Imagem do general Lee removido da catedral metodista

Translate Page
A stained-glass window in The Cathedral of the Rockies/Boise First United Methodist Church, in Boise, Idaho, features images of Robert E. Lee (left), Abraham Lincoln and George Washington. Church leaders have decided to remove the image of Lee, given his role as a Confederate general. “Symbols of white supremacy do not belong in our sacred space,” they said in a statement. Photo courtesy of The Cathedral of the Rockies.
Um vitral da Primeira Igreja Metodista Unida da Catedral Rockies / Boise, em Boise, Idaho, apresenta imagens de Robert E. Lee (à esquerda), Abraham Lincoln e George Washington. Os líderes da igreja decidiram remover a imagem de Lee, dado seu papel como general confederado. "Os símbolos da supremacia branca não pertencem ao nosso espaço sagrado", disseram eles em comunicado. Foto cedida pela Catedral de Rockies. 

A Catedral de Rockies, uma grande Igreja Metodista Unida em Boise, Idaho, removerá uma imagem em vitral de Robert E. Lee de seu santuário.

Por 60 anos, Lee está agrupado com George Washington e Abraham Lincoln em uma janela da Catedral de Rockies dedicada à história dos EUA, mas o conselho da igreja decidiu que a imagem do general confederado será removida neste verão.

Uma declaração do conselho diz em parte:

“Acreditamos que esta seção da nossa janela é inconsistente com a nossa missão atual, fazer discípulos de Jesus Cristo para a transformação do mundo, bem como a bandeira que paira sobre nossas portas, defendendo: 'Todos significa todos - você é bem-vindo aqui.' "

“Além disso, essa demonstração é uma barreira ao nosso importante trabalho de resistência ao mal, à injustiça e à opressão. Os símbolos da supremacia branca não pertencem ao nosso espaço sagrado."
 
O conselho prometeu que a imagem de "uma pessoa de cor ainda a ser determinada" substituirá Lee.

A Rev. Duane Anders, pastor sênior da igreja, disse que os nomes em consideração incluem Harriet Tubman e a bispa metodista unido Leontine TC Kelly, a primeira mulher afro-americana eleita para o episcopado da denominação.

"Ela foi eleita em Boise e foi consagrada nesta igreja, então temos uma conexão", disse Anders.

A Catedral de Rockies começou a se concentrar na justiça racial em 2015, depois de um supremacista branco atirar e matar 9 pessoas que estudavam a Bíblia na igreja Emmanuel AME em Charleston, Carolina do Sul.

O que fazer com a imagem de Lee faz parte das discussões da Catedral de Rockies. Anders disse que a liderança da igreja decidiu colocar uma placa sob a janela, reconhecendo a cumplicidade no racismo sistêmico.

The Rev. Duane Anders. Photo courtesy of The Cathedral of the Rockies.
Rev. Duane Anders. Foto cedida pela Catedral de Rockies. .

Mas a agitação dos negócios da igreja impediu que isso acontecesse, disse Anders. 

Foram necessários assassinatos altamente divulgados deste ano de afro-americanos para levar uma decisão do conselho na última semana para remover a imagem de Lee.

"As recentes mortes de George Floyd, Ahmaud Arbery e Breonna Taylor trouxeram uma urgência há muito tempo atrasada ao nosso processo de discernimento", diz a declaração do conselho. “Somos lembrados de nosso privilégio. Nós esperamos demais."

A declaração do conselho aparece sob a manchete “Nos arrependemos por nossa participação na supremacia branca” e a página da igreja no Facebook atualmente exibe uma faixa “Black Lives Matter”.

A Catedral de Rockies, também conhecida como Primeira Igreja Metodista Unida de Boise, é uma das maiores igrejas da Jurisdição Ocidental da Igreja Metodista Unida, com  2.800 membros e frequência semanal em 1.367, de acordo com os registros da denominação de 2018.

O atual santuário principal da igreja data de 1960 e o vitral é uma de suas características marcantes. O vidro conta a história da história cristã, com imagens de várias figuras, incluindo o apóstolo Paulo, São Francisco de Assis, Martin Luther e John Knox.

O vidro também mostra figuras históricas mais recentes, como o evangelista Dwight L. Moody, Albert Schweitzer, Florence Nightingale e Clara Barton.

O vidro foi encomendado em 1958 pelo pastor da igreja, o Rev. Herbert E. Richards. Em uma carta de 1960, ele escreveu:

“Incluímos também um tema patriótico em uma lanceta que inclui George Washington, Abraham Lincoln e Robert Lee. Temos uma forte influência do sul aqui em Boise.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Líderes atuais da igreja - em um documento intitulado “Por que Robert E. Lee está nas janelas de nossa igreja?” - observou que, na década de 1950, no período que antecedeu o centenário da Guerra Civil, as Filhas Unidas da Confederação e os Filhos de Veteranos Confederados foram ativos na instalação de marcadores históricos e "na mudança da narrativa da guerra" para minimizar as atrocidades da escravidão.

Anders disse que Richards tinha tudo a ver com inclusividade e se mostrou bem com os vitrais que incluíam Lee. 

"Foi realmente uma tentativa de dizer: 'Esta é a unidade cristã'", disse Anders. "Agora, era totalmente cego ao racismo sistêmico dos anos 50 e 60 que estava montando monumentos confederados".

"Decisões como essas, você reconhece, para uma multidão de pessoas nunca será suficiente e para outra, será uma ponte longe demais", disse Anders.

Anders disse que a imagem de Lee deve ser removida até o final de agosto e pode ser substituída por vidro transparente até que a igreja decida substituir.

Em 2017, a Catedral Nacional de Washington removeu os vitrais em homenagem a Lee e ao colega confederado Stonewall Jackson.

Atualmente há debate sobre se as 10 bases militares dos EUA nomeadas para generais confederados devem ser renomeadas.

O governador Ralph Northam, da Virgínia, anunciou planos para remover uma estátua de Lee na Richmond Avenue Monument, embora um juiz tenha temporariamente bloqueado isso. A remoção é apoiada pelo Rev. Robert W. Lee IV, um descendente do general e um ministro da Cooperative Baptist Fellowship, que cresceu Metodista Unido e estudou na Duke Divinity School.

 

 
*Hodges é um escritor de Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Racismo
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Nascido em Porto Rico, o Rev. Giovanni Arroyo sabe em primeira mão o que é ser uma minoria nos EUA, e essa experiência interfere na maneira como ele persegue sua missão como a principal responsável pela inclusão da Igreja Metodista Unida.
Missão
O Bispo Mande Muyombo fala durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Muyombo foi o orador principal da reunião de 28 de abril a 1º de maio dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja), que foi realizada online. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Os oradores da 55ª Assembleia Geral de Metodistas Negros para a Renovação da Igreja estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, se baseando parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
Racismo
Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa. Foto por Jackie Jackson, Conferência Anual da Carolina do Sul.

Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.