Defensores LGBTQ veem esperança para o futuro da igreja

Other Manual Translations: English español

Sarah Hassmer temia que o ministério ordenado não fosse um caminho que ela pudesse seguir na Igreja Metodista Unida.
 
Agora ela vê um espaço para o clero LGBTQ em sua denominação de origem e, neste outono, ela planeja se matricular em um seminário Metodista Unido.

"Eu vejo uma maneira de reduzir o dano", disse ela.
 
Ela estava entre os Metodistas Unidos LGBTQ e seus aliados na convocação da Reconciling Ministries Network (Rede de Ministérios de Reconciliação), que expressaram esperança sobre o fato de que uma proposta para separar a denominação possa abrir caminho para acabar com o que eles vêem como discriminação.
 
convocação para o Connection 2020, que aconteceu de 27 a 29 de fevereiro na Igreja Metodista Unida de Belmont, atraiu cerca de 180 metodistas unidos de todo os Estados Unidos e um pastor do Quênia. A convocação foi um período de adoração, estudo da Bíblia e estratégias para a Conferência Geral de maio e suas consequências.
 
O órgão legislativo internacional da denominação considerará o Protocolo proposto para reconciliação e graça através da separação e outros planos para dividir ou reestruturar a igreja.

Dezesseis líderes teologicamente diversos, trabalhando com o renomado mediador Kenneth Feinberg, desenvolveram o protocolo com a esperança de evitar ações judiciais sobre propriedades que atormentavam outras denominações que se dividiam sobre a homossexualidade.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A legislação permite que congregações e conferências tradicionalistas - que se opõem em bases bíblicas às uniões entre pessoas do mesmo sexo e à ordenação de clérigos gays "praticantes" - formem uma nova denominação, mantendo suas propriedades e recebendo US $ 25 milhões em fundos metodistas unidos. Outros US $ 2 milhões estariam disponíveis para outros grupos de igrejas que possam se separar. 

Jan Lawrence, diretora executivo da Rede de Ministério de Reconciliação, estava entre os negociadores do protocolo. Ela e outros que negociaram o compromisso fazem parte de grupos que frequentemente tomam partido oposto na Conferência Geral, apoiando mais recentemente planos rivais na sessão especial de 2019 da Conferência Geral.

“Acho que a mensagem para as pessoas LGBTQ e seus aliados na igreja é de esperança, porque - e eu disse isso no final da Conferência Geral de 2019 - haverá uma expressão inclusiva do metodismo”, disse Lawrence à Notícias MU. 

"Temos a oportunidade agora de dar grandes passos nessa direção - se não chegar até lá - em 2020".

Durante o fim de semana, os participantes da convocação fizeram uma nota esperançosa. Em cada culto, eles cantaram parte do famoso hino de Charles Wesley: "Nós ainda estamos vivos?" com novas músicas do compositor metodista unido Mark Miller, um dos líderes de adoração do encontro. Eles celebraram a comunhão e reafirmaram seus votos de batismo em um santuário enfeitado com faixas com as cores do arco-íris.
 
Os participantes falaram sobre não apenas seus sonhos por uma igreja mais inclusiva, mas também suas esperanças de acolher pessoas que não desejam deixar a denominação, mas que podem se sentir como refugiados se sua igreja ou conferência se afastar.

O protocolo não força ninguém a sair. "Todos estão convidados", disse Helen Ryde, organizadora regional do sudeste da Rede e delegada da Conferência Geral de 2020.
 
Mas, acrescentou, aqueles que permanecem Metodistas Unidos terão que se sentir confortáveis com uma igreja que não tem mais restrições às pessoas LGBTQ.
 
Embora a legislação do protocolo não remova de imediato as proibições da denominação em casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos homossexuais não-celibatários, exige uma moratória no processamento de reclamações relacionadas a essas restrições enquanto a poeira assenta.
 
Isso é significativo, disse Hassmer, que agora é membro da Conferência Baltimore-Washington. O bispo da conferência, LaTrelle Easterling, foi um dos negociadores do protocolo e já concordou com o pedido do protocolo de manter as queixas em suspenso.
 
Hassmer, que se tornou advogada antes de seguir o caminho do seminário, disse que também pode apreciar o trabalho de mediação.
 
“Todos tiveram que dar algo, o que eu acho que é diferente do que quando grupos teologicamente homogêneos apresentam seus próprios planos, e então você vai à Conferência Geral, onde as delegações se sentam juntas e não precisam conversar com pessoas de outras delegações”, ela disse.
The Rev. Grace Imathiu (left) and Marcia McFee lead opening worship for the Connection 2020 gathering sponsored by Reconciling Ministries Network at Belmont United Methodist Church in Nashville, Tenn. Photo by Mike DuBose, UM News.

A Revda. Grace Imathiu (à esquerda) e Marcia McFee lideram o culto de abertura do encontro Connection 2020 patrocinado pela Rede de Ministérios de Reconciliação na Igreja Metodista Belmont United, em Nashville, Tennessee. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

O protocolo surgiu após a Conferência Geral especial de 2019 ter realizado a votação de 438 contra 384 votos para o Plano Tradicional, que fortaleceu as proibições de clérigos gays não-celibatários e uniões entre pessoas do mesmo sexo. Mas essas proibições enfrentaram crescente resistência durante o ano desde então, lideradas em parte pela Rede de Ministérios de Reconciliação.

 
Desde a Conferência Geral especial de fevereiro passado, os organizadores dizem que a Rede de Ministérios de Reconciliação - fundada em 1984 - teve um rápido crescimento.
 
O grupo de defesa adicionou 7.096 indivíduos, 150 igrejas e 164 comunidades reconciliadoras (que incluem escolas dominicais, ministérios do campus e a Hamline University relacionada aos Metodistas Unidos, em St. Paul, Minnesota).
 
Grande parte do crescimento ocorreu no sul dos Estados Unidos, onde as restrições LGBTQ da denominação já haviam enfrentado pouca reação. Também entre as igrejas que se uniram oficialmente à rede no ano passado, estava a Primeira Igreja Metodista Unida Moheto, no Quênia - a primeira igreja africana a se identificar como reconciliadora.

O Rev. Kennedy Mwita, pastor da igreja, pregou na convocação deste ano. Ele disse que sua igreja começou a jornada para se reconciliar anos atrás, quando a congregação deu as boas-vindas à mãe de uma criança intersex que havia sido expulsa pelo marido. Intersex significa que uma criança nasce com uma anatomia que não se encaixa claramente nas categorias de homem e mulher.

Ele disse à Notícias MU que estava empolgado em conhecer os Metodistas Unidos pessoalmente, com quem apenas havia se conectado anteriormente online. 

"Eu sei que não estou sozinho", disse Mwita.
  
Ele acrescentou que, com a ajuda da Rede, esperava fazer mais conexões com cristãos com ideias semelhantes em todo o continente africano.

Hassmer não espera que a mudança aconteça da noite para o dia. Segundo ela, será necessário mais do que a legislação do protocolo para que a denominação afirme pessoas LGBTQ.

No entanto, ela disse que participar da convocação da rede em 2018 já causou um impacto profundo em seu ministério. No encontro daquele ano, ela ouviu a bispa Karen Oliveto - a primeiro bispa abertamente gay da denominação - pregar.

"Ela serviu a comunhão e falou sobre como era errado as pessoas na Igreja Metodista Unida negar o chamado de pessoas LGBTQ, o que me deu permissão para ouvir Deus", disse Hassmer. 

No encontro deste ano, Hassmer soube que foi admitida no Seminário Teológico Metodista Unido Wesley, em Washington. 

Oliveto também pregou na convocação deste ano.

"Por que continuamos aparecendo e organizando, quando esta igreja continua nos levando às margens?", perguntou Oliveto aos reunidos.

Ela disse que "continua seguindo em frente" porque esta é a igreja de Deus.

“Como parte do corpo de Cristo e como mordomo da igreja de Deus, quero que outros saibam o que isso me ensinou sobre santidade, sagrado, justiça, compaixão e misericórdia”, pregou Oliveto. "Quero que as crianças que vierem depois de mim se encontrem envolvidas no amor de Deus." 


*Hahn é uma repórter multimídia da Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Área Geral da Igreja
O Bispo Kenneth H. Carter profere o sermão e a bênção durante o culto de abertura da Conferência Geral Metodista Unida de 2019, em St. Louis. Foto de arquivo de Kathleen Barry, UM News.

Delegados: use o atraso do GC2020 para obter uma nova visão

Um grupo informal de delegados da Associação Geral está convidando os membros da igreja a usar o adiamento para projetar uma nova visão para a igreja.
Área Geral da Igreja
Os bispos juntam as mãos em oração durante a Conferência Geral da Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Na maioria dos casos, os bispos que planificavam aposentar-se este ano ou no início do próximo ano ficam até a realização de novas eleições para os bispos. Foto de arquivo de Kathleen Barry, UM News.

Atraso nas eleições prejudica os planos dos bispos

Com a eleição de novos bispos adiada para 2021 e 2022, os aposentados estão fazendo planos para o interino.
Área Geral da Igreja
Os delegados dão as mãos e oram em 23 de fevereiro de 2019, no plenário de abertura da sessão extraordinária da Conferência Geral realizada em St. Louis. Foto de arquivo de Paul Jeffrey, Notícias MU.

Perguntas e Respostas: O que significa o atraso para a Conferência Geral

Os organizadores respondem a perguntas sobre o que o adiamento para 2021 significa para a assembléia legislativa da Igreja Metodista Unida.