A clériga que também é enfermeira na linha de frente da COVID-19

Other Manual Translations: English español

A Revda. Diane Dyson não usa colarinho clerical. Se ela o fizesse, ninguém iria vê-lo hoje em dia por causa de tudo o que ela veste.

Suas roupas de trabalho para turnos de mais de 12 horas incluem uma máscara N95máscara facial, boné protetor, luvas e vestido longo.

"Não quero me queixar, mas está quente e pesado", disse Dyson. "É bom sair no final do dia e tomar um pouco de ar fresco".

Dyson é uma diaconisa metodista unida e enfermeira registrada que, desde meados de março, cuida de pacientes com COVID-19 no Hunterdon Medical Center, em Flemington, Nova Jersey.
Pessoas muito além do hospital estão cientes de seu trabalho, incluindo o bispo da Conferência Greater New Jersey, John Schol.  

"Diane é o tipo de pessoa que arregaça as mangas e faz o que for preciso para servir as pessoas", disse Schol. "Somos abençoados pelo ministério de Diane e por todas as pessoas que realmente estiveram na linha de frente."

O maior fã de Dyson - e o mais preocupado - é o marido.

"Você pode ver o medo e a tristeza", disse o Rev. Drew Dyson, um ancião metodista unido, ex-superintendente distrital e atual diretor executivo do Centro de Recursos Sênior de Princeton (NJ). "A profundidade dos cuidados que ela tem com seus pacientes também tem um custo emocional."

The Revs. Drew Dyson and Diane Dyson are a United Methodist clergy couple in the Greater New Jersey Conference. She’s a deacon whose main work is as a hospital nurse, and she’s lately been treating COVID-19 patients. He’s an elder who currently serves as executive director of a seniors’ resource center. Photo courtesy of Drew Dyson.

Os Revs. Drew Dyson e Diane Dyson são um casal de clérigos Metodistas Unidos na Conferência da Grande Nova Jersey. Ela é diaconisa cujo trabalho principal é enfermeira de hospital e, ultimamente, está tratando pacientes com COVID-19. Ele é um ancião que atualmente atua como diretor executivo de um centro de recursos para idosos. Foto cedida por Drew Dyson.

Os diáconos são uma ordem do clero na Igreja Metodista Unida, ordenada para um ministério da palavra, serviço, compaixão e justiça. Muitos servem além da igreja local, e alguns tiveram um papel direto na resposta à pandemia de coronavírus.

O reverendo Chris Barbieri, por exemplo, é capelão no Floyd Medical Center, em Roma, na Geórgia, e ministra às famílias dos pacientes com COVID-19 e aos funcionários do hospital. 
O Rev. Ken Kalungi, da Conferência Uganda-Sul, trabalha com a organização sem fins lucrativos Harper Hill Global para traduzir em uma variedade de mensagens em idiomas africanos sobre lavagem de mãos, uso de máscaras e outras medidas de prevenção.

Na Autoridade de Saúde do Oregon, a Revda. Danna Drum tem respondido recentemente ao COVID-19, servindo de ligação com autoridades locais de saúde pública, tribos indígenas reconhecidas pelo governo federal e instalações de cuidados de longo prazo.

"A pandemia apenas torna mais visível as muitas questões de equidade e justiça que existem no mundo", disse Drum.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Os papéis de um Diácono são abundantes, mas Diane Dyson é excepcional, possivelmente única, como alguém que cuida diretamente de pessoas mortalmente doentes com o coronavírus.

Ela começou como enfermeira em 1985 e seu marido observa que ela se ofereceu para cuidar de pacientes com AIDS quando a epidemia estava causando tanto medo e exclusão.

Bem em sua carreira de enfermagem, Dyson sentiu um chamado ao ministério como diaconisa e frequentou a Drew Theological School, recebendo um diploma de Metres em Divindade. Ela estudou para se tornar capelã, mas concluiu que seu verdadeiro chamado era como diaconisa e enfermeira.

Ao longo dos anos, ela serviu às igrejas locais como pastora associada, enquanto trabalhava em período integral na enfermagem.

"Acho que o histórico de diaconisa sempre me ajudou", disse Dyson. "Isso me ajudou a olhar as pessoas de forma mais holística, e eu gostaria de pensar que me ajudou a ser mais paciente e uma ouvinte melhor".

Dyson estava trabalhando em uma unidade no Hunterdon Medical Center quando o coronavírus tomou conta em Nova Jersey. 

Apoio aos profissionais de saúde

The Revs. Drew Dyson and Diane Dyson with their children (left to right), Timothy, Jeremy, William, and Allison. Photo courtesy of Drew Dyson.

Os Revs. Drew Dyson e Diane Dyson com seus filhos (da esquerda), Timothy, Jeremy, Allison e William. Foto cedida por Drew Dyson.

Muitos governos e comunidades encontraram maneiras de saudar os profissionais de saúde durante a pandemia do COVID-19. Indivíduos e famílias que desejam oferecer apoio podem encontrar algumas ideias práticas aqui .

O Conselho Metodista Unido de Ensino Superior e Ministério fornece informações básicas sobre o caminho para se tornar um diácono na denominação.
Os Ministérios de Discipulado, outra agência denominacional, oferecem certificação em enfermagem paroquial.

Depois de Nova York, Nova Jersey teve o maior número de casos de coronavírus nos EUA. O Condado de Hunterdon é um dos municípios menos populosos de Nova Jersey, mas ainda viu, na semana passada, 729 casos e 47 mortes.

O hospital de Dyson começou a receber pacientes com COVID-19 na UTI há dois meses. O hospital criou uma área separada para outros pacientes, que é onde Dyson agora trabalha.
Ela cuida de pessoas tão doentes que elas não conseguem respirar por conta própria e são transferidas para a UTI e colocadas em um respirador. Ela também teve pacientes sendo tirados de um respirador.

Entre seus pacientes com COVID-19 havia um casal. O marido recebeu alta, mas logo foi descoberto morto em casa por um vizinho, com coágulos sanguíneos como uma possível causa. Enquanto isso, a esposa ainda estava no hospital, lutando contra o coronavírus.

"Tentar apoiar pessoas que estão tão doentes e que acabaram de perder alguém - isso é muito difícil", disse Dyson.

Com o risco de infecção impedindo quase todas as visitas da família ao hospital, ela e outras enfermeiras têm sido canais cruciais de informação e conexão.

"Estamos conversando com a família e fazemos FaceTimes com a família em nossos telefones, para que eles possam ver seus entes queridos", disse Dyson. “O hospital permitiu que as pessoas viessem em uma situação de final de vida, para que pudessem se despedir. É difícil. Eu sei que nem todos os hospitais permitem isso."

Drew Dyson postou no Facebook um tributo em prosa à sua esposa que começa e termina com “Eu assisti meu herói chorar hoje à noite”, e mostra em detalhes o impacto emocional que a pandemia causou nela.

"Esta é uma profundidade de sofrimento que ela não experimentou durante todo o seu tempo como enfermeira, e é enfermeira há mais de 30 anos", disse ele por telefone.
Os Dysons compartilham o medo de que ela possa pegar o coronavírus e espalhá-lo, inclusive para membros da família. Eles têm três filhos em idade universitária em casa agora, e o risco aumenta porque um deles tem um emprego para registrar pacientes de pronto-socorro no Hunterdon Medical Center.
Portanto, os protocolos de segurança continuam em casa.

"No início, estabelecemos uma rotina em que você se despe na garagem, deixa suas roupas e uniformes sujos e vai direto para o banho", disse Diane Dyson. "Drew e eu estávamos dormindo em quartos separados, apenas tentando jogar pelo seguro."

O Hunterdon Medical Center deu alta com sucesso a muitos pacientes com COVID-19 e seu número passou de 45 há um mês para bem menos da metade disso.
Combinado com esta boa tendência, está o apoio que Dyson sentiu dos membros da comunidade e dos Metodistas Unidos.

Pacotes de cuidados foram enviados a ela e a seus colegas das tropas de escoteiras. Restaurantes locais trazem refeições.

"Oh, meu Deus, as cartas", disse Dyson. "Uma igreja em particular, onde Drew era pastora de jovens e pastora associada quando nossos filhos eram pequenos - eu recebi um monte de cartões deles". 

Drew Dyson se preocupa com o estresse acumulado dos profissionais de saúde na pandemia. Diane Dyson é dona de sua parcela de medo e tristeza desde março.
Mas ela continuou a sentir gratidão por ser diaconisa e enfermeira.

“Essa é a grande coisa dos diáconos. Você pode estar no mundo cumprindo o chamado que Deus colocou em seu coração.”

 

*Hodges é um escritor de Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Igreja Local
Linda Dobbyn, paroquiana da Primeira Igreja Metodista Unida de Vincennes, em Vincennes, Indiana, usa um novo serviço chamado Sermão por Telefone para ouvir um sermão do Rev. Matt Swisher intitulado “Liderando por Servir”. Foto de Richard Dobbyn.

Igrejas avaliam opções para alcançar idosos

Em algumas igrejas pequenas ou rurais, o correio tradicional e os telefones ainda desempenham um papel importante para manter o contato com os membros da congregação.
Missão
Irmão José Lunda explicando à uma anciã da Aldeia do Mbango sobre COVID-19 e sobre o que deve fazer para prevenir-se dela. Foto de João Nhanga.

Metodistas Unidos e o estado angolano lutam pela mesma causa

Em meio ao caos, mortes, fome e a busca de bens essenciais de primeira necessidade, do confinamento e da grande crise económica mundial, a Igreja e o Estado angolano (Ministério da Saúde) formam mais de 40 facilitadores voluntários, dentre jovens, líderes comunitários e tradicionais, leigos, pastores e professores da Faculdade de Teologia do Quéssua, sobre a matéria de prevenção para servirem à populações mais vulneráveis durante a pandemia de COVID-19.
Igreja Local
Américo Nhassengo à esquerda e Valmi Isaías à direita, demarcando o pátio da paróquia da Beira. Foto de Eurico Gustavo.

No norte de Save, igreja alegremente prepara-se para a retoma dos cultos

As medidas de relaxamento que incluirão a retoma dos cultos trazem esperança a milhares de fiéis da Metodista Unida no Norte do Save, que se encontram fisicamente distanciados desde março.