Evento de tradicionalistas atrai grande público

Other Manual Translations: English español

O Rev. Tyler Cantrell lidera uma igreja Metodista Unida no norte do Alabama, supervisiona o ministério de jovens em outra e co-dirige a Fundação Wesley na Universidade do Alabama, em Birmingham.

Apesar de sua agenda apertada, Cantrell passou três horas participando de uma sessão de informações em 25 de janeiro sobre a possibilidade - muitos diriam probabilidade - de metodistas unidos tradicionalistas partirem para formar sua própria denominação.

"É um momento muito confuso", disse Cantrell, um pastor local licenciado de 35 anos. "Estou apenas tentando obter alguma orientação."

Mais de 1.000 pessoas, a maioria do Alabama, mas algumas da Jurisdição do Sudeste, participaram da reunião "Por que os melhores dias do metodismo estão à nossa frente!".

O Rev. Paul Lawler, pastor da Igreja Metodista Unida de Cristo em Birmingham, e o Rev. Vaughn Stafford, pastor da igreja anfitriã Clearbranch Metodista Unida, em Trussville, convocaram o evento.

Eles e outros palestrantes responderam perguntas, mas também fizeram um discurso de venda suave para os tradicionalistas se separarem da Igreja Metodista Unida.

"Amar bem as pessoas, principalmente como pastores e líderes, é pastorear seus corações em uma transição que é potencialmente histórica", disse Lawler.

A reunião ocorreu menos de quatro meses antes da Conferência Geral de 2020, quando delegados metodistas unidos de todo o mundo se reunirão em Minneapolis, e pouco mais de três semanas depois que um grupo diversificado de líderes denominacionais endossou o “Protocolo de Reconciliação e Graça Através da Separação."

Esse plano, destinado à legislação na Conferência Geral de 2020, visa encerrar décadas de divisão interna sobre a homossexualidade que fervia durante e após a Conferência Geral de 2019, em St. Louis.

De acordo com o protocolo, igrejas e conferências anuais que apoiam as atuais restrições ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e à ordenação de clérigos gays poderiam deixar suas propriedades para formar sua própria denominação, com 25 milhões de dólares em fundos metodistas unidos.

Lawler disse após a reunião de 25 de janeiro que está confiante de que algumas conferências anuais dos EUA votarão pela saída.

"Acreditamos que (o norte do Alabama) provavelmente votaria como uma conferência tradicionalmente ortodoxa", disse ele.

A grande multidão em Trussville aparentemente deu-se em parte devido à cobertura nacional de notícias do protocolo, mediado pelo famoso mediador Kenneth Feinberg e envolvendo progressistas, centristas e tradicionalistas.

"Por ter atingido a grande mídia, isso despertou o desejo de fazer perguntas e saber mais", disse a Rev. Jody Hooven, pastor associado de Lawler na Igreja Metodista Unida de Cristo. "Estamos indo na direção certa para ajudar as pessoas a tomar decisões informadas."

O presidente da tradicional associação Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano), o Rev. Keith Boyette, ajudou a negociar o protocolo, e a organização tomou medidas para criar uma nova denominação.

Boyette não compareceu à reunião de Trussville, mas um membro do conselho da WCA, o Rev. Chris Ritter, fez o discurso principal. Lawler subestimou o envolvimento da WCA.

"Embora isso tenha colaborado com os líderes da WCA, este não foi um evento oficial da WCA", disse ele. "Isso transcende".

Ritter enfatizou que aqueles na multidão que não fazem parte da WCA ainda podem ajudar a moldar a alternativa tradicionalista.

"Esta não será a denominação da WCA", disse ele. “A Associação do Pacto Wesleyano se vê como a parteira da nova igreja. Muitas pessoas que não estão na mesa agora, vão à mesa.”

United Methodists from around Alabama and the Southeast listen to a Jan. 25 discussion about the possibility of traditionalists separating into a new denomination. The meeting was at Clearbranch United Methodist Church in Trussville, Ala., and drew more than 1,000 people. Photo by Sam Hodges, UM News.
Metodistas Unidos do Alabama e do Sudeste ouvem uma discussão em 25 de janeiro sobre a possibilidade de tradicionalistas se separarem em uma nova denominação. A reunião foi na Igreja Metodista Unida de Clearbranch, em Trussville, Alabama, e atraiu mais de 1.000 pessoas. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

 

Ritter, pastor da Primeira Igreja Metodista Unida em Geneseo, Illinois, e um blogueiro popular sobre questões metodistas unidas, compartilhou detalhes sobre o protocolo, incluindo as porcentagens de votos necessárias para a saída de uma conferência ou igreja.

Ele também observou a pergunta mais frequente que ele recebe: “Por que os que concordam com os ensinamentos atuais de nossa igreja devem sair?”

Isso trouxe aplausos, mas Ritter continuou dizendo que os tradicionalistas estão agora em minoria nos EUA e que dificilmente prevalecerão na maioria das eleições dos bispos dos EUA ou na administração do "aparato" da denominação.

Ele disse que os tradicionalistas fariam melhor em criar sua própria igreja enxuta e focada no evangelismo.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Haverá uma temporada de confusão, uma temporada de construção, mas também é uma oportunidade", disse Ritter.

Ann Lee, uma delegada leiga da Conferência do Norte do Alabama na Associação Geral, recebeu aplausos ao enfatizar uma igreja geral simplificada e repartições mais baixas.

Mas ela insistiu que uma denominação tradicionalista não se afastaria do trabalho de assistência e justiça.

"Essa parte da justiça social do nosso DNA não desaparece", disse Lee. "Foi aí que começamos, construindo orfanatos e escolas."

Stafford alertou que uma denominação tradicionalista enfrentaria acusações de homofobia.

"Não faça nada que dê validade a essa história", disse o pastor de Trussville à multidão. "Vamos amar todas as pessoas que entram pelas portas de nossas igrejas."

Isso tranquilizou Cantrell, especialmente devido ao trabalho da faculdade e do grupo de jovens.

"Estou no ministério com todo tipo de pessoa possível", disse ele. "Espero que esse seja o sentimento que recebemos se houver uma nova denominação".

Pensamentos e emoções sobre uma separação variaram no encontro de Trussville.

A Revda. Adlene Kufarimai, pastora da Igreja Metodista Unida de West Huntsville, permanece em um período de pesquisa e discernimento.

“Estou apenas esperando para ver aonde Deus nos leva. Ainda há muitas perguntas”, disse ela durante uma pausa na reunião.

O Rev. Matt Mobley acredita que a igreja que ele lidera, Mulder Memorial Metodista Unida, em Wetumpka, Alabama, pode muito bem escolher se juntar a uma nova denominação.

"Somos tradicionais", disse ele. "É onde estamos".

Mas a perspectiva de separação não alegra seu coração.

“É um momento difícil. Há algum alívio por haver acordos de diversas partes no protocolo. Mas também é triste - muito triste. Eu amo a Igreja Metodista Unida. Eu servi por 20 anos na Igreja Metodista Unida.”

 

*Hodges é um escritor de Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da United Methodist, assine os resumos gratuitos quinzenalmente.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Igreja Local
Uma porta pintada exibida na Igreja Asbury Memorial em Savannah, Geórgia, proclama: "As portas de Deus estão abertas para todos." Foto cortesia da Igreja Asbury Memorial.

Igreja sai da denominação para a igualdade LGBTQ

A IMU tem visto vários cancelamentos de inscrições recentemente, mas esta igreja na Geórgia é a primeira nos últimos anos a cancelar a inscrição em apoio à inclusão LGBTQ.
Igreja Local
Linda Dobbyn, paroquiana da Primeira Igreja Metodista Unida de Vincennes, em Vincennes, Indiana, usa um novo serviço chamado Sermão por Telefone para ouvir um sermão do Rev. Matt Swisher intitulado “Liderando por Servir”. Foto de Richard Dobbyn.

Igrejas avaliam opções para alcançar idosos

Em algumas igrejas pequenas ou rurais, o correio tradicional e os telefones ainda desempenham um papel importante para manter o contato com os membros da congregação.
Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.