Uma nova iniciativa surge em favor do casamento igualitário

Other Manual Translations: English español

O Rev. Eric McKinney já enfrentou suspensão por realizar um casamento entre pessoas do mesmo sexo. Se ele fizer isso de novo, ele sabe que provavelmente perderia suas credenciais do clero Metodista Unido. O pastor aposentado do Texas disse que é um risco que ele está disposto a correr: "Há muitas coisas mais importantes do que credenciais", disse ele.

McKinney está entre os mais de 500 clérigos metodistas unidos que concordaram em oficiar casamentos cristãos de casais LGBTQ, apesar do fortalecimento das restrições que foram aprovadas na denominação em fevereiro do ano passado e que entraram em vigor em janeiro passado.

Organizando esta nova iniciativa para retomar casamentos igualitários, existe um novo grupo metodista unido chamado  "Rituais de Casamento". O grupo procura disponibilizar esses serviços a todos os casais cristãos que consideraram seus votos em oração e participaram de aconselhamento antes do casamento.

Isso faz parte de uma campanha mais ampla, patrocinada pelo grupo Resist Harm, para se posicionar contra as restrições da denominação em relação às pessoas LGBTQ. Grande parte dessa campanha não viola o Livro da Disciplina, a constituição da Igreja Metodista Unida (IMU). O grupo "Ritos matrimoniais" visa confrontar os processos contra clérigos que oficiam casamentos igualitários; e ao mesmo tempo, oferecer orientação por meio de cuidados pastorais e conselhos legislativos para a interpretação e aplicação da Disciplina.

Um dos principais organizadores do grupo é a Revda. Rebekah Miles, presbítera ordenada na Conferência Anual do Arkansas e professora de ética e teologia prática na Escola de Teologia Perkins da Universidade Metodista do Sul.

“Ensino a doutrina metodista unida há mais de 25 anos e sempre digo aos alunos, quase todos no processo de responder ao chamado para o ministério ordenado na IMU, que eles devem garantir que você esteja disposto cumprir com o Livro de Disciplina. No entanto, acredito que, neste momento, as leis do Livro da Disciplina são tão distorcidas que realmente tenho a obrigação de desobedecê-las", afirmou.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Vários setores do povo metodista unido protestaram publicamente contra as restrições de casamento da denominação acima. Por exemplo, a Rede de Ministérios de Reconciliação (Reconciliando Ministérios Networ), um grupo de defesa da igualdade LGBTQ, convidou clérigos e congregações a se inscreverem na iniciativa “Altares para Todos” para mostrar solidariedade às pessoas LGBTQ. Entre os listados, estavam as congregações Metodistas Unidas que estavam dispostas a celebrar casamentos igualitários e aqueles que se abstiveram de fazê-lo até que as regras da igreja permitissem que todas as pessoas, independentemente da orientação sexual, se casassem.

O que diferencia o esforço do grupo de Ritos de Casamento é que ele visa conectar casais com clérigos ou metodistas leigos unidos a uma licença para oficiar casamentos. Além disso, os líderes do grupo vêm das jurisdições da denominação central sul e sudeste (regiões dos EUA onde as restrições relacionadas ao ministério com pessoas LGBTQ enfrentavam  muito pouca resistência até recentemente).

O esforço desse novo grupo, que foi tornado público em 22 de janeiro, atraiu mais clérigos do que Miles esperava, embora nenhum casamento tenha sido oficializado até agora.

De acordo com Miles: “O que mudou a dinâmica são as decisões tomadas na Conferência Geral Especial de 2019, com uma votação de 438 contra 384, do Plano Tradicional, que fortalece as proibições da igreja contra casamentos do mesmo sexo e a ordenação de clérigos autodeclarados como homossexuais praticantes. A Conferência Geral é a principal assembleia legislativa da igreja, que reúne delegados de todo o mundo a cada quatro anos.

Entre as mudanças, estava uma nova sanção obrigatória para o clero considerado culpado de oficiar casamentos entre pessoas do mesmo sexo: a suspensão de um ano sem pagamento pelo primeiro delito e a perda de credenciais em caso de reincidência. Miles disse que nenhuma outra violação da lei da igreja, incluindo abuso, adultério ou peculato, acarreta uma penalidade obrigatória. As novas medidas entraram em vigor em 1º de janeiro nos Estados Unidos.

"O Plano Tradicional nos levou a tomar uma posição, por obrigação moral, que para muitos de nós é algo que nunca teríamos feito antes", disse Miles.

O "Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação", uma proposta concertada entre os setores tradicionalista, centrista e progressista que será decidido na Conferência Geral de 2020,  insta a suspender o processamento de reclamações contra casamentos do mesmo sexo e ordenação do clero homossexual. 

Miles disse que o protocolo não menciona a interrupção do serviço de casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas dos processos judiciais que são seguidos pelos ministros que os oficiaram até agora.

Ele também observou que a suspensão não é vinculativa para ninguém além dos signatários do protocolo, e vários bispos há muito indicam um compromisso em processar reclamações sob os parâmetros da Disciplina, conforme escrito.

Miles disse que as novas regras exigem que os clérigos que não precisam contar com os compromissos da igreja para obter apoio financeiro aumentem a proteção dos clérigos ativos. Cerca de um terço do clero que se inscreveu está aposentado, disse Miles. Outro grupo está, como ela, no ministério de extensão - ou seja, eles trabalham fora da igreja local.

McKinney, 69 anos, é membro da Conferência Anual do Texas, onde espera que o Plano Tradicional seja implementado.

Como vários signatários dos "ritos matrimoniais", seus pontos de vista sobre a homossexualidade mudaram ao longo dos anos. Como delegado da Conferência Geral de 2000, ele votou para manter o ensino tradicional de que a prática da homossexualidade "é incompatível com o ensino cristão", uma posição que a denominação assume desde 1972. No entanto, ele disse que uma de suas filhas expressou desapontamento em seu voto.

"Ela disse: 'Você não sabe que você tem líderes de gays e lésbicas na igreja?'", o que a fez pensar lembrou McKinney. 

Em 2015, no mesmo ano em que  a Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o país, ele oficiou um casamento entre duas mulheres metodistas unidas. Uma delas foi uma metodista unida ao longo de sua vida e é filha de amigos de infância.

Ele foi suspenso após uma reclamação e sabe que suas credenciais seriam revogadas com uma segunda ofensa.

 "Eu realmente acredito nas profundezas do meu ser que é isso que Deus quer que eu faça". McKinney disse.

Da mesma forma, ele expressou se sentir bem com o que quer que venha: "O que experimentei em minha própria vida me deu uma compreensão mais profunda de que o Senhor é um Deus de graça, alcance e afirmação para todo ser humano. Acho que a justiça exige o fim da discriminação contra qualquer filho de Deus ", concluiu.

Mesmo para o clero aposentado, a revogação de credenciais poderia ter consequências além da perda de autoridade para administrar os sacramentos. O ex-clero manteria as pensões pagas, mas perderia o acesso aos benefícios de saúde para aposentados oferecidos por suas conferências.

Mesmo assim, isso não impediu o reverendo Bob e Judy Holloway, ambos clérigos aposentados do centro do Texas, a se juntaram aos "Rituais de Casamento". Bob Holloway é um padre e Judy Holloway é um diácono.

"Nós dois sentimos e acreditamos em nossos corações que somos chamados para ministrar a cada pessoa e ser uma presença pastoral para essa pessoa", disse Bob Holloway, 72 anos.

O Rev. Ed Matthews, pastor aposentado da Conferência Anual do Arkansas e ex-missionário no Congo, disse que, apesar de ter 85 anos, queria se juntar ao esforço.

"Como a maioria das coisas que valem a pena, há sempre um risco envolvido", disse ele.

O Rev. Harlan Beckley, professor emérito de religião na Washington & Lee University, em Lexington, Virgínia, disse que vê o casamento igual como uma questão de justiça.

No entanto, ele acha que todos os casais, independentemente de sua orientação, devem atender a certos requisitos. Isso inclui aconselhamento pré-marital, um compromisso com a instituição e uma cerimônia religiosa diante de uma comunidade de pessoas: "Não acho que tenhamos que mudar todos esses requisitos", disse o membro da conferência de 76 anos da Virgínia.

 

* Hahn é uma repórter multimídia da Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da United Methodist, assine os resumos gratuitos quinzenalmente.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Área Geral da Igreja
Esta é a definição de suspensão, conforme indicado no dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Embora o "Protocolo de Reconciliação e Graça por Separação" seja uma proposta não aprovada, os negociadores estão pedindo uma pausa para o fechamento e as queixas da igreja. Gráfico do Rev. Gustavo Vasquez, Notícias MU.

Negociadores pedem pausa em julgamentos e fechamentos

Parte da nova proposta para a separação da denominação exige uma pausa no fechamento de igrejas e no processamento de reclamações relacionadas a restrições LGBTQ.
Conferência Anual
 Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

O Senhor usa tudo: pastor de S.C. espera continuar o chamado após acusações retiradas

Um pastor metodista unido teve suas acusações retiradas e seu registro foi extinto depois de passar os últimos quatro anos lutando para limpar seu nome.
Área Geral da Igreja
Membros do Conselho Judicial de 2016-2020. (Da esquerda) Fila da frente: Deanell Reece Tacha, N. Oswald Tweh Sr., o Rev. Luan-Vu Tran. Fila de trás: Lydia Romão Gulele, Ruben T. Reyes, o Rev. Øyvind Helliesen, o Rev. Dennis Blackwell e o Rev. J. Kabamba Kiboko. (Não retratado, Beth Capen). Foto por Kathleen Barry, Comunicações Metodistas Unidas.

Tribunal de Justiça aprova parte do Plano Tradicional, plano de saída

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida descobriu que, embora algumas disposições do recém-adoptado Plano Tradicional permaneçam inconstitucionais, o resto do plano é válido como lei da igreja.