Plano Uma Igreja atrai multidões ao encontro

Other Manual Translations: English 한국어 español

Um comício para o Plano de Uma Igreja atraiu uma multidão que transbordou o local do hotel, na noite anterior à reunião dos delegados da Conferência Geral para iniciar seu trabalho legislativo.

Em meio à multidão agitada, o Rev. Tom Berlin - que apresentou o plano em nome da Comissão Um Caminho a Seguir - pediu calma e cuidado. “Nos próximos dias, na Conferência Geral, precisamos que vocês se posicionem e precisamos que vocês falem. Nós não precisamos que vocês se juntem à afronta Olímpica”, disse Berlim, para um coro de “Améns”. Ele também é um delegado da Conferência da Virgínia. “Nós não precisamos que você acesse o Twitter e use todas as palavras de quatro letras que você conhece. Na verdade, essa é a coisa mais inútil que você pode fazer porque temos que trazer muitos votos de pessoas que estão no limite”.

Berlim e outros oradores do comício repetidamente enfatizaram a importância da construção de relacionamentos entre linhas geográficas e teológicas - não apenas para conquistar votos, mas também para manter a igreja no ministério em conjunto. O grupo de defesa não oficial Uniting Methodists realizou o evento na sala Park View Room, no Hyatt Regency, em  St. Louis – Arch. Segundo o hotel, o espaço acomoda 370 convidados. Uma multidão animada de dezenas de outros fluía para os corredores ao redor.

Muitos usavam bótons vermelhos proclamando apoio ao Plano da Uma Igreja. A legislação, que a maioria dos bispos recomenda, deixaria as decisões de realizar casamentos do mesmo sexo entre clérigos e congregações - e a ordenação de gays para as conferências anuais.

O Plano acrescenta proteções ao clero e aos bispos que, por uma questão de consciência, não podem oficializar tais uniões ou ordenações. O plano também permite que conferências centrais - regiões eclesiásticas na África, Europa e Filipinas - mantenham as proibições atuais.

Para um número de Metodistas Unidos que apoiam a igualdade com os LGBT, o plano estende a discriminação. Para um número de outros Metodistas Unidos, incluindo muitos na  África, o plano viola o mandamento bíblico. A multidão internacional no encontro ouviu de apoiantes que procuravam responder a essas preocupações.

O Rev. Stan Copeland, pastor sênior da Igreja Metodista Unida Lovers Lane em Dallas, falou sobre liderar uma congregação com um número considerável de membros LGBT e imigrantes do Zimbábue.

"A linha de fundo está aqui: acredito que podemos lidar melhor com essas questões na igreja local", disse ele. “Podemos trabalhar nisso porque nos conhecemos, nos amamos, confiamos mais uns nos outros”.

A Rev. Eunice Iliya, capelã hospitalar e delegada da Conferência Geral da Nigéria, abriu seu testemunho citando Romanos 12:16 - “Viva em harmonia uns com os outros. Não seja orgulhoso, mas esteja disposto a se associar com pessoas de baixa posição. Não seja vaidoso”. Ela disse que apoia o Plano Uma Igreja porque a Igreja Metodista Unida fez muito em sua vida. Ela afirma também que fez muitos amigos LGBTQ, incluindo um médico gay que presta assistência médica nas aldeias nigerianas.

Ela disse que seu falecido pai "nunca ficaria feliz" ao ver sua filha clériga fazer parte daqueles que dividiram a denominação. “Eu amo o Plano Uma Igreja porque acredito que nos manterá juntos”, disse ela.

Bill Brownson, o diretor financeiro abertamente homossexual da Conferência da West Ohio e delegado da Conferência Geral, ecoou esse sentimento. Ele disse que trabalhou ao longo dos anos com os Metodistas Unidos que não pensam como ele.

Além de seu trabalho na conferência, ele também faz parte da Junta do Conselho Geral de Finanças e Administração, um grupo com variadas interpretações bíblicas e visões do ministério.

"Juntos, somos melhores em assumir atitudes que precisam ser tomadas", disse ele. “Não ter essa oportunidade seria uma grande perda para a Igreja Metodista Unida. Seria uma perda para mim pessoalmente”.

No começo do dia, Uniting Methodists organizaram um almoço para os delegados da Conferência Geral, onde os organizadores disseram que a presença excedeu os 225 almoços embalados encomendados para o encontro.

Nem todo mundo no comício noturno veio para apoiar o Plano da Uma Igreja. O Rev. Paul Stallsworth, um defensor do Plano Tradicional, chegou para poder reportar no boletim informativo do grupo de advocacia não oficial Lifewatch.

"Esta é uma espécie de disciplina espiritual", disse Stallsworth. “Ao vir a estas conferências, temos que sair da nossa zona de conforto”. Vários apoiadores do Plano de Uma Igreja também estavam saindo de suas zonas de conforto.

Jim Nibbelink, delegado da Conferência do Deserto do Sudoeste, disse que as realidades políticas deixam transparecer que o Plano de Uma Igreja tem mais probabilidade de passar do que o que ele considera o ideal inclusivo. Mas como muitos no evento, falou da importância de manter os ministérios salvíficos que os Metodistas Unidos fazem juntos, especialmente no combate à malária.

Lynne Gilbert, delegada da Conferência da Carolina do Norte Ocidental, disse que também quer que a igreja permaneça unida.

"Eu também quero mudar a linguagem que prejudica os irmãos e irmãs entre nós”.

Hahn é repórter multimédia do United Methodist News Service. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da 
Preocupações Sociais
Pat Luna fala durante um painel de discussão no Instituto de Liderança, realizado na Igreja Metodista Unida da Ressurreição em Leawood, Kansas, de 25 a 27 de setembro. Ela foi acompanhada pelos Revs. Adam Hamilton, Junius B. Dotson, Ginger Gaines-Cirelli e Michael Bowie. O evento deste ano se concentrou em preservar, mas reformar a Igreja Metodista Unida. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Evento anual se torna fórum sobre o futuro da igreja

Os centralistas e progressistas se reuniram no Instituto de Liderança para uma sessão de discussão e estratégia.
Área Geral da Igreja
O Rev. Will Green (centro) lidera o canto de "Jesus Lembre-se de Mim Quando Você Entrar no Seu Reino" na "Estação de Oração Queer" durante a manhã de 23 de fevereiro, na oração da Sessão Especial de 2019 da Conferência Geral Metodista Unida em São Luís. Green atende a uma das nove igrejas da Nova Inglaterra que pretendem deixar a denominação. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

9 igrejas da Nova Inglaterra consideram desfiliação

Nove congregações na Conferência da Nova Inglaterra estão embarcando em um "processo de discernimento" de oito meses para considerar a desfiliação da denominação.
Área Geral da Igreja
Os líderes da igreja se reúnem para a abertura da Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Foto de arquivo de Kathleen Barry, Notícias MU.

O que vem após o prazo final das petições do GC2020

O mais alto órgão legislativo da denominação verá várias opções para o futuro da igreja. Mas a preparação leva meses.