presidente do Plano Compreensivo da África, um subcomitê da Comissão Permanente, disse que a esperança é garantir que as percepções dos membros da igreja africana sejam ouvidas.

"A tabela está muito difundida, de modo que o subcomitê possa se engajar em ouvir e investigar, à medida que busca discernir seu caminho para uma recomendação", disse Palmer, que também lidera a Conferência Oeste de Ohio.

A Conferência Geral de 2016 - o principal órgão legislativo da denominação - aprovou a legislação do comitê permanente para aumentar o número de bispos africanos de 13 para 18.

A comissão permanente é uma comissão da Conferência Geral que continua a se reunir entre as sessões legislativas.

Conferências centrais são as sete regiões eclesiásticas na África, na Europa e nas Filipinas. O continente africano conta atualmente com três conferências centrais - África, Congo e África Ocidental. Cada um abrange vários países e idiomas.

A legislação de 2016 pede que o comitê permanente “implemente um plano abrangente e colaborativo sobre os números e as fronteiras das conferências centrais e das áreas episcopais na África”.

Após a consulta deste mês, o subcomitê elaborará recomendações para apresentar ao comitê permanente quando se reunirem em março, em Manila, nas Filipinas.

O Colégio dos Bispos da África já recomendou ao comitê permanente a criação de sete conferências centrais na África.

O comitê permanente determinará quais recomendações levar à Conferência Geral de 2020 em Minneapolis.

Em última análise, cabe à Conferência Geral decidir os limites das conferências centrais e o número de bispos que os servem.

Cada conferência central - que se reúne pelo menos uma vez a cada quatro anos - estabelece os limites das áreas episcopais e define para onde os bispos serão designados dentro de suas fronteiras.

Sobre o comitê permanente

O Comitê Permanente sobre Assuntos da Conferência Central tem 43 membros. É o único órgão da denominação em que as pessoas que moram fora dos Estados Unidos são a maioria.

Sua lista inclui:

  • 5 membros da Conferência Central da África
  • 4 da Conferência Central do Congo
  • 4 da Conferência Central da África Ocidental
  • 3 membros de cada uma das quatro conferências centrais restantes (Alemanha, Europa Central e Sul da Europa, Norte da Europa e Eurásia e Filipinas)
  • 3 de cada uma das cinco jurisdições dos EUA
  • 3 da Junta Metodista Unida dos Ministérios Globais, a agência missionária da denominação

O que os Metodistas Unidos em geral concordam é que mais bispos são necessários para ajudar a administrar as responsabilidades de supervisão e pastoreio em uma parte do mundo onde a denominação está vendo um crescimento consistente.

Atualmente, quase 5,7 milhões de metodistas unidos vivem fora dos Estados Unidos e a grande maioria vive no continente africano.

Yambasu apontou que o potencial do continente para o crescimento da igreja, não mostra sinais de redução. O Pew Research Center projeta que, até 2050, quase um em cada quatro cristãos do mundo viverá na África subsaariana.

O Livro da Disciplina, o livro de políticas da denominação, dita alguns dos dados que os líderes da igreja devem considerar ao recomendar novas áreas episcopais. Os critérios incluem:

  • O número de carga das conferências e o número de clero ativo
  • Tamanho geográfico, incluindo o número de fusos horários e nações
  • O número de conferências anuais e a participação geral da igreja

Palmer disse que o subcomitê também está olhando para a população em geral em uma determinada área, o número de pessoas que não se identificam como cristãs e as experiências de outras denominações na região.

"Estamos olhando números, é claro", disse ele. “Mas não apenas para a igreja como existe agora. Não se trata apenas de aliviar a sobrecarga de um bispo em particular ou de bispos. Também é sobre onde está nossa maior oportunidade de alcançar mais pessoas para Jesus Cristo ”.

Um desafio enfrentado pela denominação é que, embora as necessidades sejam grandes, os recursos são limitados.

A diretoria do Conselho Geral de Finanças e Administração, a agência financeira da denominação, estabeleceu uma meta de reduzir significativamente o orçamento que cobre os ministérios gerais da igreja, incluindo o trabalho dos bispos.

“A Conferência Geral nos deu o potencial para ter mais cinco áreas episcopais. Pode ser que possamos usar oito, mas temos uma diretiva para cinco”, disse Palmer. "Então algumas decisões terão que ser tomadas."

Yambasu disse que espera que o subcomitê dê ouvidos às percepções dos bispos africanos que conhecem as realidades contextuais do continente.

A adição de novos bispos é apenas um passo no fortalecimento da igreja na África, disse Yambasu.

"Devemos também estar intencionalmente pensando em acompanhar esses bispos com a formação da liderança-chave (clerigos e leigos) nessas áreas episcopais, se quisermos garantir a sustentabilidade a longo prazo", disse ele.

* Hahn é repórter multimédia do United Methodist News Service. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org.

 

 

Último artigo

Evangelismo
Seis estudantes da Escola Metodista Unida Murewa, no Zimbábue, foram selecionados para disputar a partida feminina da Associação Internacional de Futebol Cego no Japão, em 2019. Na primeira fila, da esquerda para direita, estão os alunos Fadzai Kimberley Nyakudya, Chengetai Chipanga e Monalisa Makoma; na fila de trás, da esquerda para direita, estão Teresa Mharadzirwa, a professora/guia Constance Tendere Munemo, Tanisha Zonde, a goleira Gellie Mawarire, Tarumbidzwa Taruvinga, o diretor esportivo Pilani Nyanhanda e Titus Tsiga. Foto de Chenayi Kumuterera, SMUN.

Jogadores de futebol cegos têm a oportunidade da vida

Seis estudantes da Murewa High School foram selecionados para participar da partida de futebol entre 20 e 24 de fevereiro: Taruvinga, Chengetai Chipanga, Kudakwashe Kundishora, Monalisa Makomo, Fadzai Kimberley Nyakudya e Tanisha Zonde.