Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Translate Page
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.  
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Pontos chave: 

  • O Rev. Giovanni Arroyo passou de pregador prodígio a executivo principal da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça.
  • Arroyo está determinado a evitar o tokenismo como substituto do progresso racial.
  • Um amigo e colega disse que Arroyo é habilidoso em navegar em subculturas.

O Rev. Giovanni Arroyo coloca uma questão difícil para os Metodistas Unidos brancos que dizem que querem o fim do racismo.

Você quer justiça racial o suficiente para renunciar voluntariamente a parte de seu poder? Mesmo aqueles que dizem “sim” a isso tendem a fazer essas mudanças de maneiras que não mudam realmente as coisas, disse Arroyo, alto executivo da United Methodist Commission on Religion and Race (Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça) desde o dia 31 de agosto.

“A igreja tem todos esses comitês”, disse Arroyo. “Eles olham em volta para ver quem está faltando, o que é uma ótima pergunta que devemos fazer.”

Mas a tendência é adicionar uma cadeira à mesa existente para a representação minoritária, em vez de ter um dos membros atuais do comitê renunciando.

“Enquanto continuarmos adicionando uma cadeira, a dinâmica do poder ainda não muda”, disse Arroyo, a primeira pessoa latina a liderar uma agência geral Metodista Unida. “Quando as pessoas estão dispostas a abrir mão desse lugar e conseguir outra pessoa, então você começa a mudar esse poder e permite novas maneiras de ser. Para mim, esse é um desafio para a igreja, e esse é o desafio da diversidade e da inclusão”.

Arroyo sabe em primeira mão sobre como é ser um “outro”. Natural de Porto Rico, chegou aos EUA ainda menino. Sua família frequentou a Igreja Metodista Unida Knickerbocker no Brooklyn, Nova York, onde ele sentiu pela primeira vez um chamado para o ministério.

“Meus pais eram presbiterianos, mas não conseguimos encontrar uma igreja presbiteriana de língua espanhola no Brooklyn”, disse ele. “Minha tia… encontrou uma igreja de língua espanhola no Brooklyn, e Knickerbocker foi um lugar que me nutriu. Foi lá que a comunidade abraçou minha família, e eles realmente se importaram com o discipulado que proporcionou uma missão profunda de quem Deus é naquele tempo.”

Aos 10 anos, Arroyo estava “brincando de igreja” na sala de estar do apartamento da família, levando outras 16 a 20 crianças ao culto.

“Aos 12 anos, preguei meu primeiro sermão na Church for All Nations (Igreja para Todas as Nações) em Manhattan”, disse ele. “E então comecei a pregar na minha igreja local e a pregar para o distrito.”

Arroyo era estudante de medicina e estudou psicologia na faculdade. Ele obteve graus avançados em saúde mental clínica, gestão e divindade.  

Antes de se comprometer com o ministério, Arroyo foi pesquisador no City College (Universidade Pública) de Nova York, estudando linguagem e psicologia. Ele pesquisou violência e abuso infantil, dependência de drogas em adultos jovens e ensinou inglês como segunda língua.

“Gio é bilíngue, provavelmente trilíngue”, disse o reverendo Stephen Handy, pastor da Igreja Metodista Unida McKendree em Nashville, Tennessee. “Isso o ajuda a navegar pelas subculturas.”

Handy conheceu Arroyo em seu papel como membro do conselho de Religião e Raça.

“Ele aprecia a diferença – diferença de linguagem, diferença de costumes, práticas e padrões. Ele encontra uma maneira de se alinhar e integrar o valor da cultura e das perspectivas de outras pessoas em seu trabalho.”

Depois de iniciar sua carreira como pastor em 2001 em Connecticut, Arroyo foi chamado ao serviço após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, aconselhando parentes enlutados de vítimas no Hospital Bellevue, em Nova York. Ele deixou a Conferência de Nova York por empréstimo para a Conferência Baltimore-Washington em 2004 para servir como pastor de duas congregações hispânicas e ocupar outros cargos de liderança. 

Em 2010, Arroyo foi contratado como líder de equipe para ministérios de programas em Religião e Raça, responsável pela programação e recursos.

Desde que foi nomeado para o cargo principal da agência em 2021, Arroyo continuou a política de tornar o GCORR menos centrado nos EUA.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

“Em 2012, as atividades se expandiram para a igreja mundial, mas nosso orçamento foi reduzido”, disse ele. 

O orçamento da agência foi reduzido de cerca de US$ 7,7 milhões para US$ 7,4 milhões para o quadriênio 2013-2016. 

“Há mais necessidade com menos recursos; mais demanda, mas não oferta suficiente”, disse Arroyo. “Essa é a realidade de onde vivemos.”

Historicamente, a agência gerava seus materiais educacionais nos EUA e os disponibilizava para metodistas que moram em outros lugares.

“Esses recursos eram muito focados nos EUA”, disse ele, “e por isso convidei irmãos das conferências centrais para contribuir com o desenvolvimento de recursos”.

Os Metodistas Unidos Africanos têm um recurso do ato de Pentecostes sendo finalizado para o GCORR, e será oferecido às igrejas dos EUA, disse ele.

“Nós realmente tivemos que ser intencionais sobre nossas conferências centrais e a natureza mundial deste trabalho”, disse Arroyo. “Como é isso quando olhamos para a realidade contextual na África do Sul, nas Filipinas ou na Europa?”

Arroyo disse que ainda tem muitas perguntas a responder sobre o futuro da agência, incluindo:

  • “Como levamos recursos do GCORR para as igrejas de forma mais eficiente?”
  • “Como respondemos à realidade das igrejas brancas que querem fazer isso funcionar, mas não sabem como fazê-lo?”
  • “Como continuamos a oferecer espaços para treinamento e consultoria, mas ainda lideramos a igreja nas conversas?”
  • “Qual é a nossa estratégia com as conferências centrais?” 

“Quando olhamos para a realidade de quem somos como Metodistas Unidos, a denominação não reflete nossa sociedade”, disse Arroyo. “Temos uma família muito, muito branca. … As igrejas estão em lugares que às vezes não refletem a comunidade que servimos.”

Para mudar isso, Arroyo está cultivando a agilidade entre sua equipe.

“Eu disse à equipe: 'Neste momento, estamos no terminal do aeroporto tentando imprimir cartões de embarque para que possamos entrar no avião e descobrir onde nos sentamos'”, disse Arroyo. 

“Esta é a nossa abordagem da Southwest Airlines, na qual você quer ser muito claro sobre o papel que desempenhará e como cada um desenvolverá os conjuntos de habilidades uns dos outros”.

*Patterson é repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected].


Gostou do que está lendo? Apoie o ministério da Notícias MU! Seu apoio garante que as últimas notícias denominacionais, histórias dinâmicas e artigos informativos continuem a conectar nossa comunidade global. Faça uma doação dedutível de impostos em ResourceUMC.org/GiveUMCom.

Missão
O Bispo Mande Muyombo fala durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Muyombo foi o orador principal da reunião de 28 de abril a 1º de maio dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja), que foi realizada online. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Os oradores da 55ª Assembleia Geral de Metodistas Negros para a Renovação da Igreja estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, se baseando parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
Racismo
Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa. Foto por Jackie Jackson, Conferência Anual da Carolina do Sul.

Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.
Preocupações Sociais
Robin Rue Simmons fala à congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Evanston, Illinois, sobre o impacto da iniciativa da cidade de fazer reparações pela escravidão e discriminação racial. Simmons é diretor executivo da FirstRepair, uma organização sem fins lucrativos local, e é considerado o arquiteto do programa de reparações da cidade. A igreja apresentou um cheque de $ 50.000 para a Evanston Community Foundation (Fundação Comunitária Evanston) em apoio ao grupo Reparations Stakeholders Authority of Evanston (Autoridade das Partes Interessadas de Reparações de Evanston). Foto de SE Brick.

Igreja de maioria branca doa para fundo de reparações

Membros de uma igreja Metodista Unida em Evanston, Illinois, doaram US$ 50.000 para um fundo que será usado para compensar cidadãos negros descendentes de ex-escravos.