Grupo de mulheres protesta na porta de delegacia de JP durante ‘Quinta-feira Preta’

Um grupo de mulheres fez um protesto silencioso na tarde desta quinta-feira (10), em frente à Delegacia da Mulher, na Avenida Pedro II, no Centro de João Pessoa. A manifestação é parte de um conjunto de ideias da Igreja Metodista e ocorre em todo o Brasil, de diferentes formas, desde protesto em locais específicos, até ações com uso de roupas pretas ou publicações nas redes sociais. A ação desta quinta pediu o fim da violência contra mulher. Veja fotos abaixo.

Leia mais Notícias no Portal Correio

As ações coordenadas pela Igreja Metodista são organizadas via redes sociais e ocorrem em várias cidades do Brasil, integrando a ‘Quinta-feira Preta’. Em João Pessoa, cerca de 20 mulheres vestidas de preto se concentraram na frente da Delegacia da Mulher, de forma estratégica, para pedir intensificação de ações contra abusos e violência que afetam mulheres. Quem não compareceu ao local, pôde vestir preto em qualquer lugar e usar bottons, por exemplo, para indicar que aderiu ao movimento. Quem explica é a jornalista Patrícia Monteiro, umas das voluntárias dos projetos da Metodista.

“Esse tipo de manifestação é frequente, ocorre todas as quintas. Desta vez, viemos estrategicamente à Delegacia da Mulher como parte das ações da Semana da Mulher. Aqui na frente, estamos todas de preto, com cartazes, mas quem não está aqui participa do protesto em qualquer parte, com ações nas redes sociais ou vestindo preto. Não é possível dizer quantas pessoas participam; o número é incontável porque as ações ocorrem em todo o Brasil”, disse Patrícia.

A Igreja Metodista tem unidades em João Pessoa, no bairro do Bessa e no Centro, e em Cabedelo, na região metropolitana. As informações sobre a ‘Quinta-feira Preta’ podem ser encontradas nas redes sociais:

Grupo Juvenis Remne no Facebook

Igreja Metodista Região Nordeste

Igreja Metodista João Pessoa

Igreja Metodista do Brasil

Saiba mais aqui sobre a 'Quinta-feira Preta'

A equipe da Delegacia da Mulher informou que não houve nenhum tipo de contato com as manifestantes e que elas permaneceram na frente do local de forma pacífica e silenciosa.

http://portalcorreio.uol.com.br/noticias/cidades/cidadania/2016/03/10/NWS,274630,4,96,NOTICIAS,2190-GRUPO-MULHERES-PROTESTA-PORTA-DELEGACIA-DURANTE-QUINTA-FEIRA-PRETA.aspx

Violencia
MARCHA condena el lenguaje y las acciones que incitaron la violencia contra el congreso y la falsa retórica del presidente Donald J. Trump, así como a todos aquellos representantes, que avivaron las llamas de la insurrección y la violencia de las turbas. Foto cortesía de MARCHA.

MARCHA rechaza actos de insurrección en Capitolio

MARCHA cree que la supremacía blanca y el colonialismo son pecados que continúan teniendo efectos profundos en nuestra sociedad y en las comunidades de color en particular.
Temas Sociales
Rev. David Maldonado.Imagen tomada del video reportaje "La Iglesia Etnica", publicado en el canal de Youtube IMULATINA de Noticias MU.

La iglesia debe escuchar voces hispano-latinas

La falta de voces de América Latina representa una brecha importante en las conversaciones globales que ocurren en La Iglesia Metodista Unida.
Misión
Las fuertes lluvias que trajo el huracán Eta, provocaron grandes inundaciones especialmente en la zona norte del país. Tocoa fue una de las zonas afectadas por las inundaciones y los/as metodistas unidos/as están apoyando a la recuperación de las comunidades afectadas. Foto cortesía de la Misión Metodista Unida.

Metodistas unidos/as en Honduras enfrenta la tragedia con solidaridad

Pastores/as y líderes locales han estado ayudando a sus comunidades repartiendo comida, cooperando con el rescate de personas afectadas, acondicionando y apoyando albergues seguros para personas damnificadas.