Metodistas Unidos contribuem com reassentamento afegão

Kingstowne Communion (A Comunhão de Kingstowne) não tem um prédio. Durante a pandemia, esta nova igreja Metodista Unida em Alexandria, Virgínia, reuniu-se online e em serviços pop-up em parques e outros locais públicos.

Embora sem-teto, Kingstowne recentemente mobiliou um apartamento para uma família de três refugiados afegãos.

Isso significava encontrar camas, um sofá (encomendado por um doador por meio da Amazon) e outros móveis. Os toques extras incluíram um arranjo de flores na porta da frente e um lote de biscoitos afegãos de boas-vindas.

“Esta hospitalidade radical é o que somos chamados a fazer”, disse a Revda. Alyssa Densham, pastora associada da Comunhão de Kingstowne, que começou como uma comunidade de adoração há cinco anos e se tornou uma igreja independente no início deste ano.

O que entusiasmou Densham e a Revda. Michelle Matthews, a pastora da igreja, é que o esforço galvanizou os membros da igreja e alistou muitos outros que ofereceram dinheiro e presentes em espécie - ou apareceram para ajudar.

“Fomos inundados”, disse Matthews.

Inundado, mas não intimidado. A Comunhão Kingstowne, trabalhando com o grupo de reassentamento de refugiados Lutheran Immigration and Refugee Services (Serviços Luteranos de Imigração e Refugiados), irá neste fim de semana preparar apartamentos para mais duas famílias de refugiados afegãos.

Zach Lenkay (left) and John Densham of Kingstowne Communion, a United Methodist church in Alexandria, Va., assemble furniture for an Afghan refugee family that the church is helping to sponsor. Photo courtesy of Kingstowne Communion. 
Zach Lenkay (à esquerda) e John Densham da Comunhão de Kingstowne, uma igreja Metodista Unida em Alexandria, Va., montam móveis para uma família de refugiados afegãos que a igreja está ajudando a patrocinar. Foto cortesia da Comunhão de Kingstowne.

Com o recente fim tumultuado da guerra de 20 anos no Afeganistão, dezenas de milhares de afegãos estão chegando aos Estados Unidos, e os Metodistas Unidos fazem parte do enorme esforço para ajudá-los a começar do zero.

Isso é particularmente evidente em igrejas próximas a bases militares.

A Igreja Metodista Unida El Calvario em Las Cruces, Novo México, está acostumada a cuidar daqueles que cruzaram a fronteira entre os Estados Unidos e o México, mas agora está coletando roupas (incluindo hijabs), sandálias, absorventes higiênicos e outros itens básicos para afegãos cuja primeira parada nos EUA são na Base da Força Aérea Holloman ou Fort Bliss - ambos relativamente perto da igreja.

“El Calvario sempre foi um lugar que acolhe um estranho, ajuda as pessoas necessitadas, por isso, quando as pessoas chegam à nossa porta, estamos sempre lá”, disse o pastor George Miller a uma estação de TV local.

Pelo menos duas outras igrejas da Associação do Novo México, Metodista Unida Grace em Alamogordo, Novo México, e Primeira Igreja Metodista Unida Trinity em El Paso, Texas, estão servindo como pontos de coleta.

Enquanto isso, o Bispo da Conferência do Novo México, Earl Bledsoe, juntou-se ao Rev. Eddie Rivera, reitor da conferência, e Kristen Bowdre, uma diaconisa Metodista Unida que atua como diretora executiva de Justiça para Nossos Vizinhos-El Paso, em um abrangente “Call to Action” (Chamado à Ação) em nome dos refugiados afegãos.

“A maioria de nós pode traçar a linhagem de nossa própria família até alguém que veio para os Estados Unidos de outro país em busca de uma vida melhor”, Bowdre escreveu no apelo.

Ajudando e aprendendo

A Conferência da Virgínia está entre as que fornecem informações sobre como igrejas e indivíduos podem ajudar no reassentamento de refugiados afegãos. A Conferência Baltimore-Washington também.

Church World Service (Serviço Mundial da Igreja) é um grupo de reassentamento apoiado pela Metodista Unida que busca doações para o seu trabalho com refugiados afegãos.

A Comissão Metodista Unida de Socorro publicou recentemente sobre a sua ligação com o Serviço Mundial da Igreja e com outros parceiros que oferecem ajuda humanitária no Afeganistão. As informações de doação estão incluídas.

A Junta Metodista Unida de Igreja e Sociedade tem uma reportagem sobre a crise humanitária do Afeganistão. O artigo baseia-se em fontes Metodistas Unidas e foi escrito por Linda Bloom.

O Bispo da Conferência de Wisconsin, Hee-Soo Jung, e Donna Veatch, presidente do comitê de ministérios de imigração e refugiados da conferência, estão entre os líderes Metodistas Unidos que apelam por apoio para o esforço de reassentamento. Seu estado abriga o Forte McCoy, um dos que recebem aviões que transportam refugiados afegãos.

A Metodista Unida Saint John em Austin, Texas, está entre as igrejas que fornecem dinheiro para o reassentamento de refugiados afegãos. O Risk-Taking Mission and Service Committee (Comitê de Missão e Serviço de Assumir Riscos) da igreja acaba de aprovar uma doação de US $5.000 para o Serviço de Refugiados do Texas.

“Eles têm um histórico comprovado de assentamento de refugiados e temos parceria com eles há vários anos”, disse Deborah Dorff, co-presidente do comitê, por e-mail.

A Igreja Metodista Unida Nacional em Washington recolheu fraldas, lençóis e outros suprimentos para refugiados afegãos, cuja primeira parada é a Base do Corpo de Fuzileiros Navais de Quantico, na Virgínia. Mas, por enquanto, a base suspendeu a aceitação de doações, devido à resposta esmagadora.

O reverendo Doug Robinson-Johnson disse que a National tem duas unidades habitacionais transitórias vagas e entrou em contato com agências de reassentamento para oferecê-las aos refugiados afegãos.

A igreja está esperando uma resposta.

“Eles estão tão sobrecarregados administrativamente que não podem acompanhar as ofertas”, disse o pastor. “Ainda esperamos poder fornecer abrigo.”

Várias conferências anuais Metodistas Unidas estão publicando artigos sobre formas de ajudar no esforço de reassentamento, e a Conferência da Virgínia, lar das bases aonde os refugiados estão chegando, tem um dos mais extensos trabalhos.

Algumas conferências estão pedindo especificamente apoio financeiro para o Church World Service (Serviço Mundial da Igreja), devido à emergência de reassentamento no Afeganistão.

A Church World Service é uma das nove principais agências de reassentamento dos EUA e trabalha em 17 estados. A Igreja Metodista Unida é uma das 37 comunhões membros.

Desde que o Congresso aprovou a Lei de Proteção dos Aliados Afegãos de 2009, oferecendo uma chance de um Visto Especial de Imigração (SIV) para aqueles que trabalharam ao lado do governo dos EUA no Afeganistão, a Church World Service ajudou a reassentar cerca de 7.000 afegãos.

O ritmo aumentou dramaticamente nos últimos dias.

“Temos trabalhado sem parar para garantir que as pessoas estejam seguras e abrigadas e comecem a receber serviços de reassentamento”, disse Meredith Owen, diretora de políticas e defesa do programa de imigração e refugiados da Church World Service.

A UMCOR, United Methodist Committee on Relief (Comissão Metodista Unida de Alívio) está em discussão com o Church World Service sobre como ajudar com alojamento temporário para refugiados afegãos.

“A Igreja Metodista Unida é uma das denominações que ajudaram a lançar o Church World Service (Serviço Mundial da Igreja) em 1945 e o CWS continua a ser o principal parceiro da UMCOR no trabalho de reassentamento de refugiados”, disse o Bispo da Conferência de Nova York Thomas Bickerton, presidente da UMCOR.

O UMCOR faz parte da Junta Metodista Unida de Ministérios Globais e ambos trabalharam com parceiros ecumênicos no Afeganistão em projetos humanitários que remontam a meados da década de 1960. (Daniel Terry, um leigo Metodista Unido, estava entre os 10 trabalhadores humanitários mortos no remoto nordeste do Afeganistão em 2010.)

Embora tenha havido um foco compreensível na fuga de refugiados, o Afeganistão começa outro período de domínio do Taleban sob circunstâncias extremas.

The Rev. George Miller briefs members of the United Methodist Immigration Task Force on a transitional shelter for immigrants at El Calvario United Methodist Church in Las Cruces, N.M., in 2019, when the church was preparing to host migrants who had crossed into the U.S. from Mexico. The church is now collecting supplies for Afghans whose first stop is a nearby U.S. military base. File photo by Mike DuBose, UM News. 
O Rev. George Miller informa os membros da Força Tarefa de Imigração Metodista Unida sobre um abrigo transitório para imigrantes na Igreja Metodista Unida de El Calvario em Las Cruces, NM, em 2019, quando a igreja estava se preparando para hospedar migrantes que cruzaram para os Estados Unidos vindos de México. A igreja agora está coletando suprimentos para os afegãos, cuja primeira parada é uma base militar americana próxima. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

“Com a estiagem prolongada, a fome crescente e a pobreza generalizada, há uma crise enorme e invisível em todo o país que vem se formando há anos”, disse David Wildman, principal representante dos Ministérios Globais nas Nações Unidas e na área de ligação do Oriente Médio, e um viajante frequente ao Afeganistão ao longo dos anos.

O UMCOR, em uma recente postagem na página da Web, observou seu plano de continuar a apoiar a ajuda humanitária no Afeganistão.

“Certamente essa é a nossa esperança, que possamos continuar a ser capazes de trabalhar com parceiros que estão fazendo um bom trabalho no Afeganistão”, disse o Rev. Jack Amick, que dirige o programa de migração global da UMCOR, em uma entrevista por telefone.

Os Metodistas Unidos e grupos afiliados também estão entre aqueles que pressionam o governo Biden para continuar a ajudar os afegãos que serviram ao lado dos EUA e que não conseguiram partir antes do último voo militar dos EUA de Cabul.

“Esperamos que todos aqueles que desejam partir porque têm um temor crível por suas vidas tenham permissão para partir, e para aqueles que têm laços com os Estados Unidos, vir para a América”, disse Erol Kekic, vice-presidente sênior do Programa de imigração e refugiados do Church World Service (Serviço Mundial da Igreja).

O Rev. Neal Christie é o ministro executivo do envolvimento conectado da Conferência de Baltimore-Washington e escreveu um ensaio sobre como os Metodistas Unidos podem responder à crise dos refugiados afegãos, incluindo através da advocacia.

Christie disse por telefone que a maioria dos refugiados rapidamente se torna contribuinte líquido para a economia dos Estados Unidos, e que muitos milhares têm trabalhado como profissionais de saúde e alimentação durante a pandemia COVID-19.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Ele também observou que o Livro de Resoluções da Metodista Unida inclui uma forte inscrição de “Boas-vindas ao Migrante para os EUA” .

“Este é um presente e uma oportunidade para a UMC e outras comunidades cristãs de receberem pessoas, especialmente aquelas que vêm do Afeganistão”, disse Christie.

Amick elaborou o tema.

javascript:void(0);

“A ideia de que acolhemos o estrangeiro, o forasteiro, é a chave para expandir o reino de Deus.”

*Hodges é redator do Notícias Metodista Unida em Dallas. Contate-o em 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected].

Evangelismo
O Rev. Thomas Kim. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Uma lamentação com esperança para o Afeganistão

Assistir às notícias da retirada dos Estados Unidos do Afeganistão lembra o reverendo Thomas Kim do tempo que passou com os missionários lá depois que seu cunhado foi morto em um bombardeio.
Missão
Um homem quebra uma janela quando partidários do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, invadem o edifício do Capitólio dos EUA em Washington em 6 de janeiro de 2021. Os Ministérios do Discipulado vão oferecer um novo recurso de Conversas Corajosas para ajudar os Metodistas Unidos a falar sobre o nacionalismo ou Cristão de forma respeitosa. Foto cedida por REUTERS / Leah Millis.

O nacionalismo cristão tornou-se uma questão de cuidado

Os Ministérios de Discipulado oferecem um novo recurso para facilitar conversas sobre questões polêmicas, como o nacionalismo cristão, de maneira respeitosa.
Preocupações Sociais
Esquerda Rebecca Cole, Diretora de Organizações de Base para a Junta Geral da Igreja e Sociedade (GBCS) de La IMU. Direita Emma Escobar, Coordenadora de Ministérios Hispano-Latinos da Conferência Anual de Baltimore-Washington. Foto cortesia da Conferência Anual de Baltimore-Washington.

O jejum oferece testemunho de liberdade

Em seus "Princípios Sociais", a IMU declara: "Qualquer legislação para reformar o sistema de imigração dos Estados Unidos deve afirmar o valor, a dignidade e os direitos inerentes dos migrantes."