Conferência da Serra Leoa aprova protocolo

Translate Page

A Conferência da Serra Leoa votou esmagadoramente para ser a segunda conferência anual Metodista Unida a aprovar e enviar à legislação da Conferência Geral 2020 o protocolo, um plano para uma separação amigável da denominação.

A Conferência Cavite das Filipinas havia aprovado anteriormente o Protocolo de Reconciliação e Graça através Separação. A Conferência de Michigan se reunirá em sessão especial em 7 de março para considerar a votação para enviar o protocolo à Conferência Geral, embora não se deva esperar que Michigan considere aprovar o protocolo, apenas se deve enviá-lo à Conferência Geral.

Os membros da conferência votaram por 322 a 0, com duas abstenções, a favor do protocolo.

A proposta foi desenvolvida após o prazo final da petição para a principal assembléia legislativa da denominação, agendada de 5 a 15 de maio em Minneapolis. No entanto, uma parte pouco usada do Livro de Disciplina - o livro de políticas da denominação - permite que as conferências anuais submetam a legislação posteriormente, se elas se reunirem entre 230 e 45 dias antes da Conferência Geral. Por esse motivo, a legislação do protocolo teve que ser enviada por uma conferência anual.

Yambasu na negociação

Sierra Leone Bishop John K. Yambasu was a catalyst for the discussions that led to the Protocol for Reconciliation and Grace Through Separation, which would restructure The United Methodist Church into at least two denominations. Video image of Sierra Leone Bishop John K. Yambasu, courtesy of UM News.
Bispo da Serra Leoa, John K. Yambasu. Imagem de vídeo , cortesia da Notícias MU. 
O bispo da Serra Leoa, John K. Yambasu, foi um catalisador das discussões que levaram ao Protocolo de Reconciliação e Graça Através da Separação, que reestruturaria a Igreja Metodista Unida em pelo menos duas denominações. O protocolo e outros planos de reestruturação serão considerados na Conferência Geral de 2020 em Minneapolis, de 5 a 15 de maio.

Veja a entrevista dele na Notícias MU

Por quase 50 anos, a Igreja Metodista Unida discordou bastante sobre o papel dos cristãos LGBTQ na liderança da igreja. As pessoas LGBTQ “praticantes” não podem ser ordenadas e as igrejas e pastores metodistas unidos não podem oficiar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, nem casais do mesmo sexo podem se casar em uma igreja metodista unida.

Cada Conferência Geral desde 1972 - quando essa linguagem foi adicionado ao Livro de Disciplina - foi pontuada por protestos, lágrimas e dor por aqueles de ambos os lados desta questão.

O bispo da região de Serra Leoa, John K. Yambasu, o bispo africano que reuniu tradicionalistas, centristas e progressistas para as negociações que resultaram no protocolo, passou muitas horas explicando o plano.

Yambasu disse que os tradicionalistas não toleram a homossexualidade e acreditam que isso é proibido pela Bíblia. Ele apontou para os membros da conferência e perguntou: "Quantos de vocês são tradicionalistas?". Quase todo mundo levantou a mão.

Durante seu discurso em 5 de março aos líderes leigos, Yambasu chamou os três pontos de vista metodistas unidos, "a nova Santíssima Trindade Metodista Unida".

Assim como outros documentos históricos produzidos desde o início da denominação, o protocolo "não é de forma alguma um documento perfeito", disse Yambasu, acrescentando que ele fez esse ponto em uma variedade de configurações em toda a denominação.

Vários outros planos para o futuro da Igreja Metodista Unida também estarão diante da Conferência Geral.

O bispo liberiano Samuel Quire pregou durante o culto de abertura em 4 de março. Em sua conferência anual em 14 de fevereiro, os Metodistas Unidos da Libéria disseram que não apoiarão um plano de separação proposto para a Igreja Metodista Unida sem grandes alterações.

Mas Quire e Yamabsu disseram que a separação é inevitável.

"A Igreja Metodista Unida está em uma encruzilhada", disse Quire. "Há um tempo para tudo - um tempo para estar juntos e um tempo para se separar."

Os negociadores do grupo de protocolo disseram que a contenciosa Conferência Geral especial de 2019 em St. Louis, ressaltou as divisões intensificadoras e a necessidade de separação amigável.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!


O tema da Conferência de Serra Leoa é "Capacitar congregações para o discipulado radical e o desenvolvimento econômico". O evento será realizado de 4 a 8 de março na Paróquia Conjunta de Koidu, no distrito de Kono.

Ambos os bispos disseram que os Metodistas Unidos Africanos precisam se tornar proativos no apoio a seus próprios ministérios.

"O tempo para folhetos acabou", disse Quire. "A igreja na África está bem preparada para o discipulado radical."

A igreja africana precisa estar preparada para avançar em direção à sustentabilidade, disse Yambasu em seu discurso episcopal. "Esta igreja tem dinheiro", disse ele.

Ao explicar o protocolo, Yamabsu elogiou Kenneth R. Feinberg, o mediador profissional que ofereceu seus serviços gratuitamente para a denominação. Segundo ele, Feinburg disse que era apropriado que um bispo africano se movesse para salvar a igreja.

Yambasu mencionou uma coisa que Feinberg disse que ficou presa nele.

"Ele nos disse que precisamos escrever nossa própria narrativa ou alguém escreveria para nós", disse Yamabsu.

Como todas as negociações, ele disse, todos os lados tinham que ficar "desarmados". Para o grupo de 16 pessoas que negociou o protocolo, isso significava "destruir todos os planos" que circulavam na igreja.

Todos os lados tinham que estar preparados para desistir de algo, disse Yamabsu.

Quando o bispo começou a falar sobre o protocolo, poucas pessoas na sala pareciam saber do que estava falando.

Ao falar sobre a votação unânime, Doreen Kallay, presidente das Mulheres Metodistas Unidas da Igreja Metodista Unida King Memorial, em Freetown, concordou que a maioria das pessoas não entendia a legislação proposta.
“Mas, depois da explicação do bispo, entendemos melhor, o que levou as pessoas a votar esmagadoramente. Não acho que as pessoas tenham votado porque o bispo Yambasu foi o responsável por isso”, acrescentou.

O Rev. Francis Charley, superintendente do distrito de Bo, concordou que a explicação de Yambasu convenceu as pessoas a apoiar o protocolo.

"Acho que o papel do bispo não pode ser ignorado na avaliação de como as pessoas votaram", disse Charley.

Yambasu lembrou aos participantes da conferência anual a história das crenças africanas.

Antes que os missionários chegassem à África, as pessoas estavam adorando a Deus através das montanhas, rios e árvores, disse ele.

"Eles nos disseram que tinha alguém que pode mudar nossas vidas - Jesus Cristo", disse ele. “Eles trouxeram a Bíblia e nos disseram que era a palavra inspirada de Deus, que tudo na Bíblia era verdade. E nós acreditamos neles.”

“Eles nos ensinaram que Jesus era o único caminho para o céu. Temos acreditado nisso há 2000 anos, e o Livro da Disciplina disse que a homossexualidade é incompatível com as Escrituras.”

"Não podemos mudar nossas crenças tão rapidamente", disse o bispo.

 

*Gilbert é redator de notícias do Serviço Metodista Unido de Notícias. Phileas Jusu, comunicador da Conferência de Serra Leoa, contribuiu para esta história. Entre em contato com Gilbert em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Área Geral da Igreja
Greater Nhiwatiwa (de vestido roxo), esposa do bispo Eben K. Nhiwatiwa (à esquerda), explica a história e o significado da montanha de oração Chin'ando aos bispos que participam do retiro do Colégio dos Bispos da África, realizado de 5 a 8 de setembro na Universidade da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos divulgaram uma declaração no final do retiro pedindo unidade na Igreja Metodista Unida enquanto condenavam os grupos de defesa tradicionalistas que procuram separar a denominação. Foto por Eveline Chikwanah, Notícias MU.

Bispos africanos pedem unidade e condenam grupos de defesa

Os bispos emitiram uma declaração em 8 de setembro denunciando o grupo "Iniciativa África" e a "Associação Pasto Wesleyano" por estarem "influenciando erroneamente o povo de Deus em nossas áreas".
Missão
Líderes religiosos de todo o mundo discutem questões de HIV enfrentadas pelos jovens na 24ª Conferência Internacional de AIDS, de 29 de julho a 2 de agosto em Montréal. Na foto (da esquerda) Sr. Crina Cardozo, Human Touch, Goa; O Rev. Canon Gideon Byamugisha, sacerdote anglicano em Uganda; Gibstar Makangila, diretor executivo, Circle of Hope, Zâmbia; Dra. Susan Hillis, consultora técnica sênior, Iniciativas de Fé e Comunidades, Escritório do Embaixador Global da AIDS e Diplomacia em Saúde; Gareth Jones, consultor do Programa Jovem, UNAIDS; Suki Beavers, diretora de Igualdade e Direitos para Todos, UNAIDS; e um homem não identificado. Foto de Don Messer.

Líderes religiosos ouvem falar de 'terreno perdido' sobre HIV

A 24ª Conferência Internacional de AIDS destaca o efeito negativo que o COVID-19 e a varíola dos macacos estão tendo nos esforços para reduzir o HIV.
Área Geral da Igreja
O Conselho Geral de Finanças e Administração, em sua reunião on-line de 19 de agosto, designou como usar o produto da venda da sede da agência em Nashville, Tennessee. Os membros da equipe da agência estão se mudando para o Edifício Harry Denman, nas proximidades, que também abriga os Ministérios de Discipulado e a Junta Metodista Unida de Educação Superior e Ministério. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Lidando com notícias diversas sobre doações e saídas da igreja

Os membros do conselho da agência financeira da Igreja Metodista Unida discutiram o impacto potencial das crescentes desfiliações da igreja, enquanto comemoravam um aumento nas contribuições e da venda de edifícios por algumas agências.