Decisões recentes moldam a temporada da conferência anual

Translate Page

À medida que as conferências anuais dos EUA começam a se reunir esta semana, decisões recentes do tribunal superior da Igreja Metodista Unida estão influenciando suas agendas.

O Conselho Judicial decidiu que, por enquanto, igrejas individuais – se cumprirem certas condições – podem deixar a denominação, enquanto conferências anuais inteiras dos EUA não podem.

As recentes decisões do tribunal da igreja deixaram alguns Metodistas Unidos aliviados e outros frustrados.

Mas não importa onde eles estejam, muitos Metodistas Unidos concordam que as conferências anuais – órgãos regionais da igreja que se reúnem todos os anos – precisarão lidar com as ramificações das decisões.

O presidente do Conselho dos Bispos, Thomas J. Bickerton, que lidera a Conferência de Nova York, expressou gratidão pelo trabalho contínuo da mais alta corte da denominação, que nos últimos meses tem lidado com várias perguntas dos bispos de fora acelerada.

Os bispos presidem as conferências anuais e muitas vezes enfrentam questões da lei da igreja durante essas sessões. Os bispos, por sua vez, muitas vezes recorrem ao precedente do Conselho Judicial para orientação.

Bickerton disse em um comunicado à imprensa que a decisão do tribunal da igreja sobre as conferências anuais dos EUA “forneceu clareza e direção à medida que avançamos nesses dias sem precedentes de desafios e mudanças”.

O Conselho Judicial determinou que as conferências anuais são uma parte fundamental do sistema de governo conexional da Igreja Metodista Unida. Por causa disso, o tribunal da igreja decidiu que apenas a Conferência Geral - o principal órgão legislativo da denominação com autoridade sobre assuntos conexionais - pode estabelecer o processo pelo qual uma conferência anual pode deixar a conexão. Mas neste ponto, a Conferência Geral não aprovou tal processo para as conferências anuais dos Estados Unidos.

Após dois anos de adaptação à pandemia do COVID, muitas conferências anuais estão se reunindo presencialmente este ano pela primeira vez desde 2019.

No entanto, junto com esses reencontros vêm as discussões de desunião.

Em 1º de maio, alguns conservadores teológicos lançaram a Igreja Metodista Global separatista – não esperando mais que a Conferência Geral adiada pelo COVID adotasse um protocolo proposto para separação. Depois de lutar com a falta de disponibilidade de vistos, os organizadores da Conferência Geral adiaram a assembleia legislativa internacional para 2024.

Outra decisão do tribunal da igreja

Outra decisão recente do Conselho Judicial pode afetar as ações da conferência anual deste ano.

A igreja decidiu que as conferências jurisdicionais podem ocorrer ainda este ano para eleger novos bispos dos EUA. As conferências anuais muitas vezes nomeiam um de seus membros do clero para se candidatar a bispo.

As conferências anuais elegem delegados tanto para a Conferência Geral como para as conferências jurisdicionais. Metade dos delegados são leigos e metade são clérigos. Os delegados para as próximas conferências jurisdicionais foram eleitos em 2018 e 2019.

Isso deixa as conferências anuais se ajustando a um novo desafio: fornecer um caminho para possíveis saídas da Igreja Metodista Unida sem um plano formal de separação em vigor.

A Revda. Rebekah Miles está entre aqueles que estão entusiasmados com a decisão do Conselho Judicial, determinando que as conferências anuais não têm autoridade para sair sob a lei atual da igreja.

Miles, que contribuiu para um resumo do caso, é a Professora Susanna Wesley de Teologia Prática e Ética na Escola de Teologia Perkins da Universidade Metodista Southern em Dallas.

“Esta decisão do Conselho Judicial simplificou nossas próximas sessões da conferência anual”, disse Miles, membro da Conferência Anual do Arkansas. “Com esta decisão, o foco mudou decisivamente para a desfiliação da igreja local.”

O Rev. C. Chappell Temple - pastor principal da Igreja Metodista Unida de Cristo em Sugar Land, Texas - apresentou um breve argumento de que as conferências anuais deveriam poder estabelecer suas próprias regras para desfiliação. Embora estivesse desapontado com o resultado, ele concordou com Miles que o foco agora se move para as igrejas locais.

“Está claro que não permitir que as conferências considerem a desfiliação agora coloca um fardo pesado sobre as congregações para ter essa discussão e votação”, disse ele. Ele disse que ainda não sabe o que isso significa para a Metodista Unida Christ, mas a congregação criou uma força-tarefa para analisar o que deve fazer em resposta.

Temple havia apresentado uma resolução que estabeleceria um processo para que sua Conferência Anual do Texas votasse pela saída, e o Bispo da Conferência do Texas, Scott J. Jones, estava aberto a essa possibilidade.

Mas à luz da decisão do Conselho Judicial, o bispo disse que tal votação não pode ocorrer.

“Agora que o Conselho Judicial deixou claro que não podemos nos desfiliar, uma moção para desfiliar está fora de ordem”, disse ele durante um webinar da conferência.

Já foram retiradas as resoluções pedindo votos sobre a desfiliação das conferências Alabama-West Florida, Northwest Texas e South Georgia.  

Ao mesmo tempo, várias conferências anuais já planejaram sessões especiais para o outono que tratarão exclusivamente das desfiliações de igrejas individuais.

A Wespath Benefícios e Investimentos também foi uma parte interessada na questão da desfiliação da conferência anual. A agência administra investimentos para pensões e outros ativos de planos de aposentadoria para o clero Metodista Unido e funcionários leigos em nome das conferências anuais. As conferências anuais dos EUA são patrocinadores de planos de pensão e, portanto, legalmente responsáveis pelo pagamento de benefícios.

“Entendemos a lógica do Conselho Judicial e apreciamos sua análise cuidadosa”, disse Dale Jones, diretor administrativo de relações com a igreja da Wespath. “Entendemos que a decisão provavelmente foi bem recebida por alguns na igreja e decepcionante para outros. É nosso desejo trabalhar e apoiar todas as conferências anuais e a liderança da conferência.”

Ainda assim, Temple e outros reconhecem que, sem protocolo em vigor, a desfiliação de uma igreja individual pode ter um preço alto – incluindo custos relacionados a pensões.

A mesma Conferência Geral especial de 2019 que fortaleceu as proibições da igreja contra casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos gays “praticantes confessos” também aprovou a lei da igreja que agora é o Parágrafo 2553 do Livro de Disciplina. Essa disposição permite que as congregações saiam com bens se cumprirem certas obrigações financeiras e processuais. A lei da igreja expira em 31 de dezembro de 2023, aumentando a urgência para as congregações que esperam usá-la.

De acordo com o parágrafo 2553, uma igreja que parte deve pagar:

  • Dois anos de repartições – partes de doações da igreja.
  • Custo para a transferência de título ou outro trabalho legal.
  • Quaisquer empréstimos ou dívidas pendentes.
  • Uma boa parte das responsabilidades não financiadas com pensões do clero da sua conferência anual – isto é, o que as conferências devem aos aposentados. Uma conferência anual determina qual é a parte de uma igreja local.

O Conselho Judicial também decidiu que a maioria dos eleitores da conferência anual deve ratificar a desfiliação de uma igreja antes que ela possa ser finalizada.

O parágrafo 2553 também diz que as conferências anuais “podem desenvolver termos padrão adicionais que não sejam inconsistentes com a forma padrão deste parágrafo”.

No início deste ano, o Conselho Judicial afirmou exigências adicionais feitas por duas conferências anuais. Desde então, um punhado de conferências acrescentou a exigência de que uma igreja desfiliada deve pagar uma parte de seus ativos gerais. O Conselho Judicial não recebeu - e, portanto, não se pronunciou - quaisquer perguntas sobre esses novos requisitos de ativos.

Alguns conservadores teológicos estão pressionando para que as conferências anuais usem outra lei da igreja, o Parágrafo 2548.2, para permitir que as igrejas mudem para a Igreja Metodista Global. Esse parágrafo permite a transferência da propriedade da igreja para outra denominação.

Leia os relatórios de 2022

O Notícias Metodista Unida publicará os relatórios da conferência anual de 2022 assim que estiverem disponíveis. Relatórios das conferências provisórias da Libéria, Hungria, Quênia-Etiópia e Ruanda já estão online.

Ler relatórios

Veja a programação das conferências anuais e outros eventos futuros

O Conselho dos Bispos enviou várias perguntas ao Conselho Judicial sobre o significado e a aplicação do parágrafo. O tribunal da igreja agora acrescentou essas questões à sua pauta. A lei da Igreja exige que o Conselho Judicial aceite briefs (resumos) por pelo menos 30 dias antes de proferir qualquer decisão. Os briefs devem ser entregues em 23 de junho e os briefs de resposta de resposta em 30 de junho.

Enquanto isso, a Conferência Anual do Oeste da Pensilvânia, que se reunirá de 2 a 4 de junho, está entre aqueles que tentam navegar por um caminho a seguir, reconhecendo que muitos na conferência provavelmente seguirão direções diferentes. Por exemplo, dois membros da Conferência da Pensilvânia Ocidental apresentaram resumos sobre a questão da desfiliação da conferência anual, cada um oferecendo argumentos opostos.

John R. Wilson, secretário da conferência, argumentou que as conferências não deveriam ser autorizadas a partir.

“Eu queria lembrar ao Conselho Judicial que a conferência anual de acordo com a constituição é o corpo básico da Igreja Metodista Unida”, disse ele. “As palavras 'corpo básico' não podem ter outro significado além de que uma conferência anual é orgânica, integral e não pode dividir. Acredito que esta decisão do Conselho Judicial reafirmou essa posição.”

O Rev. Robert Zilhaver, um superintendente distrital na conferência, estava entre aqueles que defendiam a permissão de desfiliações da conferência. Zilhaver, que tem longa experiência no envio de petições em casos do Conselho Judicial, também ajudou Wilson a arquivar sua petição.

Embora desapontado com a decisão, Zilhaver disse que o resultado não teria impacto na Conferência Oeste da Pensilvânia.

“Nesta conferência anual, estamos analisando três caminhos diferentes para facilitar o ministério de diferentes perspectivas teológicas, nenhuma das quais deveria ter a Conferência da WPA (Western Pennsylvania Annual) separada da Igreja Metodista Unida”, disse ele.

Neste tempo de transição, muitos dos envolvidos no planejamento da Igreja Metodista Global também esperam continuar fazendo parte da Igreja Metodista Unida.

Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano), a principal força organizadora por trás da nova denominação, deixou claro que permanecerá por perto para ajudar as congregações que desejam deixar a Igreja Metodista Unida.

O Rev. Jay Therrell, que se tornará o presidente da WCA em 1º de junho, disse que o grupo está desapontado com a decisão do Conselho Judicial contra a saída de conferências anuais sob a lei atual da igreja.

“Continuaremos em nosso trabalho de ajudar igrejas e clérigos teologicamente conservadores a encontrar o caminho para uma igreja que se alinhe melhor, missional e teologicamente, com suas crenças”, disse ele. “Estamos ansiosos pelo dia em que eles estarão livres de conflitos e poderão se concentrar inteiramente na Grande Comissão de fazer discípulos de Jesus.”

Bickerton, o presidente do Conselho de Bispos, disse que aqueles que planejam permanecer como Metodistas Unidos também estão comprometidos em seguir os ensinamentos de Jesus. Ele disse que os bispos se comprometeram a liderar a igreja nos próximos dias com uma compreensão Wesleyana da graça de Deus, ancorada nas Escrituras.

“Enquanto entendemos que alguns de nossos irmãos deixarão a Igreja Metodista Unida, nossa oração é que continuemos a oferecer um espírito de boas-vindas a todos”, disse ele em comunicado.

“Vamos trabalhar duro todos os dias para ter corações, mentes e espíritos que estendem o amor de Deus mesmo quando discordamos.”

*Hahn é editor assistente de notícias da Notícias MU. Sam Hodges, um escritor da Notícias MU baseado em Dallas, contribuiu para este relatório. Contate-os em [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine resumos gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Conferência Anual
O Rev. Andrew C. Kjorlaug, um ancião da Conferência do Arkansas e capelão do Exército dos EUA, apresenta uma resolução na Conferência Anual do Arkansas que convida a delegação do Congresso do estado a agir sobre a “legislação responsável sobre armas de fogo”. Em um ano que viu vários tiroteios em massa, o Arkansas estava entre várias conferências Metodistas Unidas pedindo aos líderes eleitos que fizessem mais para regular as armas. Captura de tela cortesia da Conferência do Arkansas via YouTube pela Notícias MU.

Conferências agem a respeito da violência armada

Mesmo que as conferências anuais se encontrem no meio de discussões sobre desfiliações da igreja local e desacordos sobre a inclusão LGBTQ, elas estão pedindo ação e aprovando resoluções, além da retórica e dos chamados necessários à oração, sobre o grave problema da violência armada na sociedade americana.
Área Geral da Igreja
A Conferência Anual da Flórida tem cerca de 574 igrejas e 300 novas comunidades e ministérios de fé. A partida das 106 igrejas deixaria algumas comunidades da Flórida sem a presença Metodista Unida. Ilustração Rev. Gustavo Vasquez, Noticias MU News.

106 igrejas da Flórida processam para sair da denominação

A Conferência da Flórida está enfrentando uma ação movida por mais de 100 igrejas que querem alienar a Igreja Metodista Unida de sua propriedade e transferi-la para uma denominação separatista teologicamente conservadora.
Conferência Anual
Cadeiras drapeadas simbolizam que os candidatos da Conferência da Flórida para membros provisórios - um passo importante para a ordenação como presbítero ou diácono - não foram aprovados pela sessão do clero da conferência. A decisão controversa, tomada durante a reunião da conferência em Lakeland, Flórida, ilustrou a divisão denominacional sobre a inclusão LGBTQ. A decisão também alterou o serviço de conclusão de 11 de junho, onde os 16 deveriam ser comissionados. Foto de Esther Rodriguez via Facebook.

Votação da sessão do clero destaca divisão LGBTQ

A controvérsia tomou conta da Conferência Anual da Flórida quando sua sessão do clero votou por pouco para não aprovar o avanço de 16 pessoas, algumas abertamente gays, em seu processo de ordenação clerical.