Jogadores de futebol cegos têm a oportunidade da vida

Other Manual Translations: español

Tarumbidzwa Taruvinga, 17 anos, é cega desde o nascimento. Aluna da Escola Metodista Unida Murewa, ela nunca sonhou que viajaria ao Japão para ter a chance de competir em um torneio internacional de futebol cego em Tóquio e Saitama. Mas agora, se conseguir financiamento suficiente, isso está em sua agenda de 2019.

"Eu só quero agradecer ao Deus todo-poderoso por me conceder esta oportunidade", disse ela. “Ser uma primogênita criada em uma família com deficiências visuais é incrível.

“Eu estava tão animada e não conseguia acreditar nos meus ouvidos. (…) Meus pais também ficaram animados em ouvir notícias e oportunidades tão boas para a minha vida”. Os pais dela, também cegos, compareceram à Escola Metodista Unida Murewa também.

"Eu ficarei feliz em retornar e ensinar os meninos e meninas sobre as regras do futebol cego e técnicas", acrescentou Taruvinga. “Eu continuo orando a Jesus pelo financiamento da minha viagem”, disse ela. "Eu jogaria o meu melhor para levantar a bandeira da excelência para o meu país, escola e igreja".

Seis estudantes da Murewa High School foram selecionados para participar da partida de futebol entre 20 e 24 de fevereiro: Taruvinga, Chengetai Chipanga, Kudakwashe Kundishora, Monalisa Makomo, Fadzai Kimberley Nyakudya e Tanisha Zonde.

Chipanga, de 23 anos, está ansiosa pelo amistoso com o Japão no Acampamento e nos Jogos de Treinamento para Mulheres Cegas, da Associação Internacional de Futebol Cegos.

Jogadora de futebol desde os 4 anos, Chipanga disse que o futebol com deficiência visual é jogado por 10 jogadores, cinco em cada equipe. Todos, exceto os goleiros, usam blindfolds – venda nos olhos. Um guia fica fora do campo onde acontece o jogo e fornece instruções aos jogadores.

"A bola produz um som que é detectado pelos jogadores para que eles saibam a posição da bola e onde chutar", disse ela. “A bola contém rolamentos soltos de esferas, de modo que ela chacoalha quando se move.

Monalisa Makoma, a student at Murewa United Methodist High School in Zimbabwe, kicks the ball during practice for the International Blind Soccer Association’s upcoming women's training camp and games in Japan. Photo by Chenayi Kumuterera, UMNS.
Monalisa Makoma, aluna da Escola Metodista Unida Murewa, no Zimbábue, chuta a bola durante os treinos para os próximos jogos femininos da Associação Internacional de Futebol Cego, no Japão. Foto de Chenayi Kumuterera, UMNS.

 

Através do crowdfunding para o Comitê Paraolímpico Nacional do Zimbábue, Keon Richardson, coordenador cego de desenvolvimento de futebol da organização, levantou dinheiro suficiente para enviar Chipanga, que foi selecionada em um empate, e um professor, além de pagar outras despesas.

Além de seu trabalho voluntário no Comitê Paraolímpico Nacional, Richardson é um oficial de deficiência da Palace for Life Foundation, o braço de caridade da English Premier League Crystal Palace Football Club.

O campo de treinamento e os jogos no Japão são especificamente para mulheres com deficiência visual. O objetivo é expô-las ao jogo e despertar interesse em seu país para desenvolver ainda mais o esporte.

Richardson disse que o evento começará com dois dias de treinamento para todas as participantes. No terceiro dia, uma equipe seleta do International Blind Soccer Association competirá.

Michael Ityaishe Bulagango, presidente do Comitê Paralímpico Nacional do Zimbábue e membro da Federação Internacional de Esportes Cegos, disse: “O projeto começou no ano passado, quando nossa organização foi convidada a participar do desenvolvimento do futebol cego no Zimbábue.

“Como havia mais inscrições do que espaços, foi feito um sorteio, e apenas Chengetai Chipanga foi selecionada para ir, o que cobriu todos os custos em 500 euros (US $ 565). O comitê organizador local levantou fundos para mais duas jogadoras. Para as outras três mulheres, disse ele, "temos que pagar ao comitê organizador local 725 euros (US $ 820) por pessoa e seu voo de volta, que é cerca de 1110 libras (US $ 1.255)".

"Nosso papel é treinar nossos alunos, fazer pedidos de permissão para ir e fornecer um professor para orientar os alunos", disse Sydney Mapisaunga, vice-diretor da Escola Metodista Unida Murewa.

"Será a primeira vez que vou a outro continente e tenho uma experiência para jogar futebol cego", disse a professora / guia Constance Tendere Munemo.

O reverendo Alan Gurupira, assistente administrativo do bispo Eben K. Nhiwatiwa, disse: “Este evento é um marco na remoção do mito de que os deficientes visuais estão condenados na vida. Quem já pensou que o cego poderia jogar futebol? O bispo Nhiwatiwa já investiu US $ 400” para ajudar nas despesas.

“O ministério da igreja para tais membros da nossa comunidade tem dado frutos”, disse Gurupira. “Nós podemos alegremente dar glória a Deus Todo-Poderoso por levar estes, nossos estudantes, até aqui, e continuamos a orar pelo sucesso desta viagem”.

 

* Kumuterera é um comunicador da Conferência Oeste do Zimbábue. Contato com a imprensa: Vicki Brown em (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org.

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Igreja Local
Ethel Sandy, coordenadora das Mulheres Metodistas Unidas (United Methodist Women - UMW), fala com os alunos da Albert Academy - a única escola secundária de meninos Metodistas Unidos em Freetown, Serra Leoa - sobre os perigos de trapacear nos exames. Foto de Phileas Jusu, Notícias MU.

UMW inicia campanha anti-trapaça nas escolas da igreja

Os membros das Mulheres Metodistas Unidas na Conferência de Serra Leoa iniciaram uma campanha anti-trapaça nas escolas Metodistas Unidas.
Preocupações Sociais
Portia Kasuso, 11, experimenta sua nova cadeira de rodas com pedal manual durante um serviço de reavivamento dos Metodistas Unidos em Murewa, no Zimbábue. O presente da cadeira de rodas foi facilitado pela Conferência Oeste da Igreja no Zimbábue. Foto do Rev. Taurai Emmanuel Maforo, Notícias MU.

Cadeira de rodas abre novas portas para menina na zona rural do Zimbábue

Movido pelo espírito de 11 anos de idade, o bispo Nhiwatiwa e os pastores locais pedem ajuda para que ela obtenha uma educação.
Evangelismo
Comunidade Nova na zona rural a 50kms de Antananarivo. Foto de Joao Filimone Sambo.

Madagáscar: evangelização através da educação garante o crescimento da IMU

A grande ilha de Madagáscar, localizada na parte insular da costa sudeste da África, entre o Canal de Moçambique e a parte ocidental da Asia, é um terreno fértil para evangelização e implantação do Metodismo Unido através da Educação.