Planos de plena comunhão com os Episcopais permanecem em espera

Translate Page

El obispo metodista unido Gregory Palmer, a la derecha, y el obispo presidente de La Iglesia Episcopal, Michael Curry, discuten la comunión plena entre las dos denominaciones en 2019. El acuerdo propuesto está suspendido por ahora después del aplazamiento de la Conferencia General Metodista Unida para 2024. Captura de pantalla del archivo del video cortesía del Concilio de Obispos/as de La Iglesia Metodista Unida.

O Bispo Metodista Unido Gregory Palmer (à direita) e o bispo presidente da Igreja Episcopal, Michael Curry, discutem a plena comunhão entre as duas denominações em 2019. O acordo proposto está suspenso por enquanto após o adiamento da Conferência Geral Metodista Unida para 2024. Captura de tela do arquivo do vídeo cortesia do Conselho de Bispos da Igreja Metodista Unida.


Pontos chave:

  • O adiamento da Conferência Geral significa um atraso na votação sobre a plena comunhão entre Metodistas Unidos e Episcopais. 
  • A Igreja Episcopal planeja esperar uma votação até que os Metodistas Unidos tenham a primeira chance.
  • Uma preocupação entre os episcopais é onde a futura Igreja Metodista Unida se posicionará sobre a inclusão LGBTQ. 

O terceiro adiamento da assembleia legislativa da Igreja Metodista Unida não só interrompeu os planos para uma separação denominacional formal, mas também para um acordo interdenominacional. 

Com tanta incerteza dentro do rebanho Metodista Unido, uma proposta de parceria de comunhão plena entre a denominação e a Igreja Episcopal permanece em espera.

A Igreja Episcopal não tem planos de votar a plena comunhão quando se reunir para sua Convenção Geral em julho em Baltimore. 

Em vez disso, os episcopais estão considerando uma resolução que elogia o trabalho em andamento do Comitê de Diálogo Metodista Unida da Igreja Episcopal e sua proposta de plena comunhão, “Um presente para o mundo: colaboradores para a cura do quebrantamento”.

Os líderes ecumênicos de ambas as denominações concordam: os Metodistas Unidos devem ser os primeiros a votar na própria proposta.

“Foi considerado apropriado que a direção futura da IMU fosse esclarecida e, portanto, sua atitude em relação ao acordo de comunhão plena fosse decidida antes de ser votada pela Convenção Geral da Igreja Episcopal”, disse David N. Field, oficial da equipe ecumênica para o Conselho Metodista Unido de Bispos. 

Field acrescentou que partes significativas da Igreja Episcopal não apoiariam a comunhão plena se as proibições dos Metodistas Unidos de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos gays “praticantes confessos” permanecerem em vigor. 

Trabalhar para a plena comunhão

A proposta de comunhão plena, “Um presente para o mundo: Colaboradores para a cura do quebrantamento”, foi apresentada como legislação da Conferência Geral. Está nas páginas 834-841 do Advance Daily Christian Advocate.

Em um vídeo gravado em 2019, o Bispo Metodista Unido Gregory V. Palmer (co-presidente do comitê de diálogo e líder da Conferência de West Ohio) conversou com o bispo presidente da Igreja Episcopal, Michael Curry, sobre a relação entre as duas denominações.

As duas denominações também têm um Acordo de Partilha Eucarística Provisório que incentiva as celebrações conjuntas da Ceia do Senhor.

O crescente debate e o desafio a essas proibições levaram a várias submissões à próxima Conferência Geral para algum tipo de separação. Mas com a principal assembleia legislativa da Igreja Metodista Unida agora adiada para 2024 , um grupo teologicamente conservador que procura manter essas restrições decidiu não esperar pela ação da Conferência Geral. O grupo adiantou a data de lançamento de uma denominação separatista, a Igreja Metodista Global, para 1º de maio. 

O que vier a seguir levará algum tempo para ser agitado. A Igreja Metodista Unida tem um método para a maioria das coisas, incluindo desfiliações.

O adiamento da Conferência Geral também atrasou a consideração do Pacto de Natal proposto –  legislação que daria mais autonomia a diferentes regiões da Igreja Metodista Unida e potencialmente deixaria questões relacionadas ao ministério LGBTQ para cada região. 

Resta saber como será a Igreja Metodista Unida nos próximos anos. 

Field observou que caberá à Igreja Metodista Global desenvolver suas próprias relações ecumênicas de acordo com seus ensinamentos.  

A Revda. Margaret Rose, delegada para relações ecumênicas e inter-religiosas da Igreja Episcopal, disse ao Serviço de Notícias Episcopal  que qualquer plano para a comunhão plena seria com a parte da Igreja Metodista Unida que é de afirmação LGBTQ. Por enquanto, ela vê a resolução da Igreja Episcopal submetida à Conferência Geral deste verão como uma garantia para os Metodistas Unidos “que queremos continuar na luta pela justiça com vocês”.

Tal como está, a proposta de plena comunhão entre episcopais e metodistas unidos não faz menção à inclusão LGBTQ. O documento se descreve como “um esforço para trazer nossas igrejas para uma parceria mais próxima na missão e testemunhar o amor de Deus e, assim, trabalhar juntos para a cura das divisões entre os cristãos e para o bem-estar de todos”.

A comunhão plena não é uma fusão onde as denominações se tornam uma, como aconteceu quando a Igreja Metodista Unida foi formada em 1968.

Em vez disso, a plena comunhão significa que cada igreja reconhece a outra como parceira na fé cristã, reconhece a validade do batismo e da Eucaristia de cada uma e se compromete a trabalhar juntas no ministério. Tal acordo também significa que os Episcopais e os Metodistas Unidos podem compartilhar o clero.

A Igreja Metodista Unida já tem acordos de comunhão plena com a Igreja Evangélica Luterana na América, a Igreja Unida na Suécia, cinco  denominações historicamente Pan-Metodistas Negras e a Igreja Morávia na América do Norte. Cada um desses parceiros de comunhão plena tem vários ensinamentos relacionados à homossexualidade.

O diálogo Metodista-Episcopal Unido, que data de 2002, visa reunir duas igrejas com laços históricos com a Igreja da Inglaterra de John Wesley.

Um acordo de comunhão plena entre os dois também completaria uma espécie de quadrilátero ecumênico. Como os Metodistas Unidos, os Episcopais já têm plena comunhão com os Luteranos e Morávios. A única linha que falta neste quadrilátero da igreja está entre as duas denominações com indiscutivelmente a herança mais compartilhada.

As duas igrejas devem sua separação menos às diferenças teológicas do que à ruptura da Revolução Americana.

John Wesley permaneceu um padre da Igreja da Inglaterra até o fim de seus dias. Mas no rescaldo da guerra, ele deu o importante passo de nomear líderes do clero para servir na nova nação, assim como muitos padres da Igreja da Inglaterra nos EUA estavam indo para a Grã-Bretanha. Os esforços de Wesley levaram ao nascimento em 1784 de uma nova denominação nos Estados Unidos que eventualmente se tornaria a Igreja Metodista Unida, com quase 13 milhões de membros em quatro continentes.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A Igreja Episcopal, que mantém seus laços estreitos com a Igreja da Inglaterra, começou oficialmente nos EUA cinco anos depois. Hoje, a Igreja Episcopal tem cerca de 1,8 milhão de membros – principalmente nos Estados Unidos, mas também no Caribe e em partes da América Latina.

Neste ponto, não há um cronograma definido para quando os líderes ecumênicos de cada denominação esperam ver a plena comunhão finalmente aprovada. A Conferência Geral da Igreja Episcopal normalmente se reúne a cada três anos e a Conferência Geral Metodista Unida normalmente se reúne a cada quatro. A pandemia do COVID-19 alterou os agendamentos das duas grandes reuniões.

O Conselho Metodista Unido de Bispos apresentou a proposta de acordo de comunhão plena à próxima Conferência Geral, então agendada para 2020. Qual será a legislação antes da Conferência Geral adiada, agora marcada para 2024, permanece incerta. 

Os organizadores da Conferência Geral esperam pedir ao Conselho Judicial, o principal tribunal da Igreja Metodista Unida, esclarecimentos sobre o que pode ser transferido, uma  vez que a comissão considera isso um adiamento em vez de uma nova assembleia. 

Uma questão é se o processo de submissão legislativa recomeça completamente ou se os organizadores da Conferência Geral precisam apenas aceitar submissões adicionais que cumpram os novos prazos. Outra é se os delegados eleitos para a Conferência Geral de 2020 podem servir em 2024.

Mas mesmo em meio à incerteza, o ministério continua. Isso inclui oportunidades para os Metodistas Unidos e Episcopais cooperarem mais plenamente no serviço a Deus e ao próximo.

“Nós encorajamos as congregações locais da IMU e as conferências anuais a continuarem a desenvolver e aprofundar relacionamentos com suas contrapartes episcopais neste ínterim”, disse Field. 

“Estamos planejando continuar nossas discussões de diálogo com nossos colegas episcopais para aprofundar nossos relacionamentos e planejar o futuro entre agora e a CG2024.”

 

*Hahn é um repórter multimídia do Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

Área Geral da Igreja
O Conselho Geral de Finanças e Administração, em sua reunião on-line de 19 de agosto, designou como usar o produto da venda da sede da agência em Nashville, Tennessee. Os membros da equipe da agência estão se mudando para o Edifício Harry Denman, nas proximidades, que também abriga os Ministérios de Discipulado e a Junta Metodista Unida de Educação Superior e Ministério. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Lidando com notícias diversas sobre doações e saídas da igreja

Os membros do conselho da agência financeira da Igreja Metodista Unida discutiram o impacto potencial das crescentes desfiliações da igreja, enquanto comemoravam um aumento nas contribuições e da venda de edifícios por algumas agências.
Área Geral da Igreja
Cerca de 300 delegados das 10 regiões eclesiásticas da Igreja Metodista do Brasil, reuniram-se no Conselho Geral para discutir a vida e missão das igrejas e elegeram as autoridades episcopais para o próximo período. Ilustração Rev. Gustavo Vasquez, MU News.

Igreja Metodista do Brasil discute sobre meio ambiente, antirracismo e relações com a IMU

O 21º Concílio Geral da Igreja Metodista do Brasil discutiu a vida e a missão da igreja, bem como a renovação da liderança episcopal. As ligações com a Igreja Metodista Unida também foram avaliadas, dadas as mudanças que a próxima Conferência Geral de 2024 poderia trazer.
Conselho Judicial
Os bispos metodistas unidos processam o culto de abertura da Conferência Geral especial de 2019 em St. Louis. O Conselho Judicial, o principal tribunal da Igreja Metodista Unida, divulgou um memorando que esclarece uma decisão anterior sobre as eleições de bispos. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Tribunal da Igreja modifica decisão sobre eleições de bispos

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida estabeleceu o dia 1º de janeiro de 2023 como a data em que os bispos dos EUA que enfrentam a aposentadoria compulsória devem deixar o cargo, e seus sucessores recém-eleitos tomarem posse.