Grupo de mulheres protesta na porta de delegacia de JP durante ‘Quinta-feira Preta’

Um grupo de mulheres fez um protesto silencioso na tarde desta quinta-feira (10), em frente à Delegacia da Mulher, na Avenida Pedro II, no Centro de João Pessoa. A manifestação é parte de um conjunto de ideias da Igreja Metodista e ocorre em todo o Brasil, de diferentes formas, desde protesto em locais específicos, até ações com uso de roupas pretas ou publicações nas redes sociais. A ação desta quinta pediu o fim da violência contra mulher. Veja fotos abaixo.

Leia mais Notícias no Portal Correio

As ações coordenadas pela Igreja Metodista são organizadas via redes sociais e ocorrem em várias cidades do Brasil, integrando a ‘Quinta-feira Preta’. Em João Pessoa, cerca de 20 mulheres vestidas de preto se concentraram na frente da Delegacia da Mulher, de forma estratégica, para pedir intensificação de ações contra abusos e violência que afetam mulheres. Quem não compareceu ao local, pôde vestir preto em qualquer lugar e usar bottons, por exemplo, para indicar que aderiu ao movimento. Quem explica é a jornalista Patrícia Monteiro, umas das voluntárias dos projetos da Metodista.

“Esse tipo de manifestação é frequente, ocorre todas as quintas. Desta vez, viemos estrategicamente à Delegacia da Mulher como parte das ações da Semana da Mulher. Aqui na frente, estamos todas de preto, com cartazes, mas quem não está aqui participa do protesto em qualquer parte, com ações nas redes sociais ou vestindo preto. Não é possível dizer quantas pessoas participam; o número é incontável porque as ações ocorrem em todo o Brasil”, disse Patrícia.

A Igreja Metodista tem unidades em João Pessoa, no bairro do Bessa e no Centro, e em Cabedelo, na região metropolitana. As informações sobre a ‘Quinta-feira Preta’ podem ser encontradas nas redes sociais:

Grupo Juvenis Remne no Facebook

Igreja Metodista Região Nordeste

Igreja Metodista João Pessoa

Igreja Metodista do Brasil

Saiba mais aqui sobre a 'Quinta-feira Preta'

A equipe da Delegacia da Mulher informou que não houve nenhum tipo de contato com as manifestantes e que elas permaneceram na frente do local de forma pacífica e silenciosa.

http://portalcorreio.uol.com.br/noticias/cidades/cidadania/2016/03/10/NWS,274630,4,96,NOTICIAS,2190-GRUPO-MULHERES-PROTESTA-PORTA-DELEGACIA-DURANTE-QUINTA-FEIRA-PRETA.aspx

Temas Sociales
Jovita Idár alrededor de 1905. Formó su visión de la justicia cuando era niña y pasó su vida luchando por los derechos de su comunidad. Foto colección de fotografías generales y  especiales de bibliotecas de UTSA.

Educada en escuelas metodistas Jovita Idár promovió los derechos de las mujeres y los/as mexico-americanos/as

Jovita Idár fue educada en escuelas metodistas y recibió un certificado de maestra del Seminario de Laredo.
Historias de Fe
Rev. Daniel Z. Rodríguez. Foto cortesía de la familia Rodríguez.

La Vida del Rev. Daniel Rodriguez, unlegado de liderazgo y servicio

En una carrera de 50 años sirviendo en ministrios de la iglesia a nivel local y global, el pastor abogó por la justicia y ayudó a garantizar que La IMU sirviera a las comunidades hispano- latinas y de otras minorias étnicas.
Historias de Fe
El misionero Luis Velasquez y la Pastora Cassy Núñez son dos de los/as muchos/as "soñadores/as" metodistas unidos que, junto con otros/as cientos de miles de jóvenes hispano-latinos/as en todo el país, luchan por alcanzar un estatus migratorio que les permita la ciudadania. Foto de la izquierda, archivo de Noticias MU, Rev. Gustavo Vasquez; foto derecha cortesía de la Pastora Cassy Núñez.

DACA una escuela de fe para “Soñadores/as” metodistas

Luis Velasquez y Cassy Nuñez son dos, de los muchos "Soñadores/as" metodistas unidos que luchan por una regularización de su estatus migratorio ante las autoridades de Estados Unidos.