Líderes religiosos ouvem falar de 'terreno perdido' sobre HIV

Translate Page

Pontos chave:

  • A 24ª Conferência Internacional de AIDS foi realizada recentemente em Montreal.
  • Líderes religiosos e outros ouviram como o COVID-19 e a varíola dos macacos estão impedindo o progresso no tratamento do HIV.
  • Pregar sobre a necessidade do teste de HIV e trabalhar para acabar com o estigma associado ao HIV são maneiras pelas quais os líderes religiosos podem ajudar a acabar com a AIDS.

Líderes religiosos e outros na 24ª Conferência Internacional de AIDS ouviram que as novas ameaças à saúde global, como COVID-19 e varíola, estão dificultando o progresso na melhoria da prevenção, tratamento e cuidados do HIV.

A conferência foi realizada de 29 de julho a 2 agosto em Montréal.

As últimas décadas testemunharam um progresso lento e constante na redução do número de pessoas infectadas com HIV e mortes relacionadas à AIDS. Então veio o COVID e a varíola dos macacos.

“Vamos ser claros: perdemos terreno nos últimos dois anos e os mais vulneráveis foram os mais atingidos”, declarou a Dra. Adeeba Kamarulzaman, ex-presidente da International AIDS Society.

Opening prayers at the 24th International AIDS Conference, July 29-Aug. 2 in Montreal, Canada, are led by the Rev. Canon Gideon (right), of Byamugisha, Kampala, Uganda, and the Rev. Dr. Pauline Njiru, Eastern Africa regional coordinator, World Council of Churches, in Nairobi, Kenya. Photo by Don Messer. 

Orações de abertura na 24ª Conferência Internacional de AIDS, 29 de julho a 2 de agosto em Montreal, Canadá, são liderados pelo Rev. Canon Gideon (à direita), de Byamugisha, Kampala, Uganda, e pelo Rev. Dr. Pauline Njiru, coordenador regional da África Oriental, Conselho Mundial de Igrejas, em Nairobi, Quênia. Foto de Don Messer.

 

O Dr. Anthony Fauci, conselheiro médico chefe do presidente Joe Biden, alertou que, com três emergências de saúde globais simultâneas, este “não é o momento de pedir um tempo limite” na luta contra o HIV.

A diretora executiva do UNAIDS, Winnie Byanyima, informou que houve 650.000 mortes relacionadas à AIDS no ano passado – uma vida perdida a cada minuto, apesar do tratamento eficaz do HIV e das ferramentas para prevenir, detectar e tratar infecções. 

“Podemos acabar com a AIDS até 2030”, disse ela, “mas a curva não se dobrará. Temos que derrubá-lo, juntos.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Fauci e palestrantes dos Centros de Controle de Doenças previram um aumento da varíola, e já existem milhares de novas infecções na Europa e na América do Norte entre homens gays e bissexuais. Pessoas imunocomprometidas que vivem com HIV são especialmente vulneráveis a doenças infecciosas como COVID, varíola, tuberculose e malária.

Na conferência, palestrante após palestrante expressou preocupação de que grupos políticos e religiosos conservadores estigmatizassem a varíola de forma experimentada por homens gays no início da pandemia de HIV. Líderes religiosos e outros foram desafiados a não responder com histeria ou homofobia.

O UNAIDS rotulou seu relatório de “Em Perigo” e afirmou que “investimentos e ações insuficientes estão colocando todos nós em perigo”. Cerca de 1,5 milhão de novas infecções por HIV ocorreram em 2021 – mais de 1 milhão a mais do que a meta global.

Especialmente alarmante é que uma adolescente ou jovem adquire HIV a cada dois minutos. Durante os primeiros dois anos do COVID, milhões de meninas não estavam na escola. As meninas sofreram aumento da violência sexual e experimentaram taxas mais altas de gravidez.

O número de pessoas recebendo tratamento para o HIV que salva vidas cresceu mais lentamente nos últimos anos, e milhões de infectados ainda não podem receber medicamentos que salvam vidas. Apenas 52% das crianças que vivem com HIV têm acesso a esse medicamento, em comparação com 76% dos adultos. Essa lacuna aumentou em vez de diminuir durante a crise do COVID.

O COVID interrompeu os testes e o tratamento antirretroviral, pois os bloqueios proibiam a distribuição de medicamentos e impediam as pessoas de verificar seu status de HIV. A escassez global de alimentos impediu algumas pessoas de tomar seus remédios, porque sabem por experiência que os efeitos colaterais são piores com o estômago vazio.

Os participantes da conferência aprenderam que uma maior atenção está sendo dada ao papel do estigma na limitação do progresso científico em direção ao fim da AIDS. Este foi um tópico quando líderes do UNAIDS, do Fundo Global e do Plano de Emergência do Presidente para Alívio da AIDS (PEPFAR) falaram em uma pré-conferência inter-religiosa híbrida de mais de 400 pessoas, de 27 a 28 de julho. 

Os palestrantes enfatizaram que as comunidades religiosas podem ajudar a reduzir o estigma individual e estrutural que inibe as pessoas de serem testadas e tratadas. Uma maneira: sermões defendendo o teste.

Embora os altos funcionários das organizações de Aids estejam pedindo um maior envolvimento da comunidade religiosa, não está claro se as comunidades religiosas estão interessadas. Poucos representantes oficiais das principais denominações americanas compareceram ao evento de Montreal. 

Representantes do UNAIDS e do PEPFAR enfatizaram que suas organizações querem ouvir e responder às comunidades religiosas engajadas nos ministérios da AIDS porque muitas pessoas em todo o mundo estão profundamente envolvidas em suas igrejas, mesquitas, sinagogas e templos.

Em resposta, um jovem adulto do Zimbábue pediu que as organizações governamentais implementassem suas palavras em programas. “Os jovens do meu país”, disse ele, “estão ligados às nossas comunidades de fé desde o dia em que somos batizados até a morte. Para que meu povo seja saudável, é imperativo educar nossos líderes sobre pandemias infecciosas”. 

Ekow Tachie-Mensah, um jovem embaixador cristão de Gana, enfatizou o “papel fundamental que os líderes religiosos desempenham na influência de testes, tratamento e superação do estigma”. The mother of legendary AIDS activist Ryan White, Ms. Jeanne White-Ginder (left), converses with Dr. Bonnie J. Messer (second from right) and Chin Keong Tan at the 24th International AIDS Conference, July 29-Aug. 2 in Montreal. Scientific and medical personnel at the event expressed alarm about the negative impact new global health threats like COVID-19 and monkeypox is having on the progress toward improving HIV prevention, treatment and care. Photo by Don Messer. 

 

A mãe do lendário ativista da AIDS Ryan White, Jeanne White-Ginder (esquerda), conversa com a Dra. Bonnie J. Messer (segunda da direita) e Chin Keong Tan na 24ª Conferência Internacional de AIDS, de 29 de julho a 2 de agosto em Montréal. O pessoal científico e médico do evento expressou alarme sobre o impacto negativo que novas ameaças globais à saúde, como o COVID-19 e a varíola dos macacos, estão tendo no progresso para melhorar a prevenção, o tratamento e os cuidados com o HIV. Foto de Don Messer.

Uma convidada especial na conferência inter-religiosa foi Jeanne White-Ginder, uma ativista da AIDS de Leesburg, Flórida. Ela contou as lutas que ela e seu filho Ryan White enfrentaram na década de 1980, quando ele foi mantido fora de uma escola de Kokomo, Indiana, porque, como hemofílico, recebeu um produto sanguíneo contaminado. Ela lembrou a falta de aceitação que eles encontraram em sua igreja Metodista Unida local naquela época. “Perdi a fé em minha igreja”, observou ela, “mas nunca minha crença em Deus e em Jesus Cristo”. 

Ela relatou como fez amizade com o cantor britânico Elton John e conheceu o amor e a aceitação da comunidade marginalizada de gays e lésbicas.

Um padre católico romano, o padre Maryknoll Richard Bauer, do Instituto de Espiritualidade e Saúde da Universidade George Washington, observou que o sonho de Ryan White ecoa no coração de todas as outras crianças do mundo: “Quero ir à escola”. 

Ainda hoje, as crianças soropositivas enfrentam obstáculos e os adolescentes que vivem com HIV enfrentam uma maior propensão ao suicídio. Bauer enfatizou que “o estigma e a discriminação são pecados; Os cristãos são chamados a abraçar uma teologia da hospitalidade”.

Valeria Rachinska, da  100% Life, Kiev, Ucrânia, pediu ao grupo inter-religioso apoio espiritual e financeiro para as cerca de 250.000 pessoas vivendo com HIV em seu país. 

The Rev. Dr. Donald E. Messer, United Methodist Global AIDS Committee, listens to Valerie Rachynska from Kyiv, Ukraine, describe the wartime conditions of persons living with HIV in Ukraine. Photo courtesy of Don Messer. 

O Rev. Dr. Donald E. Messer, do Comitê Metodista Unido Global de AIDS, ouve Valerie Rachynska de Kyiv, Ucrânia, descrever as condições de guerra das pessoas vivendo com HIV na Ucrânia. Foto cortesia de Don Messer.

Anastasia, uma mulher de 29 anos diagnosticada com HIV apenas duas semanas antes da invasão russa, é ilustrativa. Ela escapou de sua cidade natal e se escondeu em um porão de outra vila por 10 dias, mas teve apenas três dias de medicamento anti-retroviral. De um abrigo temporário em Vinnytsia, ela comentou ansiosamente que “não sei o que vai me matar primeiro: HIV ou bombas”. 

Apesar dos muitos perigos descritos, continua a prevalecer a esperança de que a AIDS possa acabar até 2030 se o estigma for superado e a ciência for observada. Cinco sinais de progresso médico foram destacados. 

Em primeiro lugar, quando tratadas adequadamente com medicamentos anti-retrovirais, as pessoas não podem transmitir o HIV a outras. Fauci enfatizou a campanha U=U, pois as pessoas podem atingir e manter uma carga viral indetectável, não infectando sexualmente outras pessoas. Pessoas testadas e tratadas efetivamente reduzem a propagação do HIV e da AIDS.

Em segundo lugar, no ano passado, 5,5 milhões de crianças nasceram livres do HIV, porque elas e suas mães soropositivas receberam tratamento e medicação adequados. A transmissão vertical de mãe para filho pode ser eliminada. 

Terceiro, embora não exista cura nem vacina para o HIV, tratamentos e vacinas estão disponíveis para varíola e COVID-19. Mas a desigualdade de distribuição impede o progresso.

Quarto, existem novas possibilidades de prevenção com a distribuição global mais ampla de um medicamento oral diário conhecido como PrEP (profilaxia pré-exposição). Medicamentos de marcas populares como Truvada ou Descovy quase eliminam a transmissão do HIV de um parceiro infectado. No horizonte imediato está a possibilidade de que o cabotegravir (CAB-LA), injetado uma vez a cada dois meses, possa eliminar essas pílulas e possivelmente ser mais eficaz. 

Quinto, testes domiciliares eficazes para HIV a um custo acessível de apenas um dólar significam que as pessoas podem se sentir mais seguras em obter um diagnóstico sem estigma da comunidade.  

Francesca Merico, ex-coordenadora da Aliança Ecumênica de Advocacia do Conselho Mundial de Igrejas, sugere que a apatia em relação ao HIV persiste, no entanto, na igreja e na sociedade, encontro inter-religioso nos lembra: “Podemos estar cansados do vírus, mas o vírus não está cansado de nós."

 

* Messer é diretor executivo do Center for Health and Hope (Centro de Saúde e Esperança), Centennial, Colorado, e atua como secretário do Comitê Global de AIDS da Metodista Unida. Contato com a mídia: Julie Dwyer, editora de notícias,  [email protected]  ou 615-742-5469. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Conferência Anual
Cadeiras drapeadas simbolizam que os candidatos da Conferência da Flórida para membros provisórios - um passo importante para a ordenação como presbítero ou diácono - não foram aprovados pela sessão do clero da conferência. A decisão controversa, tomada durante a reunião da conferência em Lakeland, Flórida, ilustrou a divisão denominacional sobre a inclusão LGBTQ. A decisão também alterou o serviço de conclusão de 11 de junho, onde os 16 deveriam ser comissionados. Foto de Esther Rodriguez via Facebook.

Votação da sessão do clero destaca divisão LGBTQ

A controvérsia tomou conta da Conferência Anual da Flórida quando sua sessão do clero votou por pouco para não aprovar o avanço de 16 pessoas, algumas abertamente gays, em seu processo de ordenação clerical.
Conselho Judicial
A Decisão 1444 do Conselho Judicial divulgou em 10 de maio regras sobre a conferência anual dos EUA não poder se separar da Igreja Metodista Unida sob a lei atual da igreja. A decisão e outras decisões recentes do tribunal superior da Igreja Metodista Unida estão afetando a atual temporada da conferência anual. Gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Decisões recentes moldam a temporada da conferência anual

À medida que a temporada da conferência anual dos EUA começa, os órgãos regionais da igreja lidam com decisões do principal tribunal da Igreja Metodista Unida sobre desfiliações.
Saúde Global
Agricultores colhem arroz em Pujehum, no sul de Serra Leoa, em Janeiro. A machamba faz parte da Iniciativa de Agricultura do Bispo Yambasu, nomeada em homenagem ao falecido Bispo John K. Yambasu. Durante a sua reunião de primavera, a Junta dos Ministerios Globais da Metodista Unida aprovou US$ 3,5 milhoes para apoiar o programa dos projectos agrícolas. Foto de arquivo de Phileas Jusu, Noticas da MU.

Mais apoio da igreja para a agricultura Africana

Durante uma reunião virtual dos Ministérios Globais da Metodista Unida, os líderes da igreja votaram para continuar apoiando a Iniciativa da Agricultura do Bispo Yambasu e outras prioridades de longo prazo, tais como a saúde global, resposta a desastres e trabalhadores imigrantes.