Processo de protocolo doloroso, mas frutífero

Other Manual Translations: English español

Na sala de conferências de um advogado luxuoso, a alguns passos da Casa Branca, 16 Metodistas Unidos se reuniram em torno de uma mesa e começaram a difícil tarefa de empurrar um elefante de 48 anos para fora da sala.

Liderado por um mediador experiente e dois outros advogados consagrados, o grupo passou a representar membros de pontos de vista distintos ao longo de décadas de disputa sobre homossexualidade.

A terceira e última reunião do grupo ocorreu nos escritórios de advocacia de Kirkland & Ellis, em Washington.

Quando as coisas ficaram difíceis, o bispo John K. Yambasu, de Serra Leoa, parou e pediu oração.

Entrando na mediação, a maioria não achou que era possível que todos concordassem.

"Fazer a paz é um trabalho árduo", disse o reverendo Tom Berlin, que representou grupos centristas nas negociações. “A história real é que o processo de mediação nos permitiu obter o tônus muscular necessário para trabalhar em direção à resolução, em vez de trabalhar em direção ao conflito.”

Trabalhando com Kenneth Feinberg, um famoso advogado-mediador, a equipe de negociação - composta por bispos e líderes de grupos de defesa de perspectivas marcadamente diferentes sobre a inclusão de LGBTQ - chegaram a um plano que deixaria as igrejas Metodistas Unidas de mentalidade tradicional se separarem para formar uma nova denominação, mantendo suas propriedades e recebendo US $ 25 milhões em fundos Metodistas Unidos.

O plano ainda está sendo elaborado como legislação para a Conferência Geral de 2020, que será realizada de 5 a 15 de maio em Minneapolis. Os delegados de lá teriam que dar sua aprovação. No entanto, o plano tem a possibilidade de encerrar décadas de disputas denominacionais e evitar o tipo de divisão que algumas das principais igrejas protestantes já experimentaram.

“Ken Feinberg foi excelente. Sem sua forte liderança e ele francamente nos pressionando, não acho que haveria uma resolução”, disse Patricia Miller, representante de tradicionalistas e diretora do Movimento Confessante.

"Estou envolvida em reuniões como essa há anos, e Ken foi fundamental para nos levar a um ponto em que pudéssemos concordar", disse ela.

Muitos questionaram por que os tradicionalistas estão saindo. Miller disse que os resultados do protocolo refletem muitas concessões, mas "quando você ama algo, faz sacrifícios".

Miller disse que ela usa a analogia do Julgamento de Salomão, na qual ele é convidado a governar entre duas mulheres que alegam ser mãe de uma criança.

“Não estamos renunciando à posição da Igreja Metodista Unida. Estamos fazendo um sacrifício para preservar o que a igreja acreditou e praticou por todos esses anos ”, disse ela.

Ela disse que o conflito dentro da igreja pela inclusão de LGBTQ é um "desgosto".

"Eu vejo os tradicionalistas amando a igreja e cansados de ver a sua destruição", disse ela. "Alguns acham que mudar a igreja é mais importante que a unidade da igreja e os tradicionalistas acreditam que precisamos parar a batalha."

O Rev. David Meredith, um pastor gay representando progressistas, disse que ainda está "impressionado" que os membros do grupo que representam pontos de vista distintos - e que não haviam conseguido a um acordo até esse momento - foram embora com isso.

"Com a ajuda de um negociador externo e o movimento do espírito, encontramos um acordo unânime em sacrifício compartilhado e benefício compartilhado", disse ele.

Os participantes das reuniões disseram que a separação da igreja é uma decisão dolorosa.

Consulte mais informação

Grupo de diversos líderes oferece plano de separação

Reação em abundância ao plano de separação

Feinberg manteve os negociadores da igreja à mesa

Acelera o plano tradicional

Resistência ao plano tradicional acelera 

O documento "Protocolo de reconciliação e graça através da separação" compartilha a proposta de um grupo diversificado de bispos metodistas unidos e outros líderes. Clique aqui .

O grupo também divulgou um documento de perguntas frequentes. Clique aqui .

“Separação não é algo que eu queria, me dói. Eu trabalhei muito duro no ano passado para nos manter juntos”, disse a bispa Cynthia Harvey em um vídeo produzido pela Conferência da Louisiana. Harvey foi uma das bispas dos EUA na equipe de mediação.

"Não é perfeito, acho que ninguém diria 100% 'ganhei', mas é dar e receber", disse ela. "Isso trouxe lágrimas aos meus olhos quando chegamos àquele momento em que 16 de nós poderiam concordar."

O processo colaborativo só funcionará quando cada pessoa estiver tão preocupada em ajudar os outros quanto está com seus próprios pontos de vista, disse Berlin.

"Você não pode simplesmente fazer o sacrifício, você tem que comemorar que os outros estão conseguindo as coisas de que precisam", disse ele.

Berlim disse que a Conferência Geral Especial de 2019 estabeleceu os pontos de vista de todos. Foi uma experiência que ninguém queria repetir, disse ele.

Um mediador era algo que nunca havia sido tentado. "Mas sabíamos que fazer isso como um processo político levaria a algo semelhante à conferência de 2019 e que seria prejudicial para muitos."

Ele disse que Feinberg oferecer seus serviços foi "uma provisão de Deus".

Meredith acredita que este protocolo é um momento decisivo. Ele não vê o plano como fim da discriminação para os cristãos do LGTBQ, mas considera que "reduz significativamente o dano".

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Acredito que todas as pessoas que advogam pelo bem-estar das pessoas LGBTQ devem votar a favor, porque esta é uma estratégia muito clara e potente de redução de danos,”, disse ele.

Meredith está atualmente enfrentando acusações de violar a lei da igreja depois de se casar com Jim Schlacter, seu parceiro de quase 30 anos, em 2016.

O protocolo exige a suspensão de processos administrativos ou judiciais relacionados a casamentos entre pessoas do mesmo sexo ou a ordenação de clérigos gays.

Meredith disse que chorou quando todos ao redor da mesa concordaram com a suspensão.

"Nunca pensei que veria esse dia... não está aqui, mas parece mais possível do que nunca", disse ele.

Harvey disse que está esperançosa de que, no final, essas pessoas descubram como sua maior expressão de ministério pode ser vivida.

"O que realmente importa agora é que continuamos a ser uma luz para um mundo que está sofrendo."


*Gilbert é redator de notícias da Notícias Metodistas Unida. Entre em contato com ela pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da United Methodist, assine os resumos gratuitos quinzenalmente.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Área Geral da Igreja
Kim Simpson, presidente da Comissão da Conferência Geral e Janice Griffith, Illinois Great Rivers, dão as mãos em oração durante o culto de abertura na Conferência Pré-Geral Metodista Unida de 2020, realizada em Nashville, Tennessee. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Antecipação do que está sobre a mesa no GC2020

As conferências de Serra Leoa, Michigan, em breve decidirão se deve colocar o plano de separação da Igreja Metodista Unida na agenda da Conferência Geral de 2020.
Área Geral da Igreja
O Rev. Gary Graves discursa no Briefing pré-Conferência Geral de 2020 em Nashville, Tennessee. Graves participou de uma reunião que discutiu planos para a legislação que chegava tarde, e dificuldades com os delegados que recebiam os vistos necessários. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

Planos para a chegada tardia da legislação do GC2020

O grupo que organiza a Conferência Geral também trabalhou nas ações a serem tomadas diante das dificuldades que alguns delegados possam ter para obter seu visto nos EUA.
Área Geral da Igreja
O Rev. Chris Ritter discursa em uma reunião em 25 de janeiro de Metodistas Unidos tradicionalistas, realizada em Trussville, Alabama. A discussão focou na perspectiva de uma nova denominação para os tradicionalistas e nos detalhes de um “Protocolo de Reconciliação e Graça Através da Separação”. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Evento de tradicionalistas atrai grande público

Uma reunião perto de Birmingham, Alabama, explora a possibilidade de uma denominação se separar da Igreja Metodista Unida.