Evento anual se torna fórum sobre o futuro da igreja

Other Manual Translations: English 한국어 español

Um típico Instituto de Liderança da Igreja Metodista Unida da Ressurreição oferece conselhos aos líderes de várias denominações para aumentar suas congregações em tamanho e trabalho missionário.

Não esse ano.
 
Com a Igreja Metodista Unida ativamente lidando com a possibilidade de um rompimento, devido a divisões de longa data sobre a homossexualidade, o Leadership Institute 2019 se transformou em um fórum de centristas e progressistas para discussão e estratégia sobre o futuro da denominação.

"É sobre: quem somos e quem esperamos ser?", disse o reverendo Adam Hamilton, pastor sênior da Igreja da Ressurreição, a maior igreja americana da denominação. 

O discurso do Rev. Junius B. Dotson incluiu videoclipes destacando os movimentos da denominação em direção à integração e aceitação das mulheres como clérigos e ressaltando que a formação de 1968 da Igreja Metodista Unida ocorreu em uma era tumultuada da história dos EUA .
 
Dotson disse que muitos nas gerações passadas mantiveram - mas também se esforçaram para mudar - a Igreja Metodista Unida e seus órgãos predecessores. Ele convidou a multidão que compareceu ao 21º encontro anual do Instituto de Liderança para fazer o mesmo.
 
“Recuso-me a perder a fé em nosso futuro porque vi nosso passado. Precisamos apenas aprender com isso e enfrentar nossos pontos cegos históricos”, disse Dotson, alto executivo do Conselho Metodista Unido de Discipulado.
 
Cerca de 2.500 Metodistas Unidos participaram do evento de 25 a 27 de setembro em Leawood, Kansas, perto de Kansas City. A multidão incluía líderes de agências da igreja, vários bispos dos EUA, grandes pastores e delegados da Igreja na Conferência Geral 2020 de todo o país.

O ensino sobre liderança da igreja ainda continuou, principalmente nas sessões pré-institucionais de 25 de setembro. Jennifer Della'Zanna sorriu depois de assistir a uma sessão intitulada “Igreja Única: Fortalecendo Sua Cultura para o Crescimento Real da Igreja”.

“Acabei de mandar uma mensagem para o meu pastor. Eu disse: 'Acho que há um ano de sermões nisso' ”, disse Della'Zanna, líder leiga da Igreja Metodista Unida Linden-Linthicum, em Clarksville, Maryland. 

Mas mesmo as instruções de liderança assumiram um ar de gerenciamento de crises.

"Todo mundo está perguntando alguma versão da mesma pergunta, ou seja, 'O que vai acontecer e como lidero minha igreja no meio disso?' ", disse o Rev. Matt Miofsky, pastor da igreja The Gathering, em St. Louis.

O orador mais conhecido do instituto foi David Brooks, colunista do New York Times e autor de best-sellers, que trouxe uma palavra sobre as dificuldades do Metodismo Unido.

"Tudo o que posso fazer é fornecer a perspectiva de alguém de fora e dizer que você não está sozinho", disse Brooks. "A dor, a tensão e o impulso de separação que estão na Igreja Metodista estão em muitas organizações".

 

J.J. Warren speaks at the Sept. 25-27 Leadership Institute, held at the United Methodist Church of the Resurrection in Leawood, Kansas. Warren is an openly gay man who spoke at General Conference 2019 of his evangelism work LGBTQ college students. Joining him for a panel on LGBTQ inclusion in The United Methodist Church were Randall Miller and Jan Lawrence of Reconciling Ministries Network. Photo by Sam Hodges, UM News.

J.J. Warren habla durante el Instituto de Liderazgo del 25 al 27 de septiembre, celebrado en la Iglesia Metodista Unida de la Resurrección en Leawood, Kansas. Warren es un hombre abiertamente gay que habló en la Conferencia General de 2019, sobre su trabajo de evangelismo con estudiantes universitarios/as LGBTQ. Junto a él, en el panel sobre la inclusión LGBTQ en La Iglesia Metodista Unida, estaban Randall Miller y Jan Lawrence de la Red de Ministerios de Reconciliación. Foto por Sam Hodges, Noticias MU. 

Legenda: JJ Warren fala no Instituto de Liderança de 25 a 27 de setembro, realizado na Igreja Metodista Unida da Ressurreição em Leawood, Kansas. Warren é um homem abertamente gay que falou na Conferência Geral de 2019 sobre seu trabalho de evangelismo com estudantes LGBTQ. Juntando-se a ele para um painel sobre a inclusão de LGBTQ na Igreja Metodista Unida, estavam Randall Miller e Jan Lawrence, da Reconciling Ministries Network (Rede de Ministérios de Reconciliação). Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

O evento precipitante deste Instituto de Liderança especial foi a Conferência Geral de 2019, realizada em fevereiro em St. Louis, para abordar a divisão ameaçadora de cisma sobre a homossexualidade.

A maioria dos bispos, assim como Hamilton e muitos outros líderes de igrejas dos EUA, apoiaram o Plano Uma Igreja. Ele teria removido o ensino oficial da igreja de que a homossexualidade é "incompatível com o ensino cristão", e proporcionado às igrejas e conferências anuais decisão em casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação de indivíduos abertamente gays.

Mas por uma votação de 438 a 384, a Conferência Geral de 2019 aprovou o Plano Tradicional, que manteve a linguagem "incompatível" e reforçou a proibição da igreja de casamentos entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação de clérigos gays.

O turbilhão de eventos desde então incluiu crescente resistência de igrejas infelizes, incluindo a retenção de dividendos. As discussões se intensificaram sobre se a denominação deveria separar e, se sim, como.
 
Hamilton participou de pequenas reuniões de líderes centristas e progressistas, que levaram à criação de um grupo chamado UMCNext e a uma reunião estratégica muito maior e de portas fechadas na Igreja da Ressurreição, em maio.
 
Isso rendeu compromissos da UMCNext de rejeitar o Plano Tradicional e trabalhar para acabar com a discriminação contra pessoas LGBTQ na igreja. Também deu início à organização que levou à eleição de delegações da Conferência dos EUA mais progressistas para a Conferência Geral 2020, disse o Rev. Stan Copeland, membro da equipe de convocação da UMCNext.

Foi quando os centristas e progressistas se organizaram na primavera passada, que Hamilton anunciou que o próximo Instituto de Liderança seria uma grande e aberta reunião dedicada a preservar, mas reformar, o Metodismo Unido.

Depois de uma sessão nesta semana, ele observou a escassez de tradicionalistas, muitos dos quais pediram uma separação amigável em diferentes denominações.
 
“Qualquer um poderia vir, mas projetamos que as pessoas que viriam para cá seriam pessoas dizendo: 'Não vou embora. Esta é a minha igreja '”, disse Hamilton.

Pouco antes da reunião, a UMCNext publicou online seu pacote de petições para a Conferência Geral 2020. O plano pede a continuação da Igreja Metodista Unida e removeria do Livro de Disciplina a linguagem e disposições excludentes relativas às pessoas LGBTQ.

O plano também facilitaria o processo de partida para igrejas ou grupos de igrejas que discordam.

The Rev. Tom Berlin leads a worship service at the Leadership Institute, held at the United Methodist Church of the Resurrection, in Leawood, Kansas, Sept. 25-27. Typically, the annual event offers pragmatic advice to church leaders, but this year the focus was on the future of the denomination. Photo by Sam Hodges, UM News.
El Rev. Tom Berlin dirige un servicio de adoración durante el Instituto de Liderazgo celebrado en la Iglesia Metodista Unida de la Resurrección, en Leawood, Kansas, del 25 al 27 de septiembre. Típicamente, el evento anual ofrece consejos pragmáticos a los/as líderes de la iglesia, pero este año el enfoque se centró en el futuro de la denominación. Foto por Sam Hodges, Noticias MU. 

Legenda: O Rev. Tom Berlin lidera um culto no Instituto de Liderança, realizado na Igreja Metodista Unida da Ressurreição, em Leawood, Kansas, de 25 a 27 de setembro. Normalmente, o evento anual oferece conselhos pragmáticos aos líderes da igreja, mas este ano o foco foi o futuro da denominação. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

O Rev. Tom Berlin, parte da equipe de convocação da UMCNext, informou os participantes sobre o plano. Ele reconheceu os desafios, inclusive atraindo votos suficientes de delegados africanos, que apoiaram fortemente o Plano Tradicional.

"Depende muito ... do que os delegados das conferências centrais (fora dos EUA) estão dispostos a apoiar", disse Berlim à multidão. “Depende muito de vocês, nesta sala, estabelecerem relações com os delegados da conferência central”.

A multidão do Instituto de Liderança também ouviu falar do Plano Indianapolis, elaborado por uma equipe de centristas, tradicionalistas e progressistas. Esse plano prevê uma clara divisão em duas ou três denominações, com os centristas mantendo a “continuidade legal” da Igreja Metodista Unida.

"As pessoas dizem que é um plano de dissolução", disse o Rev. John Stephens, que ajudou a redigir o plano e falou sobre ele. “Não é.”

A reunião incluiu palestrantes sobre a inclusão de pessoas LGBTQ, como Jan Lawrence, diretor executivo da Rede de Ministérios de Reconciliação. De fato, o encontro tornou-se uma espécie de ensinamento sobre a luta dos afro-americanos, mulheres e pessoas LGBTQ para obter igualdade na igreja. Os palestrantes observaram vários marcos do progresso, mas também persistiram o racismo e o sexismo.

O Rev. Ginger Gaines-Cirelli, outro membro da equipe de convocação da UMCNext, reproduziu um vídeo da Conferência da Carolina do Norte no qual pastores leram em voz alta comentários humilhantes que suas colegas ouviram ao longo dos anos.

"As mulheres precisam trabalhar horas extras, às vezes durante anos, para obter o que os homens recebem na chegada - isso é, simplesmente, a honra de serem levadas a sério", disse Gaines-Cirelli.
 
Ela acrescentou que as atuais lutas da denominação representam uma oportunidade para um novo compromisso de atacar todos os tipos de discriminação, inclusive contra mulheres no ministério.

"Não quero desperdiçar uma boa crise", disse Gaines-Cirelli, rindo.

Alguns reclamaram que o grupo de palestrantes do instituto não era diversificado o suficiente e outras tensões surgiram, como quando a bispo da Conferência de Iowa, Laurie Haller, falou como parte de um painel de líderes episcopais solicitados a compartilhar sua visão da denominação em 2032.

Haller disse que estava certa de que, até então, a inclusão total de pessoas LGBTQ não seria um problema. Mas, quando terminou, ela foi interrompida por alguns membros da multidão que gritaram: "O que há com Anna?" - uma referência à Rev. Anna Blaedel, que enfrenta um julgamento na igreja como uma clériga gay "praticante declarada", na Conferência de Iowa.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida.Li

FIQUE INFORMADO!

O Rev. Gregory Gross, um diácono da Conferência de Illinois do Norte, foi um dos que chamou a atenção da plateia.
  
"(Haller) estava falando sobre sua esperança de inclusão em 2032, mas ela tem a oportunidade de trabalhar pela inclusão de maneira mais eficaz em 2019", disse ele.

O bispo Kenneth Carter, presidente do Concílio de Bispos, foi outro líder episcopal que falou. Ele disse que sentiu a derrota do Plano Uma Igreja como uma espécie de morte.

Mas ele tentou contrariar o argumento dos tradicionalistas de que a fidelidade bíblica requer a posição atual da igreja sobre a homossexualidade.
 
“A fidelidade não está em um lugar. É um caminho, e estamos caminhando à luz de Deus”, disse Carter. “Ainda não estamos lá, mas vi a igreja emergente, ousada e fiel, livre para obediência alegre. Eu já vi e vejo em você”.

 

* Hodges é um escritor de Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Área Geral da Igreja
O bispo Kenneth H. Carter, presidente do Conselho dos Bispos, reflete sobre a Comissão "O caminho a seguir", as reações à Conferência Geral Especial de 2019 e as expectativas para a Conferência Geral de 2020. Imagem de vídeo cortesia de Notícias MU.

Bispo reflete sobre jornada para GC2020

O Bispo Kenneth H. Carter desempenhou múltiplas funções durante tempos de grande tensão na Igreja Metodista Unida.
Área Geral da Igreja
O Rev. Will Green (centro) lidera o canto de "Jesus Lembre-se de Mim Quando Você Entrar no Seu Reino" na "Estação de Oração Queer" durante a manhã de 23 de fevereiro, na oração da Sessão Especial de 2019 da Conferência Geral Metodista Unida em São Luís. Green atende a uma das nove igrejas da Nova Inglaterra que pretendem deixar a denominação. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

9 igrejas da Nova Inglaterra consideram desfiliação

Nove congregações na Conferência da Nova Inglaterra estão embarcando em um "processo de discernimento" de oito meses para considerar a desfiliação da denominação.
Área Geral da Igreja
Os líderes da igreja se reúnem para a abertura da Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Foto de arquivo de Kathleen Barry, Notícias MU.

O que vem após o prazo final das petições do GC2020

O mais alto órgão legislativo da denominação verá várias opções para o futuro da igreja. Mas a preparação leva meses.