O Metaverso e o Metodismo

Translate Page

Pontos chave

  • A igreja deve empurrar seus limites digitais para espaços digitais como o metaverso se quiser ser relevante no futuro.
  • O espaço digital pode ser um campo missionário.
  • Os cultos online são um grande começo, mas é hora de passar para a Web 3.0.

Kelly Price. Photo by Portrait Innovations, courtesy of the author. 
Kelly Price. Foto por Portrait Innovations, cortesia do autora.

O metaverso é um tema do marketing digital que vem recebendo muita atenção ultimamente. Como professora de marketing digital que ensina 100% online, passo muito tempo com meus alunos de pós-graduação, muitos dos quais são profissionais que trabalham, falando sobre esse tema. É aquele em que as empresas já investiram milhões de dólares e onde um grande número de consumidores passa seu tempo.

Você pode estar se perguntando: “O meta o quê?” O metaverso, em termos simples, é uma realidade virtual, ambiente totalmente digital onde as pessoas (usuários) podem viver, trabalhar, brincar e interagir com outras pessoas. O metaverso tem tudo o que você pode imaginar e muito mais.

No metaverso, você tem um avatar e há cidades onde seu avatar pode viver e trabalhar. Seu avatar precisa de sapatos novos? Excelente! É melhor você se apressar porque 7 milhões de outros usuários já venceram você na loja metaverse da Nike. Você pode até usar esses novos Nikes para o próximo grande show dado por um grande artista pop ou participar de um evento da NASCAR. Se estiver frio na corrida da NASCAR, você sempre pode ir até a loja da Coca-Cola e comprar uma jaqueta virtual, também chamada de NFT (non-fungible token).

Se tudo isso soa um pouco avassalador, você sempre pode perguntar a quase qualquer pessoa com menos de 10 anos sobre isso. Muitos da Geração Alfa já estão imersos no metaverso de mundos como Roblox , que possui mais de 43 milhões de usuários ativos diariamente.

Tudo isso faz com que seu culto no Facebook Live pareça um pouco antiquado? Talvez devesse.

Sem surpresa, as igrejas já se plantaram no metaverso. Eles têm cultos, estudos bíblicos, ministérios para jovens e muito mais. Eles têm conversas após o culto no corredor da igreja virtual e confraternizam do lado de fora no gramado virtual do prédio da igreja virtual. Sugiro que você reserve um tempo para visitar os sites dessas igrejas e, se estiver se sentindo utópico, assista a um dos cultos do metaverso.

Comentários

A Notícias MU publica vários comentários sobre questões na denominação. Os artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as opiniões dos redatores, não da equipe da Notícias MU.

A Igreja Metodista Unida tem a oportunidade de entrar no metaverso de maneira prática.

Primeiro, a igreja como um corpo coeso poderia reunir seus recursos, fazer um esforço intencional para alocar recursos sustentados para o ministério metaverso e designar leigos e clérigos especificamente para esse espaço.

Em segundo lugar, agências gerais metodistas, instituições acadêmicas e outras organizações auxiliares poderiam entrar com ministérios focados no digital.

Finalmente, igrejas locais, leigos e clérigos poderiam participar individualmente em nome da igreja neste espaço.

Enquanto algumas igrejas no metaverso gastaram quantias impressionantes de dinheiro para construir seus prédios (as igrejas do metaverso também precisam de paisagismo), o custo não precisa deter a congregação ou indivíduo que deseja estar no ministério lá. Por exemplo, igrejas individuais usaram menos de US$ 1.000 para iniciar seu ministério metaverso. Além disso, um fone de ouvido de realidade virtual nem sempre é necessário. Muitos paroquianos atendem apenas pelo computador.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Não estou escrevendo este comentário para debater os aspectos teológicos, eclesiásticos ou éticos de uma igreja no metaverso. Certamente há questões e questões válidas em torno de cada um desses tópicos. O metaverso possui questões éticas problemáticas, juntamente com preocupações de privacidade. No entanto, também poderíamos argumentar que é exatamente por isso que a igreja deve estar presente neste espaço.

Por outro lado, estou escrevendo isso como alguém que estuda o espaço digital a partir de uma perspectiva de negócios. A Web 3.0 está aqui, e não há como voltar atrás. Dado que os especialistas dizem que o metaverso será mainstream em menos de 10 anos, temos a oportunidade de capitalizar e utilizar esse espaço como um campo missionário inexplorado. Você provavelmente já ouviu um ditado famoso na área de marketing sobre estar no lugar certo na hora certa com a mensagem certa. Bem, nós definitivamente temos a mensagem certa.

Uma barreira de entrada para a igreja não é que não tenhamos os recursos para ir até lá. Nossa principal barreira de entrada somos nós mesmos.

Como professora online, ouvi há anos que a educação online não é tão boa quanto a educação presencial. Não é tão rigoroso, você não pode se conectar com as pessoas digitalmente e não tem a mesma qualidade da instrução em campo. Pesquisas nos mostram repetidamente que essas percepções simplesmente não são verdadeiras - a educação on-line é até melhor em muitos casos.

Como muitas igrejas adicionaram ou mudaram para cultos online, algumas das mesmas percepções apareceram: Igreja online não é qualidade. Conexões profundas com outras pessoas não podem ser estabelecidas e nutridas online. A adoração online não é tão envolvente quanto se sentar no santuário no domingo na hora marcada. Novamente, essas são percepções falsas e assumidas.

Não estou sugerindo que uma igreja metaverso substituirá, ou deva, substituir uma igreja física. No entanto, essas barreiras à entrada no metaverso terão impactos consequentes no futuro. Esses impactos incluem número de membros, formação de atitudes sobre nossa igreja, oportunidades perdidas de envolver os jovens e muitos outros fatores.

Em "Virtually Sacred: Myth and Meaning in World of Warcraft and Second Life" (Virtualmente sagrado: mito e significado no mundo do Warcraft e Second Life), o autor Robert M. Geraci escreve: "Existem duas possibilidades religiosas abertas aos mundos virtuais: 1) eles fornecem novos lugares para praticar religiões antigas e 2) eles fornecem novos locais para a criação de vidas significativas sem recorrer a comunidades religiosas tradicionais”.

Como educador, posso atestar os desafios da educação online. No entanto, também posso dizer que tenho uma conexão melhor, um relacionamento mais profundo e muitas maneiras de ensinar meus alunos no ambiente online. As fronteiras de tempo e espaço físico não são mais restrições em minha sala de aula. Do ponto de vista de negócios, há uma grande oportunidade dentro do metaverso para crescer nossa marca, ampliar nosso alcance de produtos, aumentar nossa base de clientes e fornecer soluções para aqueles que precisam de nosso produto.

Igrejas que são bem-sucedidas no metaverso estão fazendo a mesma coisa. Eles estão cultivando relacionamentos de maneira pessoal, real e tangível para envolver seu público e fazer com que as pessoas voltem.

A Igreja Metodista Unida é conhecida por seu trabalho focado em missões. Alimentamos os famintos em abrigos locais, ajudamos ativamente os necessitados quando ocorre um desastre natural e educamos meninas e mulheres em todo o mundo para que possam ter uma vida melhor. Nossa declaração de missão é “fazer discípulos de Jesus Cristo para a transformação do mundo”.

Talvez o mundo que podemos transformar inclua também o digital.

 

*Price é professora associada de marketing na Universidade Virtual East Tennessee, onde dirige o programa de Mestrado em Marketing Digital. Ela é uma ministra leiga certificada na Igreja Metodista Unida e membro vitalício da Igreja Metodista Unida do Centenário, em Morristown, Tennessee. Ela atua em vários cargos de liderança na United Women in Faith (Mulheres Unidas em Fé) e na Conferência de Holston.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Contato para notícias: Joey Butler ou Tim Tanton em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos diários ou de sexta-feira (semanais) gratuitos.

Faith Sharing
Kayla Alexander (à esquerda), que frequentou a Primeira Igreja Metodista Unida de Baton Rouge quando criança, frequentou a igreja virtualmente enquanto sua família estava trancada por causa do COVID-19 na Austrália, onde agora moram. Alexander e Jamie (à direita dela) trouxeram seu terceiro filho Brady Alexander para Louisiana para ser batizado pelo Rev. Brady Whitton na Primeira Igreja Metodista Unida. Foto cortesia de Kayla Alexander.

Igreja virtual continuará após o COVID-19

Realizar a igreja na internet não vai desaparecer mesmo que o COVID-19 desapareça, de acordo com um pastor Metodista Unido em Louisiana.
Área Geral da Igreja
O Rev. Dr. William B. Lawrence. Foto de Todd W. Lawrence.

A igreja está se estilhaçando, não se dividindo

Rotular a situação denominacional como uma "divisão" sugere que a igreja está se dividindo em dois grupos. Na realidade, as igrejas estão se fragmentando em diferentes direções.
Preocupações Sociais
Kendra Weddle. Photo courtesy of the author.

As Bíblias devem ser proibidas?

Enquanto os conselhos escolares consideram a proibição dos livros, um membro da igreja aponta que a justificativa que está sendo usada também pode se aplicar à Bíblia.