No adiamento do GC2020, os líderes veem a pausa necessária

Other Manual Translations: English español

Com os planos da Conferência Geral sendo adiados por causa do COVID-19, as propostas para dividir a denominação estão suspensas.
 
No entanto, o trabalho da igreja continua - talvez seja mais necessário do que nunca. 

Essa é a avaliação de vários líderes da igreja após o anúncio de que as preocupações com a saúde pública exigem o adiamento da principal assembleia legislativa da denominação, programada para maio. Novas datas ainda precisam ser determinadas.
 
“Espero que os delegados possam usar esse tempo para esquecer completamente a Conferência Geral por um tempo, para ser honesto. Esse é certamente o meu plano! disse o Rev. Andy Bryan, delegado da Conferência de Missouri e pastor principal da Igreja Metodista de Manchester United, no Missouri.
 
"Espero que usemos esse tempo para ministrar, compartilhar o amor de Deus e continuar a ser a igreja que Deus está nos chamando para ser", acrescentou.

Bryan e outros delegados que falaram com a Notícias MU concordaram que o adiamento era necessário, dada a emergência de saúde global e as restrições de viagem relacionadas. No entanto, eles também falaram sobre a necessidade de usar essa desaceleração em oração na tomada de decisões da igreja.

"O adiamento da Conferência Geral para mim é de decepção e bênção", disse o Rev. George K. Weagba, um veterano delegado da Associação Geral e vice-presidente da Universidade Metodista Unida da Libéria. A decepção, disse ele, é que provavelmente atrase as decisões sobre ficar ou deixar a denominação, e ele teme que isso possa levar à paralisia do ministério. 

No entanto, ele também vê a possibilidade de que Deus tenha algo melhor em mente para as pessoas chamadas metodistas.
  
“Lembremo-nos”, disse ele, “é em nosso tempo de crise que a 'voz quieta' do Senhor fala aos nossos corações perturbados e, se ouvimos, nos salva.

A Revda. Kennetha Bigham-Tsai, uma delegada da Conferência de Michigan, compartilhou um sentimento semelhante. Ela achou instrutivo que  a próxima Conferência Geral retire seu tema do Salmo 46, que descreve Deus como um refúgio quando o mundo se desfaz.
 
“Dizem-nos no final do salmo 'Fique quieto e saiba que eu sou Deus' ”, disse ela. "É isso que espero que os delegados façam."

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Por grande parte deste ano, os líderes Metodistas Unidos têm se preparado para uma possível separação da igreja para resolver a disputa intensificada da denominação sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo e ordenação LGBTQ. Nas últimas três semanas, três grupos diferentes de Metodistas Unidos se reuniram para discutir planos de como será um futuro separado. Agora, os líderes da igreja em todo o espectro teológico veem preocupações mais imediatas, e a expansão do COVID-19 coloca grandes reuniões fora de questão. Em 20 de março, a Johns Hopkins University - que está rastreando casos - informou que o coronavírus havia infectado mais de 246.000 pessoas e matado mais de 10.000 em todo o mundo. Os Estados Unidos têm mais de 14.000 casos, com um número de mortos chegando a 200.
 
Com o vírus ameaçando vidas e as quarentenas colocando as pessoas fora do trabalho, disse Bigham-Tsai, a igreja tem um papel crucial a desempenhar.
 
Bigham-Tsai também é o principal executivo da Mesa Conexional que coordena os ministérios das agências da igreja geral. Ela observou que a denominação se compromete há muito tempo com o avanço da saúde global e ministra com pessoas em dificuldades econômicas.
 
"Este é precisamente o momento em que o testemunho vibrante de nossa igreja conectiva, centrada em Cristo e focada na missão, é mais urgentemente necessária e de importância vital", disseram ela e líderes das 13 agências gerais da denominação em comunicado.
 
Em muitas partes da igreja global, as pessoas estão trancadas. A Revda. Lilibeth Balagan, chefe da delegação da Conferência Nordeste das Filipinas, disse que mesmo as visitas ao mercado em sua área requerem permissão das autoridades.

Ela apoia medidas fortes, bem como o adiamento da Associação Geral. Mas ela pediu à igreja que "ajude os mais vulneráveis".

A bispa Cynthia Fierro Harvey, que é a nova presidente do Conselho dos Bispos, disse que a pausa nos procedimentos da igreja pode ajudar nas prioridades.

"É hora de cuidarmos um do outro, mesmo à distância", disse Harvey, que também lidera a Conferência da Louisiana. "Vizinhança nunca foi tão importante."

Harvey está entre o comitê executivo do Conselho dos Bispos que em 13 de março pediu aos organizadores da Associação Geral que adiassem a reunião legislativa internacional.
 
O Centro de Convenções de Minneapolis, que estava programado para realizar a reunião, anunciou que cancelaria os eventos até 10 de maio - tomando a decisão das mãos dos organizadores.

A paralisação abrange os cinco primeiros dias da reunião de 10 dias da denominação, que deveria atrair 862 delegados, 66 bispos e outros de quatro continentes. A mudança do centro de convenções também significa que os líderes da igreja não terão que pagar multas por quebra de contrato.

A Comissão da Conferência Geral se reunirá por teleconferência em 21 de março para discutir os próximos passos.
 
Ainda assim, não há dúvida de que o adiamento cria ainda mais incerteza.

Jay Brim, delegado leigo da conferência no Rio Texas e advogado que também atua como chanceler da conferência, disse que se preocupa com o efeito sobre as igrejas e os membros da igreja que já contemplam deixar a denominação e planejam decidir logo após a reunião de maio.

“A principal preocupação que tenho é que muitas pessoas dirão: 'Não estou disposto a esperar mais'.”

Ele também se pergunta se o vírus impedirá que outras reuniões da igreja ocorram conforme o planejado. Metodistas Unidos nas Filipinas, Costa do Marfim e Alemanha já adiaram 19 conferências anuais indefinidamente.

O presidente do Conselho Judiciário, Oswald Tweh, anunciou em 20 de março que o tribunal superior da denominação estava adiando sua reunião da primavera de 29 de abril a 2 de maio em Minneapolis devido à ameaça contínua de coronavírus. "Será dada uma notificação oportuna da nova data", disse ele.

O Rev. Kah-Jin Jeffrey Kuan, delegado da Conferência Califórnia-Nevada e presidente da Claremont School of Theology, está preocupado com o fato de que os seminários Metodistas Unidos atrasem sua esperança de uma denominação totalmente inclusiva.
 
Ele alertou que o reagendamento da Conferência Geral poderia atrasar as contribuições necessárias do Fundo Ministerial de Educação para os seminários Metodistas Unidos. A Conferência Geral aprova o orçamento de quatro anos para a igreja geral.

Enquanto isso, Bethany Amey está planejando usar o Zoom e o FaceTime para manter contato com colegas da delegação da Conferência da Grande Nova Jersey, que ela preside.

"É ainda mais importante agora que o nosso grupo esteja conectado, independentemente da forma que assuma", disse ela.

O bispo Kenneth Carter, presidente do Conselho de Bispos e líder da Conferência da Flórida, disse que a denominação continua enfrentando um tempo no deserto.

"O deserto é um momento em que as coisas voltam ao básico", disse ele. "Os rabinos chamavam de escola da alma, e acho que é um momento em que a igreja redescobre o que somos".

Ao enfrentar o desconhecido, os membros da igreja podem se consolar com o fato de Jesus já ter passado seu próprio tempo de provação de alma no deserto - um tempo que o romancista Jim Crace chamou “Quarentena.

Bryan, o delegado da Conferência do Missouri, vê o potencial neste momento de distância social, que os membros da igreja vai redescobrir o que os une.
 
"Oro para que essa pandemia nos ajude a perceber que nossas diferenças teológicas não são tão significativas quanto parecem", disse ele. “Talvez depois disso possamos descobrir que realmente somos todos um em Cristo Jesus, como as Escrituras nos dizem que somos.”

*Hahn e Hodges são escritores do Notícias Metodista Unida. Entre em contato com eles pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

 

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected] 

Missão
Marinheiros do navio-hospital USNS Comfort elevam as cores enquanto o navio está atracado no porto de Nova York, em apoio aos esforços de resposta do país ao COVID-19. Os líderes metodistas unidos estão pintando uma imagem preocupante do impacto do coronavírus em Nova York e Nova Jersey. "Este é o nosso novo 11 de setembro em Nova York", disse o bispo da região de Nova York Thomas J. Bickerton. Foto cedida por Sara Eshleman, Marinha dos EUA.

A Igreja no Epicentro da Pandemia nos Estados Unidos

Os líderes metodistas unidos pintam uma imagem preocupante do impacto do coronavírus em Nova York e Nova Jersey e mostram como a igreja continua a funcionar.
Igreja Local
Elizabeth Knotts recolhe a oferta na Igreja Metodista Unida de New Hope Valley, em Valley Furnace na Virgínia Ocidental (Washington), em 2015. As igrejas estão lidando com finanças apertadas neste momento de cultos suspensos e negócios fechados por causa do COVID-19. Ainda assim, a doação continua. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

A pandemia representa um desafio para a doação nas igrejas

As igrejas ainda precisam coletar uma oferta, mesmo quando o distanciamento social significa que não podem passar despercebidas. Mas os líderes da igreja também querem ser sensíveis às próprias necessidades econômicas dos fiéis.
Missão
As congregações Metodistas Unidas na Europa estão tentando responder à situação atual com confiança, criatividade e grande comprometimento. Cortesia gráfica da Wikipedia.

Esperança e ajuda em tempos difíceis

As congregações Metodistas Unidas na Europa estão tentando responder à situação atual com confiança, criatividade e grande comprometimento.