Igreja se prepara para enfrentar ameaça de coronavírus

Other Manual Translations: English español

O Rev. Kelly Dahlman-Oeth recebeu expressões de apoio e apreço no último domingo, 8 de março, por sua decisão de transmitir ao vivo o culto de domingo, depois de precisar se separar de sua congregação em Shoreline, estado de Washington: "Estou muito satisfeito com a tecnologia que nos permite permanecer conectados o máximo que pudermos. Bem-vindo a este novo mundo cheio de medo e cautela", disse antes de admitir sua rejeição anterior às experiências "virtuais" da igreja.

Dahlman-Oeth, pastor da Igreja Metodista Unida (IMU) Ronald, havia sido colocado em quarentena em sua casa depois de ter sido exposto ao COVID-19 (coronavírus). O pastor disse que não apresentava sintomas antes ou depois de saber que um conhecido, com quem ele se sentou em uma refeição da comunidade em 27 de fevereiro, havia dado positivo para o coronavírus. O homem visitou sua mãe no Kirkland Life Care Center, uma instalação associada à maioria das 23 mortes causadas pelo vírus no estado de Washington, onde pelo menos 162 casos de COVID-19 ocorreram até o momento. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Shoreline fica ao norte de Seattle, no corredor Highway 99, e a igreja de Ronald possui uma congregação étnica e economicamente diversa que é aproximadamente 40% filipina, 40% anglo-americana e 20% de outras origens, incluindo africana, japonesa e hispânica-latina.

É uma das muitas igrejas em Seattle e King County que sentiu o impacto de um dos maiores surtos de coronavírus nos EUA. Em 9 de março, a Conferência Anual Pacific Northwest da Igreja Metodista Unida (IMU) anunciou que seu escritório ficaria fechado até 27 de março, após a esposa de Rik Jamieson, membro da equipe e tesoureira assistente, Patty Jamieson, receber o resultado de uma análise médica que deu positivo para COVID-19 na noite anterior.

Patty está doente desde 25 de fevereiro com o que se pensava ser pneumonia, de acordo com o anúncio. Rik Jamieson, embora isolado, não mostrou sintomas. O escritório do King County está localizado na pequena cidade de Des Moines, a cerca de 24 km ao sul de Seattle. 

A bispo Elaine JW Stanovsky tem seu escritório nesse cargo como Líder Episcopal da Área Noroeste, que também inclui as conferências anuais de Oregon-Idaho e Alasca.

"Esta emergência de saúde requer recursos semelhantes a outros tipos de emergências, mas também exige que a igreja 'desenvolva novas maneiras de ser'. Várias congregações que não participam de cultos e doações on-line, por exemplo, agora estão pedindo ajuda técnica para fazer isso”, disse o bispo à Notícias MU.

A mudança nas rotinas e costumes diários chocou Stanovsky em 6 de março, quando ele fez um voo de rotina do aeroporto quase vazio de Seattle para Portland, Oregon, e viu pessoas preocupadas desinfetando o espaço ao seu redor no avião: "Após o coronavírus, aumentou minha consciência de como as pessoas vigilantes se sentiam e agiam, como eu pude ver na sexta-feira passada", disse ele.

Ao mesmo tempo, Stanovsky apontou que a situação é diferente em comunidades distantes nas áreas rurais, onde o vírus ainda não havia atingido nenhum dos quatro estados que cobrem sua área episcopal.

Em King County, uma grande preocupação é como os ministérios das comunidades locais são afetados por essa crise do COVID-19. Seu escritório está começando a realizar pesquisas para descobrir. Um dos maiores desafios, disse ele, é garantir que as mensagens do escritório da conferência sejam consistentes.

"Nós direcionamos todos para o seu próprio estado ou distritos nacionais de saúde", disse Stanvosky. "Cada um de nós, individualmente e em nome de toda a igreja, está tentando fazer julgamentos e decisões prudentes".

Na área metropolitana de Seattle, uma recomendação do governo que desencoraja reuniões desnecessárias de mais de 50 pessoas levou várias igrejas a estabelecer cultos on-line. Na IMU de Ronald , alguns membros estavam no santuário, enquanto outros assistiam em sua casa como Dahlman-Oeth, que usou o Zoom para participar dos 35 minutos de serviço.

"Pareceu funcionar muito bem, com alguns pequenos erros humanos", relatou o pastor, acrescentando que "a experiência foi agradável e abriu meus olhos para o fato de que o culto online pode ser um recurso para outras pessoas que não podem comparecer pessoalmente por várias razões".

Num futuro próximo, eventos de transmissão ao vivo e videoconferência podem substituir outras reuniões presenciais, enquanto as preocupações com a exposição ao coronavírus continuam. Até agora, a Conferência Geral de 2020, o mais alto órgão legislativo da denominação, ainda se reunirá de 5 a 15 de maio em Minneapolis.

Para mais informações

A Área Episcopal do Noroeste possui vários recursos gerais e regionais relacionados ao coronavírus.

Ver recursos

As informações mais recentes e outros recursos dos Centros de Controle de Doenças

Em 5 de março, a Comissão do Comitê Executivo da Conferência Geral anunciou que está monitorando o desenvolvimento da disseminação do coronavírus, colaborando com as autoridades de saúde pública e desenvolvendo protocolos de saúde e bem-estar para o local da reunião do GC2020.

Outras reuniões foram canceladas ou adiadas. O Conselho Mundial de Igrejas, por exemplo, mudou sua próxima reunião do comitê central de março a agosto devido a preocupações com a disseminação internacional do COVID-19. O Bispo Metodista Unido Mary Ann Swenson é o co-moderador do comitê central.

No Oriente Médio, o Colégio Bíblico de Belém, apoiado pela IMU, foi fechado em 8 de março até novo aviso após um surto de coronavírus que fechou a cidade de Belém. David Wildman, executivo da Junta Geral de Ministérios Globais (GBGM) da denominação, disse estar preocupado com os residentes que recebem tratamento médico regular fora de Belém e com o impacto econômico e na saúde do vírus na região.

Na China, o Comitê Metodista Unido para Ajuda (UMCOR) concedeu uma bolsa de emergência a uma organização local, a Amity Foundation em Nanjing, para lidar com a crise do coronavírus. O subsídio permitiu tomar medidas de prevenção e controle de infecção para limitar a disseminação do COVID-19 e outras doenças respiratórias nas áreas afetadas.

Na Serra Leoa, cartazes foram colocados aconselhando as pessoas sobre como impedir a disseminação do coronavírus perto do altar e de outros lugares de destaque durante a sessão anual da conferência metodista unida de 4 a 8 de março na cidade de Koidu.

Por enquanto, a África, particularmente a África subsaariana, "é um dos continentes que não é muito afetado", disse a Dra. Graciela Salvador-Dávila, diretora de Saúde Global da UMCOR e GBGM. Ela está preocupado com o controle de infecções quando essa situação mudar e está trabalhando com a agência da missão para desenvolver planos para uma resposta.

Em tempos de crise, acalme-se sem medo

A frequência e participação da Igreja no estudo da Bíblia e nas aulas da escola dominical "são, de longe, as formas mais comuns de atividade social entre os idosos", disse o Rev. Richard H. Gentzler Jr , diretor do Ministério ENCORE da Conferência Anual do Tennessee da Igreja Metodista Unida.

Portanto, oferecer orientação e garantia a adultos mais velhos, principalmente nos anos 80 e 90 de idade, pode ajudar a dissipar sentimentos de medo e alarme durante uma crise como o surto de coronavírus.

Isso não significa que eles não devam ser informados sobre fatores de risco, acrescentou Gentzler, que se aposentou como diretor do Centro de Envelhecimento e Ministérios de Idosos para Ministério de Discipulado.

Ler mais

Salvador-Dávila e uma colega, Megan Klingler, ofereceram intensas sessões de treinamento de lavagem das mãos, de 9 a 11 de março, aos funcionários dos escritórios da GBGM Atlanta: “A lavagem adequada das mãos é realmente a primeira linha de controle de infecção. Não é ciência especial. É uma mudança de comportamento", disse Salvador-Dávila à Notícias MU.

O principal problema é que as pessoas não lavam as mãos adequadamente, acrescentou Klinger, que anteriormente atuou no Centro para o controle de enfermidades. "Queríamos que o treinamento fosse altamente participativo", disse Klinger, que ajudou os Metodistas Unidos no leste do Congo a lidar com a epidemia de Ebola.

Para demonstrar como as mãos e vários itens pessoais, incluindo telefones celulares, podem ser contaminados ao tocar superfícies, ele colocou "germes de luz" não-tóxicos invisíveis a olho nu em um desinfetante para as mãos e áreas cobertas de mesa, cadeiras e cabos com o desinfetante.

"Uma luz mostrou que 'suas mãos estavam cheias de germes' depois de tocar nessas superfícies", disse Salvador-Dávila. Os participantes foram orientados a lavar-se rapidamente e, quando voltaram, Klinger acrescentou: "Poderíamos mostrar a eles o quanto eles realmente lavaram as mãos. Essa foi uma revelação que criou um enorme impacto sobre a equipe".

Outras partes do treinamento focaram-se na higiene respiratória, como cobrir a boca ao tossir, debater ações preventivas a serem realizadas em locais públicos e gerenciar as atividades diárias por meio de técnicas como distanciamento social, manutenção pessoas a uma distância segura, evitando o contato direto, e a poluição do ar nos espaços comuns: "(este treinamento) realmente identificou quais são os desafios. A mensagem era: 'Isso pode salvar sua vida'", disse Salvador-Dávila sobre treinamento.

 

* Bloom é editora assistente da Notícias Metodista Unida e está sediada em Nova York. Siga-a em https://twitter.com/umcscribe ou entre em contato com ela em 615-742-5470 ou [email protected] .

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected] Para ler mais notícias, ideias e inspiração metodistas unidas para o ministério, assine gratuitamente o UMCOMtigo .

Missão
Marinheiros do navio-hospital USNS Comfort elevam as cores enquanto o navio está atracado no porto de Nova York, em apoio aos esforços de resposta do país ao COVID-19. Os líderes metodistas unidos estão pintando uma imagem preocupante do impacto do coronavírus em Nova York e Nova Jersey. "Este é o nosso novo 11 de setembro em Nova York", disse o bispo da região de Nova York Thomas J. Bickerton. Foto cedida por Sara Eshleman, Marinha dos EUA.

A Igreja no Epicentro da Pandemia nos Estados Unidos

Os líderes metodistas unidos pintam uma imagem preocupante do impacto do coronavírus em Nova York e Nova Jersey e mostram como a igreja continua a funcionar.
Igreja Local
A Igreja Metodista Unida de North Rose, em North Rose, NY, está usando a mídia social para adoração e para reuniões de pequenos grupos durante a ameaça do coronavírus. Foto cedida pela Igreja Metodista Unida de North Rose.

Pequenas igrejas destemidas diante dos desafios do vírus

Apesar do surto de coronavírus, o clero e as igrejas Metodistas Unidas estão encontrando maneiras de se conectar para adoração, estudo e ministério.
Missão
Membros e líderes da Igreja Metodista Unida Belmont, em Nashville, Tennessee, adoram em um santuário quase vazio no domingo, 15 de março de 2020, depois que a liderança da igreja incentivou as pessoas a adorarem em casa através de transmissão ao vivo em vídeo em resposta ao coronavírus. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

Vírus altera, mas não interrompe o culto de domingo

As igrejas Metodistas Unidas nos Estados Unidos começaram a se adaptar ao que significa ser uma comunidade de adoração durante o surto de coronavírus.